Páginas

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

DESFILE DE CARROS DE BOI.

Vejam que legal. No dia 19 de Janeiro teremos um desfile de Carros de Boi pelas ruas da Campanha. É uma realização do Sr. Getúlio Fernandes e filhos. Ele deve ter a colaboração de mais alguém que, eu não tenha os nomes. Mas a concentração será na Praça Zoroastro de Oliveira, devendo sair as 10h:00, no sentido São Sebastião e encerrando na Praça do Rosário na Chapada. Presenças confirmadas de carros de Natércia, São Gonçalo do Sapucaí e Três Corações, além de Campanha, naturalmente. Todos os carreiros da região estão convidados. Para maiores informações entrem em contato com o senhor Alfredo pelo Tel. 35-3261.2964

SUL DE MINAS BRILHA NA SÃO SILVESTRE.


Tatiele Carvalho de Poços de Caldas foi a primeira brasileira no Corrida de São Silvestre de 2012. No computo geral ela ficou e 6º lugar.

O mineirinho de Natércia, Giovani dos Santos, foi o brasileiro melhor classificado na Corrida de São Silvestre de 2012. Ficou em 4º lugar só perdendo para os Quenianos  mas, a frente do Marroquino.
Que ele sirva de exemplo e motivação para nossos jovens, visando uma vida mais saudável e que sabe chegando a brigar por uma vaga nas olimpíadas em 2016. 
No início de dezembro, ele foi o vencedor da volta da Pampulha.


O TAMANHO DO SONHO.

Enquanto este fiel devoto dos Santos Reis, corria seu estandarte, coletando uns trocados...

uma multidão, jamais vista na história da Campanha e certamente do Brasil, formava uma fila de dobrar o quarteirão, na esperança de ficar milionário. Pessoas de todas as classes. sonhando com os 250 milhões do prêmio. E pensar que este valor é uma quantia ínfima do que se arrecada.

Filas assim, devem estar acontecendo por todo o país. Um sinal de desespero? Ganancia? Ou apenas o sonho de ficar rico e perder a maior das riquezas que todos tem e não se dão conta, a liberdade de circular livremente por onde quiser.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

DR. PAULO NIEMEYER FILHO

Parte da entrevista da revista PODER ao neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, abaixo, quando lhe foi perguntado:
O que fazer para melhorar o cérebro ?
Resposta: Vc. tem que tratar do espírito. Precisa estar feliz, de bem com a vida, fazer exercício. Se está deprimido, reclamando de tudo, com a autoestima baixa, a primeira coisa que acontece é a memória ir embora; 90% das queixas de falta de memória são por depressão, desencanto, desestímulo. Para o cérebro funcionar melhor, você tem que ter alegria. Acordar de manhã e ter desejo de fazer alguma coisa, ter prazer no que está fazendo e ter a autoestima no ponto.


PODER: Cabeça tem a ver com alma?


PN: Eu acredito que a alma está na cabeça. Quando um doente está com morte cerebral, você tem a impressão de que ele já está sem alma... Isso não dá para explicar, o coração está batendo, mas ele não está mais vivo. Isto comprova que os sentimentos se originam no cérebro e não no coração.


PODER: O que se pode fazer para se prevenir de doenças neurológicas?


PN: Todo adulto deve incluir no check-up uma investigação cerebral. Vou dar um exemplo: os aneurismas cerebrais têm uma mortalidade de 50% quando rompem, não importa o tratamento. Dos 50% que não morrem, 30% vão ter uma sequela grave: ficar sem falar ou ter uma paralisia. Só 20% ficam bem. Agora, se você encontra o aneurisma num checkup, antes dele sangrar, tem o risco do tratamento, que é de 2%, 3%. É uma doença muito grave, que pode ser prevenida com um check-up.


PODER: Você acha que a vida moderna atrapalha?


PN: Não, eu acho a vida moderna uma maravilha. A vida na Idade Média era um horror. As pessoas morriam de doenças que hoje são banais de ser tratadas. O sofrimento era muito maior. As pessoas morriam em casa com dor. Hoje existem remédios fortíssimos, ninguém mais tem dor.


PODER: Existe algum inimigo do bom funcionamento do cérebro?


PN: Todo exagero.
Na bebida, nas drogas, na comida, no mau humor, nas reclamações da vida, nos sonhos, na arrogância,etc.

O cérebro tem de ser bem tratado como o corpo.
Uma coisa depende da outra.
É muito difícil um cérebro muito bom num corpo muito maltratado, e vice-versa.


PODER: Qual a evolução que você imagina para a neurocirurgia?


PN: Até agora a gente trata das deformidades que a doença causa, mas acho que vamos entrar numa fase de reparação do funcionamento cerebral, cirurgia genética, que serão cirurgias com introdução de cateter, colocação de partículas de nanotecnologia, em que você vai entrar na célula, com partículas que carregam dentro delas um remédio que vai matar aquela célula doente que te faz infeliz. Daqui a 50 anos ninguém mais vai precisar abrir a cabeça.


PODER: Você acha que nós somos a última geração que vai envelhecer?


PN: Acho que vamos morrer igual, mas vamos envelhecer menos. As pessoas irão bem até morrer. É isso que a gente espera. Ninguém quer a decadência da velhice. Se você puder ir bem mentalmente ,com saúde, e bom aspecto, até o dia da morte, será uma maravilha.


PODER: Hoje a gente lida com o tempo de uma forma completamente diferente. Você acha que isso muda o funcionamento cerebral das pessoas?


PN: O cérebro vai se adaptando aos estímulos que recebe, e às necessidades. Você vê pais reclamando que os filhos não saem da internet, mas eles têm de fazer isso porque o cérebro hoje vai funcionar nessa rapidez. Ele tem de entrar nesse clique, porque senão vai ficar para trás. Isso faz parte do mundo em que a gente vive e o cérebro vai correndo atrás, se adaptando.


Você acredita em Deus?


PN: Geralmente depois de dez horas de cirurgia, aquele estresse, aquela adrenalina toda, quando acabamos de operar, vai até a família e diz:

"Ele está salvo".

Aí, a família olha pra você e diz:

"Graças a Deus!".


Então, a gente acredita que não fomos apenas nós, que existe algo mais independente de religião


DIVERSIDADE

Somos indivíduo, somos diferentes, especialmente, quando temos idéias próprias e fazemos política. Política, esta nobre arte de negociação dos interesses público.
Lenine, este nordestino arretado, estava inspirado quando compôs Diversidade

Diversidade (Lenine)
Se foi pra diferenciar
Que Deus criou a diferença
Que irá nos aproximar
Intuir o que Ele pensa
Se cada Ser é só Um
E cada um com sua crença
Tudo é raro, nada é comum
Diversidade é a sentença
Que seria do adeus
Sem o retorno?
Que seria do nu
Sem o adorno?
Que seria do sim
Sem o talvez e o não?
Que seria de mim
Sem a compreensão?
(Que) a Vida é repleta
(E) o olhar do poeta
Percebe na sua presença
O toque de Deus
A vela no breu
A chama da diferença
A humanidade caminha
Atropelando os sinais
A história vai repetindo
Os erros que o homem traz
O mundo segue girando
Carente de Amor e Paz
Se cada cabeça é um mundo
Cada um é muito mais
Que seria do caos
Sem a Paz?
Que seria da dor
Sem o que lhe apraz?
Que seria do não
Sem o talvez e o sim?
Que seria de mim…
O que seria de nós?
A Vida é repleta
O olhar do poeta
Percebe na sua presença
O toque de Deus
A vela no breu
A chama da diferença

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

BOAS FESTAS

Que o espírito de Natal desperte em você a emoção de viver!
Não permita que o Natal seja apenas a ilusão de uma noite.
Espalhe, durante toda a sua vida a luz da solidariedade.
Porque Natal é todo dia!
(DA) 
Tente ver o lado bom de todo mundo!
Melhor do que todos os presentes por baixo da árvore de natal é a presença de uma família feliz.
 Se no Natal não posso estar ao lado de todos que amo, então, quando todos que amo estão ao meu lado, é Natal.
(NIAG®)
Desejo de coração aos leitores deste blog, os melhores votos de Boas Festas e
um Ano Novo de muitas realizações.

sábado, 15 de dezembro de 2012

CURIOSIDADE DA CAMPANHA

Algumas curiosidades, vindas de um sítio no Campo Redondo, aqui em Campanha.
Que terra pródiga e abençoada. Quando o ser humano respeita a natureza e os animais, a harmonia é geral.

Olha a mandioquinha do sítio. Quase 2,5 metros de comprimento.

A bananeira de lá, sempre da de três a quatro cachos. Pode?

O policial do sítio. É só a sua dona dar uma ordem e ele faz exatamente o que foi pedido. Até buscar as vacas para a ordenha, ele faz sozinho.

E a proprietária ainda tem um galo de estimação. Ele fica nas mãos dela como se fosse um papagaio.

GBV ENCERRA O ANO COM DELICIOSO JANTAR.


Mantendo a tradição de 10 anos, o Grupo Bem Viver reuniu na noite de ontem, quase todos os seus associados e muitos amigo e simpatizantes, para um jantar de confraternização. Parabéns aos dirigentes e seus comandados que, mantiveram o grupo em alto nível, oferecendo aos interessados, mais qualidade de vida.
O Grupo de Coralistas do GBV sob a direção, do dedicado Maurílio Teodoro fez ontem a noite a abertura a noite de confraternização de encerramento de mais um ano, o 10º.

Atuais dirigentes e aniversariantes do mês de dezembro

O casal Joaquim Lúcia e dona Zezé completam dia 25 próximo 54 anos de casados. Ao lado deles as aniversariantes de dezembro Altina, Margarida, Gracy e Berenice.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

SERÁ QUE OS ESTUDANTES DA CAMPANHA DÃO CONTA?


 Será que os estudantes da Campanha vão ler este artigo?
Eu gostaria muito de divulgar aqui que, Campanha está participando de Olimpíadas de Matemática, de Português... ou de qualquer evento em prol da educação ou da cultura. Não precisa nem ganhar, mas só de estar procurando algo a mais, já seria uma vitória.
Quem sabe alguns alunos, resolvem criar um blog em suas escolas. Seria ótimo para ir despertando as nossas boas lideranças juvenis.
Qual será a escola que vai sair na frente?

Alunos criam páginas na web para 'dedurar' deficiências de escolas

NATÁLIA CANCIAN
DE SÃO PAULO
Paredes sustentadas por escoras, janelas quebradas, fiação exposta e refeitório fechado na hora da merenda. Imagens de problemas como esses começam a se espalhar nas redes sociais.
Escola troca formação de cidadãos pela capacitação de clientes, diz antropóloga
Inspirados pela catarinense Isadora Faber, 13, estudantes de todo o país criaram seus "diários de classe" na web para mostrar as deficiências estruturais e pedagógicas das escolas públicas em que estudam.
Isadora foi pioneira com sua página sobre uma escola municipal de Florianópolis.
Ganhou apoio de mais de 300 mil pessoas na internet e, após receber críticas, a instituição foi reformada.
Desde então, a ideia se espalhou. A Folha localizou ao menos 30 páginas. Alguns estudantes relatam melhorias. Outros, represálias.
A escola de Emerson Mendes, 17, em Itamaraju (BA), ganhou cortinas para bloquear a luz do sol que atingia os alunos e os impedia de ver as anotações na lousa. Também voltou a ter lanche, que não era servido havia dois meses.
As portas do banheiro feminino, que estavam soltas, foram consertadas. "Mas ainda temos fechaduras quebradas e fiação exposta", diz.
A Secretaria de Educação da Bahia diz que fará reformas no local.
Aluno de uma escola de Maceió (AL), Juan Douglas de Sá, 13, chamou a atenção para um bebedouro quebrado e para os laboratórios que não eram usados. Deu certo.
Mas nem todas as iniciativas são bem recebidas.
"Falaram que eu estava deixando a escola com um telhado de vidro" ao publicar os problemas, conta Cristiano Aro, 16, de Cotia (SP).
Guilherme Pupo/Folhapress
Igor Castro, estudante que criou página sobre escola em Curitiba
Igor Castro, estudante que criou página sobre escola em Curitiba
Aluno do 2º ano do ensino médio em Curitiba, Igor Castro, 18, conta que sofreu represálias de uma professora, que o aconselhou a mudar de escola. "Parece que querem que os problemas sejam escondidos", diz o aluno, que também foi chamado para conversar com o diretor.
"Pedi que ele apagasse alguns comentários ofensivos. Se o objetivo é melhorar a escola, ele não pode deixar que isso se perca", conta o diretor, Joaquim Faustinoni.
Para Vania Kenski, professora de pós-graduação em educação na USP, as escolas precisam aprender a lidar com o uso da tecnologia. "Estamos em um processo marcado pela transparência do que acontece atrás dos muros da escola. É uma nova forma de cultura. E é irreversível."
Diretora da ONG Todos Pela Educação, Priscila Cruz diz que os "diários de classe" devem se preocupar também em apontar soluções e pontos positivos, e não apenas em expor os problemas.
CARTEIRAS E REFORMAS
A página que Guilherme Patrício, 14, mantém com a ajuda de um colega para falar dos problemas da escola ganhou, em menos de um mês, 800 seguidores. Metade veio em uma só semana.
Agora, ele tenta organizar o tempo para atualizá-la ao menos duas vezes ao dia junto com Victor Nascimento, 14.
A ideia é colocar fotos, contar sobre o dia a dia e falar sobre os problemas da Escola Estadual São Paulo, no centro da capital paulista. A maioria das queixas está relacionada à infraestrutura.
Uma das reclamações refere-se às janelas (que começam a ser trocadas) e carteiras quebradas. As rachaduras também são alvo do olhar atento do garoto, que sonha em fazer engenharia.
Enquanto isso não acontece, Guilherme acompanha as mudanças na escola, onde estuda há dois anos. E diz que tem o apoio de colegas e professores. "Eles pedem nossa ajuda para tentarmos melhorar [a escola]", conta.
Guilherme comemora duas conquistas: a instalação de uma porta em uma sala de aula e o "fim" de um buraco em um piso na área externa. Agora, quer cobrar segurança. "Aqui perto está cheio de usuários de droga. Já vi uma colega ser assaltada."
Mãe de Guilherme, Ivaneide Araújo, 47, diz que aprova a iniciativa dos garotos e espera por mais mudanças.
"Achei excelente. Vi que, depois da página, já tomaram algumas atitudes. É até pouco perante o problema que há por lá, mas já é um início."
Segundo Victor, que estuda no local há quatro anos, o próximo passo é fazer uma campanha para preservação -recentemente, a instituição foi alvo de uma depredação por alunos. Doze acabaram transferidos.
"Uma coordenadora deu a ideia. Além da página, vamos fazer cartazes e espalhar na escola. Queremos que isso não aconteça mais", diz.
A Secretaria da Educação de São Paulo diz que a escola recebeu 160 carteiras novas e que passará por uma reforma geral, ao custo de R$ 4,6 milhões. A previsão é que a obra comece no primeiro trimestre de 2013.

DEIXE O SEU BLUETOOTH DESLIGADO.

UTILIDADE PÚBLICA

Muito cuidado, é melhor prevenir, do que remediar.


quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

AMPLIAR OS CONHECIMENTOS PARA AJUDAR.




             Nos dias 19 e 20 de janeiro acontecerá em São Paulo no Anhembi o primeiro Congresso internacional para comunidades terapêuticas e clinicas de Recuperação pra dependentes químicos. Esse congresso será baseado em prevenção, tratamento, apoio a família e ressocialização dos dependentes. A inscrição é totalmente gratuita e pode ser feita no site www.freemind2013.com.br. Possivelmente em sua cidade deve haver alguma comunidade terapêutica ou clínica de recuperação que se interesse em participar. Nos anexos estou enviando o que é o Projeto Free Mind , os materiais de divulgação e a programação, que por sinal envolvem os melhores no Brasil e no Mundo no tema da Drogadição. Unidos a nós nesse projeto estão figuras como Augusto Cury, Padre Haroldo , a Fazenda esperança e o Amor Exigente. Divulguem se puderem. Será uma grande oportunidade pra quem lida com isso. Não deixem de ler o anexo. É realmente muito bom.
  
                  O JEITO “FREE MIND” DE SER – O INÍCIO DE TUDO

Uma madrugada de quarta feira chuvosa. Um encontro com um jovem dependente, machucado e faminto. Foi assim que tudo começou. Após mais dois encontros sucessivos com dependentes, atendendo aquilo que dizem ser “um chamado de DEUS”, sensibilizado, um grupo de pessoas se uniu para tentar fazer algo em favor de uma causa que há tempos assusta e entristece a sociedade brasileira : a dependência química.
Mobilizados, empresários, profissionais liberais, religiosos e dependentes em recuperação iniciaram uma cruzada. Apoiados pelo escritor e psiquiatra  Augusto Cury, buscaram nas práticas com evidências científicas no setor de tratamento, prevenção, apoio à família e ressocialização de dependentes químicos. Era o que se precisava para poder dar consistência no que hoje se torna o FREE MIND. Foi assim que chegaram ao AMOR EXIGENTE, às principais FEDERAÇÕES DE COMUNIDADES TERAPEUTICAS e às diversas entidades envolvidas nos assuntos relacionados ao tema e que há tempos lutam, quase que solitárias, para atingir a função social para a qual foram criadas. Unido a elas, o grupo iniciou um trabalho, dentre outras coisas, para realizar um grande evento com o objetivo de congregar as Comunidades Terapêuticas do Brasil e passar a elas boas práticas de tratamento, prevenção e apoio à família para a recuperação e consequente reinserção social dos dependentes.
O Congresso está montado! A realização é do Amor Exigente, da Academia da Inteligência e a promoção é das quatro principais federações brasileiras de Comunidades Terapêuticas (FEBRACT, FETEB, FENOCT e CRUZ AZUL), além do apoio de diversas entidades e empresas patrocinadoras.
Promovendo a Unidade, a solidariedade, quebrando paradigmas , respeitando pensamentos contraditórios e transformando-os em crescimento, o FREE MIND é muito mais que um Congresso, É UM NOVO JEITO DE ENFRENTAR OS PROBLEMAS QUE ASSOLAM A SOCIEDADE e parecem sem solução. Venha você também, fortalecer o jeito “Free Mind” de ser e de ajudar o próximo.



DR. IVES GANDRA DA SILVA MARTINS

NÃO SOU:
NEM NEGRO, NEM ÍNDIO, NEM VIADO, NEM ASSALTANTE, NEM GUERRILHEIRO, NEM INVASOR DE TERRAS.
Como Faço Para Viver No Brasil Nos Dias Atuais???
  
Na Verdade, Sou Branco, Honesto, Professor, Advogado, Contribuinte, Eleitor, Hetero...e, Tudo
Isso Para quê???
Meu Nome é:
Ives Gandra da Silva Martins*

Hoje, tenho eu a impressão de que no Brasil o "cidadão comum e branco" é agressivamente discriminado pelas autoridades governamentais constituidas e pela legislação infraconstitucional, a favor de outros cidadãos, desde que eles sejam índios, afrodescendentes, sem terra, homossexuais ou se autodeclarem pertencentes a minorias submetidas a possíveis preconceitos.

Assim é que, se um branco, um índio e um afrodescendente tiverem a mesma nota em um vestibular, ou seja, um pouco acima da linha de corte para ingresso nas Universidades e as vagas forem limitadas, o branco será excluído, de imediato, a favor de um deles! Em igualdade de condições, o branco hoje é um cidadão inferior e deve ser discriminado, apesar da Lei Maior (Carta Magna).

Os índios, que, pela Constituição (art. 231), só deveriam ter direito às terras que eles ocupassem em 05 de outubro de 1988, por lei infraconstitucional passaram a ter direito a terras que ocuparam no passado, e ponham passado nisso. Assim, menos de 450 mil índios brasileiros - não contando os argentinos, bolivianos, paraguaios, uruguaios que pretendem ser beneficiados também por tabela - passaram a ser donos de mais de 15%  de todo o território nacional, enquanto os outros 195 milhões de habitantes dispõem apenas de 85% do restante dele. Nessa exegese equivocada da Lei Suprema, todos os brasileiros não-índios foram discriminados.

Aos 'quilombolas', que deveriam ser apenas aqueles descendentes dos participantes de quilombos, e não todos os afrodescendentes, em geral, que vivem em torno daquelas antigas comunidades, tem sido destinada, também, parcela de território consideravelmente maior do que a Constituição Federal permite (art. 68 ADCT), em clara discriminação ao cidadão que não se enquadra nesse conceito.

Os homossexuais obtiveram do Presidente Lula e da Ministra Dilma Roussef o direito de ter Congressos e Seminários financiados por dinheiro público, para realçar as suas tendências -
algo que um cidadão comum jamais conseguiria do governo!

Os
invasores de terras, que matam, destroem e violentam, diariamente, a Constituição,vão passar a ter aposentadoria, num reconhecimento explícito de que este governo considera, mais que legítima, digamos justa e meritória a conduta consistente em agredir o direito. Trata-se de clara discriminação em relação ao cidadão comum, desempregado, que não tem esse 'privilégio', simplesmente porque esse
cumpre a lei.

Desertores, terroristas, assaltantes de bancos e assassinos, que, no passado, participaram da guerrilha,
garantem a seus descendentes polpudas indenizações, pagas pelos contribuintes brasileiros. Está, hoje, em torno de R$ 4 bilhões de reais o que é retirado dos pagadores de tributos para 'ressarcir' aqueles que resolveram pegar em armas contra o governo militar ou se disseram perseguidos.

E são tantas as discriminações, que chegou a hora de se perguntar: de que vale o inciso IV, do art. 3º, da Lei Suprema?

Como modesto professor, advogado, cidadão comum e além disso branco, sinto-me discriminado e cada vez com menos espaço nesta sociedade, em terra de castas e privilégios, deste governo.

(*Ives Gandra da Silva Martins, é um renomado professor emérito das Universidades Mackenzie e UNIFMU e da Escola de Comando e Estado Maior
do Exército Brasileiro e Presidente do Conselho de Estudos Jurídicos da Federação do Comércio do Estado de São Paulo ).


Para os que desconhecem o Inciso IV, do art. 3°, da Constituição Federal a que se refere o Dr. Ives Granda, eis sua íntegra:
"promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação."
Assim, volta a ser atual, ou melhor nunca deixou de ser atual, a constatação do grande Professor e Orador Rui Barbosa:
"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto". (Senado Federal, RJ. Obras Completas, Rui Barbosa. v. 41, t. 3, 1914, p. 86).

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

TALENTO ARTÍSTICO

É POSSÍVEL TERMOS UMA EDUCAÇÃO ASSIM?

O QUE A EDUCAÇÃO NA FINLÂNDIA TEM DE TÃO DIFERENTE PARA SER TÃO BOA?

Há anos a Finlândia se destaca em vários testes de avaliação de seu sistema educacional. Quando não aparece em 1º lugar, vem logo em seguida. Sempre um destaque mundial, quanto ao nível de aprendizado de seus alunos, sua capacidade de leitura e interpretação de textos, seu desempenho em ciências e matemática. 

Enquanto a educação parece ser um bicho de sete cabeças em quase todo o resto do planeta, na Finlândia, desde a reforma no sistema promovida 40 anos atrás, o sucesso é indiscutível e surpreendente. 

Mas o que é tão diferente em como as coisas têm funcionado nas escolas de lá, afinal?

Vejamos:

1) Acreditem ou não, na Finlândia as crianças não têm que começar a estudar antes dos 7 anos de idade — a precocidade de entrada na escola não é visto como uma condição indispensável à efetiva aprendizagem. (Fonte: NY Times.)

2) Comparado com outros sistemas educacionais de outras partes do mundo, os estudantes finlandeses quase não fazem provas nem lições de casa até a metade da adolescência. (Fonte: NY Times.)

3) Durante os primeiros 6 anos de educação, as crianças simplesmente não são avaliadas por meio de provas. (Fonte: NY Times.)

4) Há apenas um teste padronizado obrigatório na Finlândia, feito quando os alunos têm 16 anos. (Fonte: Smithsonian.com)

5) Todas as crianças, espertas ou não, são ensinadas juntas, nas mesmas salas de aula. (Fonte: Smithsonian.com) 

6) A Finlândia gasta cerca de 30% menos com cada aluno do que é gasto, p. ex., nos EUA, que não tem exatamente a melhor educação do planeta, como se sabe. (Fonte: Smithsonian.com)

7) 30% das crianças recebem ajuda extra na escola nos primeiros nove anos de sua formação básica. (Fonte: Smithsonian.com)

8) 66% dos alunos do ensino básico vão para a faculdade — a taxa mais alta de toda a Europa. (Fonte: Smithsonian.com)

9) A diferença medida entre os alunos mais fortes e os mais fracos é a menor do mundo. (Fonte: Smithsonian.com)

10) As aulas de ciências são limitadas ao máximo de 16 alunos por classe, de modo que todos possam realizar experimentos em toda aula. (Fonte: The New Republic.)

11) 93% dos finlandeses terminam o ensino médio — uma taxa 17,5% mais elevada do que a dos EUA, p. ex. (Fonte: Smithsonian.com)

12) 43% dos que concluem o ensino médio vão para as “Escolas Vocacionais” — cursos de preparação técnica para carreiras específicas. (Fonte: Smithsonian.com)

13) Alunos do ensino fundamental têm 75 minutos de intervalo entre aulas por dia, contra uma média de 27 minutos nos EUA e ainda menos no Brasil. (Fonte: The New Republic.)

14) Os professores passam apenas 4 horas por dia em sala de aula e tiram 2 horas por semana para atividades de “desenvolvimento profissional”. (Fonte: NY Times.)

15) O número de professores por alunos na Finlândia é muito maior do que em outros países como os EUA e o Brasil — os alunos finlandeses somam 600 mil, para se ter uma ideia, e o número total de professores no país é o mesmo que há na cidade de Nova York, onde os alunos somam 1,1 milhão. (Fonte: NY Times.)

16) O sistema escolar finlandês é 100% custeado pelo Estado. (Fonte: Smithsonian.com)

17) Todos os professores da Finlândia, em especial os do ensino primário, devem ter no mínimo mestrado — e a qualificação dos professores é totalmente paga pelo Estado. (Fonte: NY Times.)

18) O currículo nacional da Finlândia não é taxativo e inflexível: são apenas diretrizes amplas do que deve ser ensinado. (Fonte: Smithsonian.com)

19) Os professores, em especial do ensino básico, são selecionados dentre os 10% melhores universitários diplomados. (Fonte: Smithsonian.com)

20) A média de salário anual inicial para um professor na Finlândia, em 2008, era cerca de R$ 66.990 (pouco mais de R$ 5.580 por mês) — em comparação, nos EUA, o mesmo salário médio anual em início de carreira era de R$ 83.160 (R$ 6.930 por mês), mais ou menos. (Fonte: NY Times.)

21) Porém, após 15 anos de experiência, os professores finlandeses já estão ganhando 102% do que ganham diplomados em outras áreas mais ambicionadas em praticamente todo o planeta — nos EUA, após o mesmo período, os professores costumam ganhar apenas 62% do que ganham outros profissionais formados. (Fonte: The New Republic.)

22) Os professores têm o mesmo status social de médicos e advogados — o que sinaliza uma evolução cultural significativa e um ingrediente relevante nessa fórmula do sucesso. (Fonte: Smithsonian.com) 

23) Embora muitos críticos destaquem que não se pode comparar a Finlândia com países como os EUA ou o Brasil, p. ex., por causa das grandes diferenças culturais e demográficas, o fato é que a Finlândia supera (e muito) mesmo os países escandinavos vizinhos, com traços culturais, econômicos e demográficos tão semelhantes aos seus — a Noruega, p. ex., têm um sistema educacional semelhante ao modelo americano e apresenta um desempenho na avaliação de seus estudantes tão problemático quanto o dos EUA. (Fonte: Smithsonian.com)

sábado, 8 de dezembro de 2012

DEUS OS ABENÇOE!

Transcrevo abaixo, um texto maravilhoso do Pe. Fábio de Melo. Penso que a base de tudo está na espiritualidade e na educação. Se nossos governantes tivessem esta formação, não seria preciso, buscar formulas mágicas para resolver os problemas da criminalidade de toda ordem.

Filhos,Deus os abençoe!
             (Padre Fábio de  Melo)

Não me lembro qual a estação do ano, se primavera ou verão, mas não me esqueço de uma das principais recomendações de meus avós e pais: Peça a benção, meu filho!
Não sei se era assim com todos, mas criança daquela época não dormia sem antes cumprir esse ritual.
Qual?
Pedir benção aos pais e esses, prontamente, respondiam: Deus te abençoe!

Acredito que isso era de extrema eficiência para a educação emocional.
 Um porto seguro, uma espécie de âncora que aliava limite e respeito com a religiosidade, criando uma mistura de sentimentos, quase uma proteína para a alma.

Nesse emaranhado de lembranças sei apenas que a era do msn, orkut e próteses de silicone deixou em desuso a máquina de escrever, os cabelos encaracolados, as fichas de telefone público e a frase ''Que Deus te abençoe!".

 Atualmente, os pais estão criando os filhos, mas a educação fica para alguém fora do contexto familiar.
Meu saudosismo aponta que isso pode ser apenas um sinal de que posso estar um pouco mais velho do que acredito.
Mesmo assim, continuo sentindo falta dessa frase nos dias atuais.
Os pais são provedores financeiros que tentam compensar e minimizar suas ausências, por isso, pagam de tudo na tentativa de se redimir de uma culpa futura.
Eles agora querem ser amigos, mas se esquecem de que na rua, no clube, na escola o filho já tem muitos.

As relações estão cada vez mais lineares e igualitárias, dando uma falsa impressão de que os filhos já sabem de tudo.
O jovem está sendo convidado a se tornar adulto, afinal, o capitalismo percebeu mais claramente que o consumo acontece quando o desejo está sem amarras, quando a sua vontade não depende de ninguém, nem dos próprios pais.
Crianças apontam o destino das férias e exigem cirurgias estéticas como se soubessem o que é melhor, mesmo não tendo vivência suficiente.
Os pais hesitam, não sabem o que fazer porque estão perdidos no meios de informações que mudam a cada instante.
Escutam e atendem o desejo do filho, confundindo certeza com a convicção passageira da adolescência.
Não sei qual é a relação entre a "bênção" de ontem e a quantidade de hiperativos de hoje, mas a ciência tenta desvendar e a industria farmacêutica apresenta drogas que prometem resolver os problemas.
Até que ponto a extinção da "benção" deixa de promover o crescente avanço do capitalismo e do lucro.
Consumimos muito quando estamos atrás de respostas, imersos ema dúvidas e desamparados.
Embora acredite que certas coisas não voltam mais, a não ser em lampejos de nossos próprios devaneios, que tal incluir na cartilha da educação moderna a "benção" de ontem?
Atentem:
Deus os abençoe,meus filhos.
Deus te abençoe.
Que Deus o abençoe.
Que Deus os abençoe.
E que Deus nos abençoe!

CreditsScripts and images: Public Domain (?)
Research, text editing, formatting and Art:
NIAG ®
Please!
If you pass, pass with credits.
This work is protected by copyright laws; 9610.
And violating them is a crime under Article 184 of the Brazilian Penal Code.
"Never fail to disclose the author."
Thank you

UMA NOVA CONSCIÊNCIA

MENSAGEM DE MATIAS DE STEFANO

Nos dias entre hoje e 9 de dezembro de 2012, você vai sentir, de forma cada vez mais potente, o culminar de aderência energética
e a aceleração do tempo durante a travessia da Terra por uma ponte de Einstein-Rossen.

Você vai notar, também, o chamado do coração para a sua vida se desenrolar conforme os seguintes parâmetros e percepções:

Vida simples, focada no Aqui e Agora, desconectado do velho mundo e experienciada na Liberdade

A) Prática de uma vida simples:

Segure em seu coração as sábias palavras de Francisco de Assis: "preciso de pouco e o pouco que eu preciso, eu preciso pouco"...

Para isso, retarde o seu ritmo de vida, alivie sua agenda, coloque em seu dia, espaços de silêncio e encontro interior, reduza os seus pertences, modere seus níveis de consumo e calibre bem as suas reais necessidades... alimente-se saudável e comedidamente e, na medida do possível, reduza gradualmente suas tarefas e deveres (também os de natureza "consciencial" e "espiritual") e tudo que seja esforço.

Coloque-se no Aqui e Agora: Reduza o quanto possa as "viagens no tempo" (do passado para o futuro e vice-versa), pois gasta uma energia preciosa que precisa para a sua metamorfose.

Em sua vida diária, libere-se dessa droga chamada futuro, que dirige para amanhã a Felicidade e a Liberdade que você pode desfrutar hoje e, cada vez mais, concentre-se no momento presente: mastigando as refeições, quando escovar os dentes, andando pela rua, dirigindo ...

Desconecte-se do colapso do velho mundo: Solte todo o velho que ainda rodeia a sua vida, sem permitir que a inevitável deterioração do exterior crispe seu humor e sua paz interior. O mundo exterior é como um furacão, cuja intensidade e magnitude serão cada vez maiores.

Coloque-se no seu "olho", no olho do furacão, onde você poderá desfrutar de quietude, calma e serenidade, mesmo no meio do tumulto. E, a partir deste estado de paz, dirija suas energias para deixar ir o que já expirou e se tornou obsoleto em seu coração, e crie o novo que nele bate.

Por isso é muito importante que você coloque um fim tanto à sua conexão aos chamados meios de comunicação (informativos de televisão, de rádio, jornais, ...) assim como das discussões e distrações com aqueles que te rodeiam sobre o que acontece no mundo exterior (conflitos, crises, as mil polêmicas da “atualidade" ...).

Assumir o desafio da Liberdade: É hora de parar de exigir melhores condições carcerárias para, em vez disso, sair da cadeia. Suas grades são virtuais e geraram-se com seus medos, cargas, culpa e pesos, com seu cuidado e com a suas auto-limitações mentais, julgamentos....com conforto e controle e com a necessidade de segurança, reconhecimento e proteção.

Marque bem isto em seu coração: Chegou o momento da Liberdade!

E a liberdade não é o que a humanidade tem ideologicamente na mente, mas a absoluta ausência de medo, que no seu coração vai ser substituído por uma enorme Confiança na Providência, na Vida, na Perfeição do que vc É e na Sabedoria inata que se acumula dentro de todos nós.

B) Interiorize que nada tem que mudar, porque tudo é Perfeito!

A Terceira Dimensão tem a sua razão de ser e sempre vai existir na Criação (como qualquer nota musical, como por exemplo "Mi", na escala musical).

No livre-arbítrio, sempre haverá dimensões espirituais que querem encarnar para vivenciar as experiências próprias do nível vibracional tridimensional. Então não tente removê-las ou altera-las uma vez que, para você, em seu processo consciencial, tal tipo de experiência já é notícia velha.

Pratique a Aceitação e internalize fortemente que nada tem de mudar, porque tudo é Perfeito!

O que você está começando a viver não é uma mudança, mas uma Metamorfose evolutiva que nasce dentro de você e compartilhas esse momento com a Mãe Terra e muitas outras dimensões espirituais encarnadas em seres humanos.

Capte a diferença entre mudança e Metamorfose e foque na última.

Se lhe parece difícil, siga o exemplo da lagarta que vai se transformar em uma borboleta. A lagarta não planeja, com a sua metamorfose, mudar nada em seu ambiente, nem qualquer coisa que ela não goste ou não aceite , mas, naturalmente, sente o chamado interior para recolher-se em silêncio (na crisálida ou casulo), ativa os componentes dormentes de seu DNA e se torna uma borboleta, para começar uma Nova Vida.

Se você esperar mudanças, esta expectativa descentrará e desorientará você.

E se você espera, é porque seu coração ainda não aprendeu a Aceitação. Neste caso, a Aceitação do velho mundo e de sua antiga vida.

Sublinhe o seguinte: o velho mundo é tão perfeito quanto o novo.

Tudo se encaixa e tem seu lugar no Cosmos e na Criação, mesmo a Terceira Dimensão e o mundo que leva milhares de anos construindo suas experiências vitais e conscienciais.

A Vida e Consciência são UNA, mas são utilizadas em livre arbítrio e em uma diversidade vital e consciencial que são fruto do Amor, que são manifestados na Vida e na Consciência.

A única diferença entre o velho mundo e o Novo Mundo é que existe alguma coisa em você que o impulsiona a viver e vibrar de forma diferente: a Metamorfose não deriva da necessidade de mudança na Terceira Dimensão, mas dentro de sua exigência interior de Evolução e de experimentar uma Nova Vida.

Você não vai assistir a mudança nenhuma, mas em livre arbítrio, você irá experimentar em primeira mão, ou seja, em você e de você, uma Metamorfose Evolutiva tão profunda quanto natural.

Reforce essa percepção dentro de você até 9 de Dezembro, pois vai precisar dela para o que está por vir.

Namastê

(Matias de Stefano é um jovem argentino, nascido em agosto de 1987.
É um jovem "índigo"- e, como ele mesmo diz, veio para trazer a clareza da Nova Consciência)

A BOA, A MÁ E A VILÃ.

A boa, a má e a vilã
A capa daquela revista ostentava um sugestivo título: Conheça as melhores escolas para o seu filho. Imaginei que as maravilhas anunciadas, certamente, iriam gerar filas de espera para matrícula e as “boas escolas” publicitadas na revista iriam ter salas abarrotadas de alunos. Mas também me questionei: a opinião pública saberá distinguir o que sejam escolas boas, más e vilãs? A mídia não ajuda, quando usa e abusa da expressão ambígua “boas escolas”, identificando-as com escolas ditas “de ensino tradicional”. Afinal, o que são “boas escolas?
Os indefetíveis partidários do regresso ao passado – como se de lá já tivéssemos saído… – elegeram como “vilã” a escola das ditas “novas pedagogias”. Novas? Mas os seus avatares são velhos, quase fósseis! Piaget nasceu no século XIX. Vigotsky morreu há quase cem anos. Montessori criou a sua escola em 1907. E Dewey escreveu o seu livro essencial em 1905. E a “má escola” é a “escola pública”, já se vê, uma instituição maltratada, vilipendiada, que sobrevive nas margens da obsolescência.
Numa simples expressão se sintetiza aquilo que o leigo considera “boa escola”: é aquela que, desde a creche, prepara o aluno para passar no vestibular, aquela que ocupa os primeiros lugares dos rankings. Mas o que nos dizem os rankings? Dir-se-á que assinalam escolas cujos alunos mais conteúdos aprenderam? Mas, na verdade, as designadas “boas escolas” apenas adotaram algumas habilidades pedagógicas, que os potenciais clientes adoram. Os quadros interativos, por exemplo, não são mais do que quadros negros do século XXI. E a cosmética pedagógica não disfarça a pobreza das práticas, apenas dão um ar de modernidade a práticas fósseis.
As “boas escolas” cuidam da formação sócio-moral dos seus alunos? Os rankings atestam honestidade? Não creio. Se assim fosse, como se explicaria que, entre as élites que as frequentaram, se contem muitos corruptos de colarinho branco? Quantos conformistas são produzidos nas “boas escolas”, que vão ocupar as cadeiras do poder, incapazes de uma postura humanista e inovadora? Qual a moral prevalecente nas “boas escolas”? Aquela que legitima a aplicação de vestibulinhos? Entre o vestibulinho e o vestibular, impunemente, muitas das ditas “boas escolas” produzem exclusão.
Qual a moral que as autoriza a condicionar a matrícula apenas a “bons alunos”, ou a recusar a matrícula de crianças “especiais”? Será aquela que leva escolas, crónicas ocupantes do topo dos rankings, a falsear resultados, evitando que os seus “piores alunos” façam prova…?
Na “boa”, como na “má” escola, são produzidos bonsais humanos, quer sejam traficantes de favela, quer sejam criminosos de colarinho branco. Daí que talvez fosse útil acabar com o mito da “boa escola”. E pugnar para que todas as escolas sejam boas escolas. Aquilo que distingue uma “boa” de uma “má escola” não é o dispor, ou não dispor, de salas de aula 3d, lousa digital, tablets para todos… Isso são enfeites pedagógicos de um modelo de ensino obsoleto.
Em suma: é o reconhecimento da existência de “boas escolas” que legitima a existência das “más escolas”. Porém, não parece ser essa a nossa sina, dado que, quer os zelosos e abastados progenitores dos alunos das “boas”, quer os indiferentes e pobres pais dos alunos das “más”, as patrocinam. Uns com mensalidades faraónicas, outros com a bolsa famíla, ajudam a manter a “boa escola” das suas representações. E a tragédia educacional continua no próximo ato…
Afinal, o que será uma “bos escola”? Não será aquela que a todos acolhe e a cada qual dá condições de ser sábio e feliz, independentemente de ter patrocínio público ou privado? E se nos deixássemos de maniqueísmos fúteis?
José Pacheco