Páginas

domingo, 17 de julho de 2016

POUCOS ALUNOS ASSOCIAM BIBLIOTECA A LUGAR DE PRAZER.

Pesquisa mostra que poucos alunos associam bibliotecas a lugares prazerosos

Antônio Gois - O Globo - 11/07/2016

Quase metade (44%) da população brasileira não tem hábito de ler livros. Este percentual permanece estável nos últimos 12 anos, apesar de termos verificado no período um aumento significativo na proporção de brasileiros com ao menos ensino médio completo. Esses e outros dados constam da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada pelo Instituto Pró-livro e pelo Ibope na última edição da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty). Com mais escolaridade, era de se esperar que nossos níveis de leitura, muito baixos em relação a países desenvolvidos, tivessem aumentado. Mas não foi o que aconteceu. Além da questão recorrente da qualidade insatisfatória de nosso ensino, a pesquisa dá outras pistas de por que não estamos transformando mais educação em mais leitura. Elas passam pela influência dos pais, professores, e pelo uso que fazemos de bibliotecas públicas ou escolares.

A pesquisa reforça a tese de que o hábito de leitura é uma construção que vem da infância, e que o papel dos pais é essencial. Apenas um terço dos brasileiros teve influência de alguém na formação do seu gosto pela leitura. Quando os entrevistados lembram de alguém, a figura mais citada é a mãe. Por isso é tão importante que os pais sejam também foco das políticas de incentivo à leitura. Um outro estudo, divulgado na semana passada, vai na mesma direção. Ele foi realizado pela Universidade de Nova York e pelo Instituto Alfa e Beto na cidade de Boa Vista (RO). Lá, foi avaliado um programa que incentivava e treinava os pais a lerem para os filhos. Entre as crianças de pais que participaram do programa, foi observado um aumento no vocabulário, na memória de curto prazo, e uma diminuição nos problemas de comportamento.

Os professores, como sempre, também têm papel fundamental. Daí surge outra informação preocupante da pesquisa do Instituto Pró-Livro e do Ibope: eles também têm pouco hábito de leitura. Apesar de 84% terem dito que leram um livro (ou um trecho dele) nos três meses anteriores à pesquisa, quando o entrevistador pergunta qual o nome do livro que ele leu ou estava lendo, surge uma contradição: metade (50%) diz não estar lendo livro nenhum, e outros 6% afirmaram não se lembrar ou não responderam. Assim como acontece com o total da população, também entre professores que dizem ter lido um livro, o mais citado é a Bíblia, seguido de outros títulos religiosos.

No caso das bibliotecas, um dado que merece reflexão está na resposta de 71% dos brasileiros que associam este espaço principalmente como um lugar para pesquisar e estudar. Não há nada de errado com esta afirmação. O problema é que outras respostas _como um lugar para emprestar livros ou um espaço de lazer_ são citadas em frequência bem menor, sempre abaixo de 30%. Entre estudantes, o padrão é o mesmo: 75% dizem que vão à biblioteca para pesquisar ou estudar, e apenas 34% mencionam que procuram esse espaço para ler livros por prazer (a soma ultrapassa 100% porque o entrevistado podia dar mais de uma resposta).

Por lei, temos até 2020 para garantir que todas as escolas tenham biblioteca ou sala de leitura no Brasil. Em 2015, este percentual era de apenas 53%. É inconcebível pensar num espaço educacional sem este equipamento, mas a pesquisa do Instituto Pró-Livro e do Ibope sugere que a simples existência deste equipamento não é garantia de que vamos incentivar hábitos de leitura nos estudantes. É preciso saber usá-los.

Nenhum comentário:

Postar um comentário