Páginas

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

PROF. MARINHO FONSECA EM CAMPANHA

GEFROMP CONVIDA

No domingo próximo, dia 4 de novembro, estaremos recebendo a visita do excelente palestrista, Professor Marinho Fonseca de Varginha.
O tema da noite será "Nas trilhas do Evangelho".
Horário de início: 20:00
Local: Sede do GEFROMP - Rua Maestro Pompeu 208 - Xororó - Campanha - MG
Sua presença é muito importante, contamos com a sua presença.


sábado, 27 de outubro de 2012

GEFROMP VAI BEM, OBRIGADO.

Vejam como está ficando a futura sede do GEFROMP.

Agora entramos numa nova fase, a da cobertura. Contamos sempre com a colaboração de abnegados amigos que, estão sempre disposto a doar um pouco de si. Aguardamos a sua colaboração, que Deus o abençoe e lhe de em dobro.
GEFROMP
Conta BB - Ag.1711-6 - Var. 51 - Conta Poupança 9975-9


sábado, 20 de outubro de 2012

CIRURGIAS DE CATARATAS, EM CAMPANHA.


O mês de outubro de 2012 marcará um novo capítulo no sistema de saúde da Campanha. Até o próximo dia 31, as primeiras cirurgias de catarata serão realizadas em nosso município.

Através da parceria entre o Ministério da Saúde, a Prefeitura Municipal da Campanha, a Santa Casa de Misericórdia e a Clínica VIBRA, nosso município atenderá, além dos campanhenses, pacientes de São Gonçalo do Sapucaí, Cambuquira, São Tomé das Letras e São Bento Abade.

Confira na página:
http://campanha.mg.gov.br/noticias/56-saude/535-campanha-realizara-cirurgias-de-catarata.html

DA BOA VIDA PARA A HISTÓRIA DA CAROCHINHA

DA BOA VIDA PARA A HISTÓRIA DA CAROCHINHA

Maria Lúcia Victor Barbosa
12/10/2012
Na sua Carta Testamento Getúlio Vargas escreveu: “Saio da vida para entrar na história”. Lula jamais cometeria o suicídio ainda que imerso no mar de lama em que se afoga seu partido. A frase mais adequada a seu pronunciamento seria: “Saio da boa vida para entrar na história da carochinha”.
Lula da Silva é claro continua na boa vida no sentido de gozar dos benefícios da “zelite”, mas não é a mesma coisa de quando era presidente da República. E como não governou, mas deixou a vida levá-lo entre viagens espetaculares, palanques constantes, recepções a atletas, reuniões festivas, homenagens infindas, sendo que nos primeiros anos de mandato tinha uma espécie de primeiro-ministro atualmente condenado pelo STF como chefe da quadrilha do mensalão, José Dirceu, a existência presidencial era um não acabar de maravilhas. Tretas, mutretas, trapaças ficavam a cargo do homem forte do governo que, como o próprio afirmou nada fazia sem que o chefe Lula soubesse e consentisse.
Que boa vida! Lula pairava acima da lei. Podia falar o que quisesse porque mesmo os maiores despautérios eram saudados com palmas, risos, gritos de júbilo. Dessa boa vida Lula saiu em que pese desejar ardentemente a ela voltar. Ele sabe que ter ou não ter poder eis a questão.
Entrar para a história da carochinha merece uma explicação. No passado histórias da carochinha eram narradas para crianças que acreditavam piamente nos contos, lembrando que carocha quer dizer peta, mentira. Ora, Lula é um exímio contador de lorotas, um ególatra que se gaba constantemente de feitos que não fez. Lula é uma propaganda enganosa bem sucedida digna de entrar eternamente para a história da carochinha apesar de que sua peta mais hilária, a que reza que o mensalão nunca existiu, foi agora desmentida pelo Supremo Tribunal Federal.
No julgamento considerado o mais importante de nossa história, além da condenação de várias figuras que atuaram como linhas auxiliares nos crimes de corrupção do governo Lula este amarga as que complicaram a vida de José Dirceu, carinhosamente apelidado de “capitão do time”; de Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT; de José Genoino, ex-presidente do PT. São figuras exponenciais do partido marcado pelo maior crime de corrupção governamental já havido no país, a monumental compra de votos de parlamentares cujo objetivo era a manutenção do PT no poder. Algo, portanto, maculado com requintes de golpismo tão próprio da mente stalinista que articulou a sórdida trama.
Desagradavelmente surpreso Lula e os companheiros assistem ministros do Supremo Tribunal Federal julgando de acordo com a lei e melhor, com a isonomia que significa que a lei é igual para todos. Destaque para o relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, que nunca foi um boa vida nem precisou de cotas para chegar aonde chegou por mérito. Ao horror das hostes petistas se opõe o encantamento cívico de grande parte da nação que não acreditava mais na condenação de poderosos. Afirma assim sua independência o Poder Judiciário prestando um relevante serviço à democracia.
Diante da vexaminosa desventura a reação do ex-presidente não poderia ser pior. Ele taxa o julgamento de hipocrisia, o que se configura uma afronta monumental, um desrespeito profundo, um desacato de enormes proporções ao STF. Delúbio, o “homem bomba” que se imola pela causa continua calado. Genoino diz ter a “consciência dos inocentes”, a mesma que devia ter Jacques o estripador. No repetido diapasão petista ataca a imprensa, os reacionários, os moralistas, o STF e sonha em vão com o “favorecimento da população” aos crimes por ele e pelos companheiros cometidos. José Dirceu, depois da conversa fiada e requentada da luta de classes, de direita versus esquerda, algo tão antigo quanto sua fuga para Cuba prefere voltara à obsessão do fortalecimento do poder petista e apela para a necessidade da vitória em São Paulo, além de frisar a urgência da consecução do antigo projeto de amordaçamento da mídia e do controle do Judiciário. Não há dúvida de que ele aprendeu muito com seu ídolo Fidel Castro.
Certamente o PT enlameado não acabou. Lula, ainda desfruta de popularidade e conta com os que pensam que histórias da carochinha são reais. E tem mais. Neste segundo turno os institutos de pesquisa, que erraram de cabo a rabo, já começaram a desenvolver seus enredos favorecendo a quem interessa. Partidos são meros clubes de interesse facilmente cooptáveis. No PSDB, muitos erros estratégicos colaboram para o êxito do lulismo.
Entretanto, vai ficando cada vez mais evidente que “capitão do time” tinha um “general” que até hoje se diz um pobre operário. O dia em que houver no Brasil uma oposição para valer isto ficará provado e o STF fará justiça. Somente desse modo acontecerá para as futuras gerações o resgate moral dessa fase da política delinquente.
Maria Lúcia Victor Barbosa é socióloga.

TAPAR O SOL. Ferreira Goulart

Publicado ontem pela “FOLHA”, o texto magnífico de Ferreira Gullar, que, diga-se de passagem, é de esquerda, talvez seja o que melhor definiu o presidente Lula nos últimos tempos. Quase uma minibiografia.
Leitura obrigatória para quem, de fato, quer conhecer a verdade, escrita por alguém que foi testemunha ocular da história.

 
 

TAPAR O SOL

FERREIRA GULLAR

“O julgamento do STF realiza-se à vista de milhões de telespectadores. Não é uma conspiração”

GOSTARIA DE deixar claro que não tenho nada de pessoal contra o ex-presidente Lula, nem nenhum compromisso partidário, eleitoral ou ideológico com ninguém. Digo isso porque, nesta coluna, tenho emitido, com alguma frequência, opiniões críticas sobre a atuação do referido político, o que poderia levar o leitor àquela suposição.
Não resta dúvida de que tenho sérias restrições ao seu comportamento e especificamente a certas declarações que emite, sem qualquer compromisso com a verdade dos fatos. E, se o faço, é porque o tenho como um líder político importante, capaz de influir no destino do país. Noutras palavras, o que ele diz e faz, pela influência de que desfruta, importa a todos nós.


E a propósito disso é que me surpreende a facilidade com que faz afirmações que só atendem a sua conveniência, mas sem qualquer compromisso com a verdade. É certo que o faz sabendo que não enganará as pessoas bem informadas, mas sim aquelas que creem cegamente no que ele diga, seja o que for.

Exemplo disso foi a entrevista que deu a um repórter do “New York Times”, quando voltou a afirmar que o mensalão é apenas uma invenção de seus adversários políticos. E vejam bem, ele fez tal afirmação quando o Supremo Tribunal Federal já julgava os acusados nesse processo e já havia condenado vários deles.

Afirmar o que afirmou em tais circunstâncias mostra o seu total descompromisso com a verdade e total desrespeito com às instituições do Estado brasileiro.

Pode alguém admitir que a mais alta corte de Justiça do país aceitaria, como procedentes, acusações que fossem meras invenções de políticos e jornalistas irresponsáveis?
E mais: os ministros do STF passaram sete anos analisando os autos desse processo, tempo mais que suficiente para avaliá-lo. Afirmar, como faz Lula, que tudo aquilo é mera invenção equivale a dizer, implicitamente, que os ministros do STF são coniventes com uma grande farsa.


Mas o descompromisso de Lula com os fatos parece não ter limites. Para levar o entrevistador do “NYT” a crer na sua versão, disse que não precisava comprar votos, pois, ao assumir a Presidência, contava com a maioria dos deputados federais.
Não contava. Os verdadeiros dados são os seguintes: o PT elegera 91 deputados; o PSB, 24; o PL, 26, o PCdoB, 12, num total de 153 deputados. Mesmo com os eleitos por partidos menores, cuja adesão negociava, não alcançava a metade mais um dos membros da Câmara Federal.


Cabe observar que ele não disse ao jornalista norte-americano que não comprou os deputados porque seria indigno fazê-lo. Disse que não os comprou porque tinha maioria, ou seja, não necessitava comprá-los. Pode-se deduzir, então, que, como na verdade necessitava, os comprou.

Não há que se surpreender, Lula é isso mesmo. Sempre o foi, desde sua militância no sindicato. Para ele, não há valores: vale o que o levar ao poder ou o mantiver nele.

Sucede que, apesar do que diga, ninguém mais duvida de que houve o mensalão. Pior ainda, corre por aí que o Marcos Valério está disposto a pôr a boca no mundo e contar que o verdadeiro chefe da patranha era o Lula mesmo, como, aliás, sempre esteve evidente.
 E já o procurador-geral da República declarou que, se os dados se confirmarem, o processará. É nessas horas que o Lula falastrão se cala e desaparece. Às vezes, chama Dilma para defendê-lo.
Desta vez, chamou o Rui Falcão, presidente do PT, para articular o apoio dos líderes da base política do governo.

Disso resultou um documento desastroso, que chega ao ponto de acusar o Supremo de perpetrar um golpe de Estado contra a democracia, equivalente aos golpes que derrubaram Vargas e João Goulart. Pode? Vargas e Goulart, como se sabe, foram depostos pela extrema direita com o apoio de militares golpistas.
O julgamento do STF realiza-se às claras, à vista de milhões de telespectadores. Não é uma conspiração. Ele desempenha as funções que a Constituição lhe atribui.

E que golpe é esse contra um político que não está no poder?
O tal manifesto só causou constrangimento. O governador Eduardo Campos , de Pernambuco, deu a entender que foi forçado a assiná-lo, após rejeitar três versões dele.

Enfim, mais um vexame. Só que Lula, nessas horas, não aparece. Manda alguém fazer por ele, seja um manifesto, seja um mensalão.
 
 
 
 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

O SOLAR DOS FERREIRA

Matéria cedida pela colaboradora Angélica Andrés.

CENTRO DE ESTUDOS CAMPANHENSE

                                          MONSENHOR LEFORT

Criado pela Lei 1.879 - de 28  junho de 1996




HISTÓRICO
SOBRADO LOCALIZADO NA PRAÇA DR. JEFFERSON DE OLIVEIRA

Em estilo colonial, com paredes externas e internas do pavimento superior de pau-a-pique e as inferiores de alvenaria em pedra, formado por 34 janelas e 78 vãos, o sobrado da Praça Dr. Jefferson de Oliveira, 13, localizava-se bem no centro da cidade e constituía verdadeira relíquia arquitetônica e histórica do município. Orgulho dos campanhenses.
O prédio foi solidamente construído no início do século XIX pelo rico minerador Comendador Francisco de Paula Ferreira Lopes. Político militante com expressiva atuação na Campanha. Admirado e respeitado por todos, prestou relevantes serviços a sua terra natal e sua gente. Dedicado à causa pública, foi vereador, presidente da Câmara Municipal, deputado à Assembléia Constituinte Provincial na 1ª Legislatura (1835/1837), Comandante Superior da Guarda Nacional, além de outros importantes postos de eleição e nomeação do Governo.
No sobrado sempre residiu o Comendador e muitos de seus descendentes. Primeiro as filhas Bárbara Alexandrina Ferreira Lopes, casada a 14/03/1838 com o Coronel Martiniano da Silva Reis Brandão e Francisca de Paula Ferreira Lopes, casada com o comerciante Valério Ribeiro de Rezende. Ambas e seus descendentes fizeram do sobrado um ponto importante da história campanhense.
O coronel Martiniano, nascido em 29/11/1816, advogado provisionado, foi político ativista e influiu positivamente nos nossos destinos durante 50 anos. Sua prole foi muito importante. O filho mais velho, Francisco Honório Ferreira Brandão, médico de renome foi um dos fundadores do partido Republicano na Campanha, deputado em várias legislaturas e participou do movimento abolicionista. Engenheiro afamado sempre residiu no Rio de Janeiro onde ocupou cargos importantes, tendo cumprido várias missões no Brasil. Amigo do Dr. Fernando Lobo Leite Pereira e do presidente Floriano Peixoto, supõe-se que por inspiração deles, chefiou a Revolução Separatista de 1892. Por isso, instalou o Governo Provisório no sobrado onde residiam seus pais, já que o Comendador falecera um ano antes, em 28 de setembro de 1981, aos 94 anos.
O segundo genro, Valério Ribeiro de Rezende, recém-casado, residiu no sobrado e ali nasceu seu filho, mais tarde Ministro Francisco de Paula Ferreira de Rezende. O filho ilustre foi Juiz Municipal em 1856 em Queluz, hoje Conselheiro Lafaiete e Deputado Provincial de 1864 a 1867, eleito por Cataguases. Realizou também proveitosos estudos históricos, publicando suas observações em periódicos e em folhetos. É de sua autoria o livro “Minhas Recordações”, obra póstuma publicada em 1ª edição em 1944, que contém interessantes subsídios para a história da Campanha. Em 1888 participou da comissão incumbida de redigir a Constituição política do futuro Estado de Minas. Faleceu em 26/10/1892. 
Também residiu no prédio os Leonel de Rezende, família de notáveis juristas, parlamentares e políticos que muito honraram o nome da Campanha.
Sem conservação e com o passar dos anos, o imóvel entrou em decadência indo a leilão por volta de 1926, sendo arrematado pelo médico Dr. Jefferson de Oliveira e Olímpio Ferreira de Souza e Silva. Dr. Jefferson ficou com 91% e uma subscrição pública adquiriu a parte minoritária. Ali se instalou a segunda Escola Normal Oficial, solenemente inaugurada em 20/04/1929.
Para atender as necessidades da implantação da escola, o prédio passou então, em 1928, por um processo amplo de restauração e adaptação, sofrendo suas primeiras modificações.
Foram abertas portas, instalados 7 sanitários e 8 lavatórios. Revisto o telhado e encanamentos. Consertados assoalhos, forro, rodapés e abas, inclusive a escada e três colunas. Restauradas janelas, portas e caxilhos. Vidros quebrados substituídos e os que faltavam repostos. A pintura executada. Cuidou da reforma o construtor Virgílio Pereira Guimarães; dos serviços de carpintaria Ambrósio e Baccaro; da pintura e colocação de vidros João Rufino. Todo o material empregado foi de primeira qualidade e o orçamento (46 contos e 977 réis) pagos pelo proponente Dr. Jefferson de Oliveira.
As dependências de serviço da casa, no pavimento superior também foram alteradas para a instalação de um auditório.
No livro “Minhas Recordações” de Ferreira de Rezende pode-se observar a fachada original do sobrado, onde 4 portas e 2 janelas que davam para a rua Saturnino de Oliveira (Rua Direita), foram substituídas por seis pequenos vidros. Não conseguimos apurar se estas modificações aconteceram nesta mesma época.
Após o falecimento do Dr. Jefferson de Oliveira em 14/01/1943, cumprindo sua vontade e com o intuito de reverenciar a memória deste conceituado médico campanhense, a viúva Anna Cândida Leite de Oliveira, doou o imóvel a Municipalidade em 28/02/1944. O recebimento da doação foi autorizado pelo Decreto-Lei n° 78, de 20/01 do mesmo ano. Era prefeito o ilustre médico campanhense Dr. Manoel Alves Valladão.
Em 1937, com o fechamento da Escola Normal, ali se instalou novamente o Governo Municipal até meados de 1964.
Em 1965, o sobrado foi cedido à Escola Estadual Vital Brasil, criada neste mesmo ano. Exerceu a primeira direção da escola, a inspetora Maria das Dores Lamounier de Vilhena, professora formada em 1937, na última turma da antiga Escola Normal Oficial. No sobrado a Escola permaneceu até 1966.
Com a saída da escola para ocupar o prédio do antigo Colégio de Sion, voltou o sobrado a ser a sede da Prefeitura.
Em 1971, serviu como sede do Lions Clube até 1983.
Entre 1974 e 1976, foi sede também do LEO CLUBE.
Em 1973, mediante termo de doação da Prefeitura, o prédio foi cedido como patrimônio, à Fundação Cultural Campanha da Princesa, órgão mantenedor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Nossa Senhora de Sion. Com a extinção do Colégio de Sion, as instalações da Faculdade foram transferidas para o referido colégio, sendo firmado com a Prefeitura, em 02 de outubro de 1976, um contrato de comodato para a utilização do prédio como sede administrativa.
Neste período, funcionou também no andar superior do prédio a Câmara Municipal e a Biblioteca Pública Municipal Cônego Vítor, criada em 1973 pela Lei Municipal n° 623 e oficialmente aberta ao público em janeiro de 1988, após meticuloso processo de organização, iniciado em 1977. O término das obras de restauração do antigo Ginásio São João permitiu, em 19 de dezembro de 1990, a transferência de todo seu acervo para o novo local, mais amplo e confortável.
No ano seguinte, o Poder Legislativo também deixa o imóvel para funcionar no prédio localizado na rua Padre Natuzzi, 79.
Três anos depois, se deu a transferência do Poder Executivo, ocasionada pela cessão de dois prédios pertencentes à antiga Diretoria Regional da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, extinta na Campanha em abril de 1990 e cedidos à Municipalidade pelo Governo Itamar Franco.
               O sobrado permaneceu fechado por pouco tempo. Encontrava-se novamente em péssimas condições de conservação, já que a última restauração mais abrangente se deu em 1928. O forro do antigo salão nobre da Câmara ameaçava desabar e precisou ser escorado. Inúmeras goteiras castigavam o interior do prédio.
De 1994 em diante lá se instalaram a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (EMATER), reaberta pelo convênio de 03 de maio de 1994. Provisoriamente a Firma Romero’s Informática, depois Digital Informática e a Firma Dance Star, especializada na fabricação de sapatilhas. Esta, veio suprir, em parte, a carência do mercado de trabalho no Município. Para instalação desta fábrica, foi feita uma redistribuição da carga elétrica com a colocação de um padrão independente sem, entretanto, rever antigas fiações (muitas ainda com o isolamento de pano).
Em 1995, para lá se transferiu a Fundação Comunitária do Bem-Estar do Menor (CONBEM), órgão subordinado à Prefeitura, criado em 1989, com a finalidade de propiciar atividades profissionalizantes às crianças carentes. No primeiro andar, instalou-se uma exposição permanente de trabalhos manuais produzidos pelos alunos do CONBEM e da comunidade.
Em 30 de maio de 1996, às 15 horas, possivelmente ocasionado por um curto-circuito na parte superior esquerda do prédio, todo o sobrado pegou fogo. Pouco se pode fazer para evitar a tragédia. Consternada e perplexa a população assistiu extasiada o fogo consumir mais de século e meio de História: um prédio que era, sem sombra de dúvida, patrimônio histórico e cultural de toda região mineira.



Fontes Bibliográficas (Acervo: CEC ML)

4Dados orais fornecidos pelo campanhense Roberto Jefferson de Oliveira (1926 - 1996) e pela funcionária municipal Altina Nogueira.
4Dados fornecidos pela Diretora de Proteção e Memória do Patrimônio Histórico do IEPHA, Ruth Villamarim.
4Dados Genealógicos dos Antecedentes e Descendentes de Francisco Sanches Brandão e Manuel da Rocha Bandão; Theobaldo Brandão; 1966, pág. 56.
4Jornal Voz Diocesana - Ano 23, n° 757.
4Jornal Três - Edição 1.419, de 24/05/1994.
4Folheto Campanhenses Ilustres - n° 02 e 05 (Ed. do Centro de Estudos Campanhense Mons. Lefort).
4Artigo “Há um Século” - publicado no Estado de São Paulo - S/D.
4Almanaque do Município da Campanha; Júlio Bueno; Ed. 1900 - pág. 107.
4Relação de personalidades Ilustres do Município da Campanha - 1889/1930; Jair de Paiva Lemes.
4Revista Alvorada - nº 5 e 6 de abril de 1929; Editada por José Borges Netto.
4Jornal “A Folha da Campanha” - Ed. Dez /94 - nº 0 - Folha 08.
4Orçamento do emboço e reboco das paredes internas e externas e do telhado do prédio a ser adaptado para a Escola Normal da Campanha (Cópia).
4Traslado da Escritura Pública de doação - Livro 102 - Fls. 139 v. a 141.
4Ofício do prefeito Dr. Manoel Alves Valladão de 06/03/44.
4Jornal “O Campanhense” - nº 0 - abril/90.
4Orçamento dos serviços de carpitaria necessários para adaptação do prédio destinado a escola 4Normal e orçamento para pintura a óleo e colocação de vidros.
4Release - Histórico da FAFI/Sion. 
4Obra “Minhas Recordações”; Ferreira de Rezende; Ed. 87; pág. 233. 

Pesquisa histórica organizada pelo Centro de Estudos
Campanhense Monsenhor Lefort situado na Rua João Luiz Alves, 26 - Campanha //MG em 24/06/96.

O prédio, no início do século XX.

O Solar dos Ferreira de tantas histórias, agora é só saudade. As novas gerações, nem mesmo as histórias sabem pois, nossas autoridades e escolas não tem a preocupação de ensinar a nossa rica história. O que é lamentável, pois Campanha sempre teve uma grande importância na história do Brasil.
Será que nossos representantes eleitos, não ficam sensibilizados, incomodados, de verem situações como esta. Nós sempre pensamos que com a gente isto não acontece. Mas, já aconteceu e ninguém aprendeu a lição. Não seria possível um pedido, para que a COPASA colocasse hidrantes nas proximidades dos prédios antigos, especialmente nas proximidades da Catedral, Museu Regional, Santa Casa, Igreja da Dores...
O papel do eleitor, não é só colocar no poder os seus padrinhos mas, cobrar deles ações em favor da nossa cidade.

As ruínas só serviram para festas de Halloween durante uns dois ou três anos.

e para fotografias. Mas, TODOS vão ficar sempre omissos?
Alguém deve ter responsabilidade sobre o acontecido. Afinal, a Prefeitura doou o prédio para a Faculdade que, precisava ter um imóvel  para ser criada mas, o emprestaria para a Prefeitura por tempo indeterminado. A Faculdade Nossa Senhora de Sion acabou sendo lesada pois, emprestou um prédio e ficou com as ruínas. 
De quem é a responsabilidade?
Por que será, o Ministério Público nunca se interessou por isto?
Até quando vai ficar assim? 
Estas respostas, todos os campanhenses esperam por elas.
Mas, até quando?

terça-feira, 16 de outubro de 2012

ANALISANDO A ENQUETE

O resultado da enquete como era de se esperar, teve apenas 22 pessoas interessadas. Dos 22, apenas 14 votaram se dizendo dispostos a fazer algo por Campanha. Imagino que sejam aquelas pessoas, que fazem acontecer. Só que, pelo visto, cada um dentro da sua individualidade, uma vez que, ninguém apareceu se identificando, para que um grupo fosse criado.
Outros 4, que só querem ver o que está acontecendo, para acharem os defeitos, naquilo que eles não tiveram a coragem de tentar fazer.
E mais 4, que não estão nem ai. A cidade não é problema deles. Os eleitos e seus comandados, vão ganhar muito bem para pensarem por nós. Este quarteto, deve estar numa situação muito confortável e o povo que se dane.
E quanto a nova Câmara, só nos resta torcer, para que tenham mais juízo e não deixem se corromper, elegendo um presidente que faz..., a gente passar vergonha. Isto já seria Fantástico.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

MAIS UM BLOG REGIONAL

Mais um blog da região, para divulgar o Sul de Minas visando a Copa de 2014.
Que outros apareçam e ajudem a mostrar toda a riqueza da nossa região.
Prezado Blogueiro,
Boa Noite!
Estamos fazendo contato com vários 'blogs' do Sul de Minas, a fim de divulgar mais um veículo que buscará mostrar a pujança da região para os potenciais turistas da Copa 2014. Somos jornalistas de turismo e tendo em vista a ampla e consistente participação de muitos de seus leitores aqui neste blog, convidamos a todos aqueles que sempre apresentam comentários com indicativos das riquezas da região para que se dirijam "maciçamente" para nosso blog também!
Para que possam bem entender nossa proposta: http://fromtrescoracoestosulminas.blogspot.com.br/2012/10/entendendo-melhor-proposta-deste-blog.html
Att.Liana Oliveirahttp://fromtrescoracoestosulminas.blogspot.com.br
 TEMAS, PAUTAS DO JORNALISMO DE TURISMO, OS ASSUNTOS QUE SERÃO TRATADOS NESTE BLOG (CITADO ACIMA):

As pautas do Jornalismo de Turismo incluem a cobertura de eventos (festas, eventos típicos, folclore, cerimônias públicas, culturais ou religiosas, feiras, congressos, inaugurações de estabelecimentos), as instituições que geram produtos e fatos (hotéis, parques de diversões, agências de turismo, transportadoras, companhias aéreas, operadoras de cruzeiros), as políticas públicas para a área (ministérios, secretarias) e o dia-a-dia do setor.

FONTES, AS PESSOAS COM AS QUAIS DIALOGAREMOS NESTE BLOG (CITADO ACIMA):

Como na maior parte das especializações jornalísticas, as fontes de Turismo são divididas entre protagonistas (agentes de turismo, empresários do ramo), autoridades (ministros, secretários, diretores de órgãos públicos, diplomatas, alfândegas, polícias), especialistas (pesquisadores) e usuários (turistas).

OS SUL MINEIROS, O POVO DO SUL DE MINAS, O MAIOR PATRIMÔNIO DA REGIÃO

A pujança dos atrativos naturais e culturais no Sul de Minas é de tirar o fôlego, mas o turista que para lá se dirigir não deverá se preocupar, pois a hospitalidade devolve. É de embasbacar a educação, a cortesia, a amabilidade, o alto grau de conhecimento que possuem sobre a região, sobre sua história, sua identidade cultural, as informações consistentes e detalhadas sobre os atrativos naturais e culturais existentes em todo o seu entorno.

Contamos com a ampla participação dos seus leitores inteligentes, perspicazes, argutos. No nosso blog é possível a participação de todos, não limitamos e não restringimos, até mesmo os que não possuem contas do Google podem participar!
Estamos impressionados com o elevado grau de escolarização, de participação, de conhecimento dos sul mineiros. Sem contar, a simpatia e a delicadeza no trato interpessoal. O Sul de Minas tem tudo para se destacar não só na Copa 2014, mas daqui para frente!

E VIVA A PUJANÇA DO SUL DE MINAS! E VIVA A PUJANÇA DOS ATRATIVOS NATURAIS E ATRATIVOS CULTURAIS DO SUL DE MINAS!
A PUJANÇA DE TRÊS CORAÇÕES, A TERRA DO REI PELÉ, DO SUL DE MINAS PARA TODO O MUNDO!
Postado por Notícias Turísticas Sul de Minas no blog ISTO É CAMPANHA Aqui nasceu o Sul de Minas em 14 de outubro de 2012 20:01

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

ONDE HÁ FUMAÇA, HÁ FOGO.

O povo fica só na expectativa, de que a nova Câmara vai ter que tomar muitas atitudes, a começar por ela mesma. A APAE uma entidade que foi modelo na região, tem dado margens para muitos comentários. A Rádio Ação, o que a gente escuta (não pela rádio que, está sempre fora do ar) mas, pelos papos, em qualquer lugar, tem muitas explicações para dar aos seus ouvintes e anunciantes.
Mas, a responsabilidade não é só dos vereadores, a população, vocês que estão sofrendo com o que tem acontecido, tá na hora de reagir.
Será? Vejam aqui pelo blog. Todo mundo fala, mas depois que condicionei os comentários, só com a identificação do comentarista, ficou todo mundo quietinho.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

COMENTÁRIO LÚCIDO SOBRE A EDUCAÇÃO.

Acredito que e justamente a proximidade do dia do professor que deve ser o momento adequado para repensarmos a escola e as praticas dessa profissão. Acredito sim que existam professores bem intencionados mas, infelizmente acríticos que não conseguem perceber que a educação que reproduzimos esta mais condizente com a educação do séc. XVII, do que com a interatividade do momento contemporâneo. Sou diretora de escola, tenho 2.300 adolescentes sob a minha responsabilidade. Fiquei imaginando a cena: Eu sentada em cima de um formigueiro, mas em poucos minutos, não os professores, mas os estudantes viriam me salvar. Eles já fizeram isso uma vez, e partiram para cima do governo que queria me destituir do cargo. Depois disso, já fui reeleita 2 vezes. Acredito na educação, mas desconfio dos professores que não querem repensar suas praticas e procedimentos, que exercem o poder pela sua afirmação junto aos alunos, como se precisassem descontar nos coitados sua vida mal vivida, as escolhas que não fizeram, a mediocridade que perpetuam. Outro dia encontrei um aluno no corredor.... Matando aula outra vez Felipe?.... Ele me respondeu:.... Não professora, a aula e que me mata. Então, como diretora me sentei no chão do seu lado para ouvir a descrição minuciosa dessa aula que matava meu aluno... Minha vontade muitas vezes e dar advertência aos professores. Mas, muitos são coitados que não se interessam pelo que fazem, que contam os minutos para que depois de 6 aulas toque logo o sinal para que possam fugir da sensação diária de rejeição Que os jovens insistem em demonstrar diariamente.  Claro que existem muitos, milhares de professores que amam essa profissão e que se relacionam com os alunos de forma harmoniosa e que produzem maravilhas, que são carismáticos e que caminham pela vida junto com seus alunos como referencia, mas infelizmente esses são poucos e que se desmotivam por não encontrarem respaldo nas direções de escolas e em seus colegas para conduzir um trabalho mais humanizado. Que esse texto nos permita refletir. Não culpo somente os professores, mas culpo as universidades que nos ensinam a sermos medíocres, que pregam metodologias e teorias que não executam na pratica, e que apesar das mudanças que o momento contemporâneo aportaram ainda vivem a educação bancaria que Paulo Freire e que qualquer professor inteligente condena. PRECISAMOS MUDAR e não criticar a critica lúcida mordaz e bem intencionada.
Leisa Sasso
Diretora do Centro Educacional São Francisco
São Sebastião - DF

terça-feira, 9 de outubro de 2012

AULA DE DIREITO

 
AULA DE DIREITO

Uma manhã, quando nosso novo professor de "Introdução ao Direito" entrou na sala,
a primeira coisa que fez foi perguntar o nome a um aluno que estava sentado na primeira fila:
- Como te chamas?
- Chamo-me Juan, senhor.
- Saia de minha aula e não quero que voltes nunca mais! - gritou o desagradável professor.
 
Juan estava desconcertado.
Quando voltou a si, levantou-se rapidamente, recolheu suas coisas e saiu da sala.
Todos estávamos assustados e indignados, porém ninguém falou nada.
 
- Agora sim! - e perguntou o professor - para que servem as leis?...
Seguíamos assustados porém pouco a pouco começamos a responder à sua pergunta:
- Para que haja uma ordem em nossa sociedade.
- Não! - respondia o professor.
- Para cumpri-las.
- Não!
- Para que as pessoas erradas paguem por seus atos.
- Não!!
- Será que ninguém sabe responder a esta pergunta?!
- Para que haja justiça - falou timidamente uma garota.
 
- Até que enfim! É isso... para que haja justiça.
E agora, para que serve a justiça?
Todos começávamos a ficar incomodados pela atitude tão grosseira.
Porém, seguíamos respondendo:
- Para salvaguardar os direitos humanos...
- Bem, que mais? - perguntava o professor.
- Para diferençar o certo do errado... Para premiar a quem faz o bem...
- Ok, não está mal porém... respondam a esta pergunta:
agi corretamente ao expulsar Juan da sala de aula?...
Todos ficamos calados, ninguém respondia.
- Quero uma resposta decidida e unânime!
- Não!! - respondemos todos a uma só voz.
- Poderia dizer-se que cometi uma injustiça?
- Sim!!!
- E por que ninguém fez nada a respeito?
Para que queremos leis e regras
se não dispomos da vontade necessária para pratica-las?
 
- Cada um de vocês tem a obrigação de reclamar
quando presenciar uma injustiça. Todos.
Não voltem a ficar calados, nunca mais!
 
- Vá buscar o Juan - disse, olhando-me fixamente.
 
Naquele dia recebi a lição mais prática no meu curso de Direito.
Quando não defendemos nossos direitos
perdemos a dignidade e a dignidade não se negocia.

 

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

VOCÊ VOTOU NA ENQUETE?

A enquete ao lado, perguntando se você se dispõe a ajudar de alguma forma a nossa Campanha, está chegando ao fim. Só mais esta semana. Preciso que, me escrevam ou que me procurem, dando os seus dados, para então começarmos a pensar em algo. Meu telefone é 353261.1380 - Celular 8896.0434 ou e-mail josemiltonjunqueira@gmail.com . Estou aguardando o seu contato.

A BURRICE ESTÁ NA ESCOLA.

A burrice está na escola.
Célio H. Guimarães
Rubem Alves é um educador que tem raiva das escolas e dos professores. Sabem por quê? Porque tem a convicção de que as escolas não gostam das crianças. Explica: “Parece que as escolas são máquinas de moer carne: numa extremidade entram as crianças com suas fantasias e seus brinquedos. Na outra saem rolos de carne moída, prontos para o consumo, formados em adultos, produtivos”.
E une-se a Fernando Pessoa para proclamar que tudo leva a crer que “a transição da infância para a condição adulta é a transição da inteligência para a burrice”.
Rubem sabe o que diz. Passou a vida ensinando e observando o comportamento humano. Hoje, aos 70 anos, ex-pastor evangélico, psicanalista, professor inativo da Unicamp, poeta, cronista e escritor, está convencido de que deveríamos prestar mais atenção nas crianças.
E vale-se da “loucura poética” de Adélia Prado para dar expressão à sua raiva: “Escola é uma coisa sarnenta; fosse terrorista, raptava era diretor de escola e dentro de três dias amarrava no formigueiro, se não aceitasse minhas condições. Quando acabarem as escolas quero nascer outra vez”.
Dia desses, Rubem Alves esteve em Curitiba. Deu entrevista no “Aqui entre Nós”, da TV Educativa, e brilhou como sempre. Com a simplicidade e simpatia dos sábios. Lamentou que não se ensine às crianças o que elas querem saber, mas o que nós, os adultos, queremos que elas saibam.
De sua experiência pessoal, ele já havia falado em bonita crônica, presente em Cenas da Vida, da Papirus Editora, já na 9.ª edição: “De todos os professores que tive, só me lembro com alegria de um professor de literatura que não dava provas e passava todo mundo. Mas ele falava sobre literatura com tal paixão que era impossível não ficar contagiado”.
E acrescentou: “Não sei quantas horas gastei estudando análise sintática. Mas não tenho a menor idéia da sua utilidade. Se me disserem que é para falar e escrever português melhor eu contesto. Eu aprendi a escrever lendo e escrevendo”.
Somos dois, Rubem, sem a pretensão de comparar-me a você. Tanto que, por desprezar as regras, costumo dizer que escrevo de ouvido.
Igualmente não tenho a menor idéia do por-quê aprender-se, com dificuldade extrema, sem que se pretenda vir a ser matemático, engenheiro, arquiteto, economista ou assemelhado, álgebra, logaritmo, regra de três, máximo divisor comum, equação de segundo grau e coisas como tais.
Como diz o Rubem, ensinam-nos a manipular a ferramenta, mas não nos dizem para que ela serve.
Com absoluta razão, ele também acha que o problema da educação no Brasil não é só falta de recursos. Os recursos, por certo, inexistem, mas mesmo que existissem não tornariam as escolas inteligentes, porque “computadores, satélites, parabólicas e televisões não substituem o cérebro”.
E arremata: “Panelas novas não transformam um cozinheiro ruim num cozinheiro bom. Cozinheiro não se faz com panelas, muito embora as panelas sejam indispensáveis”.
Pense nisso, leitor.
Por fim, digo eu: é preciso salvar as nossas crianças antes que elas sejam destruídas pelas escolas – que hoje nem escolas são mais. Hoje, como se sabe, são indústrias do ensino.

PESQUISA SOBRE CAMPANHA

Campanha, 04 de outubro de 2012.
Olá Beth Salgado,
Como José Milton informou, Campanha tem vários Centros de Documentação.
Através de um Projeto coordenado pelo Prof. Marcos Ferreira de Andrade/UEMG - Campus de Campanha e a Profa. Maria Tereza Pereira Cardoso/FUNREI - mais ou menos em setembro de 2001 - foi lançado um CD ROM com a montagem do banco de dados “CAMPANHA DA PRINCESA: GUIA DE FONTES PARA O ESTUDO DO SUL DE MINAS, SÉCULOS XVIII E XIX”. Trabalho que passou por diversas etapas até sua finalização.
O projeto foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG - no período de janeiro de 1998 a março de 2000.
O principal critério na pauta desse trabalho foi o de fornecer ao pesquisador um amplo leque de informações o mais claras possíveis, de modo a facilitar-lhe a pesquisa e a rápida localização dos documentos. Em síntese, fazem parte desse GUIA DE FONTES os catálogos analíticos dos seguintes acervos:

. Cúria Diocesana da Campanha (1723-1998);
. Casa Paroquial da Campanha (1854-1997);
. Centro de Estudos Campanhense Monsenhor Lefort (1795-1967);
. Santa Casa de Misericórdia da Campanha (1856-1988);
. Acervos Cartoriais da Campanha (1802-1909)
. Centro de Memória Cultural do Sul de Minas (1768-1982).

Pelo que sei, o Centro de Estudos Campanhense Monsenhor Lefort (que dirigi por determinado período) tem uma cópia desse material (Rua João Luiz Alves, 26 - Fone: (35) 3261-4008). Creio que tb o Centro de Memória das Faculdades Integradas Paiva de Vilhena.  
Particularmente, entendo que não é só Campanha que tem problemas em disponibilizar suas fontes documentais. Nos 32 anos que trabalhei no setor, foram muitas as queixas e lamentos que ouvi de pesquisadores e historiadores sobre essa dificuldade.
Entendo que o mínimo “essencial” que se espera é que haja uma preocupação legítima dos nossos governantes (Federal, Estadual e Municipal) em fornecerem aos atendentes desses locais, cursos especializados na área, inclusive quanto as possibilidades de uso de tecnologia digital.
Só assim teremos garantidas reais condições para organização, acessibilidade; reservação e divulgação da História local e regional, independente de qual seja o município. Sem essa preocupação é certo que a tendência é o total desaparecimento dessas raras e importantes documentações. Infelizmente!.

Quanto aos autores citados por José Milton esclareço:
Paulo Lucas Pereira Nani tem publicado o livro: “Campanha, minha velha urbe e outras crônicas”.
Leonardo Gonçalves Lima lançou “As velhas e novas da Campanha de sempre” (Coletânea de crônicas publicadas no Jornal Folha Campanhense).
O CEC ML tem centenas de livros de autores campanhenses ou ligados à história da Campanha (todos catalogados). Acervo constituído gradativamente a partir de abril de 1979.
Fico feliz que se interesse pela História da Campanha. Realmente trata-se de uma localidade que tem o privilégio de contar com uma documentação histórica valiosa e de grande importância para todo o Sul de Minas. Pena que a conservação e divulgação desse material não seja também uma prioridade nas gestões públicas do Município!. At. Angélica Andrés

sábado, 6 de outubro de 2012

Crianças Índigo


 
Contribuição do músico e terapeuta holístico Alberto Alvim de Brasília.
Se você quer saber  mais sobre as crianças índigo, aqui vão algumas dicas.
LIVROS PARA DOWNLOAD




A. SERGIO DE ALMEIDA

A.SergiodeAlmeidaTronadosOsGuerreirosemNossaDefesa.pdf

ANDRÉ VIANCO
André Vianco - O Senhor da Chuva.doc (col.Aparecida Regina Carmim)

ANNE E DANIEL MEUROIS
O Caminho dos Essenios - A Vida Oculta Jesus.pdf

ABRAHAM
Abraham - A Chave do Segredo.pdf

Abraham - A Lei da Atração.pdf

Abraham - Mude Sua Vida.pdf

Abraham - Peça e Será Atendido.pdf

ADENÁUER NOVAES
alquimiadoamor.pdf(col.Silvia Leticia)felicidade sem culpa.pdf

Sonhos_-_Mensagens_da_Alma_(esoterismo-psicologia).pdf

AL MAcALLISTER
ebook_hooponopono[1].pdf

ALEXANDRE CHAGAS
[e-book]cabala-os72nomesdedeus.pdf

ALI MOHAMAD ONAISI
Ali Mohamad Onaissi - O Mundo Subterrâneo.pdf

ALICE BAILEY
Alice Bailey - A Alma e Seu Mecânismo.pdf

ANA MARINS (LINITY)
Contato Ancorando Á Luz.doc

Cegos Nas Trevas & Cegos Na Luz (sem imagens).doc

ANDRÉ LOUREIRO
APELO AO SILÊNCIO.doc

ARCANJO ARIEL (através de Tashira Tashi-ren)
O Que e Corpo de Luz - Arcano Ariel.pdf

ARTHUR POWELL
Arhur Powell - O Plano Astral - senha PGEM.pdf(col.Clayson)
(a senha PGEM para abrir esse arquivo é com letra maiúscula)

O Duplo Etérico (senha PGEM).pdf(col.Clayson)

BARBARA MARCIANIAK
Barbara Marcianiak - Mensageiros do Amanhecer.pdf

BRIAN WEISS
Brian_Weiss_-_Muitas_Vidas%2C_Muitos_Mestres_pdf[1].pdf

CARLOS CASTANHEDA
Carlos Castanheda - A Erva do Diabo.pdf

Brian_Weiss_-_Só_o_Amor_é_Real.pdf

CHRÉTIEN DO TROYES
Chrétien de Troyes - O Conto do Graal.pdf(col.Silvia Leticia)

CLÓVIS TAVARES (para crianças rs)
Histórias que Jesus Contou.doc

CLARINDO MELCHIZEDEK
Iniciação ao Sacerdócio da Chama Azul.doc(col.Marcia Lima)

Sacerdcio_na_Ordem_de_Melchizedek__Primeiro_Dominio.doc(col.Marcia Lima)

CLARISSA PINKOLA ESTÉS (colaboração de Silvia Leticia)
CLARISSA PINKOLA ESTES - MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS.doc

CHICO XAVIER
Nosso Lar - André Luis.pdf

Os Mensageiros.pdf

Missionários da Luz.pdf

Obreiros da Vida Eterna - André Luiz.pdf

No Mundo Mior - André Luiz.pdf

Libertação - André Luis.pdf

Entre o Céu e a Terra - André Luiz.pdf

Nos Domínios da Mediunidade - André Luis.pdf

Ação e Reação.pdf

Chico Xavier e Waldo Vieira (André Luiz) - Evolução em Dois Mundos.doc

Mecanismos da Mediunidade.pdf

Sexo e Destino - André Luiz.pdf

E A Vida Continua - André Luiz.pdf

Respostas da Vida - André Luiz.pdf

Voltei - Irmão Jacob - Chico Xavier.pdf

Sinal Verde - André Luiz.pdf

Brasil Coração do Mundo Pátria do Evangelho.pdf(Pelo espírito Humberto de Campos)

CRISTINA CAIRO
Cristina Cairo - Linguagem do Corpo 1.doc

Cristina Cairo - Linguagem do Corpo 2 - Beleza e Saúde.pdf

DAVID J. SCHWARTZ
David_J_Schwartz-A_Magica_de_Pensar_Grande.pdf

DIAMANTINO COELHO FERNANDES
Diamantino Coelho Fernandes - Nova Ordem de Jesus 1.pdf(col.Maria João)

Diamantino Coelho Fernandes - Nova Ordem de Jesus 2.pdfcol.Maria João)

DJALMA ARGOLLO
ARGOLLO,_Djalma_Motta_-_Encontro_Com_Jesus.pdf

Jung_E_A_Mediunidade.pdf

DALAILAMA
Dalailama - A Arte da Felicidade.pdf(col.Clayson)

DAN BROWN
dan_brown_-_o_codigo_da_vinci.pdf

DEEPAK CHOPRA
7_leis_espirituais_sucesso.pdf

Chopra,_Deepak_-_O_Retorno_de_Merlim_(rev).pdf

Deepak Chopra - A Cura Quantica.doc(col.Maria João)

ECKHART TOLLE
Eckhart_Tolle_El_Silencio_Habla.pdf

O_PODER_DO_AGORA_-_Eckhart_Tolle.pdf

EDGAR ARMOND
Exilados_de_Capela.doc

ELAINE BERNARDES
Seu_Signo_e_Suas_Vidas_Passadas.pdf

ELIPHAS LEVI
Eliphas Levi - A Chave dos Grandes Mistérios.pdf(col.Sandra)

Eliphas Levi - Dogma e Ritual de alta Magia.pdf

Eliphas Levi - Dogma e Ritual de alta Magia.pdf

ERNESTO BOZZANO
BOZZANO,_Ernesto_-_Os_Animais_tem_Alma.pdf

ESTHER HICKS(Os Ensinamento dos Abraham)
peca_e_sera_concedido.pdf

EÇA DE QUEIRÓS
o crime do padre amaroph000226.pdf

FRATERNIDADE BRANCA
Haja_Luz.pdf

MISTERIOS DESVELADOS.doc

Presença Mágica.doc

O Livro De Ouro De Saint Germain.doc

Saint Germain e El Morya - Planeta Terra - Sua Origem, Sua Historia, Seu Destino.doc

UM MANUAL PARA A ASCENSÃO.doc

shamballa port.doc

Excerto_Telos.pdf

Invoca_uniao_chakras.pdf

Eu_Sou_por_Jorge_Adoum.pdf

Manual de Ativações para a Ascensão 2008.doc

Meditacoes_para_a_Ascensao.pdf

Rede de Luz - Ensinamentos da Fraternidade Branca.pdf(col.Edna Zuppo)

FRITJOF CAPRA
Fritijof Capra - Ponto de Mutação.pdf

Fritjof_Capra-Conexoes_Ocultas.pdf

GARY CRAIG
EFT%20Manual%20em%20portugues[1].pdf

EFT%20Manual%20en%20Espanol.pdf

GARY RENARD
~$aRealidadeImortalGaryRenardUCEM.doc(col.Any Lucy)

ODESAPARECIMENTODOUNIVERSOUmCursoEmMilagresUCEM.doc(col.Any Lycy)

HELENA BLAVATSKY
Helena_Petrovna_Blavatsky-A_Doutrina_Secreta_Vol_I.pdf (col.Silvia Leticia)

Helena Petrovna Blavatsky - Voz do Silêncio.doc

A Espada - Bavatsky.pdf

Blavatsky - A Doutrina Teosófica.pdf

Blavatsky - O País das Montanhas Azuis.pdf

HENRIQUE ROSA
Henrique Rosa - Ensinamentos Canalizados dos Mestres.pdf

Henrique Rosa - Muito Além Dos Sentidos.pdf

Henrique Rosa - O Despertar de Uma Nova Luz.pdf

Henrique Rosa - O Governo Oculto do Mundo.pdf

Henrique Rosa - O Que É....pdf

HERMÍNIO C. MIRANDA
dialogo_com_as_sombras.pdf

HAROLD HOBBES
Harold Hobbes - O Atalho Simples Para A Riqueza.pdf

IVAN M. SILVA / GERALDO P. OLIVEIRA
Os Extraterrestres e a S I R J A - aluision
http://www.sirja.com.br/sirja.PDF

IVETE SCARPARI(col.de João)
Ivete Scarpari - Vidas Passas - Um Despertar Para o Futuro.doc

IRENE PACHECO MACHADO
(pelo espírito - Luis Sérgio)
Irene Pacheco - Cascata de Luz.pdf

Irene Pacheco - Deixe-Me Viver.pdf

Irene Pacheco - Ensina-me a Falar de Amor.pdf

Irene Pacheco Machado - Mais Além do Meu olhar.pdf

Irene Pacheco - O Mundo que Encontrei.pdf

JACB BOEHME
O_Caminho_para_Cristo_Jacob_Boehme.pdf(col.Silvia leticia)

J.J.BENITEZ
Os Astronautas de Yaveh - J.J.Benitez.pdf

J._J._Benitez_-_Jesus_Disse.pdf

JJ Benitez - Operação Cavalo de Tróia 1.pdf

JJ Benitez - Operação Cavalo de Tróia 2.pdf

JJ Benitez - Operação Cavalo de Tróia 3.pdf

J.J Benitez - Operação Cavalo de Tróia 4.pdf

J.J Benitez - Operação Cavalo de Tróia 5.pdf

J.J Benitez - Operação Cavalo de Tróia 6.pdf

JJ Benitez - A Rebelião de Lúcifer.pdf

JOE VITALE
Joe Vitale - Marketing Espiritual.pdf

JOEL GOLDSMITH
Joel S. Goldsmith - O Caminho Infinito (pdf)(rev).pdf

JOSHUA DAVID STONE
Lições Básicas de UM CURSO EM MILAGRES.doc

PSICOLOGIA DA ALMA.doc

JOHN RANDOLPH PRICE
O LIVRO DA ABUNDNCIA.doc

JOHN HALE
AfontedopodernoorculodeDelfos.doc (col.Silvia Leticia)

JOSEPH S. BERNNER (colaboração de Margareth Carpes)
A Vida Impessoal.pdf

JOSEPH MURPH
O Poder do Subconsciente.pdf

1001 Maneiras de Enriquecer - Joseph Murphy.pdf

Joseph Murphy - Sua Força Interior.pdf

A Magia do Poder Extrasensorial [Joseph Murphy].pdf

Joseph Murphy - O poder cósmico da mente.doc

Joseph Murphy - Canções de Deus.pdf

JORGE ADOUM
Jorge Adoum - Do Sexo a Divindade.pdf

JOYCE COLLIN-SMITH
Joyce Collin-Smith - Não Chame Ninguem de Mestre.pdf

KRYON - (LEE CARROLL) ALGUNS LIVROS
K1 - LIGANDO A LUZ.pdf

K2 - O ESPÍRITO NA VOZ HUMANA.pdf

K3 - Sem perdão não há serenidade.pdf

L1 - Os Tempos Finais.pdf

L2 - Não pense como um Humano.pdf

L3 - A Alquimia do Espírito Humano.pdf

L5 - A Viagem para Casa.pdf

Kryon - Em Sociedade com Deus - L6.pdf

Kryon - Cartas de Casa - L7.pdf

Kryon - Ultrapassando o Marcador - L8.pdf

Kryon - O Novo Começo - L9.pdf

Kryon - Uma Nova Entrega - L10.pdf

Livro_IV_As_Parabolas_de_Kryon.pdf

Crianças Índigo - Lee Carroll.pdf

Kryon - Uma Nova Entrega - L10.pdf

livro_glossario_kryon[1].pdf

LAIR RIBEIRO
Dr._Lair_Ribeiro_-_Prosperidade.pdf

LAO-TSÉ
Tao Te King.pdf

LEANDRO PIRES
O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre - Leandro Pires.pdf

LELINGTON LOBO FRANCO
100 Sucos Com Poderes Medicinais.pdf

LEONARDO BOFF
Leonardo Boff - A Aguia e a Galinha.pdf

LOBSANG RAMPA
Entre os Monges do Tibete [Lobsang Rampa].PDF (col.Silvia Leticia)

Lobsanga Rampa - A Sabedoria dos Lamas.pdf

LAURO TREVISAN
Lauro Trevisam - O Poder Infinito Da Sua Mente.pdf

Lauro Trevisan - A Fé Que Remove Montanhas.pdf

LOUISE HAY
Voce Pode Curar Sua Vida - Como Despertar Idéias Positivas, Superar Doenças E Viver Plenamente.pdf

Louise Hay - Meditações para a manha e para a noite.pdf

LOURENÇO PRADO
ALEGRIA E TRIUNFO.pdf

LUIS ANTONIO GASPARETO
GASPARETO - FAÇA DAR CERTO.pdf

Gasparetto - Metafísica da Saúde - 1.pdf

Metafísica Da Saúde 02.pdf

Gasparetto_-_Metafisica_da_Saude_Vol.3.pdf

Gasparetto - Conscincia Espiritual Independente.doc

Gasparetto_-_Curso_Vida_E_Consciência.pdf

LUIZ GONZAGA PINHEIRO
Sob a Luz de Aldebarã.pdf

MARCELO RAMOS MOTTA
Ataque e Defesa Astral.pdf

MARISA VARELA
Livro%20Resgate[1].pdf

MARYLIN GUSTIN
Marilyn_Gustin-A_Coragem_de_Mudar.pdf

MICHAEL DROSNIN
Michael Drosnin - Código da Bíblia I.docx(col. de Ísis)

Michael Drosnin - Código da Bíblia II.docx(col. de Ísis)

MICHAEL OLDOUL
Michael Odoul - Diga-me Onde Dói e eu te direi por que(pdf)(rev).pdf

MIYAMOTO MUSASHI (col.de João)
Miyamoto Musashi - O livro dos Cinco Elementos.pdf

NEAL DONALD WALSH
Conversando com Deus 1.pdf

Conversando Com Deus 3.pdf

Neale_Donald_Walsch-Parte_da_Transformacao.pdf

PAULO COELHO
Brida.pdf (col.Silvia Leticia)

O_Diario_de_um_Mago.pdf (col.Silvia Leticia)

Manual_do_Guerreiro_da_Luz.pdf (col.Silvia Leticia)

Veronika_decide_morrer.pdf (col.Silvia Leticia)

PAULO R. SANTOS
Adolescente, mas de passagem.pdf

PETER TOMPKINS
a vida secreta das plantas - peter tompkins, christopher bird (plantas e eletromagnetismo).pdf

PATRICK GERYL
Patrick_Geryl-A_Profecia_de_Orion.pdf

PONTE PARA A LIBERDADE
O Plano Divino para o Nosso Sistema Solar - Ponte Para a Liberdade.pdf

O_Poder_Infinito_do_Amor_Divino_Rowena_Ponte_da_Liberdade.pdf

RAFAEL AMÉRICO RANIERI
Aglon e os Espíritos do Mar - Rafael Ranieri.pdf

R.A.RANIERI - O Abismo (pdf)(rev).pdf

RANIERI,_R._A._-_O_Sexo_Além_da_Morte.pdf

Ranieri - Materializações Luminosas.doc

RAMATÍS
Sublime_Peregrino.pdf

Fisiologia da Alma - Ramatís.pdf

Mediunismo - Ramatís.pdf

Mensagens de Luz Ramatis.rtf (col.Silvia Leticia)

Ramatis - 0 Astro Intruso.pdf (col.Silvia Leticia)

Ramatís - Pétalas de Luz.pdf (col.Silvia Leticia)

Ramatís - Perguntas e Respostas.pdf

Ramatis - A Vida Alem da Sepultura.zip

Ramatis - a Magia do Magnetismo Curador.pdf

Ramatís - Mediunismo.pdf(col.Bolivar)

Ramatís - Elucidaeçoes do Além.pdf(col.Bolivar)

RICARDO LUÍS DE BOM MARIA
MANUAL DE EMERG€ ¦ÊNCIA ashtar.doc

Ramatis - Elucidações do Além.pdf

ROBSON PINHEIRO
Aruanda_-_Robson_Pinheiro[1].pdf

tambroes-de-angola-robson-pinheiro.pdf

APOCALIPSE-Robson_Pinheiro-sem_gravuras.pdf

Legião - Um Olhar Sobre O Reino Das Sombras.pdf

Robson Pinheiro - Gestação da Terra (Pelo espírito Alex Zarthu).pdf

ROCHESTER
A Flor Do Pântano.pdf

Conde_de_Rochester_-_Episódio_da_Vida_de_Tibério.pdf

NA_FRONTEIRA_DE_ROCHESTER.pdf

O Elixir Da Longa Vida.pdf

Rochester_-_Os_Luminares_tchecos.pdf

Dos Céus Á Terra.doc

Conde_J._W._Rochester_-_Dolores.pdf

A Lenda do Castelo de Montinhoso.pdf

Naema - A Bruxa.pdf

Rochester - Bem Aventurados os Pobres de Espírito.pdf

Rochester - No Reino das Sombras.pdf

Rochester - No Castelo da Escócia.pdf

Rochester - Nova Era.pdf

Rochester - Os magos.pdf

RODRIGO ROMO
Rodrigo Romo - A Historia de Lucifer.pdf

RHONDA BYRNE
Livro_-_O_Segredo_-_Rhonda_Byrne_-_Ed._Ediouro_-_196_Paginas.pdf

RUBENS SARACENI
A_Atuação_Dos_Orixás_-_Rubens_Saraceni.doc

magnetismo_umbanda.pdf

Rubens S - A Lenda do Sabre Dourado.pdf

Rubens S - Diálogo Com Um Executor.pdf

Rubens S - Iniciação à Escrita Mágica Divina.pdf

Rubens Saraceni - O Guardião da Meia Noite.pdf

RÜDGER DAHLKE
A doenca como linguagem da alma(v2).doc (col.Silvia Leticia)

SAI BABA
Ensinamentos_de_Sai_Baba.doc (col.Silvia Leticia)

SAIBABA_19580325_201.pdf(col.
Silvia Leticia)

SAMAEL AUN WEOR
A Medicina de Alden.pdf

OMatrimonioPerfeito.pdf (col.Silvia Leticia)

Noções Fundamentais para a
Aniquilação do Ego.pdf


Os_Misterios_do_Fogo.pdf

Tratado_de_Psicologia_Revolucionaria_-_VM_Samael[1].pdf

Rosa Ignea.pdf

Samael Aun Weor - A Revolução de Belzebú.pdf

Samael Aun Weor - AsTresMontanhas.pdf

T. HARV EKER
Os Segredos da Mente Milionária - T. Harv Eker.pdf

TRIGUEIRINHO
Trigueirinho - Bases do Mundo Ardente.pdf

V.TURNBULL
Curso_de_magnetismo_pessoal__V_Turnbull.doc

Trigueirinho - A Cura da Humanidade.pdf

VERA MARINZECK
VioletasNaJanela.doc

Vera_Lucia_Marinzeck-O_Castelo_dos_Sonhos.pdf

Vera_Lucia_Marinzeck-Vivendo_no_mundo_dos_espiritos.pdf

Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho - Cabocla.pdf

Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho - O Difícil Caminho das Drogas.pdf

Copos que Andam.pdf

Flores de Maria - Vera Marinzeck.pdf

Deficiente Mental. Porque Fui Um - Vera Marinzeck.pdf

O Vôo da Gaivota - Vera Marinzeck.pdf

A Casa do Penhasco - Vera marinzeck.pdf

A Mansão da Pedra Torta - Vera Marinzeck.pdf

Aconteceu - Vera Marinzeck.pdf

VIRGINIA ESSENE/IRVING FEURST
BÊNÇÃO DE ENERGIA DAS ESTRELAS - As Sete Iniciações.pdf

VITORINO DE SOUZA
O Implante Neutralizador - Vitorino de Sousa.pdf

YVONNE A. PEREIRA
Yvonne A. Pereira - Memórias de Um Suicida.pdf

Yvone Pereira - Recordações da Mediunidade.pdf

Yvone A. Pereira - Dramas da Obsessão.pdf

ZECHARIA SITCHIN
12PLANETAZechariaSitchin.doc(col.Zulma Peixinho)

ASGUERRASDEDEUSESEHOMENSZechariaSitchin.doc(col.Zulma Peixinho)

AESCADAPARAOCUZechariaSitchin.doc(col.Zulma Peixinho)

ZÍBIA GASPARETTO
Zíbia Gasparetto - Até que a vida nos separe.pdf

Zibia Gasparetto - Entre o Amor e a Guerra.pdf

Zibia Gasparetto - Espinhos do Tempo.doc

Zibia Gasparetto - O Advogado de Deus.doc

Zibia Gasparetto - O Amanhã a Deus Pertence.doc

Zibia Gasparetto - O Amor Venceu.pdf

Zíbia Gasparetto - O Matuto.pdf

Zibia Gasparetto - Onde está Tereza.pdf

Zibia Gasparetto - Quando a Vida Escolhe.doc

Zibia Gasparetto - Quando Chegar a Hora.doc

Zibia Gasparetto - Quando é preciso voltar.doc

Zibia Gasparetto - Sem medo de viver.doc

Zíbia Gasparetto - Somos Todos Inocentes.pdf