Páginas

sábado, 31 de dezembro de 2016

PRÓSPERO ANO NOVO!

PRÓSPERO ANO NOVO!


Para ser feliz,
próspero,
vencedor,
receber amores e dádivas,
bênçãos e distinções,
podes formular votos,
tecer esperanças,
alinhavar projetos,
enumerar decisões,
vestir cores certas,
brindar à sorte.
Porém,
se no coração,
o homem velho prossegue,
se o ontem ainda te governa,
se melhoras apenas te farão,
mais forte no que te é dispensável,
então prosseguirás,
ano após ano,
imerso no mesmo tempo,
estacionário,
por livre e espontânea vontade,
de um eterno ano velho,
passado.

André Luiz

ONDE FOI PARAR O CORPO DE JESUS?

E O CORPO DE JESUS ? Onde foi parar ? O que aconteceu com ele ?

A imagem pode conter: área interna
Certa feita assistimos uma película bastante interessante. Com a denominação de A investigação, o filme nos remete aos anos seguintes à morte do Cristo.

A intenção parece clara, a princípio: tentar provar que verdadeiramente o Mestre não ressuscitou.

É que os homens, por não entenderem das questões, acreditam que Jesus ressuscitou e apareceu com Seu corpo de carne.

De fato surge a pergunta: O que aconteceu com o corpo de carne de Jesus?

Pois se o corpo com que se apresenta à Madalena, aos discípulos e ascende aos céus, na Galiléia, é um corpo espiritual, diferente - onde está o de carne, que foi sepultado nos jardins de José de Arimatéia?

Teriam os discípulos furtado o corpo?

Possivelmente, não. Os quatro Evangelistas nos dizem que os discípulos se espantaram ao receberem a notícia da ressurreição do Cristo.

À época, eles não entendiam as questões mais profundas que dizem respeito ao corpo espiritual.

Eles estavam amedrontados, temiam as perseguições. Seriam incapazes de uma ação que requeria coragem, desde que os sacerdotes haviam tomado todas as providências para que o corpo não caísse nas mãos dos Apóstolos.

Teriam os sacerdotes furtado o corpo?

Também não. Eles, em especial, tinham o máximo interesse em conservar o corpo de Jesus no túmulo.

Seria muito oportuno apresentar o corpo, quando os discípulos começassem a pregar o Evangelho do Senhor e falassem da ressurreição. O que eles desejavam mesmo era mostrar o corpo sepultado de Jesus, para provar que Ele não tinha a capacidade de ressurgir, como afirmara antes da Sua morte.

Mas por que o corpo deveria desaparecer?

É bom levar em consideração que até então, tanto os sacerdotes como os discípulos de Jesus levavam Suas palavras ao pé da letra. Não tinham idéia exata de como o Espírito sobrevivia à matéria.

Se, portanto, os discípulos vissem o corpo de Jesus se dissolvendo no túmulo, pelo processo natural pós-morte e O vissem, ao mesmo tempo, vivo, ressuscitado, tomariam o Mestre por uma visão. Não acreditariam no que tinham visto.

Dessa forma, o desaparecimento do corpo de Jesus trouxe duas vantagens ao movimento nascente.

Primeira, fortificou a fé dos discípulos que, vendo o Mestre materializado perante eles, não mais duvidaram da Sua missão e saíram a pregar o Evangelho.

Segunda, deixou os sacerdotes sem nenhuma arma para contradizer os ensinos de Jesus. Não puderam semear a confusão, como pretendiam, no seio do Cristianismo.

Como desapareceu o corpo de Jesus? Possivelmente, Ele mesmo, o Senhor dos Espíritos, com todo o Seu poder, o terá desmaterializado. Já de outra feita, ainda em vida terrena, isso realizara, para escapar da sanha assassina dos que O pretendiam matar, lançando-O de cima de um grande monte.

Ou então, amigos de Jesus transportaram o Seu corpo para algum túmulo distante e desconhecido. Ali se desfez, retornando a matéria ao reservatório da natureza, em processamento natural.

De uma ou de outra forma, foi uma medida muito acertada para se evitar conseqüências danosas ao futuro do Evangelho. Com certeza, também para evitar que o Seu corpo se tornasse fruto de veneração, idolatria, em detrimento dos Seus ensinos imperecíveis.

Afinal não foi o próprio Cristo que ensinou que se deveria adorar ao Pai em Espírito e Verdade? Como poderia Ele não providenciar para que o Seu corpo não se tornasse objeto de disputa ou adoração indevida?

Mesmo na morte, percebe-se a grandeza desse Espírito excelso que é o Senhor Jesus, nosso Irmão e Mestre.

- fonte:
Redação do Momento Espírita

Irmãos da Nova Era Espírita

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

VIDÊNCIA E CLARIVIDÊNCIA

É possível enxergar o Mundo Espiritual e o Futuro ? VIDÊNCIA E CLARIVIDÊNCIA !


VIDÊNCIA E CLARIVIDÊNCIA

Clarividência
PERALVA
- É a faculdade pela qual a pessoa vê espíritos com grande clareza = vidência clara;
- O médium vê (e ouve) através da mente, que funciona como um prisma, filtro, que reflete diversamente quadros e impressões idéias e sentimentos iguais na sua origem. 

ARMOND
- Vidência ou Clarividência = visão hiperfísica. 

RAMACHARAKA
- Clarividência = Visão Astral = permite ao homem receber vibrações luminosas astrais de longas distâncias;
- Todas as pessoas têm estas percepções, no entanto, nem todas as têm desenvolvidas de forma que possam usá-las conscientemente;
- Apresentam fugazes momentos de percepção astral, entendendo, ape- nas, que algo “penetra em sua mente”. Entre- tanto, descartam a im- pressão, como se fosse simplesmente uma ilu- são.

De olhos bem fechados!
PERALVA:
- A visão ocorre também de olhos fechados, e pode ser ainda mais nítida e mais definida;
- Não vemos nem ouvimos com olhos e ouvidos corporais;
- Sono: com a alma liberta, ao dormir, se pode ver (ouvir e sentir) sem a cooperação de órgãos físicos, confirmando que a vidência (e a audiência) independem dos órgãos visuais (e auditivos). 

A “vista sem os olhos” , pela fronte, ouvido, estômago, ponta dos dedos, pés, joelhos, pela visão interior, através dos corpos opacos ou longas distâncias quilométricas [...] não é por aí que ela se opera; é o espírito que vê.
(FLAMMARION, 1939, p.164)

Conforme explica Allan Kardec, na dupla-vista se vê com os olhos fe-chados ou aber-tos, por isso, po-de-se concluir que também os cegos vêem espí-ritos.
(RAMATIS, 1961, p. 139)

[...] Se vê e se ouve por todo o perispírito.
(ARMOND, 1992) 

Pontos de Vista
PERALVA
- Os médiuns presentes em local fechado, ou qualquer outro, podem ver (e ouvir) diferentemente quando de uma ocorrência
“supranormal”;
- Depende do estado mental de cada um;
- As percepções, pois, ocorrem em diferentes perspectivas;
- Comparado à claridade da lâmpada, o fenômeno psíquico pode ser único, mas poderá ser observado e interpretado de várias maneiras, conforme a filtragem mental de cada medianeiro. 

O assistente Áulus, em resposta a Hilário, esclarece:
─ O círculo de percepção varia em cada um de nós.
Ele acrescenta como exemplo:
─ Uma lâmpada exibirá claridade lirial, em jacto contínuo, mas, decerto estará submetida à cor e ao potencial de cada um desses filtros, embora continue sendo sempre a mesma lâmpada a fulgurar em seu campo central de ação...
(Francisco Cândido Xavier. Nos domínios da mediunidade. Pelo espírito de André Luiz) 

PERALVA
- Cada mente tem uma capacidade peculiar de percepção dos fenômenos, registrando-os, assim, de modo variado;
- Um médium pode observar aspectos despercebidos a outros;
- O médium esclarecido, consegue compreender que os fenômenos espíritas, por serem transcendentes, es-tão ainda longe de ser to-talmente compreendidos por nós.
Classificação

ARMOND
- Esta é uma mediuni- dade cujo fenômeno classifica-se como LUCIDEZ;
- Segundo Richet, é uma faculdade espontânea, independente dos sentidos físicos e de efeitos telepáticos;
- Através dela, os médiuns podem ver (ouvir e conhecer) além dos sentidos comuns e dos limites vibratórios da luz (e som) comumente percebidos no mundo físico.
Haverá um ponto ou um momento em que as vibra-ções dos dois mundos, cada uma na sua espécie, se equi-librarão, o mais alto do mundo físico fundindo-se ao mais baixo do mundo hiperfísico.
[...] O médium de lucidez é aquele que possui a capa-cidade (visão, audição ou intuição) levada a esse pon-to de equilíbrio, de sintonia, que o coloca entre os dois mundos, sendo-lhe ambos acessíveis. 

Vidência Ambiente ou Local
Opera-se no ambiente onde o médium se encontra;
- Ele pode ver espíritos presentes, cores, luzes, formas; sinais, quadros e símbolos projetados mentalmente pelos instrutores invisíveis, ou qualquer espírito, no seu campo de visão;
- Também poderá ler palavras ou frases inteiras, também projetadas por espíritos comunicantes, caracterizando desenvolvimento do fenômeno, pois ocorre com maior nitidez;
- Os símbolos, letras e palavras, nem sempre claros ou apropriados, podem ser até inexpressivos, pois dependem da capacidade imaginativa, da inteligência ou do poder mental do espírito comunicante. 

Clarividência Simples (Ramacharaka)
- Percepção pelo médium dos “raios luminosos astrais” (radiações emitidas por todas as formas de matéria em todas as direções) de um ponto próximo;
- Pode perceber o que ocorre num cômodo próximo, ou quando mais desenvolvido, ler o conteúdo de uma carta fechada;
-Pode ver através de objetos, paredes, corpo humano, sólidos em geral, como se estivesse tirando um “Raio X”;
-Pode-se ver o funcionamento dos órgãos e as cores áuricas.

Vidência do Espaço (Armond)
O médium vê cenas, quadros, sinais ou símbolos em locais longe de onde realiza o trabalho;
- Pode-se ver de duas formas:
- Pelo Tubo Astral:
- Leadbeater explica que funciona como se fosse um foco formado por um número de linhas paralelas de átomos astrais polarizadas para tal função; eles formam uma espécie de tubo pelo qual o médium olha; as imagens são de tamanho reduzido, porém nítidas.
- Ou por fio transmissor feito de matéria astral pelos instrutores invisíveis e que sendo uma linha de partículas fluídicas transmitem vibrações de extremo a extremo, por meio da qual a vidência se exerce. 

Por Desdobramento: 
- O médium desloca-se no astral com seu espírito exteriorizado do corpo físico; assim pode dirigir-se ao local da cena para observá-la; neste caso a visão é mais nítida e completa.
- Ocorre, ainda, de os instrutores espirituais mergulharem o médium em sono sonambúlico e o transportarem aos lugares desejados, quando ele ainda não tem a capacidade de desdobramento; neste caso, o médium pode narrar o que vê, mesmo em sono sonambúlico, ou a descreve quando regressa e desperta no corpo físico. 

Vidência do Espaço (Ramacharaka)
Idem a “Vidência do Espaço” descrita por Armond;
- Compara o “Tubo Astral” com um telescópio que auxilia o médium a perceber cenas longínquas: de poucas milhas de distância a quaisquer partes da Terra, inclusive de outros planetas;
- Tubo Astral = Telégrafo Astral = Corrente Astral
- Bola de Cristal (ou objetos similares) = meio fácil para o médium criar o Tubo Astral, usando o cristal como ponto de partida;
- Tubo Astral = método mais comum comparado à projeção ou deslocamento no astral;
- Poucas pessoas tem conhecimento suficiente que as habilita às incursões astrais conscientes. 

Vidência no Tempo
Num ângulo de tempo, ou seja, em “um momento”, entre dois ci- clos de tempo, o olhar do médium pode abranger o que já foi e o que ainda vai ser.
- Visão do passado = rememorativa;
- Visão do futuro = profética.
- [...]Segundo Marin, o futuro não está preparado mas sim realizado constantemente no Tempo (ARMOND, 1992).
- Neste caso, o médium pode estar desdobrado e deslocar-se onde estão os clichês astrais ou podem estes ser projetados por espíritos instrutores no ambiente onde o médium se localiza. 

Vidência no tempo (Armond)
- O vidente vê cenas que represen- tam fatos a ocorrer ou ocorridos em outros tempos;
- Ele tem acesso aos registros da eternidade (akasicos) que se mostram a ele como uma fita cinematográfica; Slide 18Assim, tem a visão nítida de acontecimentos passados e futuros;
- Os fatos relacionados com a vida dos indivíduos ou das coletividades gravam-se indelevelmente em registros são etéreos e se arquivam em lugares ou repartições apropriadas do Espaço, sob a guarda de entidades responsáveis em certos casos, podem ser consultados ou revelados a Espíritos interessados na rememoração do passado (ARMOND, 1992). 

Clarividência do Passado
O médium vê algo muito distante no passado, que APARENTEMENTE pereceu;
- No entanto, os registros akasicos, que estão num plano muito mais elevado que o astral, são refletidos no astral
Slide 19
como se fossem nuvens refletidas num lago;
- O observador, então, vê a duplicação, mesmo sem poder ter acesso a origem;
- Assim como o lago apresenta oscilações que perturbam a perfeição da imagem, o mesmo ocorre com a luz astral;
- [...] Somente as inteligências mais adiantadas têm livre acesso a esses registros – ou, melhor, o poder de os ver (RAMACHARAKA, 1947, p. 91).

Clarividência do Futuro
- [...] Na luz astral, se encontram débeis e imperfeitos reflexos das operações da grande lei de causa e efeito, ou antes, as sombras impressas com antecipação à chegada dos sucessos
(RAMACHARAKA, 1947, p. 92);
Slide 20 

- Alguns têm a capacidade mediúnica de ver as coisas que as sombras e reflexos causam de um ponto de vista muito aproximado, outros, no entanto, em função de um menor grau de desenvolvimento psíquico, apenas vêem os pobres reflexos, falseados e incertos, causados pelo “encrespamento” da superfície da luz astral (idem). 

Vidência e Evangelização
- Vidência = Dupla-Vista = Vista-Dupla
- Vidência Indireta Mental ou Astralina Direta: dependem da maior ou menor sensibilidade psíquica da criatura;
- A graduação moral do ser é que interfere na segurança, exatidão e proveito;
- Verificar a índole e a moral do médium, pois ele se liga aos espíritos de mesma estirpe espiritual;
- Médium de Vidência Intuitiva: moral superior e propósitos superiores.
- Visão Astralina Avaçada ou Vista-Dupla Direta: a companhia de espíritos malfeitores procuram-se ligar aos videntes excepcionais, mas de moral duvidosa com a intenção de afastá-los o mais cedo possível dos ambientes moralizados, neutralizando sua vidência esclarecedora.
O médium, pois, intuitivo ou de vista-dupla direta, antes de se preocupar com o êxito e o poder descritivo de sua faculdade, deve primeiramente evangelizar-se, a fim de assegurar o teor verídico e o sentido benfeitor daquilo que “vê” ou “sente” no limiar do mundo invisível dos espíritos desencarnados (RAMATIS, 1961, p. 131).

Vidência Ideoplástica
- É comum ocorrer diferença entre a verdadeira configuração perispiritual dos desencarnados e as pinturas mediúnicas;
- As ondas e radiações do astral superior são configuradas num plano da 4ª dimensão, por isso nem sempre se ajustam com exatidão às formas 3D da visão carnal;
- A captação do médium, é menor do que a emissão do plano superior, ocorrendo desa-juste, pelo aceleramento e fuga vibratória do plano astral;
- Três dificuldades características dos médiuns videntes ou desenhistas:
- O médium apenas sente a vibração do desencarnado e confunde com a imagem que “vê” mentalmente no momento que desenha;
- O médium capta na cortina astral a imagem projetada por um encarnado que pensa em alguma entidade querida por si naquele momento;

O médium não possui habilidade, apresentando deficiência técnica ao desenhar, que junta-se a uma faculdade incipiente e incapaz de pressentir com proficiência o modelo desencarnado
(RAMATIS, 1947, p. 133).

... Há em nós um ser mental que pensa, quer, e leva sua ação além da periferia dos sentidos orgânicos, as observações, não menos certas, da vista sem olhos irão oferecer-nos o mesmo testemunho, independentemen-te dos precedentes, mas confir-mando-os e completando-os.
(FLAMMARION, 1939, p. 163) 

Referências
- ARMOND, Edgar. Mediunidade. São Paulo: Aliança, 1992.
- FLAMMARION, Camille. A morte e seus mistérios: Antes da Morte. Volume 1. Rio de Janeiro: Federação espírita Brasileira, 1939.
- http://forum.outerspace.terra.com.br/showthread.php?t=163259
- MAES, Hercílio. Mediunismo. Pelo espírito de Ramatis. São Paulo: Livraria Freitas e Bastos, 1961.
- PASTORINO, C. Torres. Técnica da mediunidade. Rio de Janeiro, 1969 (não publicado).
- PERALVA, Martins. Estudando a mediunidade. Rio de Janeiro: Federação espírita Brasileira, 1987.
- RAMACHARAKA, Yogi. Catorze lições de filosofia Yogui. Coleção Yogi. São Paulo: O Pesamento, 1947. 

ENCONTRADA NA CAMPANHA PINTURAS RUPESTRE.


 Vejam só o que o meu amigo Maurílio Villamarim descobriu aqui no município da Campanha.
Isto é incrível. Precisa ser levado ao conhecimento de estudiosos e pesquisadores. 
 
PINTURA RUPESTRE - CAMPANHA-MG - 29/12/2016 - 12:29h - Maurílio Villamarim. - Projeto Pedra Inclinada - Abertada da Pegada - Mão de Três Dedos.
Este animal "PEGADA", no país Celta representa os raios luminosos e o nome de
Deus.- Na India ele é sinal de Shiva, o Deus todo poderoso da Trindade Hindu. Na Sibéria ele é visto sobre as vestes dos Xamãs, para assinalar o seu caráter mágico, quase sagrado que corresponde ao feiticeiro ou aquele que cura. Esta Pintura Rupestre foi localizada no Município da Campanha/MG em 1996 por Maurílio Villamarim. LOCAL: Área Rural da porção NE. Nesta oportunidade foi constatada que a tinta usada na Pintura Rupestre era Óxido de Ferro misturado com algum tipo de Óleo Vegetal. O desenho, segundo a pesquisa pode também ter sido realizado a partir de uma Tinta Natural feita de solo - "Latossolo" vermelho "Eutrófico Ácido" (Óxido de Ferro FeO2), sangue de animais com resinas de árvores misturadas. O desenho está em uma área da rocha onde o "Lacólito" PODE SER DE MILHÕES DE ANOS ATRÁS, havendo a possibilidade de ser de antigos indígenas Guaranis que habitavam a área do Sul de Minas Gerais pré e pós Cabral. Uma outra hipótese é de que a área do Desenho Rupestre é mais antiga do que todo o lageado e o desenho pode ter sido feito por pessoas anteriores aos aborígenes citados, o que torna muito mais antigo do que a presença dos indígenas guaranis. O Projeto completo foi elaborado pelo GEACAMP (Grupo de Estudos Geográficos Campanhense), composto por Alexandre Fernandes, Fernando Nani, Itamar Borges, Jefferson Melo, Luiz Gustavo Mendes e Maurílio Villamarim, sendo que o Relatório das Observações de Campo foi concluído em 09 de Janeiro de 2006. O local não foi divulgado amplamente com o único objetivo de conservar a Pintura Rupestre.
 Maurilio Villamarim

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

CURSO DE ELÉTRICA E HIDRÁULICA.

CURSO DE ELÉTRICA E HIDRÁULICA
Continuamos com as inscrições sendo feitas no FOTO FÊNIX, ao lado da Prefeitura.
Candidatos a partir de 15 anos.

A VIAGEM CONTINUA.

A VIAGEM CONTINUA

Resultado de imagem para fotos de passaros voando
Não admitas que desalento e azedume te anulem a confiança em Deus e em ti mesmo...
Estamos todos num curso de aperfeiçoamento espiritual valendo por viagem difícil para os Cimos da espiritualidade.
Toda subida exige suor.
Se já retiraste do vale, no encalço dos montes dedicados ao conhecimento superior, onde se te descerrarão novas luzes segue adiante e não desanimes.

Terás talvez perdido certas preciosidades.
Não te impressiones.
Sabes que os Mensageiros da Luz te esperam à frente e não se te faria possível alcança-los sob o peso de bagagem excessiva.

Provavelmente, sofreste o afastamento de amigos.
Não te aflijas.
Seguindo sempre, obterás mais facilmente as condições precisas a fim de auxilia-los para que se te reinstalem na equipe.

Pessoas amadas resolveram descansar, sem necessidade, nas margens da senda, impondo-te o desapontamento da separação temporária.
Não te incomodes.
Todas elas serão compelidas pelas circunstâncias a retomarem o caminho.

Sugestões de imaginária fadiga te empalidecem o ânimo.
Não te deixes abater por impressões negativas.
Trazes contigo o manancial da fé, sobre o qual se te apoia sustentação na jornada.

A morte, em vários casos, te haverá furtado à presença alentadora de alguém, cujo carinho te escorava a sensibilidade no dia-a-dia.
Não te interrompas, porém.
Essa criatura se adiantou na estrada, de modo a aguardar-te, com mais riqueza de amor, no Mais Além.

Haja o que houver não te detenhas na subida escabrosa porque a viagem continua independentemente de nossa própria vontade, e essa viagem é a própria vida que Deus nos concede a cada um para que, gradativamente, nos desfaçamos de qualquer sombra na conquista da luz.

EMMANUEL
(Do livro "Linha Duzentos", Francisco Cândido Xavier)

GALENO AMORIM.


Olá, José Milton!  

Agora que seguimos, céleres, rumo a 2017, é hora de parar,
por alguns instantes, e... abrir um livro.
Isso mesmo! Só que não é mais um desses tantos livros ou
livrinhos que pessoas como eu e você costumamos, o ano
inteiro, abrir, fechar e folhear à mão cheia. Não!
Trata-se, nesse caso, de um outro livro. Um livro único.
É justamente esse livro - eu me refiro a ele no pequeno vídeo, abaixo -
que eu desejo, de coração, que você abra agora e em 2017,
para que seu Ano seja realmente Novo!

 Um graaaande 2017 para você e para os seus!
Abração do
Galeno

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

AQUI NASCEU VITAL BRAZIL MINEIRO DA CAMPANHA.


 Nesta casa no dia 28 de abril de 1865 nasceu aquele que viria a ser o mais importante filho da Campanha graças as suas atividades em prol da saúde e da vida, Dr. Vital Brazil Mineiro da Campanha.
Graças as suas pesquisas científicas, milhares de vidas foram salvas em todo o mundo. Nesta casa hoje, temos o Museu Vital Brazil, onde se pode conhecer um pouco de sua vida e de seu importante trabalho.
Muito me entristece ver e ouvir o quanto o nosso ilustre conterrâneo é desconhecido, até mesmo aqui na região e não só ele mas a nossa própria cidade que é a mãe do Sul e Sudoeste de Minas. Vamos dar um voto de confiança à nova administração que assume a nossa cidade na próxima segunda-feira. Nosso prefeito está escolhendo muito bem seus auxiliares e vamos ficar aqui na torcida e na cobrança para que Campanha saia dessa letargia e obscuridade.

BILL GATES ELEGE SUAS LEITURAS FAVORITAS DE 2016.

Bill Gates elege suas leituras favoritas de 2016

Felipe Gugelmin - TecMundo - 07/12/2016

Um dos nomes responsáveis pelo sucesso da Microsoft, Bill Gates continua sendo uma figura pública influente mesmo não exercendo mais o cargo de CEO da empresa. Ciente disso, ele costuma postar em seu blog pessoal opiniões sobre o mundo da tecnologia, política e outros assuntos.

Gates também mantém a tradição de recomendar alguns livros que o inspiraram a ter novas ideias e descobrir novos assuntos. “Ler livros é minha maneira favorita de aprender sobre um novo tópico. Tendo lido uma média de um livro por semana desde que era criança. Mesmo quando meu calendário está fora de controle, eu dedico muito tempo à leitura”, afirmou ele em seu blog oficial.

Em 2016, Gates elegeu como suas melhores leituras livros que tratam de assuntos que vão da tecnologia do genoma até lideranças políticas. Confira a seleção feita pelo “pai” da Microsoft, notando que a maioria dos títulos infelizmente ainda não possui uma tradução oficial para o português.

String Theory – David Foster Wallace

“Esse livro não tem nada a ver com Física, mas seu título vai fazer você parecer muito esperto caso esteja lendo em um trem ou em um avião”, afirma Gates. A obra de Wallace reúne ensaios do romancista sobre tênis, esporte que ele usa como base para falar sobre suas experiências de vida e outros assuntos.

A Marca da Vitória – Phil Knight

A biografia do cofundador da Nike mostra como ele ajudou a estabelecer sua companhia como uma das principais referências esportivas do mundo. “Aqui Knight se abre de uma maneira que poucos CEOs querem fazer. Eu não acredito que Knight quer ensinar algo ao leitor. No lugar disso, ele faz algo melhor. Ele conta sua história da maneira mais honesta possível. É um conto incrível”.

O livro conta como a Nike se transformou em uma das marcas mais fortes do mundo
O Gene – Siddhartha Mukherjee

“Em seu livro mais recente, Mukherjee nos guia pelo passado, presente e futuro da ciência do genoma, com um foco especial nas grandes questões éticas que as mais recentes e maiores tecnologias da área provocam. Mukherjee escreveu esse livro para uma audiência leiga porque ele sabe que as novas tecnologias de genoma estão prestes a nos afetar de maneiras profundas”, explica Gates.
The Myth of the Strong Leader: Political Leadership in the Modern Age – Archie Brown

Os líderes que fazem a maior contribuição para a história e para a humanidade em geral não são aqueles percebidos como ‘fortes’

“Brown mostra que os líderes que fazem a maior contribuição para a história e para a humanidade em geral não são aqueles percebidos como ‘fortes’. Na verdade, eles tendem a ser aqueles que colaboram, delegam e negociam — e reconhecem que nenhuma pessoa tem ou deveria ter todas as respostas”.

Bill Gates cita como “menção honrosa” a obra “The Grid: The Fraying Wires Between Americans and Our Energy Future”, de Gretchen Bakke, que trata sobre o envelhecimento da infraestrutura elétrica dos Estados Unidos. “Mesmo que você nunca tenha pensado um momento sobre como a eletricidade atinge seu destino, acredito que esse livro vai convencê-lo a ver a grade elétrica como uma das maiores maravilhas de engenharia do mundo moderno”, explica.

UM DIA AS PESSOAS SE VÃO.

UM DIA AS PESSOAS SE VÃO

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, pessoas dormindo e bebê
Um dia, sem aviso prévio, as pessoas se vão e nos deixam de lembrança suas histórias. Sejam elas as vividas, ou as sonhadas. E as histórias de quem se foi, é a forma mais gostosa de eternizar aquela pessoa na gente.
Quando uma pessoa querida se vai, ela nos deixa uma parte de si. Deixa também um pouco de solidão. E a solidão, com o tempo se torna amiga. E assim, descobrimos com as pessoas que se foram, que um belo abraço e um olhar carinhoso sempre se faz presente, e, que nada verdadeiramente grande se faz sem uma parcela de amor.
Lembro-me como se fosse ontem do dia em que meu pai partiu. Eu não era lá um filho muito carinhoso, confesso. Já ele, também sempre foi um homem de poucas palavras quando o assunto eram os sentimentos. Nos bastávamos assim. Um pouco antes de partir, daquele seu jeito único que mesclava rispidez e sinceridade, ele parou alguns segundos e começou a divagar comigo. E, entre olhares e choros contidos, me disse da forma mais sincera possível que no leito de morte nós somos pessoas de verdade. Somos, pois conseguimos clarear os horizontes e sentir a emoção que é vivida naquele instante. Não há outras preocupações além de viver os últimos instantes que temos.
Ainda criança, olhei para ele um pouco sem chão e perguntei como iria conseguir me refazer sozinho. E com um sorriso que pouco havia visto, ele me disse com os olhos cheios de lágrimas que: São belas as aves que voam sozinhas.
A verdade é que um dia, cedo ou a tarde, a dor invade sem pedir licença. Se coloca ao nosso lado, conversa com a gente e nos diz que não irá embora até conversarmos com ela. A dor engana, cria ilusão, se faz infinita. Hoje, sendo uma ave que voa sozinha, aprendi que o amor de uma pessoa que se foi, na verdade, não nunca se vai. Ele fica. Nas histórias, na saudade e na esperança certeira dela estar sempre torcendo por nós.
Com alguns dias cheios de choro, e algumas pessoas perdidas, a gente aprende que a vida não passa de uma oportunidade de encontro. Encontrar quem a gente ama, nos doar inteiramente e saber que, mesmo não parecendo, isso foi o suficiente.
A saudade sempre grita. Mas a certeza do coração, diz à ela que um dia a gente irá descobrir que o amor é a compensação da morte. Então, que a gente consiga valorizar e compreender mais as pessoas. Pois, todo coração pede, implora, uma oportunidade de deixar seu amor eterno na gente.

Por Frederico Elboni

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

RESIDÊNCIA DA FAMÍLIA DE CARLOS RIBEIRO.


Esta é a a residência da família do senhor Carlos Magno Ayres Ribeiro, na rua Dr. Brandão.A sua esquerda era vizinho a Casa Pedrinho, do senhor Augusto Dias e a sua direita  me lembro morando na esquina a família do senhor José Nani.
Uma tradição mantida pela família até os dias de hoje, é o passo da Semana Santa.

MAIORIA DOS ALUNOS BRASILEIROS NÃO SABE FAZER CONTA E NEM ENTENDE O QUE LÊ.

Maioria dos alunos brasileiros não sabe fazer conta nem entende o que lê

Bruna Souza Cruz e Ana Carla Bermúdez - UOL - 06/12/2016


Dados do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) 2015, divulgados nesta terça-feira (6), indicam que o desempenho dos estudantes brasileiros em matemática e ciências piorou em comparação aos dados de 2012. Quando o assunto é a capacidade de leitura, os resultados seguem preocupantes, já que a média não mudou desde então– quando a pontuação já era considerada ruim.

Em matemática, de acordo com o relatório, 70,3% dos estudantes brasileiros ficaram abaixo do nível 2 de desempenho na avaliação –patamar mínimo estabelecido pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) como necessário para que o estudante exerça plenamente sua cidadania. Na prática, os alunos não conseguem responder às questões da disciplina com clareza e não conseguem identificar ou executar procedimentos rotineiros de acordo com instruções diretas em situações claras.


A média nacional nessa disciplina foi de 377 pontos, muito abaixo da média da OCDE (490). Para se ter uma ideia, as regiões que tiveram as maiores médias foram Cingapura (564), Hong Kong – China (548) e Macau – China (544). Em 2012, a média nacional na mesma disciplina foi de 389. Com isso, o país registrou recuo em seu desempenho.

Segundo a publicação, a habilidade em matemática é definida como a capacidade individual de formular, empregar e interpretar a matemática em uma série de contextos. Isso inclui o raciocínio matemático e o uso de conceitos, procedimentos, dados e ferramentas para descrever, explicar e prever fenômenos. Há seis níveis de proficiência na disciplina.

Metade dos alunos brasileiros continuam com dificuldades de interpretação

Os dados do Pisa 2015 também apontam que 51% dos estudantes não possuem o patamar que a OCDE estabelece como necessário para que se possa exercer plenamente sua cidadania, considerando sua capacidade de leitura. Eles não ultrapassaram o nível 2 dentro da escala de avaliação.

Com isso, é possível afirmar que os jovens brasileiros têm dificuldades em lidar com textos e documentos oficiais, como notas públicas e notícias. Além disso, têm problemas para interpretar informações e integrar contextos.

A pontuação do Brasil foi de 407, enquanto que os países da OCDE tiveram uma média de 493. A média brasileira foi a mesma de três anos atrás, na última edição do Pisa.


Na outra ponta, os jovens brasileiros têm mais facilidade em lidar com textos pessoais, como e-mail, mensagens instantâneas, blogs, cartas pessoas e textos informativos. Eles também são bons em localizar e recuperar informação dentro de um texto quando necessário.

Com sua pontuação, o Brasil teve o desempenho inferior ao de regiões como Cingapura– que ficou em 1º lugar com 535 pontos, Canadá (527) e Hong Kong (China) (527).

O desempenho geral dos estudantes brasileiros em leitura está abaixo da média da OCDE desde o início das avaliações da disciplina, em 2000 – conforme mostra o gráfico acima.

Desempenho em ciências segue estagnado

Em ciências, quando são avaliadas a capacidade de lidar com conceitos, teorias, procedimentos e práticas associadas à investigação científica, o Brasil contabilizou média de 401 pontos, valor também inferior ao dos estudantes dos países membros da OCDE (493). Em relação ao Pisa anterior (2012), a média (402) não mostrou grande diferença. O país seguiu estagnado, já que a variação foi de apenas 1 ponto.


Ao comparar com a série histórica, nota-se que os brasileiros apresentaram um crescimento médio de 390 para 405 pontos entre os anos de 2006 e 2009. Mesmo assim, o desempenho dos alunos também já se mostrava ruim.

Dentro da escala de avaliação do ano passado, 56,6% dos jovens brasileiros tiveram desempenho abaixo do nível 2, ou seja, eles não são capazes, por exemplo, de identificar uma explicação científica, interpretar dados e identificar a questão abordada em um projeto experimental simples de complexidade mediana.

Escolas públicas federais ficam à frente das escolas particulares

Na separação dos resultados do Pisa 2015 por rede de ensino, a rede pública federal obteve o melhor desempenho, ficando alguns pontos à frente da média obtida pelos alunos de escolas particulares.

Na área de ciências, a média alcançada pelos alunos das escolas federais foi de 517 pontos, contra uma média de 487 pontos dos alunos de colégios particulares. Em leitura, os desempenhos médios foram de 528 e 493, respectivamente, para os mesmos casos. Já em matemática, enquanto a média obtida pelos alunos da rede de ensino particular foi de 463 pontos, os alunos da rede federal alcançam, em média, 488 pontos.

O desempenho dos alunos da rede pública federal também superou a média nacional em cada uma das três áreas avaliadas– 401 pontos em ciências, 407 pontos em leitura e 377 pontos em matemática.

Escala de proficiência

O estudo de 2015 avaliou 23.141 alunos brasileiros (de 841 escolas), com idades entre 15 anos e 16 anos matriculados a partir do 7º ano. O desempenho dos estudantes foi analisado com base em sete escalas, que vão de 6, a mais alta, até 1b, a mais baixa.

O que é o Pisa

O Pisa busca medir o conhecimento e a habilidade em leitura, matemática e ciências de estudantes com 15 anos de idade tanto de países membro da OCDE quanto de países parceiros. Ele é corrigido pela TRI (Teoria de Resposta ao Item). O método é utilizado também na correção do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio): quanto mais distante o resultado ficar da média estipulada, melhor (ou pior) será a nota.

A avaliação já foi aplicada nos anos de 2000, 2003, 2006, 2009 e 2012. A cada ano é dada uma ênfase para uma disciplina: neste ano, foi a vez de ciências.

Dentre os países membros da OCDE, estão Alemanha, Grécia, Chile, Coreia do Sul, México, Holanda e Polônia, dentre outros. Dentre os países parceiros, estão Argentina, Brasil, China, Peru, Qatar e Sérvia.

PAPA FRANCISCO PROÍBE CINZAS DE CREMAÇÃO.

PAPA FRANCISCO proíbe CINZAS de CREMAÇÃO - OPINIÃO EM TÓPICOS - Dezembro 2016


Resultado de imagem para imagem cinzas da cremação
               Confesso que me surpreendi. Tenho notado nas  declarações e atitudes do Papa Francisco um sentido de modernidade que vai ao encontro de grande parte dos costumes e aspirações de nosso tempo, a maioria dos quais ainda ontem combatidos pela Igreja.
                Mas essa de proibir se espalhem as cinzas da cremação do corpo de um ente querido na natureza, ou mesmo de guardá-las respeitosamente em casa, como lembrança material daqueles que partiram, contraria uma saudável tendência  ecológica e, penso, muito saudável. Em vez disso, o Vaticano recomenda que “as cinzas do defunto devem ser mantidas em um lugar sacro, ou seja, nos cemitérios”.
                O pó que (não) somos
                Não vejo nada mais “sagrado” do que a Natureza. E isso não significa necessariamente uma adesão ao que a Santa Sé classificou como “equívoco panteísta” ou “niilista”. Nosso corpo, segundo a própria tradição cristã, é parte intrínseca da natureza, pó ao qual retornará, quando dele tiver que se separar o espírito: “Memento, homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris” (Lembra-te, homem, que és pó e em pó te hás de tornar), dizia o padre no meu tempo de seminarista, fazendo uma cruz com cinzas em nossas testas, na quarta-feira que se sucedia ao carnaval.
Nesse mesmo sentido, numa perspectiva espiritualista, em que se tem o espírito como sendo nosso próprio “eu” e o corpo como sua roupagem provisória, jogar nossas cinzas ao mar, espalhá-las entre as árvores de um bosque ou, mesmo, guardá-las em aprazível recanto da casa que nos serviu de morada, são manifestações de carinho e reconhecimento à matéria que instrumentalizou o espírito na jornada finda.
                A “capsula mudi”
                Rubem Alves, escritor e educador, que nos deixou há cerca de dois anos, antes de morrer, pediu que cremassem seu corpo e jogassem as cinzas junto a um ipê roxo que ele havia plantado. Um jeito gostoso de mantê-lo fisicamente entre seus queridos.
                Mas, agora surgiu algo bem mais interessante. Li, esses tempos, sobre o projeto “capsula mundi”. Um italiano bolou uma cápsula orgânica e biodegradável projetada para transformar um corpo em decomposição em nutrientes para uma árvore. A ideia é de que o sujeito escolha a árvore em que deseja transformar seus restos mortais.
                Sina-sina ou araucária?
                Gostei da ideia. Se a moda pegar, fico na dúvida se opto por ser uma modesta sina-sina, arbusto humilde que povoou o cenário de minha infância, na região da Campanha do Rio Grande do Sul, ou uma majestosa araucária, tão abundantes foram elas no lugar, então ainda rico em matas, em que passei parte de minha juventude, na Serra Gaúcha.
                O que, decididamente, não quero – e tenho repetido com insistência isso a meus familiares - é que meu corpo se decomponha na fria tumba de um cemitério. Não vejo nada de sagrado nisso. Se existe algo de “sacro” na vida, é a própria vida, que transcende à morte e nos perpetua como seres inteligentes da natureza que integramos.
(Coluna publicada nas edições de dezembro/2015, dos jornais OPINIÃO, do Centro Cultural Espírita de Porto Alegre, e ABERTURA, do Instituto Cultural Kardecista de Santos)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

EDUCAÇÃO NA FINLÂNDIA.

Professores contam como estão aplicando no Brasil o que aprenderam na Finlândia

Mariana Della Barba - BBC Brasil - 07/12/2016

Todos saíram do Brasil com destino à Finlândia. Alguns, inclusive, decolaram no sol da Paraíba e desembarcaram em meio a muita neve em Helsinque.
 Mas nenhum dos professores brasileiros que foram fazer um treinamento em Educação no país nórdico reclamou do frio. Em conversa com a BBC Brasil, eles falaram, empolgados, sobre como estão implementando – ou pretendem implementar – o que aprenderam no país nórdico em suas salas de aula tropicais.

Damione Damito, por exemplo, criou um podcast para divulgar as práticas que viu na Finlândia para os colegas.

“Muitos me escrevem contando que, em um determinado ponto do programa, pensaram: ‘Espera, essa é a minha realidade também, acho que dá, sim, para fazer na minha sala de aula'”, conta Damito, que é professor do Instituto Federal de São Paulo.

Os brasileiros também elogiaram o fato de o sistema educacional finlandês se preocupar, segundo eles, mais com a autoestima e o avanço individual de cada aluno do que com a posição do país nos rankings internacionais de educação.

No último estudo Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), divulgado nesta semana, a Finlândia aparece em quinto lugar no ranking de ciências, quarto em leitura e 12º em matemática, entre 70 países. O Brasil, por sua vez, ficou em 63º lugar, 59º lugar e 65º lugar, respectivamente.

Os docentes brasileiros participaram de aulas, workshops, visitas a escolas, encontros técnicos e eventos culturais. Eles foram selecionados pelo programa Professores para o Futuro, do Ministério da Educação, e pelo projeto Giramundo, patrocinado pelo governo do estado da Paraíba, para passar alguns meses estudando a educação finlandesa no país. As duas iniciativas devem continuar em 2017.

Veja os principais trechos dos depoimentos dos professores a respeito do que aprenderam:

‘As iniciativas finlandesas podem ser aplicadas de maneira simples, sem muitos recursos’ – Damione Damito, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), viajou pelo projeto Professores para o Futuro.

Damione Damito criou um podcast para repassar conteúdo que aprendeu na Finlândia aos colegas de profissão
Damione Damito criou um podcast para repassar conteúdo que aprendeu na Finlândia aos colegas de profissão – Arquivo Pessoal
“Eu fui para a Finlândia em 2015. No programa em que estava, todos precisam desenvolver um projeto de pesquisa. O meu foi o podcast Papo de Professor, que segue no ar porque há cada vez mais demanda.

Esse meio é interessante porque o professor se sente parte de uma rodinha de discussão. Fora que ele tem um potencial muito grande de atingir professores a custo muito baixo,

De início, muitos acham que não dava para replicar (os métodos finlandeses) aqui. Mas no podcast eu e outros participantes damos dicas de como fazer isso. E muitos me escrevem contando que, em um determinado ponto do programa, pensaram: ‘Espera, essa é a minha realidade também, acho que dá, sim, para fazer na minha sala de aula’.

A ideia é mostrar que as iniciativas finlandesas podem ser aplicadas de uma maneira simples, sem muitos recursos. Sinto que os professores queriam mudanças mas não sabiam como colocá-las em prática. Então havia essa demanda. Em seis meses, tivemos 7 mil downloads únicos, sem divulgação.

Recebemos resposta positiva de professores de todo o Brasil e de outros países de língua portuguesa, como Portugal e Cabo Verde. Já gravamos alguns episódios em inglês também, que foram usados como referência de multiplicação de conteúdo pelo governo finlandês.

Os assuntos que geram mais discussão no podcast são a metodologia centrada no aluno e os PBL*. Apesar de tantas dificuldades que enfrentamos aqui, se o professor se esforçar para usar essa metodologia, as aulas serão mais legais para os alunos e até para eles mesmos.

Na Finlândia, fiquei muito impressionado logo de cara em como o ambiente de aprendizagem interfere no processo. Uma das salas das crianças têm bolas em vez de cadeiras – isso as acalma quando estão muito agitadas. Tudo é feito para o aluno gostar de estar em sala de aula. Elas têm sofá, pufe, pia, dá pra escrever em qualquer parede. Há paredes de vidro e em diferentes formatos. Tudo porque eles têm em mente que os alunos são diferentes e têm demandas diferentes. Eu me sentia muito confortável lá.

Mas eu esperava encontrar muita tecnologia, e não é bem assim. Tem o básico, um retroprojetor, iPad em algumas aulas. O importante, no entanto, não é isso.

É o ensino conectado com a realidade, é a aprendizagem ser significativa. Uma turma que acompanhei foi visitar um balé. Aprendeu conceitos de física como inércia e movimento com os passos de dança, vendo a bailarina rodar no próprio eixo. O professor de artes falou do contexto do espetáculo e o de história, do enredo.

Além do podcast, venho implementando aqui algumas práticas na minha sala de aula. Minha maior dificuldade é realmente na postura dos próprios alunos. Eles estão acostumados ouvir, anotar e a ver o professor transferindo conhecimento. Mas nesse projeto, os alunos viram protagonistas e encontram dificuldades.

Aos poucos, essa postura deles vem mudando. Estão se habituando a trabalhar baseados em projetos que eles mesmos definem, estão se adaptando e se empolgando.”

*PBL é a sigla de metodologias chamadas de “problem-based learning” e “project-based learning” (ensino baseado em problemas ou em projetos). Neles, diferentemente das aulas mais tradicionais, problemas fictícios ou reais são o ponto de partida do aprendizado. Os alunos aprendem na prática e buscam eles mesmos as soluções do desafio.

‘Sei que não se alcançam mudanças radicais a curto prazo, mas vou trabalhar para desenvolver autonomia dos alunos’ – Vilma Leitão, professora do Ensino Fundamental e Médio em Patos (PB), viajou pelo projeto Giramundo.

“Fiquei na Finlândia dois meses, e, logo nos primeiros dias, me chamou muito a atenção fato de o aluno ser prioridade total no processo, pois é ele próprio quem conduz e gerencia sua aprendizagem. Eles valorizam menos conteúdos ligados ao programa e mais o acompanhamento de como cada criança ou adolescente vai identificar e desenvolver suas competências.

Desde muito cedo, são observadas as necessidades e deficiências de cada aluno e elaborados planos individuais de estudos. Assim, todos têm o suporte necessário para superar possíveis dificuldades. Esse apoio vem do professor e de uma equipe formada por especialistas da escola que orienta os estudantes para que eles se tornem autônomos, motivados e confiantes.

Entendo que na educação não se alcançam mudanças radicais a curto prazo, mas vou adaptar as metodologias e práticas que observei na Finlândia à realidade da educação brasileira.

Vou procurar desenvolver a autonomia do aluno e incentivar o uso de ferramentas digitais numa perspectiva didática. Também vou mostrar a meus colegas a importância de se trabalhar com os alunos em grupo e com o chamado PBL para se criar um ambiente de aprendizagem efetivo, dinâmico e atraente para os alunos.”

Alunos são encorajados desde cedo a mostrar habilidades a colegas e melhoram autoestima, diz Alexandre D'Andrea - Arquivo Pessoal
Alunos são encorajados desde cedo a mostrar habilidades a colegas e melhoram autoestima, diz Alexandre D’Andrea – Arquivo Pessoal
‘Aprendi que professores são mais facilitadores da aprendizagem do que detentores absolutos do conhecimento’ – Alexandre D’Andrea, professor do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, em João Pessoa, viajou pelo projeto Giramundo.

“Um ponto importante que aprendi na Finlândia é que os professores atuam mais como facilitadores do processo de aprendizagem do que propriamente como detentores absolutos do conhecimento. Eles guiam os alunos, que têm liberdade de escolher as disciplinas pelas quais mais se interessam e desenvolver diversos trabalhos extraclasse.

Também me chamou a atenção o que eles chamam de positive feedback, ou reforço positivo, no qual os alunos desde cedo são encorajados a mostrarem as suas habilidades para os colegas e para o professor, aumentando gradativamente a sua autoestima. Com isso, ganham independência e autonomia na vida adulta e se tornam profissionais mais criativos e produtivos.

Aqui no Brasil estou aprimorando a adoção do chamado PBL, usando um problema ou fenômeno como ponto de partida para o desenvolvimento de habilidades e competências na sala de aula ou fora dela, como em visitas de campo.

Também tenho trabalhado com grupos de estudantes desenvolvendo projetos em ambientes naturais, como florestas e áreas protegidas. Além disso, faço palestras na região metropolitana de João Pessoa para multiplicar meu aprendizado para outros professores da rede pública.”

OS SOCORRISTAS DO MUNDO ESPIRITUAL!


Os SOCORRISTAS do MUNDO ESPIRITUAL ! Quem são, como agem, como NOS AJUDAM nos MOMENTOS DIFÍCEIS ?


Todos nós, em momentos cruciais de nossa caminhada, desejamos receber o socorro de que precisamos, vindos da família, dos amigos ou mesmo de estranhos. Os que confiam em Deus solicitam o auxílio do Alto e esperam, trabalhando na solução.
Há no plano espiritual aqueles que estudam e se preparam para o trabalho de socorro aos irmãos, que se encontram em meio às trevas mais densas.

No livro No mundo maior, a benfeitora Cipriana, chefe de uma equipe de socorristas, explica a André Luiz que ele não poderia acompanhá-los na tarefa a cumprir, só poderia ir até determinado ponto menos denso, pois carecia de habilitação no “Curso de assistência aos sofredores nas sombras espessas”.

Para cada situação, que atinge encarnados e desencarnados, há espíritos preparados para atendê-los em suas necessidades.

Em Missionários da luz encontramos Justina, aflita, solicitando socorro ao instrutor Alexandre para seu filho Antônio à beira da desencarnação, mas que precisa permanecer no corpo por mais alguns meses, a fim de resolver sérios problemas familiares, por viúvo e pai que é de “algumas jovens”.

Para atender à essa emergência, Alexandre convoca Francisco, dirigente de equipe de socorristas. Por sua vez, dada a necessidade de “emanações” de encarnado que estivesse em “repouso equilibrado”, convida Afonso, que desempenhava como “veterano em semelhantes serviços de assistência”, observou André Luiz.

Percebemos, então, que encarnados preparados e em condições de equilíbrio adequadas podem, durante o sono do corpo físico, atender aos irmãos necessitados, inclusive proporcionar transfusões fluídicas.

Há ainda aqueles que vêm em nosso socorro no momento supremo da desencarnação. Em geral são espíritos familiares, amparados por equipe de socorristas, que nos acalmam em meio às incertezas da ocorrência.

Em Voltei, Irmão Jacob narra a felicidade experimentada quando, em meio à agonia do desencarne, divisou sua filha Marta a estender-lhe os braços que o sustentaram, enquanto dizia docemente: “ Agora, paizinho, é necessário descansar”.

Mas há também, os encarnados que se tornam verdadeiros socorristas para os irmãos que sofrem as provas da existência. Um desses espíritos, dentre muitos outros, foi Irena Sendler. Assistente social polonesa enfrentou a vigilância nazista do Gueto de Varsóvia como se fosse especialista em tubulações. Salvou cerca de 2.500 crianças, levando-as escondidas em sua caminhonete, junto a apetrechos de trabalho, ou por qualquer outro meio de que dispusesse. Descoberta, finalmente, teve braços e pernas quebrados, além de prisão tormentosa. Após a guerra reintegrou as crianças às suas famílias e buscou acolhimento para as órfãs.

Na Revista Espírita, de 1865, a entidade Mesmer nos informa: “Sim, grandes mensageiros estão entre vós. São os que se tornarão os sustentáculos da geração futura”.

Lembremos, portanto, dos irmãos socorristas com carinho e gratidão, pois cada um de nós, familiares e amigos, já teve a oportunidade de receber o amparo desses abnegados trabalhadores da paz. Eles não buscam recompensas, apenas a felicidade de atender ao próximo em nome do Mestre Jesus.

fonte:reflexoesreligiosasluzdoconhecimento.blogspot.com.br

sábado, 24 de dezembro de 2016

LEITURA ESTIMULA A CRIATIVIDADE NA CRIANÇA.

Incentivo à leitura estimula a criatividade na criança, diz escritor

Terra - 30/11/2016

Criança gosta de criar, imaginar e sonhar. Em meio aos brinquedos a fantasia é levada a sério e através da leitura é possível preparar uma criança para ser um adulto melhor, em sincronia com sua missão de vida. Essa é uma das formas que o escritor João Gabriel Brene encontrou para definir a importância da leitura na vida das crianças.

O autor da trilogia de ficção e aventura, do herói Johnny Bleas (Editora Pandorga) tem em seus pais um modelo de incentivo à leitura desde a infância. "Meus pais sempre contribuíram para que eu me interessasse pela leitura. Quando saíamos passear dificilmente eu ganhava um presente. Mas quando visitávamos as livrarias eu sempre tinha liberdade de escolher qualquer livro da loja. Mesmo se estivéssemos em uma situação financeira difícil, eles nunca me privaram de ler", revela JG. Brene.

Segundo ele, com o passar do tempo, ir à livraria se tornou um dos seus maiores desejos e uma grande diversão e hoje quando possível, dá um conselho àqueles que querem um futuro melhor para seus filhos. "Aos pais eu certamente diria que levar os filhos a uma livraria deveria ser tão habitual, quanto levá-los à escola".

De acordo com Brene, a maior das façanhas de um livro é fazer com que o leitor possa voar em mundos de imaginação e fantasia. Seus livros "Johnny Bleas - Um novo mundo" e "O Núcleo da Montanha", assim como os livros Harry Potter, de J.K. Rowlling, ou As Crônicas de Nárnia de C. S. Lewis, cumprem essa missão. "Além de proporcionar esta fantástica façanha, Johnny Bleas, assim como outros livros de ficção e aventura, incentiva o leitor a ir atrás de suas conquistas, amplia seu vocabulário, melhora sua capacidade de concentração, memória e definitivamente lhe ensina a sonhar grande!".

Quando criança, o autor mergulhava na leitura dos livros, sagas e trilogias porque se encantava com a fantasia exposta nas outras dimensões. "O que mais me encantava certamente era conhecer mundos mágicos, mas, além disso, me encantava desvendar mistérios e aprender coisas novas. Afinal livros são nossos melhores professores", conclui o escritor João Gabriel Brene.

TRÊS SINAIS DE QUE OS ANJOS ESTÃO TE GUIANDO!

3 SINAIS de que os ANJOS estão TE GUIANDO !


Você já notou a presença de anjos em sua vida? Seja a resposta sim ou não, eu lhe asseguro que você tem anjos te guiando, e sempre te cuidando além do reino físico.
É verdade que os anjos, por vezes, milagrosamente aparecem na forma física para oferecer assistência. No entanto, é muito mais comum trabalharem nos bastidores para ajudar a empurrá-lo na direção certa. Sua intenção é protegê-lo de danos, alinhá-lo com a cura, e criar oportunidades para aumentar sua alegria, amor e crescimento.
Se você ainda não começou a perceber a presença dos anjos em sua vida, não se preocupe. Eu também já passei por isso.
A energia dos anjos é tão leve e pura, e sua vibração é tão alta, que para se tornar ciente deles, você primeiro precisa elevar sua própria energia e elevar seus sentidos sutis.
Se conectar diretamente com a orientação e presença dos anjos vale a pena o esforço, um esforço sob a forma de prática e persistência. A boa notícia é que, assim como você está agora, seus anjos têm maneiras de guiá-lo e deixar sinais e pistas em seu caminho para ilustrarem sua presença.
Todo mundo recebe sinais angelicais, mas muitas pessoas são ocupadas ou distraídas demais para notarem.
Para começar a sintonizar-se com os sinais e orientações de seus anjos, a primeira coisa que você precisa fazer é começar a prestar atenção e procurar por eles! Sinais angelicais podem vir em resposta a seu pedido de ajuda.
Você já observou formas de anjo nas nuvens ou em flores, ou talvez você continua encontrando moedas e penas em seu caminho? Ou talvez você tenha notado certo número recorrente em sua vida?
Estes são os sinais comuns que os anjos usam para comunicar sua presença, e há muitos mais. Estes são os três principais sinais de que os anjos estão entre você agora:
1. Flashes de luz
Os anjos são seres de luz, assim um vislumbre deles ocorre mais frequentemente na forma de uma luz cintilante que você vê durante a meditação, em um sonho, ou com o canto de seu olho. Anjos também podem usar esferas de luz, arco-íris ou luzes de cima como uma forma de chamar sua atenção e fornecer validação e garantia de que estão com você e você está no caminho certo.
2. Um enorme sentimento de amor e paz
Quando os anjos te envolvem em suas asas de amor você experimenta o sentimento mais incrível, pacífico e confortante. Você está nervoso com uma decisão, mas, em seguida, uma súbita sensação de paz e calma te tranquiliza enquanto você busca a melhor opção.
Você já convidou seus anjos para sua meditação e sentiu um formigamento quente por todo seu corpo? Se isso acontecer com você … relaxe e desfrute, você está na presença de anjos!
3. Um sentido de saber universal
Os anjos são mensageiros divinos. Portanto, receber orientação angélica é, obviamente, uma das melhores maneiras pelas quais você pode ter certeza de que está em verdadeiro alinhamento com seu propósito de vida.
Alguma vez você já teve uma grande decisão a tomar e, em seguida, aparentemente do nada, soube exatamente o que fazer? Ou talvez você pediu por cura e teve uma súbita onda de inspiração para fazer melhores escolhas e alinhá-lo com um estilo de vida mais holístico.
Sintonizando o conhecimento da orientação e presença angelical é como você pode ter certeza de que realmente têm anjos com você.
Preste atenção e agradeça seus anjos pela orientação, visão e sinais que eles enviam seu caminho. Quando você começar a perceber até mesmo pelo menor sinal de que seus anjos estão com você, estará no caminho em direção a receber orientação, visão e ajuda de anjos em sua vida.

O NOSSO SAUDOSO CINEMA.

No final do século XIX a cidade da Campanha respirava cultura. Segundo notícia estampada no jornal local, "A Nova Província", de 08 de julho de 1854, "foi convocada uma reunião , presidida pelo ilustre médico, professor e parlamentar, Dr.Antônio Dias Ferraz da Luz, para tratar da edificação do teatro, saindo eleitos para a Comissão constituída para coordenar o assunto, o Com. Francisco de Paula Ferreira de Rezende e os senhores Antônio Justino Monteiro de Queiroz e Cândido Inácio Ferreira Lopes, respectivamente, Secretário, Tesoureiro, e Procurador.Para confeccionar os estatutos, foram escolhidos os senhores Lourenço Xavier da Veiga e Joaquim Leite Lobo Pereira. E assim se construiu em nossa praça principal o Cine Teatro São Cândido, dando oportunidade à vários grupos de teatro de nossa cidade, se apresentarem, inclusive companhias de teatro a nível nacional.
Em 1917 ele passou a ter esta fachada.
 Em 1928 sofreu outra transformação e ficou assim até i início dos anos 60, quando demolido para dar lugar a um prédio moderno.
Assim ele foi inaugurado em 1964 e durante umas duas décadas trouxe muita cultura e alegria para o povo da Campanha e região.
A partir da década de 80 o cinema sofreu a concorrência direta da televisão e da venda de filmes VHS, mas o prédio ainda servia para eventos sociais, teatro, apresentações artísticas, formaturas até virar loja de 1,99.
A última informação que tive, é que o prédio hoje pertence aos irmãos Dr.Belmiro Tavares e Luiz Fernando Tavares nosso prefeito eleito. Eles não são de jogar dinheiro fora, logo, devem ter uma ótima ideia para este prédio. Que seja para a nossa cultura que está em baixa há muito tempo.Se a prefeitura não tem condições de fazer um Centro de Convenções ou uma Sala cultural, que a iniciativa privada o faça e alugue aos interessados. Fica lançada a sugestão.