Páginas

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

DOCUMENTO EM PORTUGAL, ENTREGA LULA.

A bomba que está circulando na net
Faça o Rastreio ai em Lisboa,dessa grana toda!

A DONA ROSE, QUE ACOMPANHAVA O LULA NAS VIAGENS OFICIAIS ERA
PORTADORA DE PASSAPORTE DIPLOMÁTICO, COMO TAMBÉM ERA PORTADORA
DE MALA DIPLOMÁTICA LIVRE DE INSPEÇÃO EM QUALQUER ALFÂNDEGA DO
MUNDO.
MAS, COMO TUDO NA VIDA TEM UM MAS, QUANDO ESTA MALA DIPLOMÁTICA
LEVA GRANA O PORTADOR É OBRIGADO A DECLARAR NO PORTO DE DESTINO,
QUANTO DINHEIRO LEVA NESTA MALA DIPLOMÁTICA .
LEMBRA DA BISPA QUE LEVAVA 10 MIL DóLARES DENTRO DE UMA
BíBLIA NOS USA.....FOI PRESA POR OMITIR)
NA VIAGEM QUE O LULA FEZ A PORTUGAL, A DONA ROSE DECLAROU QUE
HAVIA, NA MALA DIPLOMÁTICA, 25 MILHÕES DE EUROS E REQUISITOU
UM CARRO FORTE PARA TRANSPORTAR A GRANA.
A REQUISIÇÃO DO CARO FORTE ESTÁ NA DECLARAÇÃO DE
DESEMBARQUE DA PASSAGEIRA E A QUANTIA EM DINHEIRO TRANSPORTADA
EM PORTUGAL NA ADUANA DO PORTO QUE EXIGE UM DECLARAÇÃO DE
BAGAGEM DE ACORDO COM AS LEIS INTERNACIONAIS E ESTA DECLARAÇÃO
ESTÁ NOS ARQUIVOS DA ALFÂNDEGA DO PORTO.
A GRANA TINHA COMO DESTINO O BANCO ESPÍRITO SANTO , NA
AGÊNCIA CENTRAL DA CIDADE DO PORTO.
MAS, A EMPRESA QUE PRESTA SERVIÇOS DE CARRO FORTE TAMBÉM EXIGE
O PAGAMENTO, POR PARTE DO DEPOSITÁRIO, DE UM SEGURO DE VALORES,
DEVIDAMENTE IDENTIFICADO O BENEFICIÁRIO E O RESPONSÁVEL PELO
TRANSPORTE DO DINHEIRO, NO CASO A ROSEMARY E O BENEFICIÁRIO, NO CASO
DE SINISTROS, É O LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA.
ESSES DOCUMENTOS GERADOS ESTÃO ARQUIVADOS NA ADUANA DO
AEROPORTO INTERNACIONAL “FRANCISCO DE SÁ CARNEIRO- OPORTO –
cidade do PORTO).
COMO ESSES DOCUMENTOS NÃO SÃO BANCÁRIOS, LOGO NÃO
SUJEITOS A SIGILO BANCÁRIO, A APÓLICE DE SEGURO PARA O TRANSPORTE
ATÉ BANCO ESPÍRITO SANTO, É PÚBLICA E FACILMENTE RASTREADA E
CONSULTADA, POR QUALQUER CIDADÃO PORTUGUÊS, PELOS ÓRGÃOS DE
IMPRENSA DE PORTUGAL , A PEDIDO DO MINISTÉRIO DE PORTUGAL, DESDE
QUE SEJA ACIONADO POR ALGUM CIDADÃO. E ESSES PROCEDIMENTOS PODEM
SER CONSULTADOS PARA RASTREAR DINHEIRO DE DROGAS.
O DEPÓSITO ESTA PROTEGIDO PELO SIGILO BANCÁRIO, PORÉM AO
CONTRATAR OS SERVIÇOS DE SEGURANÇA ABRIU A BRECHA...
PONHA NA REDE ANTES DA REVISTA VEJA...

RÁDIO AÇÃO FM 104.9

No domingo, dia dois a partir das treze horas, acontecerá um evento na Praça Dom Ferrão, marcando a reabertura oficial da Rádio Ação FM 104.9
Muita música, sorteios, homenagens e a apresentação da nova diretoria e seus colaboradores.
Cumprimentamos aos abnegados voluntários que, estão dando a sua contribuição para a nossa sociedade.
É bem verdade que, se trata de uma emissora comunitária, de pouco alcance, mas já é alguma coisa. Quem sabe o primeiro passo para uma emissora comercial. É um canal que, se bem aproveitado, ajudará muito na formação dos nossos jovens e na informação dos acontecimentos para toda a comunidade.

DR. FRANCIS BERNARDO NO GEFROMP

Neste sábado a partir das vinte horas, o GEFROMP receberá o Dr. Francis Bernardo de Varginha, que mais uma vez nos brindará com suas brilhantes palavras. Desta vez, ele não adiantou o tema, fará um surpresa. Mas, qualquer que seja o tema, é sempre muito interessante e vem a somar muito em nossas vidas. O Gefromp fica na rua Maestro Pompeu -208 no Xororó.
Todos vocês, serão muito bem vindos.

HÜGEL BIER A CERVEJA DA CAMPANHA.


HüGEL BIER
A Cerveja da Campanha
Em 2009 nascia em Juiz de Fora a cerveja Hügel Bier, através de uma parceria de um cidadão alemão Half Whitaker, mestre cervejeiro, radicado há muitos anos naquela cidade e os irmãos José Carlos e Luiz Paulo Vilhena. Em 2010 a convite dos geminhos José Carlos e Luiz Paulo Hargreaves de Vilhena, ele passou alguns dias aqui em Campanha, se hospedando no mesmo local aonde viria a encontrar a tão preciosa água do João do Bispo. Foi provar aquela água, e logo veio à idéia de se fazer cerveja com ela. Não deu outra. A cerveja com a água do João do Bispo foi logo aprovada.
            O resultado foi muito melhor que o esperado, e assim Campanha ganhou uma cervejaria artesanal da melhor qualidade, a Hügel Bier dos geminhos.  E quer coisa melhor que, trabalhar em sua própria casa, fazendo um produto de ótima qualidade.
            A produção atual é de duas mil garrafas de cervejas Premium por mês.  Um produto tipo Ale, produzido em alta fermentação. Uma receita Stout de origem irlandesa. Os ingredientes usados são Maltes em trigo, Lúpulos e Fermento, todos importados e é claro a Água do João do Bispo, que faz toda a diferença. Um produto com teor alcoólico de 4,5% que deve ser servida a uma temperatura de 4º a 8ºC.
            A Hügel Bier é encontrada em poucas localidades de Minas. Em Campanha vocês poderão encontrá-la no Empório Casadei, em quatro versões:
            PALE ALE que é a tradicional loura. T.A. 4,5%
            RED ALE a vermelha. T.A. 4,5%
            STO UT que é a cerveja preta. T.A. 4,5%
            E a WEIZENBIER de trigo que, tem um teor alcoólico de 5,5%.
            Para o Natal, o Empório Casadei já encomendou 50% da produção que, será vendida em caixa.
            Para maiores informações, entrem em contato pelo telefone35-3261.1318 ou    35-8886.6241 e fale direto com os produtores.
Daqui sai a água que mudou o sabor da cerveja Hügel Bier.

            A água pura da mina, ainda passa por um tratamento na duas caixa ao lado da casa.


3ºENCONTRO DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Na noite deste sábado, teremos em Campanha a 3ª  edição do Encontro da Consciência Negra. Nosso conterrâneo o Venerável Padre Francisco de Paula Victor será o grande homenageado. Teremos apresentações culturais e musicais, encerrando com o Concurso da Beleza Negra. Tudo estará acontecendo na Praça Dom Ferrão a partir das 20H30min.
A liderança deste movimento é da vereadora Luiza Helena Limoeiro Muller a quem cumprimentamos pela iniciativa.
Opinião minha: É louvável a atitude da Lelena organizando um movimento desta natureza, porém, acho muito pouco. Sugiro que se faça no ano que vem, uma festa afro brasileira, mostrando a grande contribuição que os negros deram para a formação do Brasil. São inúmeras as possibilidades de se fazer um grande evento, de moda, esporte, música, literatura, teatro, gastronomia, maquiagem, cabelo...
Como diz Morgan Freeman "Eu quero ser reconhecido pelo meu nome. Qual é o dia do branco? Qual é o dia do Judaísmo? enquanto se falar de racismo, isto não acabará."
Então temos que mostrar os valores éticos, morais, culturais de cada um. Vejam o Ministro Joaquim Barbosa, que exemplo, que caráter! De família humilde, não precisou de bolsa, para ser vencedor.
Mas vamos nos espelhar em nosso conterrâneo e homenageado Padre Victor que, além de religioso, foi um grande educador por mais de 50 anos.

CASAMENTO COMUNITÁRIO EM CAMPANHA.

Este final de semana em Campanha promete. Logo no sábado pela manhã acontecerá um casamento comunitário, quando 15 casais estarão recebendo as bençãos matrimoniais na Catedral de Santo Antônio.
Veja abaixo a lista do nubentes.

Lista de casais para o Casamento Comunitário

1- Adilson Arantes Miranda e Ordália Rodrigues de Souza
2- Alessandro do Nascimento e Lidiane Cristina da Silva
3- Arildo Sales Rocha e Renata Garotti Ferreira
4- Cássio José Borges e Sandra Helena Mendes Borges
5- Edson Machado de Souza e Tamires
6- Francisco Rodrigues da Silva e Nayara Oliveira Rodrigues da Silva
7- Fransérgio Carvalho Reis Valladão e Rosa Papini Valladão
8- Jair Carvalho da Silva e Adelaine Manoelita de Carvalho
9- José Geraldo Simão e Elizabete Barbosa da Silva
10- Júnior Alves da Silva e Andréa da Paula Viana
11- Paulo César dois Reis e Vera Lúcia dos Santos Reis
12- Paulo César Prock e Roseli Marta Arantes Pinto
13- Pedro Donizetti da Silva e Silvana da Silva Pereira
14- Rubem de Carvalho Azevedo Júnior e Selma Helena da Cruz Azevedo
15- Valdeci Evangelista de Oliveira e Lucimar Vicente
Nossos cumprimentos aos casais e seus familiares.

CIRCUITO DAS ÁGUAS NA TV MINAS

Nossos agradecimentos ao colaborador Gustavo Lima pela excelente colaboração.

http://www.redeminas.tv/centro-de-midia/palavra-cruzada/circuito-turistico-das-aguas-1
http://www.redeminas.tv/centro-de-midia/palavra-cruzada/circuito-turistico-das-aguas-2
http://www.redeminas.tv/centro-de-midia/palavra-cruzada/circuito-turistico-das-aguas-3
Compartilhando com os conterrâneos! Gustavo Lima

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

EDUCAÇÃO. INTERESSE DE TODOS.

Alô, Professores!!!
Resposta à revista VEJA ... PARABÉNS ! Abaixo, cópia da carta escrita por uma professora que trabalha  no Colégio

Estadual Mesquita (Curitiba-PR), à revista Veja.
 
Vale a pena ler. 

Sou professora do Estado do Paraná e fiquei indignada com a reportagem da jornalista Roberta

de Abreu Lima na revista Veja, “Aula Cronometrada”.
É com grande pesar que vejo quão distante estão seus argumentos sobre as causas do mau desempenho escolar com as VERDADEIRAS razões que  geram este panorama desalentador.
Não há necessidade de cronômetros, nem de especialistas  para diagnosticar as falhas da
educação. 
Há necessidade de todos os que pensam que: “os professores é que são incapazes de atrair atenção de alunos repletos de estímulos e inseridos na era digital” entrem numa sala de aula e observem a realidade brasileira.
Que alunos são esses “repletos de estímulos” que muitas vezes não têm o que comer em suas
casas quanto mais inseridos na era digital? 
Em que pais de famílias oriundas da pobreza  trabalham tanto que não têm como acompanhar os
filhos  em suas atividades escolares, e pior em orientá-los para a vida? 
Isso sem falar nas famílias impregnadas pelas drogas e destruídas pela ignorância e violência,
causas essas que infelizmente são trazidas para dentro da maioria das escolas brasileiras.
Está na hora dos professores se rebelarem contra as acusações que lhes são impostas.
Problemas da sociedade deverão ser resolvidos pela sociedade e não somente pela escola.
Não gosto de comparar épocas, mas quando penso na minha infância, onde pai e mãe, tios e
avós estavam presentes e onde era inadmissível faltar com o respeito aos mais velhos, quanto
mais aos professores, e não cumprir as obrigações fossem escolares ou simplesmente caseiras,
faço comparações com os alunos de hoje “repletos de estímulos”.
Estímulos de quê? 
De passar o dia na rua, não fazer as tarefas, ficar em frente ao computador, alguns até altas horas
da noite, (quando o têm), brincando no Orkut, ou, o que é ainda pior, envolvidos nas drogas.
Sem disciplina seguem perdidos na vida.
Realmente, nada está bom.  Porque o que essas crianças e jovens procuram é amor,
atenção, orientação e disciplina.
Rememorando, o que tínhamos nós, os mais velhos,  há uns anos atrás de estímulos?
Simplesmente: responsabilidade, esperança, alegria.
Esperança que se estudássemos teríamos uma profissão, seríamos realizados na vida.
Hoje os jovens constatam que se venderem drogas vão ganhar mais.
Para quê o estudo?
Por que numa época com tantos estímulos não vemos olhos brilhantes nos jovens?
Quem, dos mais velhos, não lembra a emoção de somente brincar com os amigos, 
de ir aos piqueniques, subir em árvores?
E, nas aulas, havia respeito, amor pela Pátria..
Cantávamos o hino nacional diariamente, tínhamos aulas “chatas” só na lousa e sabíamos ler,
escrever e fazer contas com fluência.
Se não soubéssemos não iríamos para a 5ª. Série.
Precisávamos passar pelo terrível, mas eficiente, exame de admissão.
E tínhamos motivação para isso.
Hoje, professores “incapazes” dão aulas na lousa, levam filmes, trabalham com tecnologia, trazem
livros de literatura juvenil para leitura em sala-de-aula (o que às vezes resulta em uma revolução), 
levam alunos à biblioteca e a outros locais educativos (benza, Deus, só os mais corajosos!) e,
algumas escolas públicas onde a renda dos pais comporta, até a "passeios interessantes",
planejados minuciosamente, como ir ao Beto Carrero.
E, mesmo, assim, a indisciplina está presente, nada está bom.
Além disso, esses mesmos professores “incapazes”, elaboram atividades escolares como
provas, planejamentos, correções nos fins-de-semana, tudo sem remuneração;
Todos os profissionais têm direito a um intervalo que não é cronometrado quando estão cansados.
Professores têm 10 minutos de intervalo, quando têm de escolher entre ir ao banheiro ou tomar
às pressas o cafezinho.
Todos os profissionais têm direito ao vale alimentação, professor tem que se sujeitar a um
lanchinho, pago do próprio bolso, mesmo que trabalhe 40h semanais.
E a saúde?
É a única profissão que conheço que embora apresente atestado médico tem que repor
as aulas.
Plano de saúde?    Muito precário.
Há de se pensar, então, que  são bem remunerados... Mera ilusão!
Por isso, cada vez vemos menos profissionais nessa área, só permanecem os que realmente
gostam de ensinar, os que estão aposentando-se e estão perplexos com as mudanças havidas
no ensino nos últimos tempos e os que aguardam uma chance de “cair fora”.
Todos devem ter vocação para Madre Teresa de Calcutá, porque por mais que se esforcem
em ministrar boas aulas, ainda ouvem alunos chamá-los de “vaca”,”puta”, “gordos “, “velhos”
entre outras coisas.
Como isso é motivante...e temos ainda que ter forças para motivar.
Mas, ainda não é tão grave.
Temos notícias, dia-a-dia,  até de agressões a professores por alunos.
Futuramente, esses mesmos alunos, talvez agridam seus pais e familiares.
Lembro de um artigo lido, na revista Veja, de Cláudio de Moura Castro, que dizia que um país
sucumbe quando o grau de incivilidade de seus cidadãos ultrapassa um certo limite.
E acho que esse grau já ultrapassou.
Chega de passar alunos que não merecem.
Assim, nunca vão saber porque devem estudar e comportar-se na sala de aula; se passam sem
estudar mesmo, diante de tantas chances, e com indisciplina... E isso é um crime!
Vão passando série após série, e não sabem escrever nem fazer contas simples.
Depois a sociedade os exclui, porque não passa a mão na cabeça.
Ela é cruel e eles já são adultos.
Por que os alunos do Japão estudam?
Por que há cronômetros?
Os professores são mais capacitados?
Talvez, mas o mais importante é  porque há disciplina.
E é isso que precisamos e não de cronômetros.
Lembrando: o professor estadual só percorre sua íngreme carreira mediante cursos, capacitações
que são realizadas, preferencialmente aos sábados.
Portanto, a grande maioria dos professores está constantemente estudando e aprimorando-se.
Em vez de cronômetros, precisamos de carteiras escolares, livros, materiais,quadras esportivas cobertas (um luxo para a grande maioria de nossas escolas), e de lousas, sim, em
melhores condições e em maior quantidade..
Existem muitos colégios nesse Brasil afora que nem cadeiras possuem para os alunos se sentarem.
E é essa a nossa realidade! 
E, precisamos, também, urgentemente de educação para que tudo que for fornecido ao aluno
não seja destruído por ele mesmo.
Em plena era digital, os professores ainda são obrigados a preencher os tais livros de chamada,
à mão: sem erros, nem borrões  (ô, coisa arcaica!), e ainda assim se ouve falar em cronômetros. Francamente!!!
Passou da hora de todos abrirem os olhos  e fazerem algo para evitar uma calamidade no país, futuramente.
Os professores não são culpados de uma sociedade incivilizada e de banditismo, e finalmente,
se os professores  até agora  não responderam a todas as acusações de serem despreparados e  “incapazes” de prender a atenção do aluno com aulas motivadoras é porque não tiveram TEMPO.
Responder a essa reportagem custou-me metade do meu domingo, e duas turmas sem as provas corrigidas.
Vamos começar uma corrente nacional que pelo menos dê aos professores respaldo legal quando um aluno o xinga, o agride... chega de ECA que não resolve nada, chega de Conselho Tutelar que só vai a favor da criança e adolescente (capazes às vezes de matar, roubar e coisas piores), chega de salário baixo, todas as profissões e pessoas passam por professores, deve ser a carreira mais bem paga do país, afinal os deputados que ganham 67% de aumento tiveram professores, até mesmo os "alfabetizados funcionais".

Pelo amor de Deus somos uma classe com força!!!
Somos politizados, somos cultos, não precisamos fechar escolas, fazer greves, vamos apresentar um projeto de Lei que nos ampare e valorize a profissão. 
Vamos fazer uma corrente via internet, repasse a todos os seus!
Grata. 
Vanessa Storrer - professora da rede Municipal de Curitiba! 
 
 Mesmo quem  não atua como docente, um dia passou por uma escola e tornou-se o que é hoje!
COLABORE E ENVIE PARA SEUS AMIGOS(AS).
No Japão, o único profissional que não precisa fazer reverência ao imperador é o professor.
Segundo os japoneses numa terra que não há professores, não pode haver imperadores.

“Tente mover o mundo - o primeiro passo será mover a si mesmo”.
                                  (Platão)
 

Luís Fabhiano Pires Padilha
 
Especializando em Supervisão Escolar - IERGS
Pedagogo - UCB

terça-feira, 27 de novembro de 2012

COMO RECEBER BEM OS VISITANTES.

OS DEZ MANDAMENTOS PARA RECEBER BEM O TURISTA.

1 - Ajude a manter sua cidade limpa e bonita.
2 - Preserve a memória da cidade, zelando pelo patrimônio e pelas tradições.
3 - Receba o turista com cordialidade e respeite seus usos e costumes.
4 - Informe-se sobre sua cidade para melhor informar os turistas.
5 - Seja hospitaleiro como todo bom mineiro. Faça com que o turista se sinta bem-vindo.
6 - Faça pelo turista tudo o que gostaria que fizessem por você.
7 - Esteja atento às necessidades do turista. Seja cortês e ofereça-lhe ajuda.
8 -  Esteja atento à segurança em sua cidade. A desordem afasta o turista.
9 -  Incentive a prática de preços justos e compatíveis com o mercado.
10-  O turista é um cliente. Denuncie irregularidades que desestimulem o seu retorno.

Evite os Pecados Capitais que afastam o turista:
- Preços altos
- instalações sujas
- Desatenção e má vontade
- Uso de expressões desrespeitosas
Convém lembrar: todo turista deve se sentir bem-vindo. Mas, se sua cidade é sua casa, defenda-a quando necessário.
Texto: Vinícius Horta
Enviado por Patrícia Carvalho-Campanha

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

FAMÍLIA KRAUS SERRANO

II Encontro Nacional da Família Kraüss Serrano

A cidade da Campanha, uma das mais tradicionais cidades de Minas Gerais, mais uma vez, recepcionou de 12 a 14 de outubro, próximo passado, membros da tradicional família campanhense Kraüss Serrano que se confraternizaram em seu 2º Encontro Nacional.
A Família Kraüss Serrano teve, além da alegria do encontro e do congraçamento, mais uma importante comemoração: o centenário da união de Luiz Pereira Serrano, cidadão de origem portuguesa, nascido em Coimbra, empresário no ramo de panificação, com Maria Cabral Kraüss, de tradicional família São Gonçalense, de origem luso-germânica. Portanto, ali, em 1912, tudo se iniciou e a família cresceu, se desenvolveu e tornou-se grande e tradicional, contando com mais de 300 membros. O encontro, totalmente em âmbito familiar, além da descontraída e alegre confraternização, teve, então, como tema principal o centenário. Um “banner” alusivo ao evento destacava a árvore genealógica da família, com os casais distribuídos numa Pereira, árvore símbolo da família, e o cartão de participação da união, datado de 10 de fevereiro de 1912. Ainda, ao longo da tarde festiva, um “slide-vídeo” foi exibido, ininterrupta e repetidamente, mostrando todas as famílias e familiares do clã Kraüss Serrano, em fotos antigas e atuais, alem de fotos do I Encontro, realizado em 2011.
A presença no encontro teve, também esse ano, um número expressivo de participantes, cerca de 100, entre adultos e crianças, vindos do Rio de Janeiro, de São Paulo, de Belo Horizonte, Cunha/SP, Amparo/SP, Pouso Alegre, Ouro Branco, Ipatinga, além das cidades vizinhas, mais próximas.
Estiveram presentes, destacados entre muitos, Jandira Serrano Cesarino, 88 anos, a última descendente viva do clã Kraüss Serrano. Ressaltamos as presenças, ainda, em extremos de idade, do neto de Luiz e Miquinha, Flávio Nilton Serrano Ribeiro, 72 anos, e do trineto mais novo, José Renato Carvalho Ribeiro da Gama Bastos, nascido em Campanha, MG, com apenas 5 dias de vida.
Descontração total foi a tônica do Encontro. Fotos, durante o evento, foram registradas e reveladas, na hora, pelo Foto Araújo que registrou, também, a “Foto Oficial” desse 2º Encontro, com todos os participantes, acomodados nas arquibancadas do Fuhadão.

Programação do Encontro
Na sexta-feira, dia 12, pela manhã, uma “concorrida caminhada” reuniu os atletas da família, adeptos desse saudável esporte, em trajeto de alguns quilômetros pela antiga estrada “Campanha-Cambuquira”. Êxito total!
As festividades do encontro, propriamente, se iniciaram na 6ª feira, dia 12/10, com calorosa, ruidosa e animada recepção, organizada pelos residentes na cidade da Campanha, aos familiares de outras cidades, que chegaram mais cedo a Campanha, em função do feriado prolongado.
No sábado, dia 13/10, aconteceu o almoço de confraternização. Realizado no salão do CCSA – Centro Comunitário Santo Antônio, o Fuhadão, com o excelente serviço de bar e requintado cardápio preparado pela “Cantina da Marcinha”.
No dia 14/10, em grande número, a Família, de forma piedosa e compenetrada, se fez presente na Missa em Ação de Graças realizada na Catedral de Santo Antônio, no tradicional horário das 10 horas, celebrada pelo Padre Marcos Iabrudi Filho. Ao final da missa, Padre Marquinhos convidou a todos os presentes, da Família Kraüss Serrano, para se postarem à frente do altar, onde, perfilados em casal, ou de dois em dois, receberam uma benção especial.
Após a missa, antes de partirem, os familiares se agruparam em frente à Catedral, em conversas animadas e descontraídas, prometendo estarem presentes, sempre, em futuros encontros. Pouco a pouco, foram se despedindo e se dispersaram...

Abertura e andamento do Encontro
A abertura do evento e o cerimonial foram conduzidos por Donato Pedro Guerra Dessimoni. A saudação aos presentes foi feita pelo coordenador do Encontro, Gerson Serrano Ribeiro que ressaltou a importância do congraçamento, que veio a atender aos anseios de um significativo número de familiares, que queriam esse encontro e que, ao mesmo tempo, queriam comemorar, numa grande festa, o centenário do início da família.
A música ficou a cargo do DJ campanhense Rudinei que nos proporcionou momentos musicais agradáveis, com boa seleção de baladas, músicas românticas dos anos 60 e 70. Como destaque musical da família, o pequeno Vinicius, 10 anos, filho de Alexandre e Janaína, neto de Pedro e Elza Ribeiro Dessimoni, interpretou, com brilhantismo, a música: “As Lembranças Vão na Mala”, de Luan Santana, acompanhado ao violão por sua irmã Carolina, 14 anos.

Fotos do Evento

Foto oficial do Encontro, com cerca de 100 participantes;
Comissão Organizadora do Encontro;
 Jandira Serrano Cesarino, 87 anos, última do clã Kraüss Serrano, e José Renato, trineto mais novo (5 dias);

O cartão de participação do casamento, datado de 10 de fevereiro de 1912.

CONSCIÊNCIA NEGRA


3º Encontro Consciência Negra em Campanha
homenageará o Venerável Padre Victor
A Prefeitura Municipal da Campanha convida V.S.ª e família para celebrar o Dia da Consciência Negra com uma homenagem ao Venerável Pe. Victor, apresentações culturais e musicais e o 2° Concurso da Beleza Negra.
Contamos com sua presença!
Data: 01 de dezembro
Horário: a partir das 20h30
Local: Praça Dom Ferrão
Confira a programação:

Homenagem ao Servo de Deus Pe. Victor com
participação da Pastoral Afro de Três Pontas
Grupo de Capoeira Barravento
Congadas Nossa Senhora do Rosário e São Benedito
Academia de Dança Nabiha Bacha Cury
2°Concurso da Beleza Negra
Dança do Crioulo
Homenagem ao Venerável Pe. Victor com participação da Pastoral Afro de Três Pontas
Apresentação do Grupo de Capoeira Barravento
Apresentação das Congadas Nossa Senhora do Rosário e São Benedito
Apresentação da Academia de Dança Nabiha Bacha Cury
2°Concurso da Beleza Negra
Apresentação da Dança do Crioulo

Realização: Prefeitura Municipal da Campanha
Apoio: Câmara Municipal da Campanha
ESCRITO POR RAMON MARQUES BORGES - via www.campanha.mg.gov.br | 19 NOVEMBRO 2012

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

PARA QUEM É VEGANO.

Um sugestão para quem é vaganista e vai ou está ao Rio de Janeiro.
Por indicação de Letícia Nunes do movimento RC, recomendo o restaurante metAMORfose
A alimentação é toda natural e integral desde o plantio, que é feito sem agrotóxicos
Há reportagens muito interessantes sobre esses temas (saúde, alimentação, agrotóxicos) no blog deles também.


Já quem está ou mora em São Paulo, a indicação de Nilce do movimento RC é o Veganburger.
Por enquanto a área de entrega é limitada - apenas ao centro de São Paulo - todavia fica aqui registrada a divulgação, como opção.
http://catracalivre.folha.uol.com.br/2012/11/vegan-burger-o-hamburguer-que-chega-de-bike/
https://www.facebook.com/veganburger

Você é um Vegano? Quem sabe, não se torna?
 Aqui no Sul de Minas eu não conheço lanchonetes ou restaurantes vegano.
Se alguém souber e puder me informar, terei muito prazer em divulgar.

HINO NACIONAL BRASILEIRO. VOCÊ CONHECE?

Uma das românticas conspiradoras, do movimento em prol da nossa educação, Lilian Regina acabou de descobrir que, o nosso Hino Nacional já não é mais o mesmo.
 
Você sabia que a introdução do Hino Nacional tb tem letra?
Veja aí:

http://www.youtube.com/watch?v=qcrEv6NGxsk&feature=relmfu

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Obrigado pela sua visita.

Minha gratidão aos que sempre tem colaborado com este blog e com a nossa Campanha.
A luta é permanente, com críticas, deboches, aplausos, incentivos, ironias, gratidão, uns gostando e nos incentivando, outros detestando e enviando mensagens à altura deles mas, enquanto não aparecer alguém com mais cultura, interesse e amor por Campanha nos vamos continuar.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

LIVRO PSICOGRAFADO DE DOM HELDER CÂMARA!!!

LIVRO PSICOGRAFADO DE DOM HELDER CÂMARA!!!

CATÓLICOS ACEITAM LIVRO PSICOGRAFADO DE DOM HELDER CÂMARA!!!


CATÓLICOS JÁ RECONHECEM COMUNICAÇÃO COM OS ESPÍRITOS
Recentemente foi lançado no mercado cultural um livro mediúnico trazendo as reflexões de um padre depois da morte, atribuído, justamente, ao Espírito Dom Helder Camara, bispo católico, arcebispo emérito de Olinda e Recife, desencarnado no dia 28 de agosto de 1999, em Recife (PE).
O livro psicografado pelo médium Carlos Pereira, da Sociedade Espírita Ermance Dufaux, de Belo Horizonte, causou muita surpresa no meio espírita e grande polêmica entre os católicos.
O que causou mais espanto entre todos foi a participação de Marcelo Barros, monge beneditino e teólogo, que durante nove anos foi secretário de Dom Helder Câmara, para a relação ecumênica com as igrejas cristãs e as outras religiões.

Marcelo Barros secretariou Dom Helder Câmara no período de 1966 a 1975 e tem 30 livros publicados. Ao prefaciar o livro Novas Utopias , do espírito Dom Helder, reconhecendo a autenticidade do comunicante, pela originalidade de suas idéias e, também, pela linguagem, é como se a Igreja Católica viesse a público reconhecer o erro no qual incorreu muitas vezes, ao negar a veracidade do fenômeno da comunicação entre vivos e mortos, e desse ao livro de Carlos Pereira, toda a fé necessária como o Imprimátur do Vaticano.
É importante destacar, ainda, que os direitos autorais do livro foram divididos em partes iguais, na doação feita pelo médium, à Sociedade Espírita Ermance Dufaux e ao Instituto Dom Helder Câmara, de Recife, o que, aliás, foi aceito pela instituição católica, sem qualquer constrangimento.
No prefácio do livro aparece também o aval do filósofo e teólogo Inácio Strieder e a opinião favorável da historiadora e pesquisadora Jordana Gonçalves Leão, ambos ligados à Igreja Católica.
Conforme eles mesmos disseram, essa obra talvez não seja uma produção direcionada aos espíritas,  que  já  convivem  com o  fenômeno  da  comunicação,   desde  a codificação  do  Espiritismo; mas, para  uma grandiosa  parcela  da população dentro da militância católica, que é chamada a conhecer a  verdade  espiritual,  porque  "os  tempos  são  chegados",  estes ensinamentos pertencem à natureza e, conseqüentemente, a todos os filhos de Deus.

A verdade espiritual não é propriedade dos espíritas ou de outros que professam estes ensinamentos e, talvez, porque, tenha chegado o momento da Igreja Católica admitir, publicamente, a existência espiritual, a vida depois da morte e a comunicação entre os dois mundos.
Na entrevista com Dom Helder Câmara, realizada pelos editores, o Espírito comunicante respondeu as seguintes perguntas sobre a vida espiritual:

- Mesmo na vida espiritual, o senhor se sente um padre?
Não poderia deixar de me sentir padre, porque minha alma, mesmo antes de voltar, já se sentia padre. Ao deixar a existência no corpo físico, continuo como padre porque penso e ajo como padre.
Minha convicção à Igreja Católica permanece a mesma, ampliada, é claro, com os ensinamentos que aqui recebo, mas continuo firme junto aos meus irmãos de Clero a contribuir, naquilo que me seja possível, para o bem da humanidade.

- Do outro lado da vida o senhor tem alguma facilidade a mais para realizar seu trabalho e exprimir seu pensamento, ou ainda encontra muitas barreiras com o preconceito religioso?
Encontramos muitas barreiras. As pessoas que estão do lado de cá reproduzem o que existe na Terra. Os mesmos agrupamentos que se formam aqui se reproduzem na Terra.
Nós temos as mesmas dificuldades de relacionamento, porque os pensamentos continuam firmados, cristalizados em crenças em determinados pontos que não levam a nada.
Resistem a idéia de evolução dos conceitos. Mas, a grande diferença é que por estarmos com a vestimenta do espírito, tendo uma consciência mais ampliada das coisas podemos dirigir os nossos pensamentos de outra maneira e assim influenciar aqueles que estão na Terra e que vibram na mesma sintonia.
Como o senhor está auxiliando nossa sociedade na condição de desencarnado?
Do mesmo jeito. Nós temos as mesmas preocupações com aqueles que passam fome, que estão nos hospitais, que são injustiçados pelo sistema que subtrai liberdades, enriquece a poucos e colocam na pobreza e na miséria muitos; todos aqueles desvalidos pela sorte. Nós juntamos a todos que pensam semelhantemente a nós, em tarefas enobrecedoras, tentando colaborar para o melhoramento da humanidade.
Como é sua rotina de trabalho?
A minha rotina de trabalho é, mais ou menos, a mesma.. Levanto-me, porque aqui também se descansa um pouco, e vamos desenvolver atividades para as quais nos colocamos à disposição. Há grupos que trabalham e que são organizados para o meio católico, para aqueles que precisam de alguma colaboração. Dividimo-nos em grupos e me enquadro em algumas atividades que faço com muito prazer.
Qual foi a sua maior tristeza depois de desencarnado? E qual foi a sua maior alegria?
Eu já tinha a convicção de que estaria no seio do Senhor e que não deixaria de existir. Poder reencontrar os amigos, os parentes, aqueles aos quais devotamos o máximo de nosso apreço e consideração e continuar a trabalhar, é uma grande alegria. A alegria do trabalho para o Nosso Senhor Jesus Cristo.
O senhor, depois de desencarnado, tem estado com freqüência nos Centros Espíritas?
Não. Os lugares mais comuns que visito no plano físico são os hospitais; as casas de saúde; são lugares onde o sofrimento humano se faz presente. Naturalmente vou à igreja, a conventos, a seminários, reencontro com amigos, principalmente em sonhos, mas minha permanência mais freqüente não é na casa espírita.
O senhor já era reencarnacionista antes de morrer?
Nunca fui reencarnacionista, diga-se de passagem. Não tenho sobre este ponto um trabalho mais desenvolvido porque esse é um assunto delicado, tanto é que o pontuei bem pouco no livro. O que posso dizer é que Deus age conforme a sua sabedoria sobre as nossas vidas e que o nosso grande objetivo é buscarmos a felicidade mediante a prática do amor.
Se for preciso voltar a ter novas experiências, isso será um processo natural.

Qual é o seu objetivo em escrever mediunicamente?
Mudar, ou pelo menos contribuir para mudar, a visão que as pessoas têm da vida, para que elas percebam que continuamos a existir e que essa nova visão possa mudar profundamente a nossa maneira de viver.
Qual foi a sensação com a experiência da escrita mediúnica?
Minha tentativa de adaptação a essa nova forma de escrever foi muito interessante, porque, de início, não sabia exatamente como me adaptar ao médium para poder escrever. É necessário que haja uma aproximação muito grande entre o pensamento que nós temos com o pensamento do médium. É esse o grande desafio de todos nós porque o médium precisa expressar aquilo que estamos intuindo a ele. No início foi difícil, mas aos poucos começamos a criar uma mesma forma de expressão e de pensamento, aí as coisas melhoraram. Outros (médiuns) pelos quais tento me comunicar enfrentam problemas semelhantes.
Foi uma surpresa saber que poderia se comunicar pela escrita mediúnica?
Não. Porque eu já sabia que muitas pessoas portadoras da mediunidade faziam isso. Eu apenas não me especializei, não procurei mais detalhes, deixei isso para depois, quando houvesse tempo e oportunidade.
Imaginamos que haja outros padres que também queiram escrever mediunicamente, relatarem suas impressões da vida espiritual. Por que Dom Helder é quem está escrevendo?
Porque eu pedi. Via-me com a necessidade de expressar aos meus irmãos da Terra que a vida continua e que não paramos simplesmente quando nos colocam dentro de um caixão e nos dizem "acabou-se". Eu já pensava que continuaria a existir, sabia que haveria algo depois da vida física.
Falei isso muitas vezes. Então, senti a necessidade de me expressar por um médium quando estivesse em condições e me fossem dadas as possibilidades. É isto que eu estou fazendo.

Outros padres, então, querem escrever mediunicamente em nosso País?
Sim. E não poucos. São muitos aqueles que querem usar a pena mediúnica para poder expressar a sobrevivência após a vida física. Não o fazem por puro preconceito de serem ridicularizados, de não serem aceitos, e resguardam as suas sensibilidades espirituais para não serem colocados numa situação de desconforto. Muitos padres, cardeais até, sentem a proteção espiritual nas suas reflexões, nas suas prédicas, que acreditam ser o Espírito Santo, que na verdade são os irmãos que têm com eles algum tipo de apreço e colaboram nas suas atividades.
Como o senhor se sentiu em interação com o médium Carlos Pereira?
Muito à vontade, pois havia afinidade, e porque ele se colocou à disposição para o trabalho. No princípio foi difícil juntar-me a ele por conta de seus interesses e de seu trabalho. Quando acertamos a forma de atuar, foi muito fácil, até porque, num outro momento, ele começou a pesquisar sobre a minha última vida física. Então ficou mais fácil transmitir-lhe as informações que fizeram o livro.
O senhor acredita que a Igreja Católica irá aceitar suas palavras pela mediunidade?
Não tenho esta pretensão. Sabemos que tudo vai evoluir e que um dia, inevitavelmente, todos aceitarão a imortalidade com naturalidade, mas é demais imaginar que um livro possa revolucionar o pensamento da nossa Igreja. Acho que teremos críticas, veementes até, mas outros mais sensíveis admitirão as comunicações. Este é o nosso propósito.
É verdade que o senhor já tinha alguns pensamentos espíritas quando na vida física?
Eu não diria espírita; diria espiritualista, pois a nossa Igreja, por si só, já prega a sobrevivência após a morte. Logo, fazermos contato com o plano físico depois da morte seria uma conseqüência natural.
Pensamentos espíritas não eram, porque não sou espírita. Sem nenhum tipo de constrangimento em ter negado alguns pensamentos espíritas, digo que cheguei a ter, de vez em quando, experiências íntimas espirituais.

Há as mesmas hierarquias no mundo espiritual?
Não exatamente, mas nós reconhecemos os nossos irmãos que tiveram responsabilidades maiores e que notoriamente tem um grau evolutivo moral muito grande. Seres do lado de cá se reconhecem rapidamente pela sua hombridade, pela sua lucidez, pela sua moralidade. Não quero dizer que na Terra isto não ocorra, mas do lado de cá da vida isto é tudo mais transparente; nós captamos a realidade com mais intensidade.
Autoridade aqui não se faz somente com um cargo transitório que se teve na vida terrena, mas, sobretudo, pelo avanço moral.

Qual seu pensamento sobre o papado na atualidade?
Muito controverso esse assunto. Estar na cadeira de Pedro, representando o pensamento maior de Nosso Senhor Jesus Cristo, é uma responsabilidade enorme para qualquer ser humano. Então fica muito fácil, para nós que estamos de fora, atribuirmos para quem está ali sentado, algum tipo de consideração. Não é fácil. Quem está ali tem inúmeras responsabilidades, não apenas materiais, mas descobri que as espirituais ainda em maior grau.
Eu posso ter uma visão ideológica de como poderia ser a organização da Igreja; defendi isso durante minha vida. Mas tenho que admitir, embora acredite nesta visão ideal da Santa Igreja, que as transformações pelas quais devemos passar merecem cuidado, porque não podemos dar sobressaltos na evolução. Queira Deus que o atual Papa Ratzinger
(Bento XVI) possa ter a lucidez necessária para poder conduzir a Igreja ao destino que ela merece.

O senhor teria alguma sugestão a fazer para que a Igreja cumpra seu papel?
Não preciso dizer mais nada. O que disse em vida física, reforço.
Quero apenas dizer que quando estamos do lado de cá da vida, possuímos uma visão mais ampliada das coisas. Determinados posicionamentos que tomamos, podem não estar em seu melhor momento de implantação, principalmente por uma conjuntura de fatores que daqui percebemos.
Isto não quer dizer que não devamos ter como referência os nossos principais ideais e, sempre que possível, colocá-los em prática.

Espíritas no futuro?
Não tenho a menor dúvida. Não pertencem estes ensinamentos a nossa Igreja, ou de outros que professam estes ensinamentos espirituais.
Portanto, mais cedo ou mais tarde, a nossa Igreja terá que admitir a existência espiritual, a vida depois da morte, a comunicação entre os dois mundos e todos os outros princípios que naturalmente decorrem da vida espiritual.

Quais são os nomes mais conhecidos da Igreja que estão cooperando com o progresso do Brasil no mundo espiritual?
Enumerá-los seria uma injustiça, pois há base em todas as localidades.Então, dizer um nome ou outro seria uma referência pontual porque há muitos, que são poucos conhecidos, mas que desenvolvem do lado de cá da vida um trabalho fenomenal e nós nos engajamos nestas iniciativas de amor ao próximo.
Que mensagem o senhor daria especificamente aos católicos agora, depois da morte?
Que amem, amem muito, porque somente através do amor vai ser possível trazer um pouco mais de tranqüilidade à alma. Se nós não tentarmos amar do fundo dos nossos corações, tudo se transformará numa angústia profunda. O amor, conforme nos ensinou o Nosso Senhor Jesus Cristo, é a grande mola salvadora da humanidade.
Que mensagem o senhor deixaria para nós, espíritas?
Que amem também, porque não há divisão entre espíritas e católicos ou qualquer outra crença no seio do Senhor. Não há. Essa divisão é feita por nós, não pelo Criador. São aceitáveis porque demonstram diferenças de pontos de vista, no entanto, a convergência é única, aqui simbolizada pela prática do amor, pois devemos unir os nossos esforços.
Que mensagem o senhor deixaria para os religiosos de uma maneira geral?
Que amem. Não há outra mensagem senão a mensagem do amor.
Ela é a única e principal mensagem que se pode deixar.

Autor: Dom Helder Câmara (Espírito)
Médium: Carlos Pereira

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

AGUARDAMOS O SEU COMENTÁRIO.

COMENTÁRIOS
Olá leitores. Vou continuar com os comentários deste blog, sendo apenas moderado, não havendo a necessidade do comentarista ter conta no Google. Só peço que, tenham o mínimo de respeito, para que seu comentário seja liberado.