Páginas

quinta-feira, 14 de julho de 2016

SALAS DE LEITURA SÃO TRANSFORMADAS POR AÇÃO DE FUTUROS PEDAGOGOS.

Salas de leitura são transformadas por ação de futuros pedagogos

Daniela Jacinto - Cruzeiro do Sul - 16/06/2016

Dentro de uma escola do bairro Ipanema Ville existe um castelo, que é da Rapunzel. Suas tranças são vistas de longe, pra fora da janela. O lugar onde ela mora guarda muitas histórias e todos os que quiserem podem entrar, basta apenas abrir a cortina. Do lado de lá, tem uma enorme árvore de livros e muitas aventuras para viver, mesmo se estivermos deitados entre almofadas e bichos de pelúcia. Assim é a nova Sala de Leitura da Escola Municipal Leda Therezinha Borghesi Rodrigues, reinaugurada este mês por alunos do 5º período do curso de Pedagogia da Universidade de Sorocaba (Uniso), que estão implantando em escolas da rede pública de Sorocaba e região o projeto Biblioteca de Sonhos.

A ideia é levar livros para as escolas que têm um acervo pequeno e tornar o espaço de leitura mais atraente. O principal é que as obras são colocadas em uma altura próxima das mãos das crianças, distribuídas em caixas, caixotes, cestas, varais e até trenzinho. O resultado agradou tanto os estudantes que agora eles aguardam com ansiedade pelos dias da semana em que podem ficar mais tempo no castelo.

Para João Victor Bersonette Gegminani Macedo, 8 anos, aluno do 3º ano do ensino fundamental, a Sala de Leitura ficou "da hora". "Só tinha mesa antes, não dava pra ler direito, agora tenho vontade de ficar um bom tempo e pegar um monte de livros. Adoro ler", diz.

Maria Clara de Jesus Santos, 10 anos, aluna do 5º ano do ensino fundamental, afirma que ficou impressionada com o novo espaço. "Quando entrei, vi o castelo da Rapunzel e os livros. Fiquei sem reação. Nas outras escolas que estudei não tinha nada disso. Entre todas as coisas que gostei está o Hospital de Livros, que recupera os livros estragados", elogia.

Já Ana Laura Cardoso Ferreira, 7 anos, aluna do 2º ano do ensino fundamental, resolveu colaborar com o projeto. "Eu senti vontade de colaborar com a escola quando fiquei sabendo que aceitava doação e levei meus gibis", conta.

Para Daiane Ingrid Barreto de Sousa Camargo, 25 anos, aluna do 5º período do curso de Pedagogia e uma das envolvidas com o projeto, é muito bom ouvir a opinião dos alunos e principalmente ter visto a carinha de cada um deles no dia da inauguração. "Quando a professora apresentou a ideia na sala de aula deu medo, pelo projeto ser muito grande. A gente sabia que teria de conseguir parcerias e fizemos com muita vontade mesmo por causa das crianças, pelo incentivo à leitura, afinal escolhemos fazer Pedagogia porque a gente acredita na educação".

Do pouco de cada um, veio o resultado

Um conseguiu tecido, o outro costurou, teve quem arrecadou livros e os que planejaram a organização do espaço. Vieram as dificuldades e então precisaram fazer rifa e lançar pedidos de colaboração pelo Facebook. Amigos, vizinhos e familiares se uniram e abraçaram a ideia. Do pouco de cada um veio o resultado, que acabou emocionando a todos. Dessa forma é que os cerca de 50 estudantes de Pedagogia da Uniso foram dando vida ao projeto Biblioteca de Sonhos, idealizado pela professora Ana Paula Ponce Ribeiro Germanos dentro da disciplina Práticas de Alfabetização.

Nesta primeira edição, foram contempladas quatro escolas públicas. Além da Leda Therezinha, os alunos colaboraram com a Escola Municipal Benedito José Nunes, no Parque Esmeralda, a CEI-92 no Jardim Santa Esmeralda, e a Escola Municipal Alcebíades Leonel Machado, esta de Araçoiaba da Serra. "Em cada escola o projeto foi desenvolvido de acordo com o espaço disponível e dentro do que os alunos conseguiram oferecer. Foram escolhidas as unidades que precisavam ampliar suas bibliotecas e que os alunos teriam facilidade para conseguir contato com a direção", explica Ana Paula.

Como a Uniso é uma universidade comunitária, a professora pensou num projeto que pudesse não só envolver a comunidade, mas fazer algo por ela. Nesse sentido, veio a preocupação com o incentivo à leitura e a vontade de colaborar com as escolas públicas.

Sobre o nome escolhido para o projeto, a professora explica: "Imaginamos livros dispostos em varal, prateleiras ou cestos, e as crianças colhendo ou retirando esses sonhos, que é o que as histórias proporcionam".


Parcerias continuarão e projeto segue

O projeto, iniciado em fevereiro, foi recebido com tanto empenho e entusiasmo pelos alunos que acabou ganhando vida própria e parceiras que continuarão ao longo do ano, para contemplar mais escolas. Ao todo eles conseguiram aproximadamente 3 mil livros e gibis, sendo 50 doados pelo Itaú Cultural e 431 pela editora Ciranda Cultural. O projeto ainda contou com participação dos artistas plásticos Adriano Gianolla e Ivy Castro. Também colaborou a empresa Valec, que financiou os banners de divulgação.

Conforme a professora Ana Paula, a colaboração mais surpreendente foi da editora Ciranda Cultural pois tudo ocorreu ao acaso. Ela lembra que acontecia uma feira de livros no shopping do Campolim, realizada por essa editora, e já tinha ido várias vezes comprar para doar ao projeto, e os alunos também. "Um dia eu estava com minha filha e meu genro no shopping e ele teve a ideia de perguntar para o responsável pela feira se ele autorizaria a deixar uma caixa lá, para arrecadar livros de quem quisesse comprar para doar ao projeto. No fim o proprietário ficou sabendo e disse que para cada livro doado pela comunidade a editora também doaria um e então foram 431 livros da comunidade e outros 431 da editora", comemora.

O proprietário ficou tão entusiasmado com o projeto, diz Ana Paula, que cancelou compromissos e esteve presente na inauguração da biblioteca da escola Leda. "Lá ele disse que queria continuar colaborando e então o projeto seguirá", revela.

Daniel Tadeu Moreira dos Santos Merlin, diretor da escola Leda, lembra que a unidade ainda é nova, foi inaugurada há três anos e meio, e está feliz com a iniciativa dos alunos pois fazia parte dos planos um dia ter uma biblioteca assim. A escola atende crianças de 4 a 10 anos, desde a pré-escola até o 5º ano do ensino fundamental, e ainda os alunos que ficam em tempo integral.

A professora Ana Paula lembra que em Araçoiaba o projeto também chamou a atenção, inclusive a prefeita da cidade esteve presente na inauguração.

Os alunos continuam arrecadando livros infantis e gibis para abastecer as bibliotecas. Interessados em colaborar podem deixar livros nos seguintes campus da Uniso: Trujillo (avenida General Osório, 35), na sala de coordenação do curso de Pedagogia, e na Biblioteca da Cidade Universitária (rodovia Raposo Tavares, km 92,5).

Nenhum comentário:

Postar um comentário