Páginas

terça-feira, 31 de março de 2015

A MONARQUIA DO PT DEPOIS DO PETROLÃO.


DE FRENTE OU DE BUNDA?

DE FRENTE OU DE BUNDA?

Quero entender, acho que estou enlouquecendo e não vivo em um país que realmente existe.
Vejo pela TV um homem de terno e gravata dentro ...de nosso Parlamento dizer que roubou 97 milhões de dólares. Isso mesmo, ele confessa publicamente que roubou esta quantia. Ele não está algemado, não está com o macacão alaranjado do Sistema Prisional.
Imagine a seguinte cena. Eu vou lá no corredor do Congresso e começo a falar que roubei R$97,00 da cantina.
O que vocês acham que me aconteceria?
Primeiro, o dono da cantina ia chamar a polícia. A seguir eu seria algemado. Levaria uns sopapos para entrar na viatura, onde eu tentaria entrar de joelhos. O correto é o preso entrar de bunda, mas como sou primário, vou tentar entrar da forma errada. Bandido experiente, reparem pela TV, entra na viatura de bunda, meio de ladinho.
Mas o cara que está lá falando que roubou 97 milhões de dólares -quase R$300 milhões-, não vai entrar em viatura alguma. Gostaria de ver se ele entraria de frente ou de bunda.
Lá está ele. Dizendo, até com uma certa marra, que roubava na Petrobras desde 1997. Não é engraçado? Acho que vou fazer uma fezinha neste número: 97. Desde 1997 este cara roubou 97 milhões de dólares.
Recuso-me a chamar este ladrão de senhor pois aprendi com meus pais que este é um tratamento que a gente dá aos homens de respeito no Brasil.
Mas o que é Brasil?
Se eu não estivesse consciente de que não estou batendo biela, eu ia achar que pirei o cabeçote.
O cara está dizendo que roubou. ROUBOU...
E por que ele não está algemado e nem com o macacão alaranjado?
Por que lá fora não tem uma viatura policial o esperando, uma rádio-patrulha velha caindo aos pedaços?
Por que neste país que moro desde que nasci e vivo equivocado, as coisas são desta maneira?
Este país não é o meu.
É o seu?

VEM PRA RUA, RESPONDE AO MINISTRO DA JUSTIÇA.

Dia 12 DE ABRIL. VEM PRA RUA. 

RESPOSTA ao Ministro da Justiça, após o Movimento Popular de 15 de março de 2015,de autoria do Movimento Patriótico Apartidário VEM PRÁ RUA, expressando sua visão do descalabro de comando em que vive o Brasil da PaTfaria.
 Boa leitura, com o fraterno abraço, 
 Ministro da Justiça, Cardozo,
 De seu pronunciamento de ontem, 15 de março de 2015, na televisão, que classifica o movimento patriótico, pacífico,  e contra o assalto ao país,   VEM PRA RUA, de  GOLPISTA,  o movimento lhe responde o seguinte:
GOLPE é LULA incitar o exército mercenário de bandidos do MST para atacar a oposição. O "general" LULA, o incentivador, sempre blindado e impune. Sugerimos que V. Exa. leia o livro, " O Chefe", de Ivo Patarra, de 457 páginas, com os crimes do mensalão, (apenas os do mensalão). Este livro se encontra em todas as boas livrarias do país, mas não precisa comprar não: anexamos integralmente o livro para V. Exa. ler.
GOLPE é V. Exa. falar, falar, falar, e fugir sempre do assunto, atacando de jurista, e dizendo   " que vamos anunciar nos próximos dias, medidas de combate à corrupção, a lei Anti-Corrupção."    Desde o primeiro dia do mensalão, 14 de maio de 2.005, portanto há DEZ ANOS QUASE COMPLETOS ( veja na página 47 do livro anexo), as leis existentes no país já eram suficientes para mandar todos os meliantes para a cadeia, inclusive o chefe. O país não precisa de nova " Lei Anti-corrupção" não Sr Ministro. O país tem leis e instituições sérias, inclusive a valiosa Polícia Federal, subordinada a V. Exa., que atua exemplarmente, não porque V. Exa. tenha mandado, mas porque é uma instituição de estado e não de governo, e das mais respeitáveis.  Nenhuma contra ordem, se houvesse, iria tira-la da execução do que é seu dever fazer. E  V. Exa. não precisou dar nenhuma ordem para que ela o fizesse, porque é seu (dela) dever constitucional de estado.
GOLPE é um partido político se apropriar de centenas de milhões de dólares, mediante indicação política de diretores ladrões nas principais empresas e órgãos públicos, visando arrecadação de recursos ilegais, em assalto a empresas e órgãos públicos, para um projeto de auto perpetuação no poder, como se pode provar nos autos da operação LAVA-JATO. 
GOLPE é V. Exa. se reunir com  advogados de empresário que estava prestes a fazer um acordo de delação premiada na operação LAVA-JATO, que iria implicar pessoas do mais alto escalão. Ministro de Estado não é profissional advogado e não deveria se imiscuir com advogados de réus do governo.
Infelizmente, para a Polícia Federal, para  a Justiça e o povo brasileiro, e esperamos que para V. Exa. também, o Sr. Ricardo Ribeiro Pessoa, da UTC Engenharia, por enquanto, desistiu da delação premiada. Mas não se preocupe não, Sr. Ministro , este empresário, mais dia menos dia, vai fazer a delação premiada, pois não irá querer passar o resto de seus dias na cadeia. Assim como TODOS OS OUTROS, SEM EXCEÇÃO.
GOLPE é o governo apoiar financeiramente o MST. Esta associação criminosa assinou um convênio, em Guararema, São Paulo, em outubro de 2.014, com o Ministro das Comunas da Venezuela, Sr. Elías Jaua, para o treinamento de guerrilheiros urbanos e rurais, nos moldes cubanos e venezuelanos, em uma clara e aberta afronta à soberania e segurança nacionais. Pelo que parece, o "general" Lula já está se valendo deste treinamento, querendo usá-lo, segundo afirmou em vídeo.
GOLPE é o governo se eximir de condenar a Venezuela, pelos graves delitos cometidos contra os direitos humanos de sua população, que pede auxílio e mesmo socorro internacional, e pela auto transformação de uma suposta democracia em uma ditadura oficial, ocorrida na última semana passada, quando seu dirigente Maduro solicitou oficialmente ao Congresso, todo aparelhado, a governar por decreto, sendo prontamente atendido. Temos mais uma ditadura sangrenta no continente. O " general" Lula não só não condenou, mas incentivou o Sr, Maduro, elogiando-o publicamente, em vídeo.

GOLPE é afirmar que vai ser feita a REFORMA POLÍTICA, em " atendimento" à reivindicação do movimento. Ninguém reivindicou no movimento uma reforma política, mas uma "REFORMA DE GOVERNO".
GOLPE é V. Exa. tentar sectarizar um movimento apartidário que reuniu 2 milhões de pessoas de todas as matizes e em todos os estados do Brasil. V. Exa. demonstra que não conhece a história do Brasil, e o que significa uma demonstração popular desta magnitude, ocorrida  não mais do que três vezes em nossa história.
GOLPE é o governo tentar passar no Congresso Nacional, dez dias antes das eleições para presidente, um decreto criando os  "conselhos populares", imediatamente derrotado no mesmo congresso. Este decreto, com 527 artigos, é similar ao do conselho dos sovietes da antiga União Soviética, que retira do Congresso seus poderes de legislar, transferindo-os para um conselho cujos membros são indicados pelo executivo, ou seja, DITADURA. Este decreto tenta impor uma ideologia alienígena derrotada e superada no mundo todo, exceto em Cuba, Venezuela e Coréia do Norte, que JAMAIS SERÁ IMPLANTADA AQUI NO BRASIL. A inteligência e a vigilância do povo brasileiro não pode ser menosprezada, S. Exa.
Nós temos a impressão de que vocês não entenderam nada do que está acontecendo. Nós achamos que vocês não têm mais jeito.
Se você é brasileiro, patriota e quer ver essa situação mudar, não vacile, REPASSE para o maior número de pessoas: é preciso fazer com que o povo tome consciência e reaja, sempre, como acabamos de fazer !
Movimento Patriótico Apartidário 
VEM PRA RUA

segunda-feira, 30 de março de 2015

BRASIL LITERÁRIO TERÁ FOCO NAS POLÍTICAS PÚBLICAS.

Brasil literário terá foco nas políticas públicas

www.brasilliterario.com.br
O Movimento por um Brasil literário realizou dois grandes encontros no dia 29.01. O primeiro foi uma reunião dos integrantes de seu Conselho Deliberativo, que trouxe diversas boas resoluções para o ano. O segundo foi uma Assembleia do Movimento, que reuniu integrantes e parceiros antigos e novos, todos muito entusiasmados com o crescimento do Movimento, o aprofundamento de sua atuação, suas recentes conquistas na expansão territorial dos Núcleos de Literatura, na articulação com novas organizações e movimentos, e na incidência em políticas e planos de leitura, literatura e biblioteca.

O Conselho aprovou a realização do 1º Seminário Brasil literário, que deve acontecer em agosto deste ano, no Rio de Janeiro, com o apoio de diversas organizações parceiras, entre elas, a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, que disponibilizou a infraestrutura para a realização do evento, que deve ocorrer na Biblioteca Estadual. Na ocasião, outra novidade é que deve ser lançado o primeiro volume das Edições Brasil Literário, novo Selo Editorial do Movimento. Além disso, está previsto para as atividades deste ano, um maior foco no trabalho com políticas e planos de leitura, literatura e biblioteca pelo país, através dos integrantes do Movimento e dos Núcleos de Literatura

CUIDADO COM OS PETRALHAS!


PETRALHAS ESCROTOS
Fiquemos atentos.
 Por Marco Antonio dos Santos*
Luís Inácio da Silva, mesmo em ato falho, sabe do que fala.
Ele tem uma organização paramilitar para chamar de sua, para chamar de exército, mesmo que isso não seja totalmente incondicional.
Infelizmente, o ninho de cobras há 3 décadas incubado, foi explicitamente mencionado por ele como o braço armado do movimento revolucionário em curso no Brasil. Nada que surpreendesse os iniciados.
O MST está pronto para a luta. Luís Inácio deu a notícia para o país e para o mundo. O inimigo, vagamente denominado por ele de "eles", certamente é a democracia e a sociedade brasileira. Fácil entender isso.
Que não se espere, marchas pacíficas de "margaridas", de "sem terrinhas" ou entrega de flores à presidente. O quadro político indica que isso pode ter ficado no passado.
Dividido em grupos de 500 famílias, denominados brigadas, com comandos locais, regionais e nacional, o MST reúne mais de 1 milhão (é isso mesmo) de famílias em mais de 10 mil assentamentos e acampamentos em 24 unidades da federação, a entidade política MST tem estrutura paramilitar e está aprestada para o combate. Além disso, tem comitês específicos para saúde, mulher, direitos humanos, logística, imprensa e Inteligência (é, meios de obter informações acionáveis, como já demonstrou). Faz trabalho de estado-maior de causar inveja aos militares.
Cada grupamento de acampados ou assentados está localizado, tática e operacionalmente, de acordo com o plano de manobras previsto pelo comando central (Comitê Político). Em geral próximos de entroncamentos intermodais de transporte (o que facilita a logística), de usinas geradoras de energia, polos de agronegócios e áreas produtoras de hortifrutigranjeiros, regiões de fronteira com países limítrofes "bolivarianos" e cidades de porte (onde exista mídia em condições de repercutir ações).
Óbvio entender que as concentrações estratégicas estão em condições de facilitar a manobra.
Durante os 30 anos de existência, o MST deu sobejas provas de capacidade de mobilização de massas populares específicas (povo, políticos, mídia desinformada e ONG) e de recursos financeiros e meios de logística de transporte e abastecimento (especialmente de água e alimentação) e capacidade de operar em longas distâncias.
Em 2005, curiosamente durante o desenrolar no Congresso do caso "mensalão", o MST executou espetacular manobra estratégica ao colocar em Brasília mais de 50 mil pessoas, vindas de todas as partes do Brasil, inclusive Sul e Sudeste, em notável demonstração de força. Para comparação, a primeira leva de invasão da França, em 06 de julho de 1944, o famoso Dia D, na II GM, desembarcou 100 mil homens, com imenso esforço.
Durante uma semana, eu pude ver isso, o MST transportou, alimentou, acampou (junto ao Estádio Mané Garrincha), deu banho, uniformizou e, em perfeita ordem, promoveu ameaçadores desfiles diários em torno da Praça dos 3 Poderes, com formações de dar inveja às falanges romanas, aos camisas pardas de Hitler e aos desfiles do exército soviético na praça Vermelha de Moscou. Cumprida a missão, retirou-se de forma muito mais organizada que o exército de Napoleão na Campanha de 1812 na Rússia. Foi uma incrível demonstração de forças, repito. As distâncias são semelhantes.
Violência o MST tem praticado em inúmeros incidentes localizados, mas de grande repercussão política, como o de Eldorado de Carajás, onde emboscou a tropa da PMPA, em abril de 1996, provocando a morte de 19 sem-terras, autênticos buchas de canhão. Fácil repetir.
De lá para cá, só aperfeiçoou seus princípios doutrinários e aumentou as capacitações operacionais. Formou, treinou e aperfeiçoou quadros com mercenários das FARC e incorporou reforços de milicianos bolivarianos originários da Venezuela, de haitianos trazidos ao Brasil sem prévia verificação de antecedentes, de cubanos do programa governamental de intercâmbio na área de saúde, e outros idiotas ideologizados nacionais. Ainda, infiltrou agentes em todas as organizações e entidade de seu interesse, como já deu prova cabal de que o fez.
Presentemente, com o ensaiado armistício entre as FARC e o governo da Colômbia, o MST pode vir incorporar mais guerrilheiros, desmobilizados, que dificilmente encontrarão afazeres fora do uso ilegal de armas de guerra, como alguns o fizeram ao longo de suas vidas naquele país. Armas de fogo, como já foi observado em alguns episódios, existem e na hora adequada, surgirão aos borbotões em mãos treinadas de seus integrantes.
Isso aconteceu diante dos olhos da sociedade inerte e com o beneplácito e a conivência de governantes.
É factível considerar que o MST pode comprometer, na oportunidade politíco- estratégica selecionada, a ordem e a segurança públicas, com objetivo pré- estabelecido, uma vez que detém a inciativa estratégica, perdida pelas forças da lei , há muito tempo. Tem condições de bloquear vias de transportes em âmbito nacional, ocupar usinas geradoras de energia e fontes de abastecimento de gêneros, invadir propriedades rurais e urbanas, órgãos de governo e privados de interesses, tomar de assalto o Congresso Nacional e Câmaras Legislativas estaduais além de sedes de Executivo e outros pontos sensíveis de caráter estratégicos, imobilizando consideráveis efetivos das forças policiais e militares.
O desabastecimento de alimentos, combustíveis, água e medicamentos será recorrente.
O caos estará implantado.
As forças da lei e ordem terão que ser empregadas na totalidade de seus efetivos. À exceção das tropas das três Forças Armadas, preparadas para operações de longa duração, as polícias estaduais sucumbirão em cerca de setenta e duas horas. Tal fato já se verificou nos idos dos anos 1980, em São Paulo, e 1990 no Rio Janeiro.
A Polícia Rodoviária Federal, caracteristicamente desdobrada na malha rodoviária federal não será suficiente para bloquear todas as "brigadas" em deslocamento para seus pontos de ação estratégica.
Mesmo que todo o aparato de segurança descrito possa ser mobilizado, só poderá fazer uso legal de armas de menor poder letal (comumente denominadas de "armas não letais"). Afinal, será que algum comandante estará disposto a promover o emprego da violência necessária, em critério altamente subjetivo, mesmo que em defesa da lei e da ordem, e sofrer penalidades aquelas dos policiais de Eldorado dos Carajás ou do episódio do complexo penitenciário do Carandiru, em São Paulo?
É, parece que Luís Inácio sabe do que fala.
Evidentemente que não sou ingênuo para imaginar que o MST devota apoio e fé incondicionais ao Luís Inácio, mas o momento conjuntural particularmente crítico ora instalado no país, faz pensar em aliança política para ao atendimento aos objetivos comuns.
O dia 15 de março pode ser mais um marco de mudanças democráticas promovidas pelo povo no país.
É preciso retomar a inciativa.
Marco Antonio dos Santos*
Empresário e professor
Coronel da Reserva do EB.



A PODRIDÃO EM FOTOS… FEDE…




Nova publicação em VESPEIRO


MARMELADA 

MAR1

MAR3MAR4MAR5MAR6MAR7MAR8MAR9MAR11



"Aos amigos tudo; aos indiferentes a lei e aos inimigos a morte." lema dos petralhas.





sábado, 28 de março de 2015

REFLEXÃO SOBRE O RESPEITO.

REFLEXÃO SOBRE O RESPEITO - Texto sobre Budismo

- E agora? O que vai querer dizer?
O homem ficou um tanto confuso porque ele próprio não esperava que, depois de dar um tapa no rosto de alguém, essa pessoa perguntasse: “E agora?” Ele não passara por essa experiência antes. Ele insultava as pessoas e elas ficavam com raiva e reagiam. Ou, se fossem covardes, sorriam, tentando suborná-lo. Mas Buda não era nem uma coisa nem outra; ele não ficara com raiva nem ofendido, nem tampouco fora covarde. Apenas fora sincero e perguntara: “E agora?” Não houve reação da sua parte.
Os discípulos de Buda ficaram com raiva, reagiram. O discípulo mais próximo, Ananda, disse:
- Isso foi demais: não podemos tolerar. Buda, guarde os seus ensinamentos para o senhor e nós vamos mostrar a este homem que ele não pode fazer o que fez. Ele tem de ser punido por isso. Ou então todo mundo vai começar a fazer dessas coisas.
- Fique quieto – interveio Buda – Ele não me ofendeu, mas VOCÊ está me ofendendo. Ele é novo, um estranho. E pode ter ouvido alguma coisa sobre mim de alguém, pode ter formado uma idéia, uma noção a meu respeito. Ele não bateu em mim; ele bateu nessa noção, nessa idéia a meu respeito; porque ele não me conhece, como ele pode me ofender? As pessoas devem ter falado alguma coisa a meu respeito, que “aquele homem é um ateu, um homem perigoso, que tira as pessoas do bom caminho, um revolucionário, um corruptor”. Ele deve ter ouvido algo sobre mim e formou um conceito, uma idéia. Ele bateu nessa idéia.
“Se vocês refletirem profundamente”, continuou Buda, “ele bateu na própria mente. Eu não faço parte dela, e vejo que este pobre homem tem alguma coisa a dizer, porque essa é uma maneira de dizer alguma coisa: ofender é uma maneira de dizer alguma coisa. Há momentos em que você sente que a linguagem é insuficiente: no amor profundo, na raiva extrema, no ódio, na oração.
Há momentos de grande intensidade em que a linguagem é impotente; então você precisa fazer alguma coisa. Quando vocês estão apaixonados e beijam ou abraçam a pessoa amada, o que estão fazendo? Estão dizendo algo. Quando vocês estão com raiva, uma raiva intensa, vocês batem na pessoa, cospem nela, estão dizendo algo. Eu entendo esse homem. Ele deve ter mais alguma coisa a dizer; por isso pergunto: “E agora?”
O homem ficou ainda mais confuso! E buda disse aos seus discípulos:
- Estou mais ofendido com vocês porque vocês me conhecem, viveram anos comigo e ainda reagem.
Atordoado, confuso, o homem voltou para casa. Naquela noite não conseguiu dormir. (…)
Na manhã seguinte, o homem voltou lá e atirou-se aos pés de Buda. De novo, Buda lhe perguntou:
- E agora? Esse seu gesto também é uma maneira de dizer alguma coisa que não pode ser dita com a linguagem. (…) – Voltando-se para os discípulos, Buda chamou: – Olhe, Ananda, este homem aqui de novo. Ele está dizendo alguma coisa. Este homem é uma pessoa de emoções profundas.
O homem olhou para Buda e disse?
- Perdoe-me pelo que fiz ontem.
- Perdoar? – exclamou Buda. – Mas eu não sou o mesmo homem a quem você fez aquilo. O Ganges continua correndo, nunca é o mesmo Ganges de novo. Todo homem é um rio. O homem em quem você bateu não está mais aqui: eu apenas me pareço com ele, mas não sou mais o mesmo; aconteceu muita coisa nestas vinte e quatro horas! O rio correu bastante. Portanto, não posso perdoar você porque não tenho rancor contra você.
“E você também é outro”, continuou Buda. “Posso ver que você não é o mesmo homem que veio aqui ontem, porque aquele homem estava com raiva; ele estava indignado” Ele me bateu e você está inclinado aos meus pés, tocando os meus pés; como pode ser o mesmo homem? Você não é o mesmo homem; portanto, vamos esquecer tudo. Essas duas pessoas: o homem que bateu e o homem em quem ele bateu não estão mais aqui. Venha cá. Vamos conversar.”
BUDA
Fonte:Vida e Morte

UM ESCRITOR PARA MUDAR O ENSINO DE PORTUGUÊS.

Um escritor para mudar o ensino de português

O escritor Deonísio da Silva recebeu da Universidade Estácio de Sá a missão de ser o guardião da Língua Portuguesa na Casa. Seu trabalho começa por coordenar a elaboração e organização de novos conteúdos, outras bibliografias e formas inovadoras de ministrar a disciplina nos cursos de graduação que a Estácio mantém em vinte estados da federação onde a instituição tem câmpus ou polos, presencialmente ou à distância. A ideia é valorizar a leitura,  orientada durante as aulas e em domicílio, como recurso de ensino em novas modalidades, principalmente eletrónicas, em textos, áudios e imagens. Para isso, professores e alunos recorrerão a obras referenciais em domínio público, mas também àquelas que demandam cessão do devido copyright.

O escritor e professor Deonísio da Silva, Doutor em Letras pela USP,  com vínculos na UFScar (pela qual aposentou-se como professor federal), na Estácio de Sá e na Unisul, onde desenvolve e coordena importantes projetos ligados ao livro, é mais conhecido como autor de contos e romances, tendo recebido prestigiosos reconhecimentos, como os prêmios da Biblioteca Nacional e o Prêmio Internacional Casa de las Américas, este último com o Nobel José Saramago na comissão julgadora.

Ele é também autor de livros referenciais para o ensino do Português, como a "De onde vêm as palavras", "Palavras de Direito: o verdadeiro significado leva à clareza", " A língua nossa de cada dia"  e "A vida íntima das frases". Ele faz há décadas trabalhos relevantes para apoio do ensino do Português e suas literaturas: em jornais, em revistas (como a de Etimologia, na revista Caras), na televisão, no rádio e em blogues. Seu programa "Sem papas na língua" que apresenta na companhia de Ricardo Boechat na Rádio Bandeirantes, às 5as. feiras, 10h, e na de Pollyanna Brêtas, às 2as. e 4as. feiras, às 20h30, tem enorme audiência e boa repercussão em todos os públicos, de diferentes faixas etárias e diferentes níveis de instrução.

28 DE MARÇO DE 2015.

Esta é a presidente da Costa Rica, LAURA CHINCHILLA. Uma presidente que honra o cargo que ocupa.
No dia de hoje ela comemora os seus 56 anos de nascimento.

sexta-feira, 27 de março de 2015

UMA CARRETA COM 108 RODAS.

Maria Clara abraçado ao avô, Maria Helena, Maria Teresa. Sr. Estevinho Cesarino, José Júlio Pires, dona Clarinha e Serginho Ferreira Lopes, na Rod. Fernão Dias, vendo passar uma carreta com 108 rodas, transportando uma peça gigantesca que ia para uma hidroelétrica que estava em obra. Quantos dias deve ter levado esta viagem a uma velocidade de 5 km por hora. Esta foto, eu tirei no início dos anos 70.

ALFABETIZAÇÃO CULTURAL - Mário de Andrade.


BIBLIOTECA DE PATROCÍNIO VAI ATRÁS DOS LEITORES.

Na volta às aulas, Biblioteca de Patrocínio vai atrás dos leitores

G1 -
A Biblioteca Municipal de Patrocínio, no Alto Paranaíba, conta com uma série de atividades para o incentivo à leitura. Além do projeto “Hora do Conto”, moradores da cidade podem participar de atividades como “Vida e Poesia” e “Oficina Braile”. Todas acontecem na biblioteca e são abertas ao público. Ainda, segue em andamento a Biblioteca Ambulante, que visa levar livros a Comunidades Terapêuticas.

Segundo a coordenadora da biblioteca, Edilamar Arvelos, são projetos executados há muitos anos e a programação para os próximos meses já foi divulgada com a volta do ano letivo. “Toda quarta-feira, por exemplo, tem a ‘Hora do Conto’ com atividades lúdicas, uso de fantoches, roda literária, entre outros. As atividades são feitas com alunos de escolas, instituições e entidades, além da comunidade em geral”, explicou.

Na última semana, estudantes e professores da Escola Dona Mulata estiveram na biblioteca. Para a coordenadora, o importante é incentivar a leitura. “Queremos mostrar que biblioteca não é depósito de livros e que nesta época de tecnologia é muito importante a leitura”. Escolas e grupos interessadas em levar os alunos até a biblioteca podem agendar com antecedência. Atualmente, a biblioteca conta com um acervo de aproximadamente 40 mil livros.

Para direcionar as atividades culturais e de incentivo à leitura, a Biblioteca Municipal programou um calendário de atividades que pode ser visto no site da Prefeitura. Para mais informações, os interessados em conhecer o projeto deve visitar a biblioteca, que fica anexo a Prefeitura, na Rua Joaquim Otávio de Brito, das 8h às 17h30 (segunda-feira a sexta).

Biblioteca Ambulante
Para pessoas que vivem em Comunidades Terapêuticas e não podem ir a biblioteca de Patrocínio, é feito uma visita no próprio local. O trabalho acontece mensalmente em três instituições. De acordo com Edilamar Arvelos, são levados dezenas de livros e deixados com os internos, que podem ficar com os materiais por vários dias.

“Levamos cerca de 50 livros, depende dos pedidos dos internos. São de literatura, além de várias as áreas do conhecimento, revistas e histórias e quadrinhos”, explicou.

SINAIS DE PERIGO.

SINAIS DE PERIGO - André Luiz / Chico Xavier


Habitue-se a considerar o ressentimento por sinal de perigo que se deve claramente evitar. 

Se a razão para queixa é algum problema doméstico, anote em silêncio a maneira pela qual poderá você cooperar, na rearmonização do grupo familiar e auxilie para que o ponto nevrálgico seja extinto. 

Ante uma criatura de quem recebeu ou esteja recebendo ofensa ou dificuldade, medite no valor de que essa mesma pessoa se reveste para os outros e esqueça qualquer motivo de mágoa que lhe tenha chegado ao coração. 

Nos desajustes de opinião ou comportamento, admita nos outros a mesma liberdade de pensar que a vida lhe implantou na cabeça. 

Aquilo que muitas vezes tomamos por indiferença ou desconsideração naqueles que nos cercam é cansaço ou doença neles e não hostilidade contra nós. 

Fracassos, de qualquer modo, são sempre convites a que partamos para tarefas novas e melhores, compelindo-nos a sair da insegurança. 

Dedicações incompreendidas são cursos de burilamento íntimo em que podemos aprender a amar sem o culto do egoísmo no qual “sermos amados” costuma ser a nossa preocupação. 

Perdoe quaisquer golpes com que a vida lhe esteja ministrando aulas de experiência e recorde que você está no rio de bênçãos em que Deus lhe situou a bênção da vida. 

O trabalho, especialmente quando se expresse no serviço aos outros, é o preservativo que nunca falha contra qualquer perigo no campo do espírito. 

Ressentimento é sempre indução à enfermidade e desequilíbrio; diante de problemas e obstáculos com que sejamos defrontados, nos caminhos do tempo, recorramos à prece e a oração nos renovará por dentro, transfigurando a sombra em presença de luz. 

Autor: André Luiz
Psicografia de Chico Xavier
Fonte: Revista Espírita Pílulas do Evangelho