Páginas

terça-feira, 29 de novembro de 2016

FILHO ADOTIVO NA VISÃO ESPÍRITA.


Filho adotivo na visão espírita


Sabemos que nada ocorre por acaso. A formação de um lar é um planejamento que se desenvolve no Mundo Espiritual. Assim como filhos biológicos, nossos filhos adotivos também são companheiros de vidas passadas. E nossa vida de hoje é resultado do que angariamos para nós mesmos, no passado. Surge, então, a indagação: "se são velhos conhecidos e deverão se encontrar no mesmo lar, por que já não nasceram como filhos naturais?" Na literatura espírita encontramos vários casos de filhos que, em função do orgulho, do egoísmo e da vaidade, se tornaram tiranos de seus pais, escravizando-os aos seus caprichos e pagando com ingratidão e dor a ternura e zelo paternos.
De retorno à Pátria Espiritual (ao desencarnarem), ao despertarem-lhes a consciência e entenderem a gravidade de suas faltas, passam a trabalhar para recuperarem o tempo perdido e se reconciliarem com aqueles a quem lesaram afetivamente. Assim, reencontram aqueles mesmos pais a quem não valorizaram, para devolver-lhes a afeição machucada, resgatando o carinho, o amor e a ternura de ontem. Porque a lei é a de Causa e Efeito. Não aproveitada a convivência com pais amorosos e desvelados, é da Lei Divina que retomem o contato com eles como filhos de outros pais chegando-lhes aos braços pelas vias de adoção. Aos pais cabe o trabalho de orientar estes filhos e conduzi-los ao caminho do bem, independente de serem filhos consangüíneos ou não.
A responsabilidade de pais permanece a mesma. Recebendo eles no lar a abençoada experiência da adoção, Deus sinaliza aos cônjuges estar confiando em sua capacidade de amar e ensinar, perdoar e auxiliar aos companheiros que retornam para hoje valorizarem o desvelo e atenção que ontem não souberam fazer. Trazem no coração desequilíbrios de outros tempos ou arrependimento doloroso para a solução dos quais pedem, ao reencarnarem, a ajuda daqueles que os acolhem, não como filhos do corpo, mas sim filhos do coração. Allan Kardec elucida: "Não são os da consangüinidade os verdadeiros laços de família e sim os da simpatia e da comunhão de idéias".
DEVEMOS ESCONDER QUE ELES SÃO ADOTIVOS?

Um dos maiores erros que alguns pais adotivos cometem é o de esconder a verdade aos seus filhos. É importante, desde cedo, não esconder a verdade. Ás vezes, fazem por amor, já que os consideram totalmente como filhos; outros o fazem por medo de perder a afeição e o carinho deles.
Quando os filhos adotivos crescem, aprendendo no lar valores morais elevados, sentem-se mais amados por entenderem que o são, não por terem nascido de seus pais, mas sim frutos de afeição sincera e real, e passam a entender que são filhos queridos do coração. Revelar-lhes a verdade somente na idade adulta é destruir-lhes todas as alegrias vividas, é alterar-lhes a condição de filhos queridos em órfãos asilados à guisa de pena e compaixão.
Não devemos traumatizá-los, livrando-os do risco de perderem a oportunidade de aprendizado no hoje. André Luiz esclarece-nos quanto a este perigo: "Filhos adotivos, quando crescem ignorando a verdade, costumam trazer enormes complicações, principalmente quando ouvem esclarecimentos de outras pessoas". Identicamente ao que ocorre em relação aos nossos filhos biológicos, buscar o diálogo franco e sincero, com base no respeito mútuo, sob a luz da orientação cristã de conduta. Pais que conversam com os filhos fortalecem os laços afetivos, tornando a questão da adoção coisa secundária.
Recebendo em nossa jornada terrena a oportunidade de ter em nosso lar um filho adotivo, guardemos no coração a certeza de que Jesus está nos confiando a responsabilidade sagrada de superar o próprio orgulho e vaidade, amando verdadeiramente e desinteressadamente a criatura de Deus confiada em trabalho de educação e amparo. E, ajudando-o a superar suas próprias mazelas, amanhã poderá retornar ao seio daqueles que o amam na posição de filho legítimo.
É CERTO A ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS?
Raul Teixeira responde: “O amor não tem sexo.
Como é que podemos imaginar que o melhor para uma criança é ser criada na rua, ao relento, submetida a todo tipo de execração, a ser criada nutrida, abençoada por um lar de casal homossexual?
Muita gente assevera que a criança corre riscos.
Mas como? Nós estamos acompanhando as crianças correndo riscos nas casas de seus pais heterossexuais todos os dias. Outros afirmam que a criança criada por homossexuais poderá adotar a mesma postura, a mesma orientação sexual. O que também é falso. A massa de homossexuais do mundo advêm de lares heterossexuais. Então, teremos de concluir que são os casais heterossexuais que formam os homossexuais. Logo,não devemos entrar nessa discussão que é tola e preconceituosa. aquele que tem amor para dar que dê.”
Amemos nossos filhos, sem cogitar se nos vieram aos braços pela descendência física ou não, como encargo abençoado com que o Céu nos presenteia. Encerremos com Emmanuel:"Recorda que, em última instância, seja qual seja a nossa posição nas equipes familiares da Terra, somos, acima de tudo, filhos de Deus".
FONTE: http://grupoallankardec.blogspot.com.br

DICAS PARA INCENTIVAR O HÁBITO DA LEITURA.

Dicas para incentivar o hábito da leitura infantil

Expresso MT - 02/11/2016

A criança que lê adquire cultura, passa a escrever melhor, tem mais senso crítico, amplia o vocabulário e tem melhor desempenho escolar, dentre muitas outras vantagens. Por isso, é importante ter contato com obras literárias, desde os primeiros meses de vida. Mas como fazer com que crianças em fase de alfabetização se interessem pelos livros? É verdade que, em meio a brinquedos cada vez mais lúdicos e cheios de recursos tecnológicos, essa não é uma tarefa fácil. Mas pequenas ações podem fazer a diferença.

Dicas para incentivar a leitura infantil

A família tem o papel de mostrar para a criança que a leitura é uma atividade prazerosa, e não apenas uma obrigação. As crianças precisam ser encantadas pela leitura.

Para isso, há diversas atividades que os pais e outros familiares podem colocar em prática com a criança e, assim, fazer do ato de ler um momento divertido.

No período da alfabetização, é interessante misturar a leitura com brincadeira, fazendo, por exemplo, representações da história lida, incentivando a criança a criar os próprios livros e pedindo que a ela ilustre uma história. Além disso, para encantar as crianças pequenas, é essencial brincar com o livro e sempre valorizá-lo. Fica então uma dica: nunca reclame dos preços dos livros diante do seu filho.

A seguir, confira algumas dicas que, se realizadas com determinação e disposição, podem garantir que o seu filho em fase de alfabetização seja um pequeno grande leitor:

1. Respeite o ritmo e o gosto do seu filho
Não se preocupe caso ele leia livros que você considere muito infantil. Cada criança vai apresentar uma evolução diferente em relação isso. Provavelmente, ele escolherá livros diferentes do que você escolheria para ele e seu respeito em relação a isso é essencial. Incentive a leitura que parecer mais agradável a ele e, aos poucos, ele próprio irá buscar outros estilos.

2. Faça passeios que tragam a leitura para o cotidiano
Procure proporcionar passeios a livrarias, bibliotecas, museus e ambientes que façam parte de cenários dos seus livros. Por exemplo: caso ele esteja lendo algo sobre animais, proporcione um passeio ao zoológico.

3. Incentive a leitura antes de dormir
Enquanto o pequeno ainda não souber ler, leia para ele todas as noites. Isso vai fazer com que ele tenha vontade de aprender ainda mais rápido. Assim que ele próprio já puder fazer a leitura, incentive para que ele tenha alguns minutos para isso, todas as noites, e providencie um abajur para ficar ao lado da sua cama.

4. Improvise representações dos livros
Organize apresentações teatrais entre ele e seus amigos, para que encenem a história que acabou de ler. Ajude-os na criação de cenários e figurinos e chame uma pequena plateia para prestigiá-los.

5. Organize um clube do livro
Proponha aos pais amigos dos seu filho que criem um clube do livro. A cada mês, escolham a história para que todos leiam e depois organizem debates e encenações sobre a obra. Podem ainda promover trocas de livros entre si, incentivando assim que eles conheçam diferentes tipos de estilos literários.

6. Ajude-o a ler melhor
Caso a criança tenha dificuldades para ler, é essencial que os pais o ajudem nisso. Leia para ele, acompanhe suas leituras em voz alta, tire dúvidas e o incentive a não desistir.

A RODOVIA JAMAIS DEIXARÁ DE SER VITAL BRAZIL MINEIRO DA CAMPANHA.

Atilio Dias


Prezado Deputado Diego Andrade,
Leio com espanto total e decepção acima do normal que uma proposta sua, transformada em Projeto de Lei, foi aprovada pela CCJ.
O espanto e a decepção se prendem em virtude desse projeto determinar a mudança do nome da Rodovia BR-267 de Rodovia Vital Brazil para Rodovia Presidente Itamar Franco.
Caro parlamentar, a BR-267 tem seu batismo como Rodovia Vital Brazil exatamente por passar pela cidade de Campanha/MG e esta cidade ser o berço natal do médico e cientista VITAL BRAZIL MINEIRO DA CAMPANHA.
Como pode constatar um brasileiro que é Brasileiro, Mineiro e Campanhense, até no nome e em sua trajetória de médico e pesquisador científico deixou uma obra significativa para a humanidade, fundou dois Institutos de Pesquisas Científicas – Butantã (SP) e Vital Brazil (RJ) – descobriu o soro antiofídico, lutou ao lado de um amigo e outro grande cientista que foi Oswaldo Cruz no combate à febre-amarela e a peste bubônica, entre muitos remédios cujas formulações vieram de suas pesquisas podemos citar os primeiros hepato protetores com a descoberta do Extrato Hepático, da mesma forma deixou as fórmulas para o primeiro medicamento de restauração da flora intestinal e muitos outros.
Seu nome está gravado no Hall Mundial da Medicina como Benfeitor da Humanidade, foi homenageado no Museu Nacional de História Natural de Paris com uma placa comemorativa pela descoberta do soro antiveneno contra animais peçonhentos.
Sua obra é reverenciada nos EUA, onde aplicou pela primeira vez o soro anticrotálico que levava para apresentar no Congresso Mundial de Medicina em Nova York salvando a vida do tratador do serpentário do zoológico local, na França onde morou e realizou muitas pesquisas, na Índia e no Oriente por salvar milhares de vidas todo ano.
Mas aqui em seu país Vital Brazil perde as homenagens para os políticos brasileiros que talvez salvem vidas e não sabemos.
Essas considerações são só um pedaço da sua obra e do que Vital Brazil fez pela humanidade e para salvar vidas e aliviar suas dores.
Vejo como absurdo trocar o nome desta Rodovia para Itamar Franco, um político e não um benfeitor e batalhador da ciência. Esse país pouco retribuiu em reconhecimento e homenagens a Vital Brazil e V.Excia. ainda quer usurpar o pouco que foi feito.
Espero que possa rever sua proposta e homenagear Itamar Franco de outra forma.
A Cidade de Campanha saberá protestar contra essa iniciativa e a família Vital Brazil estará unida em rede social com seus amigos em protesto a essa absurda iniciativa.
Para contato com o Deputado Diego Andrade
Tel: (61) 3215-5307
E-mail: dep.diegoandrade@camara.leg.br
Endereço: Praça dos Três Poderes – Câmara dos Deputados
Gabinete: 307 – Anexo: IV
CEP: 70160-900 – Brasília - DF

Caro Deputado receba meus protestos e indignação.
Marcelo T. Vital Brazil

domingo, 27 de novembro de 2016

ESCREVA UMA PEQUENA HISTÓRIA E PARTICIPE DO CONCURSO DE CONTOS.

Escreva uma pequena história e participe do concurso de contos

Em sua décima quarta edição, a Olimpíada Solidária promove um Concurso de Contos. O desafio é escrever uma história inspirada na Cidade do Rio de Janeiro.
?
Prêmios:

Categoria Biblioteca com maior número de contos inscritos
?
A Biblioteca que estimular a inscrição do maior número de contos será premiada através do acesso ilimitado e permanente à Biblioteca Digital Árvore de Livros.

Categoria 10 melhores Contos:
?
? Publicação no livro impresso e também e-book;
? Cada vencedor receberá em sua casa um livro autografado pelo autor;
? Cada vencedor receberá em sua casa um exemplar do livro que foi publicado.

Quem pode participar: maiores de 10 anos.
Como participar: escreva um conto inspirado na cidade do Rio de Janeiro, com até 7 mil caracteres.
?
As inscrições vão até 5/12. 

Conheça os detalhes do concurso no link www.ekloos.org/contos.

O ABORTO SERIA PERMITIDO EM ALGUM MOMENTO DA CONCEPÇÃO?

O ABORTO seria permitido em algum momento da CONCEPÇÃO ?


Em que momento acontece o milagre da vida? Em que instante o sopro Divino passa a animar o corpo daquele novo ser que logo surgirá na Terra? A resposta a essas perguntas sempre inquietou a Humanidade. Debruçaram-se sobre ela filósofos, religiosos e cientistas. Apenas a religião oferece certezas. O mais interessante é que essas certezas são muito semelhantes, o que indica que as diversas tradições religiosas, ao redor do Mundo, guardam entre si muitas coisas em comum.
Por exemplo, quase todas as religiões ensinam que a vida inicia no momento da concepção.
Naquele momento em que o espermatozoide fecunda o óvulo, inicia-se o mais complexo e comovente processo: a formação de um novo corpo humano.
E, asseguram os religiosos, é nesse instante sublime que o Espírito se une ao corpo em formação.
Por isso, também, todas as religiões são unânimes em reprovar o abortamento. A única exceção é quando a gravidez ameaça a vida da mãe. E isso também é uma unanimidade entre todas as crenças.
Ora, se é assim, se todas as religiões humanas o desaconselham, por que a Humanidade insiste no abortamento?
O que faz com que pai e mãe escolham matar seu filhinho? O que nos move em direção a um ato que vitima uma criatura frágil e desprotegida?
Resposta: nosso egoísmo. Quando nos vemos em uma situação que ameaça nosso conforto, em geral nos defendemos escolhendo uma atitude defensiva.
O problema é quando a nossa atitude defensiva viola os direitos dos outros. E isso, definitivamente, acontece quando se faz um abortamento.
Sim, porque no silêncio do ventre cresce um corpo que já tem dono. Será a morada de um Espírito imortal, abrigará um filho de Deus.
Quantas vezes nós, os que acreditamos em Deus, pensamos que aquele corpo em formação é a morada de um irmão nosso? Um ser especial que as mãos de Deus depositaram em nosso colo?
E como recebemos essa vida nova? O que fazemos com o Divino presente que nos chega às mãos? Será certo sufocá-lo quando está ainda tão frágil e pequenino?
Não. A vida pede proteção, amparo.
Em todos os países e idiomas do Mundo, a maternidade é louvada como sublime. Não podemos, em nome da modernidade, corromper os valores morais e éticos que herdamos. A lei natural é a do progresso. Jamais de retrocesso.
Hoje, o discurso de muita gente é que a mulher deve ter poder de decisão sobre seu corpo.
A legalização do abortamento é tratada como avanço dos direitos humanos, pois se alega que a medida vai proteger as mulheres pobres que fazem abortamentos ilegais.
São argumentações equivocadas. Partem de princípios errôneos.
Primeiro, porque o feto é um ser à parte. Ele não faz parte do corpo da mãe.
E cabe a pergunta: De que direitos humanos falamos? Direitos humanos são para garantir práticas éticas e não para legalizar o assassinato de crianças.
E se desejamos, de fato, proteger as mulheres pobres das consequências de um abortamento ilegal, deveríamos investir em saúde e educação.
São antídotos. Mulheres informadas usarão métodos contraceptivos, terão acesso a informação. Não precisarão matar para evitar uma gestação.
Por outro lado, onde fica o amor que tanto falamos e aspiramos sentir? O exercício do amor nos recomenda cuidar dos mais fracos. Que amor é esse que se desvencilha da vida que floresce?
O amor acolhe, abençoa, fortalece. É a expressão máxima da solidariedade. O amor, com certeza, não mata.
Redação do Momento Espírita.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

NO BAR DO ANTÔNIO RUSSO.

          O Bar do Antônio Russo foi durante muitos anos, o ponto de encontro de muita gente. Um lugar onde se falava de negócios, trabalho, futebol, mulheres, só não se falava da vida alheia, como em qualquer lugar.
Nesta foto temos: Antônio Russo, Egberto Gama, Bandeira, Pedro Rezende, Milton Lemes, Silvio Fonseca e Maurício Dias.

FINLÂNDIA DEVE ACABAR COM AS DISCIPLINAS ESCOLARES ATÉ 2020.

Finlândia deve acabar com as disciplinas escolares até 2020

Sabine Riguetti - Folha de S.Paulo - 14/11/2016

Famosa por criticar o formato antiquado das escolas, a chefe de educação de Helsinki, capital da Finlândia, Marjo Kyllonen, anunciou na imprensa internacional que pretende abolir as disciplinas nas escolas.

A ideia é que até 2020 todas as escolas finlandesas trabalhem por projetos agregando os conteúdos no lugar de dividir o conhecimento em caixinhas: de física, de línguas, de matemática. A proposta será de um ensino totalmente interdisciplinar.

Se a mudança der certo, a Finlândia será o primeiro país do mundo oficialmente a acabar com as disciplinas –algo que própria Marjo chamou de uma “revolução na educação”.

A proposta pode se espalhar mundo afora: a Finlândia está no topo das avaliações internacionais de educação e inspira políticas públicas de vários países.

POR PROJETOS

Hoje, algumas escolas de elite do mundo da Europa, da Ásia e dos Estados Unidos já fazem experimentos interdisciplinares no chamado ensino por projeto. Funciona assim: os alunos têm de criar produtos ou soluções usando conhecimentos de várias disciplinas simultaneamente.

Isso acontece principalmente nos laboratórios –e o movimento já chegou ao Brasil: o tradicional colégio Bandeirantes acaba de anunciar que a partir de 2017 os laboratórios de física, de química, de biologia e de artes serão integrados em um único espaço com vários docentes.

A eliminação total de disciplinas ministradas em salas de aula, no entanto, como propõe a Finlândia, é uma novidade.

Os professores daquele país já estão sendo preparados para mudança, afinal, eles ainda são formados em áreas do conhecimento.Na Finlândia, a formação de professor inclui várias etapas de residência na escola –como fazem os estudantes de medicina– e vai até o nível do mestrado.

“Você iria a um médico que usa tecnologia do século 19? Eu não”, disse Marjo em entrevista recente. Especialista em “educação do futuro”, ela sempre destaca o aspecto retrógrado da nossa educação.

No Brasil, o excesso de disciplinas voltou a ser assunto com a proposta recente de reforma do ensino médio o governo federal. Hoje, algumas etapas da educação básica, como o ensino médio chegam, a ter 13 disciplinas diferentes. A ideia, agora, é concentrar os conteúdos em quatro grandes áreas: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza e matemática. É assim que funciona, hoje, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

O QUE ACONTECE NO ESPAÇO DE TEMPO ENTRE DUAS VIDAS?

O que acontece NO ESPAÇO de TEMPO entre DUAS VIDAS ? CONCEITOS de Erraticidade e Umbral.


"Poder-se-á dizer que são errantes todos os Espíritos que não estão encarnados? Sim, com relação aos que tenham de reencarnar".: O Livro dos Espíritos, questão 226.
.
- Erraticidade não é um local, e sim, uma fase, ou um degrau no qual se situa o o espírito, no dinamismo infinito da evolução.

O umbral, por sua vez são locais em que os espíritos errantes ainda confusos, se aglomeram- Nosso irmão André Luiz resumidamente, assim o descreve:

"O Umbral circunda o planeta e inicia-se na própria crosta terrestre, servindo de destino aos Espíritos que demoraram no vale da indecisão ou no pântano dos erros numerosos deixando de cumprir os deveres sagrados que haviam se comprometido anteriormente. Desta forma o Umbral se destina as “almas irresolutas e ignorantes, que não são suficientemente perversas para serem enviadas a colônias de reparação mais dolorosas, nem bastante nobres para serem conduzidas a planos de elevação”.

Por outro lado, os espíritos errantes são todos aqueles, que por não serem ainda perfeitos necessitam de encarnações, para colherem experiências necessárias à sua evolução.

Portanto todo espírito que paira nas regiões umbralinas ainda e errante, mas nem todo espirito errante paira nas regiões umbralinas do planeta.

Desse ponto de vista, podemos afirmar que todos os Espíritos ainda não perfeitos, mesmo os possuam grande evolução, que não estão encarnados são espíritos errantes.

Enfim, a palavras umbral e erraticidade - segundo terminologia espírita - não são sinônimas, embora a primeira vista possam parecer que são.

.
Ilações dos Ensinos dos Espíritos - Paulo Andrade.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

CATEDRAL DE SANTO ANTÔNIO.

A Catedral de Santo Antônio na cidade da Campanha MG 106 anos depois.

PRIMAVERA LITERÁRIA MOVIMENTA O JARDIM DO MUSEU DA REPÚBLICA.

Primavera Literária movimenta o jardim do Museu da República

Leonardo Cazes - O Globo - 12/11/2016

RIO – Todos os anos as editoras independentes montam suas bancas no Museu da República, no Catete, para a mais democrática das feiras literárias do Rio de Janeiro. Na sua 16ª edição, que acontece entre os dias 17 e 20 de novembro das 10h às 21h, a Primavera Literária vai levar não só livros, mas também debates, oficinas, workshops e uma praça de alimentação formada por food bikes aos jardins do palácio. O evento é o principal encontro das casas pequenas e médias que fazem parte da Liga Brasileira de Editoras (Libre). Raquel Menezes, editora responsável pela Oficina Raquel e presidente da Libre, ressalta que a feira é a grande oportunidade das editoras menores apresentarem os seus catálogos ao grande público. A bibliodiversidade, que busca garantir a diversidade cultural do mundo do livro, é a grande bandeira da organização.

— A gente diz que trabalha em prol da bibliodiversidade o ano inteiro, conversando com o governo e outras entidades. Mas a Primavera Literária é quando colocamos as nossas ideias na rua. Juntamos a cultura com a venda de livros. Várias editoras têm imensa dificuldade de estar nas livrarias e, na feira, podem apresentar seus catálogos, que são super interessantes. Isso gera uma demanda para as editoras também depois do evento — afirma Raquel.

Neste ano, a presidente da Libre explica que houve mudanças no foco da programação. O número de debates foi reduzido, abrindo mais espaço para oficinas e workshops. Contudo, convidados internacionais também vão marcar presença. O brasilianista francês Jean-Paul Delfino vai participar da mesa “Rio à la française”, na quinta-feira, às 19h, que abordará a presença francesa na cidade, junto com o jornalista Rafael Freitas Silva, autor de “O Rio antes do Rio” (Babilônia Cultura Editorial). Outro destaque da programação é a mesa “Literatura: ferramenta contra o preconceito”, com a psicóloga Jaqueline Gomes de Jesus e Georgina Martins, professora da Faculdade de Letras da UFRJ. No Dia da Consciência Negra (20), haverá um sarau negro comandado pela escritora Sonia Rosa.

Entre as oficinas oferecidas durante o evento, estão a de matemática e literatura, a de produção de zines e a de animação em stop motion. Todas são gratuitas. Já no coreto do jardim vai acontecer o tradicional troca-troca de livros, com apoio da Secretaria municipal de Cultura. Ao longo dos quatro dias, quem levar obras usadas em bom estado poderá trocá-las por outras colocadas à disposição do público. No Espaço Leiturinha, parceria da Libre com o clube do livro infantil Leiturinha, haverá apresentação de peças teatrais e contação de histórias para crianças, além do lançamento de livros. E, pela primeira vez, será montado um lounge para leitura.

— Neste ano, em vez de ter várias mesas de debates, diminuímos para ter mais oficinas e workshops. As pessoas hoje estão buscando uma participação mais ativa nas atividades culturais, não querem ficar só ouvindo — diz a presidente da Libre.

A OMISSÃO FAVORECE O MAL.

A omissão favorece o mal

sementes de luz

A omissão favorece o mal

Ser uma pessoa do bem, correta, honesta, caridosa com pensamentos elevados, não que dizer que DEVEMOS SER OMISSOS E PASSIVOS DIANTE DAS COISAS ERRADAS E FALSAS, ficar calado, parado e de braços cruzados diante do mal vai ajudar o mal a crescer.
Muitas vezes o julgamento correto e honesto e a crítica limpa e racional é a melhor forma de combater o mal, combater as injustiças e covardias.
Quem cala consente, temos que ter uma postura mais ativa a favor do bem, das virtudes e da justiça.
Não julgar e nem condenar as coisas erradas e falsas é ajudar o mal a crescer e se espalhar na sociedade, muitos espíritas kardecistas estão cometendo um grave erro em não julgar, não criticar e não condenar as coisas erradas e falsas, dessa forma o campo fica livre para as maldades, injustiças, embustes, mistificações, corrupções políticas, crimes, racismo, pedofilia, etc….se espalharem.
Quando Chico Xavier fala que não devemos condenar ninguém, nem julgar e nem criticar ele esta pregando a OMISSÃO que vai ajudar o mal a crescer.
As pessoas maldosas, injustas, corruptas, falsas e desonestas vão ser favorecidas por essa postura errada de Chico Xavier de não julgar e nem criticar.
O que devemos evitar é o julgamento maldoso e desonesto e a critica suja sem base racional.
Cuidado com essas colocações místicas de Chico Xavier, no Espiritismo verdadeiro de Kardec a fé tem que ser raciocinada dentro da lógica e do bom senso, sem fantasias e misticismos religiosos.
Não julgar, nem criticar e nem condenar o mal e as injustiças é ser omisso e a OMISSÃO favorece o mal. Quem cala consente.

Wilson Moreno

Eterno Aprendiz

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

RANDOLFO VILLAMARIM


BONS PROFESSORES FAZEM ALUNOS GANHAR MAIS.

Bons professores fazem alunos ganhar mais

Felipe Machado - Veja - 29/10/2016

Jonah Rockoff, de 41 anos, sempre quis descobrir qual a real diferença que um bom professor faz na vida de um aluno. Em 2004, o professor de finanças e economia da Universidade Columbia, nos Estados Unidos, publicou um artigo sobre o tema, mas sentiu que algo faltava: era preciso medir não apenas o impacto sobre as notas, mas o sucesso financeiro dos estudantes orientados por bons profissionais de ensino. Rockoff, doutor em Economia por Harvard, uniu-se aos pesquisadores Raj Chetty e John Friedman, que trabalhavam com dados do Tesouro americano. Dessa forma, pôde cruzar as notas de milhões de alunos com as informações do imposto de renda. A conclusão é que não apenas há impacto como ele pode ser medido: a simples troca, por um ano, de um professor ruim por um mediano adicionaria 250.000 dólares aos salários que uma turma de 28 alunos de ensino fundamental ganharia ao longo de sua futura vida profissional. “A conclusão desses dados não vale apenas para os Estados Unidos. O raciocínio é o mesmo para outras realidades, inclusive o Brasil”, diz. Rockoff falou ao site de VEJA.

O estudo analisa o papel de professores no aumento da nota dos alunos em matemática e inglês. A diferença entre um bom profissional de ensino e um ruim é realmente significativa? Professores que melhoram o desempenho de seus alunos em matemática e inglês afetam positivamente a vida de seus alunos não apenas com o aumento das notas, mas também em outros aspectos, como no acesso à faculdade ou mesmo no aumento dos salários que os estudantes receberão quando entrarem no mercado de trabalho. Basta substituir um professor do ensino fundamental que está entre os 5% piores – de acordo com a média das notas de seus alunos – por um com desempenho mediano, durante um ano, para que, ao longo de suas vidas profissionais, esses estudantes ganhem, somados, 250.000 dólares a mais do que ganhariam se tivesse continuado com o professor ruim.

Pode-se creditar esse aumento exclusivamente a essa troca de professor? É possível que isso ocorra tanto porque matemática e inglês sejam valiosos no mercado de trabalho como porque esses professores sejam bons nessas disciplinas, mas também em outros aspectos que não medimos. Mas, no longo prazo, o que observamos foi que professores que estão melhorando as realizações nessas disciplinas estão também melhorando os resultados para esses alunos no mercado de trabalho. Em outras palavras: professores que conseguem elevar essas notas podem também ser bons em melhorar outras habilidades dos alunos.

Como foi possível definir a influência do professor, já que uma sala tem vários alunos e eles seguem rumos diferentes depois que saem da escola? Raj Chetty e John Friedman, meus colegas nessa pesquisa, são parte de um programa que está trabalhando com dados do Tesouro americano. Isso nos deu acesso a registros de imposto de renda. É possível identificar os estudantes de acordo dados como nome, data de nascimento e local em que vivem. Utilizamos informações de quase 2 milhões de pessoas. Foi possível acompanhar os registros dos indivíduos desde a infância até a vida adulta. Essas pessoas estavam na escola primária na década de 1990 e hoje estão no mercado de trabalho. O cruzamento de tanta informação permitiu ter um retrato bastante preciso.

Como foi possível fazer esse tipo de acompanhamento detalhado? Tivemos a felicidade de encontrar dados relacionados a alunos e professores que iam até a década de 1980. Na maior parte do mundo, essa coleta por um período mais longo de tempo não existia até recentemente, mesmo em países desenvolvidos. Medir o impacto de professores sobre os alunos no curto prazo não é novidade. Isso tem sido feito em muitos lugares, incluindo países emergentes. O que as pessoas não tinham feito era seguir a trajetória dos alunos desde a infância até a vida adulta.

Esse trabalho analisa o futuro profissional de alunos de um país rico, em uma cidade rica. É possível pensar que o haveria resultados semelhantes em locais com uma realidade diferente, como o Brasil? Nosso estudo considerou informações sobre pessoas de Nova York. A maior parte dos alunos de escolas públicas da cidade, em torno de 85%, é pobre. Quando se pensa em Nova York, as pessoas lembram do Empire State Building ou da ilha de Manhattan, mas a maioria dos moradores da cidade não está nessas áreas. Eles vivem em bairros como Brooklyn, Bronx e Queens e em partes ao norte de Manhattan, como o Harlem. Sim, há áreas de Nova York que são extremamente ricas, mas há centenas de milhares de crianças vivendo na pobreza. Não acho que temos o nível de pobreza de uma favela de São Paulo, por exemplo, mas muitas áreas são comparáveis. Assim, a conclusão desses dados não vale apenas para os Estados Unidos. O raciocínio é o mesmo para outras realidades, inclusive o Brasil.

“Professores que conseguem elevar as notas podem também ser bons em melhorar outras habilidades dos alunos”

O Brasil tem um teste anual padronizado, o Enem, para alunos que estão concluindo o ensino médio. Esse tipo de exame poderia ser usado? Eu não vejo como usar apenas um teste final de uma maneira muito precisa para avaliar professores. Nosso estudo, como muitos outros do tipo, é baseado em exames anuais. Para avaliar alguém que ensina na quarta série, por exemplo, temos notas dos exames no final do terceiro ano. Isso é muito importante porque os alunos chegam ao início do ano escolar com diferentes níveis de preparação e conhecimentos e sob influência da qualidade da educação que tiveram anteriormente. Depende muito dos recursos que eles têm fora da escola: o nível de escolaridade dos pais, o acesso a bens, o dinheiro disponível para se manter e para comprar livros e outros materiais de aprendizado. É necessário um teste de alta qualidade anual para fazer este tipo de trabalho.

Na prática, como um bom sistema de avaliação de desempenho de professor pode ser feito? Um exemplo aqui nos Estados Unidos é o de Washington, que tem um dos sistemas mais avançados do país. Nele, é usada uma análise estatística com base em testes padronizados para um grupo dos professores. Cerca de 20% dos professores passam por esse processo. Para os demais, eles se baseiam em avaliações das classes. São estabelecidas metas individualizadas para os alunos de cada um no início do ano escolar, com a aprovação do diretor da escola, administradores e de outros agentes. Em seguida, ao fim do ano escolar, avalia-se com cuidado os alunos para ver se eles as atingiram. Os professores recebem uma pontuação de acordo com o desempenho. Em Washington, tenta-se abordar a questão da qualidade do professor usando várias avaliações, e não depender apenas de um teste padronizado.

E como esses resultados são usados? Se os professores vão muito mal, perdem o emprego. E se vão muito bem, podem obter aumentos realmente grandes em seus salários. Usam-se os resultados como uma ferramenta que serve também como um plano de carreira para os professores.

Como esse sistema gera impacto na qualidade do ensino? A possibilidade de ganhar um aumento serve como incentivo para trabalhar duro e melhorar. E o trabalho também muda, com aumento de responsabilidades. Além disso, quem está no topo ajuda os colegas e age como “treinador” para os novos professores. Em muitas partes do mundo, o ensino não funciona dessa forma. O professor faz o mesmo trabalho todo ano, não evolui. Em Washington, tentaram quebrar esse modelo e fazer com que seu trabalho, seu status e suas responsabilidades mudem com o tempo. E, claro, se você muito mal, será demitido. Um ano com um desempenho muito ruim e você está automaticamente fora.

Existe outro fator além da possibilidade de progredir na carreira? Sim. Esse sistema acaba atraindo para o ensino pessoas que querem trabalhar duro, que sabem que o esforço será recompensado com ganhos expressivos nos salários. Pessoas ambiciosas, trabalhadoras e talentosas são um ganho para as crianças e sua comunidade. Esses profissionais têm muitas outras oportunidades para ganhar dinheiro. Se o ensino não lhes oferecer a oportunidade de ser bem-sucedido financeiramente, elas vão optar por outra carreira.

E tem funcionado? Em muitos critérios, o nível dos alunos melhorou bastante. É difícil provar que o sistema é o principal fator. Houve outras mudanças. De qualquer forma, ocorreram avanços que não se limitaram à melhora das notas. O governo teve sucesso no trabalho com o sindicato dos professores, que inicialmente era contra o sistema. Mas, nos últimos anos, as discussões para a tomada de decisões sobre como fazer avaliações e promoções evoluíram muito.

Qual seria o caminho para que um país comece a avaliar seus professores? Diferentes países têm diferentes problemas e diferentes pontos de partida. Uma coisa muito importante é ter um processo para medir a aprendizagem dos alunos. Meu palpite é que o tipo de exame (Enem) que o Brasil tem não daria conta dessa avaliação sozinho. Se há informações sobre onde os alunos estão, o que eles sabem e quanto aprendem, todos podem tomar melhores decisões. Pais podem escolher para qual escola enviar seus filhos e os professores enxergam melhor quais crianças precisam de mais atenção e ajuda – e o governo tem uma noção mais clara sobre quais as escolas e professores estão fazendo um bom trabalho.

Escolhemos nossa FAMÍLIA antes de REENCARNAR ?

Escolhemos nossa FAMÍLIA antes de REENCARNAR ?

Resultado de imagem para imagem familia espiritual
'Antes de encarnar, todos nós obrigatoriamente escolhemos nossos pais e irmãos? Ou podemos nascer em uma família com integrantes com os quais nunca convivemos, em vida alguma?'-

A reencarnação é um processo complexo. Suas variáveis decorrem do nível espiritual de cada um, levando em conta as necessidades de aprendizagem não só do espírito que volta, mas também das pessoas com as quais ele irá conviver nesse período. Quando o espírito possui mais conhecimento, pode ajudar a programar sua próxima encarnação – mas sempre com a supervisão dos espíritos superiores.
Algumas vezes, ele pretende desenvolver algum lado seu que esteja dificultando seu progresso. Então, lhe é facultado reencarnar no meio de pessoas comas quais nunca tenha se relacionado antes, a fim de trocar conhecimento. Ao reencarnar, o espírito sabe que esquecerá do passado e sente-se inseguro com isso. Natural que queira ter, como pais, pessoas amigas de outras vidas, figuras nas quais confia. Mas é bom saber que isso só será possível se elas aceitarem a responsabilidade e se essa união favorecer o processo.
Reencarnar com pessoas com as quais o espírito tem afinidade é sempre muito bom, pois permite que, juntos, eles possam apoiar-se mutuamente e progredir. Tal oportunidade não é concedida a espírito que tenha prejudicado pessoas ou criado inimizades em outras vidas. Em casos assim, a reencarnação é compulsória e quase sempre ele terá de conviver na mesma família, exatamente em meio às pessoas com as quais se desentendeu.
É uma chance que a vida oferece para que ele conheça um pouco melhor seus desafetos e modifique sua maneira de se relacionar com eles. Então, os laços de parentesco servem, a princípio, para suavizar o confronto. A mesma oportunidade é dada aos espíritos que, apesar de terem feito muitos inimigos no passado, se arrependem.
Sentem remorso e necessidade de reparar seus erros. Aí, recebem a chance de programar, com o auxílio dos mentores, a reencarnação junto dos seus inimigos. Portanto, há, ainda no astral, um trabalho de aproximação entre eles, feito pelos por espíritos superiores, para que se entendam e concordem em se relacionar de novo na Terra.
Às vezes, leva muito tempo para que eles aceitem e estejam prontos para essa nova encarnação. E, ainda assim, quando tudo está bem entre eles, podem surgir dificuldades práticas na concretização do projeto.
Em certos casos, a rejeição energética da futura mãe é tão grande que acaba se tornando uma gravidez de risco, que não chega a bom termo, sendo necessárias várias tentativas. Nesse caso, atuam também as energias do espírito reencarnante que, embora queira aproximar-se daquelas pessoas, reage instintivamente ao contato energético, que se torna insuportável para ele.
Pode acontecer que as pessoas com as quais o espírito se desentendeu no passado já a tenham perdoado - e aí elas estão livres, podendo seguir adiante sem precisar recebê-lo na família. Numa situação assim, pode reencarnar em meio a desconhecidos que precisem de ajuda. Ao ajudá-las, ele irá se libertar do remorso.
Quando o espírito progride, a noção da própria maldade lhe faz mal. Só poderá seguir adiante se conseguir livrar-se dela. Pois ninguém é vítima. Todos somos responsáveis pelas nossas escolhas. O respeito às leis cósmicas é fundamental para que nosso espírito prossiga na conquista do bem. Agir com inteligência é evitar sofrimento.

Fonte: "Zibia Gasparetto."

VEJAM SÓ, QUE TIME!

Não há um mísero dia em que não sejamos humilhados e massacrados pelos governantes país afora
asquerososA sorte deles é terem nascido no Brasil
Você é formado, prezado leitor? Ou o seu filho ou cônjuge? Você trabalha como um louco, de sol a sol, pega condução, fica no trânsito, almoça correndo? Beleza, é assim mesmo. Você faz parte do mundo real, o de 90% dos pobres mortais. E seu salário; ultrapassa os R$ 20 mil? Não? Bem feito! Quem mandou não ser o “Gestor de Xerox” da Câmara dos deputados? Bobeou, dançou. O cara lá recebe R$ 23 mil por mês.
E o que dizer do seu lanchinho da manhã ou da tarde? Aquele pão-de-queijo quentinho ou aquele suco de cenoura com laranja? Delícia, né? Se você lanchar diariamente, todos os dias da sua vida, quanto pensa que irá gastar? Pois bem. Saiba que um ministro pretende gastar, apenas em um ano, somente durante seus voos, R$ 200 mil reais em lanche. Haja apetite, né?
Hoje eu estou muito afim de te irritar, sabia? Você paga aluguel ou prestação da sua casa? Beleza. Senta aí! Os desembargadores mineiros receberão R$ 1 BILHÃO em auxílio-moradia retroativos ao período 1994-2000. Vou repetir para que não haja dúvidas: Um bilhão de reais! De novo: R$ 1 Bilhão. Mais uma: R$ 1 BI. Agora chega. Você já entendeu.
Me fala uma coisa: Já deu uma festinha? Batizado, aniversário, casamento, 15 anos? Bacana, né? Sabe aqueles caras gente-finíssimas que nos servem as bebidas e comidas? Sim, os garçons. Então, o TJ do Paraná, terra do juiz Sérgio Moro, pretende gastar R$ 3 milhões com os garçons este ano. Justo, né, não?
Ah, sabem o Fernando Collor? Pois é. Ele possui 81 assessores para ajudá-lo. Sabem quanto o Senado Federal custa por ano? Quase R$ 3 bilhões! Pouco, né? Afinal, são 80 senadores. E trabalham e produzem como poucos no país. Só de despesa no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, foram R$ 5 milhões de reembolso ano passado. O pessoal por lá anda mal de saúde. E detestam um hospital de Brasília também.
Alô, você de Recife!! Seus vereadores, não bastasse o salário de R$ 15 mil mensais, autoconcederam-se mais R$ 3 mil de vale-refeição. Mas fique triste, não. Nós todos gastamos, somente nos últimos três anos, R$ 100 milhões com pensões e benefícios a ex-governadores.
E Temer? Senta aí: R$ 500 milhões para troca de software, R$ 40 milhões em publicidade para divulgar a PEC 241, R$ 24 milhões em despesas com cartão corporativo, em apenas seis meses. Entendem por que não há dinheiro que baste para estes — me desculpem o palavrão — filhos das putas? Entendem por que o país está quebrado e nós, os otários que trabalhamos e pagamos por tudo isso, cada vez mais pobres?
Imaginem tudo isto em cada mísera prefeitura do Brasil. São seis mil, se não me engano. Em cada Estado, em cada Estatal, em cada secretaria ou órgão público. Em cada um dos três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário. Uma máquina cruel de moer carne humana trabalhadora.
O aeroporto do Rio, o Galeão, possui dois andares. Cada elevador conta com um ascensorista. Puta que pariu!!! Um cara para apertar ou o botão do térreo ou o do 1º andar. No Detran-MG, ao lado do totem de senha fica uma pessoa para apertar o botão e entregar o recibo com o número. Caramba, eu posso apertar o maldito botão!!
Motorista, copeiro, segurança, secretária, assessor, gasolina, telefone, almoço, lanche, diária de viagem, paletó, cafezinho, plano de saúde, aposentadoria integral, 13º, 14º, 15º, férias normais, férias-prêmio, feriados, ponto facultativo, greves, super salários, loteamento, indicações… A casta que administra e governa o Brasil nos faz a todos de escravos e palhaços e contam com a nossa conivência e passividade para continuarem como estão, do jeito que estão, servindo-se fartamente da população trabalhadora sem servir-lhe de volta.
Pronto. Terminei.
E aí? Te irritei?
Beleza. Era o que eu queria.
Abraço. Bom dia!

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

O CORETINHO.

 Este é o Coretinho da Praça Dom Ferrão. Um ponto de encontro de muitas pessoas, passam as gerações e ele continua ali como um confessionário.Ah, se aqueles bancos falassem!

VEJA DICAS PARA INCENTIVAR A LEITURA INFANTIL.

Veja dicas para incentivar a leitura infantil

Notícias ao Minuto - 30/10/2016

A leitura é fundamental para o desenvolvimento da imaginação, criatividade e outras habilidades cognitivas das crianças, além de melhorar a compreensão e produção de textos. Mesmo com toda essa relevância, a atividade ainda não atrai a maioria das famílias brasileiras. Recente pesquisa realizada pela Fundação Itaú Social aponta que, apesar de 96% dos entrevistados considerarem importante a leitura na infância, apenas 37% têm o hábito de ler para os pequenos.

De acordo com Thalita Thomé, coordenadora pedagógica da Ensina Mais, rede de apoio escolar para alunos do Ensino Fundamental, ler histórias para a criançada é a forma mais eficaz de gerar nelas o interesse pela leitura. “Quando os pais se sentam com os filhos para ler criam um laço afetivo entre a criança e os livros, além de ser um momento muito especial de interação da família”, afirma a pedagoga.

A professora também comenta que não existem limites para a imaginação na hora dos contos infantis. “Os livros têm o poder de transportar a criança para outro mundo e ampliar seus conhecimentos de uma forma gostosa e divertida. Por isso, os pais podem usar a criatividade com teatros, usar objetos que tenham em casa, tudo para fazer a criança se sentir parte da aventura”, acrescenta Thalita.

Para iniciar essa prática de maneira prazerosa, Thalita Tomé indica três livros recheados de fantasia e conhecimento, as dicas são: “Bruxa, Bruxa, venha a minha festa”, “ A menina bonita do laço de fita” e “Pedro e Tina”, “ esses contos trazem uma abordagem muito bacana sobre diversidade de raças, laços de amizades e como enfrentar o medo, que são temas muito propícios para essa faixa etária”, finaliza a psicopedagoga.

DESENCARNAÇÕES COLETIVAS, uma das ações para a TRANSIÇÃO DO PLANETA TERRA ! Entenda por quê !

DESENCARNAÇÕES COLETIVAS, uma das ações para a TRANSIÇÃO DO PLANETA TERRA ! Entenda por quê !


Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos dos grandes incêndios? Pergunta endereçada a Emmanuel por algumas dezenas de pessoas em reunião pública, na noite de 28 de fevereiro de 1972, em Uberaba, Minas Gerais.
Resposta: Realmente reconhecemos em Deus o Perfeito Amor aliado à Justiça Perfeita. E o Homem, filho de Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer situação, no mais severo julgador de si próprio.
Quando retornamos da Terra para o Mundo Espiritual, conscientizados nas responsabilidades próprias, operamos o levantamento dos nossos débitos passados e rogamos os meios precisos a fim de resgatá-los devidamente.
É assim que, muitas vezes, renascemos no Planeta em grupos compromissados para a redenção múltipla.
Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque, tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontro marcado para a desencarnação conjunta em acidentes públicos.
Exploradores da comunidade, quando lhe exauríamos as forças em proveito pessoal, pedimos a volta ao corpo denso para facearmos unidos o ápice de epidemias arrasadoras.
Promotores de guerras manejadas para assalto e crueldade pela megalomania do ouro e do poder, em nos fortalecendo para a regeneração, pleiteamos o Plano Físico a fim de sofrermos a morte de partilha, aparentemente imerecida, em acontecimentos de sangue e lágrimas.
Corsários que ateávamos fogo a embarcações e cidades na conquista de presas fáceis, em nos observando no Além com os problemas da culpa, solicitamos o retorno à Terra para a desencarnação coletiva em dolorosos incêndios, inexplicáveis sem a reencarnação.
Criamos a culpa e nós mesmos engenhamos os processos destinados a extinguir-lhe as consequências. E a Sabedoria Divina se vale dos nossos esforços e tarefas de resgate e reajuste a fim de induzir-nos a estudos e progressos sempre mais amplos no que diga respeito à nossa própria segurança.
É por este motivo que, de todas as calamidades terrestres, o Homem se retira com mais experiência e mais luz no cérebro e no coração, para defender-se e valorizar a vida.
Lamentemos sem desespero quantos se fizeram vítimas de desastres que nos confrangem a alma. A dor de todos eles é a nossa dor. Os problemas com que se defrontaram são igualmente nossos.
Não nos esqueçamos, porém, de que nunca estamos sem a presença de Misericórdia Divina junto às ocorrências da Divina Justiça, que o sofrimento é invariavelmente reduzido ao mínimo para cada um de nós, que tudo se renova para o bem de todos e que Deus nos concede sempre o melhor.
Emmanuel
AS LEIS DA CONSCIÊNCIA
A resposta de Emmanuel vem do plano espiritual e acentua o aspecto terreno da autopunição dos encarnados, em virtude de um fator psicológico: o das leis da consciência. Obedecendo a essas leis, as vítimas de mortes coletivas aparecem como as mais severas julgadoras de si mesmas.
São almas que se punem a si próprias em virtude de haverem crescido em amor e trazerem consigo a justiça imanente. Se no passado erraram, agora surgem como heroínas do amor no sacrifício reparador.
As leis da Justiça Divina estão escritas na consciência humana. Caim matou Abel por inveja e a sua própria consciência o acusou do crime.
Ele não teve a coragem heróica de pedir a reparação equivalente, mas Deus o marcou e puniu. Faltava-lhe crescer em amor para punir-se a si mesmo. O símbolo bíblico nos revela a mecânica da autopunição cumprindo-se compulsoriamente. Mas, nas almas evoluídas, a compulsão é substituída pela compaixão.
Para a boa compreensão desse problema precisamos de uma visão clara do processo evolutivo do homem. Como selvagem ele ainda se sujeita mais aos instintos do que à consciência. Por isso não é inteiramente responsável pelos atos.
Como civilizado ele se investe do livre-arbítrio que o torna responsável. Mas o amor ainda não o ilumina com a devida intensidade. As civilizações antigas (como o demonstra a própria Bíblia) são cenários de apavorantes crimes coletivos, porque o homem amava mais a si mesmo do que aos semelhantes e a Deus.
Nas civilizações modernas, tocadas pela luz do Cristianismo, os processos de autopunição se intensificam.
O suicídio de Judas é o exemplo da autopunição determinada por uma consciência evoluída. O que ocorreu com Judas em vida, ocorre com as almas desencarnadas que enfrentam os erros do passado na vida espiritual. Para encontrar o alívio da consciência elas sentem a necessidade (determinada pela compaixão) de passar pelo sacrifício que impuseram aos outros.
Mas o que é esse sacrifício passageiro, diante da eternidade do espírito? A misericórdia divina se manifesta na reabilitação da alma após o sacrifício para que possa atingir a felicidade suprema na qualidade de herdeira de Deus e co-herdeira de Cristo, segundo a expressão do apóstolo Paulo.
Encarando a vida sem a compreensão das leis da consciência e do processo da reencarnação não poderemos explicar a Justiça de Deus – principalmente nos casos brutais de mortes coletivas.
Os que assim perecem estão sofrendo a autopunição de que suas próprias consciências sentiram necessidade na vida espiritual.
A diferença entre esses casos e o de Judas é que essas vítimas não são suicidas, mas criaturas submetidas à lei de ação e reação.
Judas apressou o efeito da lei ao invés de enfrentar o remorso na vida terrena. Tornou-se um suicida e aumentou assim a sua própria culpa, rebelando-se contra a Justiça Divina e tentando escapar a ela.
Irmão Saulo (J. Herculano Pires)
Livro: Chico Xavier Pede Licença – Um Aparte do Além nos Diálogos da Terra Cap.19
Francisco Cândido Xavier, por Espíritos Diversos, J. Herculano Pires
GEEM – Grupo Espírita Emmanuel Sociedade Civil Editora

domingo, 20 de novembro de 2016

ALUNOS DA ESCOLA DA TIA HELÔ.

 Os alunos da Escola da Tia Helô, Fernando Souza e Silva e Luiz Egberto Gama em atividades artísticas.


PRÁTICA DA LEITURA MELHORA O RENDIMENTO ESCOLAR.

Em Teresina, crianças avançam em rendimento escolar com a prática da leitura

180 graus - 07/11/2016

Nas unidades de ensino da rede municipal de educação de Teresina a leitura é trabalhada de forma especial. Em planejamentos pedagógicos os professores estão sempre discutindo formas e técnicas mais dinâmicas para tornar a lida com os livros um hábito diário.

Com o grande envolvimento entre escola e família os resultados surgem e de forma surpreendente, superam as expectativas. No Centro Municipal de Educação Infantil Roseana Maria Martins, alunos do 2º período já conseguem recitar poesias, de forma segura e natural.

E essas conquistas são frutos do trabalho realizado com a formação IAB Pré- Escola. As experiências vividas pelos professores são marcantes. Crianças que participam da contação de histórias com Origami deixam a professora Maria José emocionada pela resposta positiva ao esforço concentrado de toda uma equipe pedagógica.

Ao todo o trabalho que envolve cerca de 160 professores, e, é direcionado para exibição de vivencias em salas de aula tem o respeito da Secretaria Municipal de Educação – SEMEC e também das famílias que confiam seus filhos às Escolas do Município.


POR QUÊ DEUS PERMITIU A BARBARIDADE DA ESCRAVIDÃO?

Por quê DEUS permitiu a BARBARIDADE da ESCRAVIDÃO ?


Para melhor entendimento do que se passa com os próprios homens, analisemos a resposta à questão nº 536 de "O Livro dos Espíritos" diz: “Tudo tem uma razão de ser e nada acontece
sem a permissão de Deus".

Deus permite que os homens escravizem os homens e usa esse meio para educá-los, tanto a um como ao outro, porque nada se perde, na grande extensão dos meios educativos.

Qual de nós não escravizamos alguém, qual de nós que não fomos escravizados algum dia?

Os negros africanos foram arrebanhados para diversas nações do mundo como escravos, porque eram considerados uma raça primitiva, com exceção de alguns poucos que estavam ali
orientando em alguns pontos de princípios educativos.

Não devemos olhar tudo no mundo como tão somente produto da mente humana e, sim, como sistema de despertamento das criaturas. O que Deus não quer, não existe, e Ele, sendo
onisciente, já sabia de tudo que iria e vai acontecer no futuro.

Começando pelos reinos da natureza, o homem já habituou a vender e trocar o que a Deus pertence, até os animais. Esse comércio se tornou mais acentuado e passaram a vender seus
próprios irmãos, no orgulho irradiante de dominar.

Quem no mundo já pôs termo às guerras fratricidas?

Por que Deus permite essa matança incontrolável em várias ' nações do mundo?

Isso se processa entre os primitivos e mesmo entre os animais que, por vezes, se alimentam dos próprios companheiros de selva. Certamente que tudo isso, esses processos violentos, desaparecerão da face da Terra com a maturidade dos homens, mas enquanto não chegar a luz ao coração, os homens vão continuar a matar e a escravizar.

O homem assemelha-se ao animal e é classificado como tal na própria ciência. É por isso que vive, em parte, vida animal.

Matar e escravizar são fatos que acontecem em mundos de provações e expiações.

Quem pode mudar esses acontecimentos?

Somente o tempo. As almas sairão, certamente, da escuridão, quando acenderem a luz na intimidade da consciência. Jesus veio ao mundo ao encontro da humanidade, para mostrar aos Espíritos como eles mesmos devem se libertar desses atos e fatos primitivos, limpando dos seus caminhos as nódoas negras provocadas pela escravidão e matanças.

Contudo, as lições disso oriundas ficarão no centro da vida, e tanto quem morre, como o escravo, quanto o que faz morrer e escraviza, trocam de posições pela lei das vidas sucessivas, e todos aprendem juntos as lições de amor que salvam a todos.

Lemos em Lucas, no capítulo dezoito, versículo trinta e dois:

Pois será ele entregue aos gentios; escarnecido, ultrajado e cuspido.

Por que Deus permitiu que acontecesse isso com Seu filho amado?

A porta que Jesus transpôs foi das mais dolorosas, para voltar aos céus. Entretanto, somente assim Ele pôde despertar nos homens o desejo da renovação espiritual, ao exemplificar a Sua vida nobre e
fecunda.

E as grandes catástrofes da natureza? Quem as impulsiona e regula?

Somos todos escravos das conseqüências dos nossos pensamentos. E por que pensamos assim? Tudo é organizado
por Deus e somente Ele sabe o porquê. Nós outros devemos obedcer-Lhe com humildade, e ainda amá-Lo sobre todas as coisas, porque o Senhor assim o faz por amor a nós, que ainda
não sabemos os verdadeiros motivos, por nos faltar capacidade para tal.

Muitos aspectos da Verdade não são ditas, por não termos ainda ouvidos para ouvir. A Verdade chega aos nossos ouvidos, gradativamente, de acordo com a nossa capacidade
espiritual.

Fonte - Filosofia Espírita - Volume XVII (psicografia João Nunes Maia - espírito Miramez)

sábado, 19 de novembro de 2016

CAMPANHENSES EM BELO HORIZONTE.

Campanhenses num evento social em Belo Horizonte.
Francisco Carvalho, Dr.Laércio Nogueira,...Maria Eugênia Roquim, Dalva Villamarim,... e Dr.Sérgio de Almeida Oliveira.

O QUE É SAÚDE E DOENÇA À LUZ DA DOUTRINA ESPÍRITA.

O QUE É SAÚDE E DOENÇA À LUZ DA DOUTRINA ESPÍRITA?


• Doença e saúde se referem ao estado em que se encontram as pessoas e não ao estado de órgãos ou partes do corpo.

• O corpo físico nunca está só doente ou só saudável, já que nele se expressam realmente as informações da consciência. 

• O corpo de um ser humano vivo deve seu funcionamento ao espírito que o habita.

• Quando as várias funções corporais se desenvolvem em conjunto dentro de uma harmonia, ele se encontra num estado que denominamos de saúde.

• Se uma função falha, ela compromete a harmonia do todo e então falamos que ele se encontra em um estado de doença. A doença é a perda relativa da harmonia.

• Esta perturbação da harmonia acontece em nível de consciência, que é a parte espiritual do ser, enquanto o corpo é a forma de apresentação desta desarmonia.

• O nosso “não consciente” envia mensagens ao nosso “consciente”, sob a forma de tensões ou sofrimentos físicos e emocionais. Procurando “silenciar” esta tentativa de comunicação, utilizamos medicamentos para acabar com os sintomas, sem perceber o que gerou os mesmos.

• Para se dar conta de onde está situada a causa inicial, médicos e pacientes precisam aprender não apenas a perceber o que é visível na luz, mas também identificar o que está escondido na sombra.

Por que médicos e pacientes precisam aprender a perceber onde está a causa inicial?

• Médicos, porque tem o papel de orientar. Se não souberem a causa, irão tratar apenas a conseqüência.

• Pacientes, porque são os principais interessados e responsáveis por sua cura.

Origem da desarmonia no perispírito

• Sabemos todos que o perispírito:

• É preexistente e sobrevivente à morte do corpo material, transmitindo suas vontades ao corpo físico e as impressões do corpo físico ao espírito;

• Que o envoltório carnal se modela e as células se agrupam de acordo com a forma perispiritual;

• Que as qualidades ou defeitos, faltas, abusos e vícios de existências passadas registrados no perispírito reaparecem no corpo físico como enfermidades e moléstias.

• Inúmeras almas já renascem “adoecidas”, ou seja, com os componentes psíquicos enfermiços. Em grande parte dos casos, o componente inicial desta enfermidade é a falta de auto-amor.

• O amar a si mesmo ainda é uma lição que todos temos de aprender. Muitas reencarnações têm por objetivo precípuo restabelecer o desejo de viver e recuperar a alegria de sentir-se em paz. Uma conseqüência da falta do auto-amor é a depressão.

O que é depressão?

Como se pode conceituar depressão à luz do conhecimento espírita?

• Depressão é cansaço de viver, é não aceitar a vida como ela é.

• É a “doença prisão” que cassa a liberdade da criatura rebelde, viciada em ter seus caprichos atendidos.

• É uma intimação de leis da vida convocando a alma a mudanças inadiáveis.

• Em tese, depressão é a reação da alma que não aceitou sua realidade pessoal como ela é, estabelecendo um desajuste interior que a incapacita para viver plenamente.

• No capítulo “Receituário oportuno” do livro “Escutando os Sentimentos”, de Wanderley S. de Oliveira, Ermance Dufaux nos diz ser necessário ingerir três medicações com freqüência:

1. Acreditar que merece a felicidade, assim como todos os seres humanos (ser feliz é contentar-se com o que se é, sem que isso signifique estacionar; é o amor a si);

2. Parar de encontrar motivos externos para suas dores, encontrando-lhes as causas íntimas (dentro de cada um está a cura para todos os seus males);

3. Parar de pensar em felicidade para depois da morte e tentar ser feliz ainda em vida (a felicidade resulta da habilidade de consolidar o sentido da vida a partir do “olhar de impermanência”).

As emoções e os chakras

• Sabemos quando a consciência de uma pessoa está desequilibrada, pois ela torna-se visível e palpável na forma de sintomas físicos ou psicológicos o seu desequilíbrio, existem desarmonias registradas a nível perispiritual. É o ser humano que está doente (espírito) e não o seu corpo físico.

• Como os chakras fornecem energia sutil aos diversos órgãos do corpo, os bloqueios e conflitos emocionais podem resultar num fluxo energético anormal para diversos sistemas fisiológicos. Com o tempo, esses fluxos anormais de energia podem produzir doenças de maior ou menor gravidade em qualquer órgão do corpo.

• O estresse emocional é um importante fator no processo de produção de doenças. Os conflitos emocionais, os sentimentos de impotência e a falta de amor por si próprio podem ter efeitos nocivos sobre o funcionamento dos principais chakras.

• A falta de amor a si ou a auto-imagem ruim pode causar bloqueio no chakra cardíaco, o qual, secundariamente, afeta o funcionamento do timo, debilitando o sistema imunológico.

Também pode afetar os pulmões contribuindo para as doenças respiratórias.

• A forma inadequada de expressar verbalmente o que sente ou a não expressão verbal dos sentimentos internos pode interferir na função do chakra laríngeo. Esta pode ser a causa de muitos casos de amigdalites ou transtornos de tireóide.

• Nossas doenças são freqüentemente um reflexo simbólico dos nossos estados internos de intranqüilidade emocional, bloqueio espiritual e desconforto. Isto sugere que a prescrição de medicamentos de efeito rápido, que aliviem apenas temporariamente os sintomas agudos da doença, não é a solução ideal para minorar os problemas do paciente, dentro de uma perspectiva reencarnacionista.

• A medicina do futuro deverá ensinar os pacientes a reconhecer os fatores emocionais e energéticos sutis que podem predispô-los a determinados estados mórbidos. Terão mais facilidade em detectar disfunções nos chakras, corpos emocional, etérico e mental.

Hereditariedade

Por que ficamos doentes se aparentemente fazemos tudo certo?

• A hereditariedade existe, mas os registros, no perispírito, das experiências passadas da alma (psíquicos, intelectuais, profissionais, morais e emocionais) determinam a formação dos órgãos no novo corpo material. A hereditariedade reflete a aproximação por afinidades vibratórias entre os membros de uma mesma família.

• Na fecundação, o gameta masculino vitorioso está impulsionado pela energia do perispírito do reencarnante que encontrou nele os fatores genéticos necessários para a programação reencarnatória. Os códigos genéticos da hereditariedade, em consonância com o conteúdo vibratório dos registros, vão organizando o corpo físico.

• As enfermidades graves decorrem de faltas passadas e contribuem para o aprendizado, reparação e restauração dos atos inadequados, além da elevação da alma.

• Certos acontecimentos e doenças são permitidas pelo plano espiritual para estimular o espírito a cumprir compromissos com a sua jornada evolutiva.

• Assim, enfermidades ou acidentes inesperados, carência afetiva e dificuldades econômicas são meios utilizados para despertar da anestesia da ilusão ou da intoxicação do orgulho, egoísmo, cólera etc, a que muitos se submetem.

• Tabaco, álcool, drogas, excesso no sexo e na alimentação são de livre opção atual, não incursos originalmente no processo evolutivo de ninguém. Quem a qualquer deles se vincula, colherá o efeito prejudicial, não se podendo queixar ou aguardar solução de emergência.

Energia vital. Como equilibrá-la?

• De um ponto de vista energético, o corpo físico debilitado oscila numa freqüência diferente daquela quando em estado saudável.

• Quando a pessoa é incapaz de alterar o seu modo energético para a freqüência adequada, talvez seja necessário aplicar-lhe certa dose de energia sutil, o que pode fazer com que seus sistemas bioenergéticos passem a vibrar de forma apropriada.

• Existem formas de tratamento que interagem também com a energia do ser humano como a acupuntura, a homeopatia, a antroposofia, a cromoterapia, os florais, os fatores de auto-organização, os elixires de pedras preciosas, o passe magnético, a prece, a água fluida etc.

• No entanto, a medicina não deve ter como foco apenas o tratamento do corpo, pois desta forma não obterá a cura, apenas melhora dos sintomas.

• Pesquisas realizadas com ajuda de clarividentes sugerem que as doenças iniciam-se primeiramente no corpo etérico e em outros veículos de freqüências superiores. Neste caso os sinais de doenças poderão ser percebidos no corpo etérico antes que seja possível detectá-los no corpo físico.

• O ideal é que se possa detectar as doenças num estágio suficientemente precoce para que impeça a manifestação física da doença no nível celular.

• A doença é o caminho pelo qual o ser humano pode seguir rumo à cura. Quanto maior for nossa compreensão, maior nosso aproveitamento das coisas que nos cercam.

• A cura acontece através da incorporação daquilo que está faltando e, portanto, ela não é possível sem uma expansão da consciência.

• O desenvolvimento de valores como paciência, humildade, bondade, perdão, tolerância, caridade e amor, são características de consciência plenamente desperta, de unidade perfeita e de perfeito entrosamento de Deus para com o homem. Este é o caminho da cura.

Responsabilidades de médico e paciente no processo de cura.
Papel do espiritismo

• O princípio mais importante para a medicina que trabalha com as vibrações é o conceito de que os seres humanos são sistemas dinâmicos de energia que refletem os padrões evolutivos do crescimento da alma.

• O médico não deve ser apenas um agente promotor da cura, mas também um educador. No entanto, o paciente é o principal responsável pela sua cura.

• É muito mais fácil tomar um comprimido que proporcione um rápido “conserto” do organismo, do que modificar os hábitos potencialmente insalubres que possam estar contribuindo para o problema da saúde.

• Cada ser humano é responsável pela busca do seu equilíbrio, da sua harmonia. O espiritismo auxilia no tratamento da consciência humana, lhe apresentando novos valores, educando o espírito.

• Muitos pacientes só adotam hábitos mais saudáveis após algum acontecimento traumático ou o diagnóstico de uma doença grave.

• O médico do futuro combinará o conhecimento científico e o conhecimento espiritual a fim de promover a cura em todos os níveis.