Páginas

domingo, 30 de outubro de 2011

EXPOSIÇÃO DO GRUPO BEM VIVER.

VEM AI A SÉTIMA EXPOSIÇÃO DE ARTESANATO DO GRUPO BEM VIVER.

DIAS 4 E 5  DE NOVEMBRO DAS 9 AS 18 HORAS.
DIA 6 DE NOVEMBRO (DOMINGO) DAS 9 AS 12 HORAS.
LOCAL: SALA DE EXPOSIÇÕES DO MUSEU REGIONAL DO SUL DE MINAS, ANEXO A BIBLIOTECA CÔNEGO VICTOR. (AO LADO DA CATEDRAL).
ESPERAMOS POR VOCÊ.



quarta-feira, 26 de outubro de 2011

UTILIDADE PÚBLICA IMPORTANTE

SAMU INFORMA:
UTILIDADE PÚBLICA IMPORTANTE

(JOSIANE TROCATTI)
Coordenadora Administrativa
SAMU - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência


As ambulâncias e emergências médicas perceberam que muitas vezes nos acidentes da estrada os feridos têm um celular consigo.
No entanto, na hora de intervir com estes doentes, não sabem qual a pessoa a contatar na longa lista de telefones existentes no celular do acidentado.

Para tal, o SAMU lança a idéia de que todas as pessoas acrescentem na sua longa lista de contatos o NUMERO DA PESSOA a contatar em caso de emergência. Tal deverá ser feito da seguinte forma: 'AA Emergencia' (as letras AA são para que apareça sempre este contato em primeiro lugar na lista de contatos).


É simples, não custa nada e pode ajudar muito ao SAMU ou quem nos acuda. Se lhe parecer correta a proposta que lhe fazemos, passe esta mensagem a todos os seus amigos, familiares e conhecidos.

É tão-somente mais um dado que registramos no nosso celular e que pode ser a nossa salvação. Por favor, não destrua esta mensagem! Reenvie-o a quem possa dar-lhe uma boa utilidade.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

BIOGRAFIA DE MARIA MARTINS

Conforme prometido, fiquei de publicar aqui neste blog, as biografias dos filhos ilustres da Campanha, homenageados por ocasião dos 274 anos de nossa cidade. Este trabalho foi realizado pelos alunos do Colégio Dom Othon Motta, a quem agradecemos a colaboração.

Maria Martins:
Escultora e escritora, Maria de Lourdes Martins Pereira de Souza nasceu na cidade da Campanha (MG) em 07 de agosto de 1894. Era filha do ministro João Luiz Alves e foi educada no Colégio Sion. Casou-se com o embaixador Carlos Martins Pereira de Souza, com quem viveu longos anos no exterior. Dedicou-se a escultura, trabalhando inicialmente em madeira, terracota e cerâmica, dominando, com o tempo, outros materiais como o mármore e o bronze.
Foi a única artista plástica brasileira a se envolver no surrealismo parisiense. Estudou em Nova Iorque e lá se introduziu no círculo de artistas europeus ligados ao surrealismo como Marcel Duchamp com quem teve um intenso relacionamento amoroso. Integrou o grupo de fundadores do museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Suas obras alcançaram reconhecimento internacional e suas esculturas encontram-se nos mais importantes museus e coleções particulares. Faleceu em 1973. Fonte: site Descubracampanha.

----

Maria Martins

Maria de Lourdes Martins Pereira de Souza nasceu na cidade da Campanha (MG) em 1894. Ainda menina, mudou-se com a família para Petrópolis (RJ), onde estudou no Colégio SION (Congregação Nossa Senhora de Sion). Casou-se com o embaixador Carlos Martins Pereira de Souza, com quem viveu longos anos no exterior.
Em 1926, no Japão, veio a se dedicar à escultura, trabalhando inicialmente em madeira, terracota e cerâmica, dominando, com o tempo, outros materiais como o mármore e o bronze. Em Bruxelas, na Bélgica, no ano de 1039, aperfeiçoou-se no atelier de Oscar Jesper. Foi a única artista plástica brasileira a se envolver no surrealismo parisiense, tendo sido incluída no livro Lê surréalisme et la peinture de André Breton, fundador deste movimento, como um dos nomes entre os grandes da arte da primeira metade do século XX. Começou a apresentar seus trabalhos em 1940 na Filadélfia (EUA), e sua primeira exposição individual foi no ano seguinte na Galeria Corcoran em Washington.
Nos anos 1950, participou da I, II e III bienais de São Paulo e integrou o Conselho Deliberativo do grupo de fundadores do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Maria Martins recebeu diversos prêmios nas inúmeras exposições coletivas e individuais que fez.
Além da escultura, Maria Martins assinou durante vários anos uma coluna no Jornal carioca Correio da Manhã, onde entrevistava personalidades de expressão. Publicou, ainda, A Índia e o Mundo Novo, A Ásia Maior - o Planeta China, Ásia Maior - Brama, Gandhi e Nehru, e escreveu sobre a vida dos poetas Rimbaud e Paul Verlaine, com os quais se identificava.
Suas obras alcançaram o reconhecimento internacional e suas esculturas encontram-se nos mais importantes museus e coleções particulares.
Faleceu no Rio de Janeiro, em 27 de março de 1973.

Fonte bibliográfica: Dicionário Mulheres do Brasil - de 1500 até a atualidade - biográfico e ilustrado. Organizado por: Schuma Schumaher e Èrico Vital Brazil - Jorge Zahar Editor - Rio de Janeiro - Ed. 2000.


Maria Martins

Fonte bibliográfica: Catálogo da Galeria Jean Boghici
De 02 a 27 de Setembro de 1997.
Rua Joana Angélica, 180
Ipanema - Rio de Janeiro - RJ  22420-030
tel: 2522-4660      fax: 2547-17667

Principais dados Biográficos  - do catálogo da fonte acima citada:

1894 - Maria de Lourdes Alves nasceu na Campanha, Sul de Minas.
Seu pai João Luiz Alves lhe ensina a amar os versos de Goethe e Dante antes de aprender a ler. Estuda no Colégio de Sion em Petrópolis. Inicia estudo de piano para seguir uma carreira de concertista. Tem uma filha, Lúcia, do primeiro casamento com o historiador Otávio Tarquino de Souza.

1926 - Casa-se em paris com o diplomata  brasileiro Carlos Martins Pereira e Souza. Reside no Equador.

1930 / 1936 / 1939 - Reside em Paris, Copenhagen, Tóquio e Bruxelas. Tem duas filhas, Nora e Ana Maria. Estuda escultura com Oscar Jespers em Bruxelas.

1939 / 1948 - vive em Washington onde seu marido é nomeado embaixador do Brasil.

1941 - Exposição individual no Corcoran Gallery em Washington, D.C.

1942 - Exposição individual no Valentine Gallery em Nova Iorque.

1943 - Expõe junto com Mondrian na valentine Gallery em Nova Iorque.

1947 - Participa da exposição Lê Surréalisme em 1947, Galerie Maeght, Paris.

1948-1950 - Vive em Paris, onde seu marido é nomeado embaixador.
                      Exposição Lês statues magiques de Maria na Galerie René Drouin, Paris, 1948.

1950 - Volta ao Brasil.

1953 -  Segundo prêmio de escultura na Bienal de São Paulo.

1955 - Primeiro prêmio de Melhor Escultor Brasileiro na III Bienal de São Paulo.

1956 - Retrospectiva no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.
            Representante do Brasil na Conferência Geral da UNESCO em Nova Deli.
            Viaja à China, entrevista Mão-Tse Tung e Chu Em Lai.

1958 - Publica o livro Ásia Maior, o Planeta China.

1960 - Publica o livro Ásia Maior: Brama, Gandhi e Nehru. Cria Ritmo do ritmo, uma escultura monumental para o exterior do Palácio da Alvorada, Brasília. Colabora no Correio da Manhã onde mantém a coluna “Poeira da Vida”.

1965 - Publica Deuses Malditos: Nietzsche.

1973 - Falece no Rio de Janeiro em 27 de Março de 1973.

----
  
MARIA MARTINS (1894  - 1973)

Por Ricardo Lemos Muller  (texto publicado no Jornal Folha Campanhense)      

            Natural de Campanha, filha de João Luiz Alves, Maria de Lourdes Alves foi uma das maiores personalidades do cenário artístico cultural do século XX. Prova de seu talento, atualmente, seus trabalhos fazem parte de duas distintas exposições em duas diferentes cidades: em São Paulo, na Galeria SESI, em plena Av. Paulista, está acontecendo a apresentação de obras dos principais escultores brasileiros, do século XX. No Rio de Janeiro, o Centro Cultural Banco do Brasil está apresentando "O Surrealismo". 
            Desde cedo Maria Martins teve oportunidade de desenvolver toda potencialidade artística. Seu pai, despertou nela, mesmo antes de saber ler, o amor aos versos de Goethe e Dante. Estudou, no Colégio Sion em Petrópolis. Fez curso de piano, com o propósito de tornar-se concertista. Casou-se, pela primeira vez, com o historiador Otávio Tarquino de Souza, com quem teve uma filha, chamada  Lúcia. Em 1928, casou-se, pela segunda vez, com o diplomata Carlos Martins Pereira, com quem teve duas filhas: Nora e Ana Maria. Em função da carreira de seu marido viveu em Quito, Washington, Copenhague, Tóquio, Bruxelas, onde estudou esculturas com Oscar Jespers.
            Sua primeira exposição individual ocorreu na Concoran Galery em Washington DC. Paralelamente, o Metropolitan Museum de Nova Iorque adquiriu "São Francisco" (escultura em madeira) e o Philadelphia Museum of Art adquiriu "Iara" (escultura em bronze) para o jardim do Museu. Em 1942, Maria Martins expôs na Valentine Galery de Nova Iorque. Em 1943 expôs junto com Mondrian na Valentine Galeryem Nova Iorque. Conheceu André Breton e Marcel Duchamp provavelmente no Galeria Art of this Century da Peggy Guggenhein. Em 1947 participou da exposição Le Surrealisme na Galerie Maeght em Paris.
            Em 1950, Maria Martins retornou ao Brasil. Realizou exposições nos principais espaços culturais do Rio de Janeiro. Participou e foi premiada em bienais de São Paulo, produziu a escultura "Ritmo do Ritmo" para exposição permanente no Palácio da Alvorada, em Brasília, representou o Brasil na Conferência Geral da UNESCO, em Nova Deli, na Índia. Ela aproveitou a viagem, passando pela China e foi a primeira mulher a entrevistar o líder chinês Mao Tsé Tung. Publicou os livros: Ásia Maior - o Planeta China; Ásia Maior: Braama, Gandhi, Nehru. Colaborou com o jornal Correio da Manhã (RJ) com a coluna Poeira da Vida. Em 1965 publicou o livro Deuses Mauditos: Nietzsche.
Maria Martins faleceu em 27 de setembro de 1973, no Rio de Janeiro.
            Talento, ousadia, inquietação, são alguns dos adjetivos de uma mulher que foi capaz de viver o seu tempo. Campanha pode se orgulhar de tamanho privilégio
                                                                                

Maria Martins, mineira da Campanha
Dados Fornecidos por José Reinaldo Reis Ferreira (Berin) – Presidente da ONG Sebo Cultural – Campanha, 17 de junho de 2004.

É comum a citação de nascimento de Maria Martins (1900) em Campanha/MG, e falecimento em 1973, no Rio de Janeiro.

Fui procurar a fundamentação para a confirmação do nascimento da ilustre personagem, em nosso município.
 Estive no Cartório de Registro Civil de Giovana Vianna Arantes Reis Fonseca, em Campanha/MG obtendo a certidão que comprova a real data de nascimento de Maria Martins.

Certidão de Nascimento - Livro nº 02, nº 44, a folha 20v, do Registro de Nascimentos, encontra-se o assento de MARIA DE LOURDES, nascida a 7 (sete) de agosto de 1894(mil oitocentos e noventa e quatro) às 10h00, filha de Dr. João Luiz Alves e Fernandina de Faria Alves, sendo avós paternos João Luiz Alves e dona Bárbara Luisa Barbosa Alves e maternos Fernando Antônio de Faria e dona Maria Victoria Pereira de Faria tendo sido declarante o Pai e testemunha Dr Euclydes da Cunha e Octavio Barbosa Carneiro. O assento foi feito em 17 de agosto de 1894.

Vale destacar um item importante, nesta pesquisa, é a presença de Euclides da Cunha como testemunha do nascimento de Maria Martins.
Em 1894, Euclides da Cunha, o autor de "OS SERTÕES" chegou em Campanha por determinação do Marechal Floriano Peixoto, então na Presidência da República. Veio para dirigir, como engenheiro militar, as obras de adaptação no prédio da Santa Casa da Misericórdia local para abrigar o recém criado oitavo batalhão de Cavalaria.
Aqui recebeu expressivas homenagens e conviveu com homens de grande inteligência e cultura da cidade, como o Dr. João Luiz Alves, Promotor de Justiça, depois Juiz, Secretário de Estado, Deputado, Senador, Ministro da Justiça, Membro da Academia Brasileira de Letras e Comentarista do Código Civil Brasileiro: Dr. Leonel de Rezende Filho, Jurista, Parlamentar e Ministro do Tribunal de Contas da União; Dr. Francisco Honório Ferreira Brandão, Médico, Professor, Parlamentar e Jornalista de renome; Júlio Bueno, Professor, Jornalista e Historiador conceituado e tantos outros.
Esta convivência foi benéfica a Euclides da Cunha, que aqui exerceu grande atividade como engenheiro e jornalista, iniciando em Campanha/MG sua vocação para as letras.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

LARA E LANDER. O CASAMENTO.


A Catedral de Santo Antônio na cidade da Campanha, ficou lotada na noite do último sábado, para assistirem a cerimônia de casamento de Lara e Lander, celebrada pelo Padre Bruno.
O casal estava muito bonito e emocionado com a presença de tantos amigos...

e com a música sensacional do Grupo Concert de Elias Berbel. Tenho presenciado excelentes músicos em cerimônias de casamento, mas Elias e Grupo Concert, fizeram uma apresentação impecável, de primeiríssima, antes, durante e depois da cerimônia.
Lander e Lara, logo que chegaram à festa de recepção no CEC.
A entrada no Salão foi sob chuva de pétalas de rosas lançadas pelos padrinhos e pais da casal.
O Conjunto musical FH-4 fez a abertura musical, tocando a música da primeira dança dos recem casados.
Lander e Lara curtindo a apresentação de suas fotos, desde bebês até os dias de hoje.
Juliano Rodrigues e sua equipe de cinegrafistas, registraram todos os momentos deste grande dia para Lara e Lander.
A primeira dança dos jovens nubentes, sob os olhares de centenas de amigos convidados...
depois do FH-4 foi a vez do DG Leoni dar o seu show de som e luzes, com uma brilhante seleção de músicas que agradou a todos os gostos.
O casal Lander e Lara, estava muito emocionado e feliz, com as presenças de tantos amigos.
E eles cairam nos braços de seus amigos e padrinhos...

sendo literalmente erguidos.
Este foi o quarteto responsável pelo cerimonial na Catedral e na recepção no Campanha Esporte Clube. Vânia Pereira Vale, da Requinte Cerimonial, coordenou com grande maestria e discreção todo o evento, proporcionando  grande tranquilidade ao casal e seus familiares. Vale o registro dos parceiros que, ajudaram a transformar a fria noite daquele dia vinte e dois, num encalorado e romântico embalo de sábado a noite. A decoradora Rita Fonseca com seu discreto e marcante trabalho. O buffet Sabor e Artes, com um trabalho muito apreciado por todos os presentes e a maquiagem de Renata Cunha, simplesmente fantástica, deixando Lara ainda mais bonita. Graças ao trabalho destes capacitados profissionais, pude conseguir lindas fotos, que ficarão registradas no álbum de Lara e Lander. Nossos parabéns aos jovens nubentes e seus familiares.

UM SUCESSO, O ALMOÇO DO GEFROMP

Paulo Henrique e Lindáurea ao lado de algumas de nossas dedicadas companheiras voluntárias.
Todo mundo pode colocar as mãos na massa.



No último domingo, o GEFROMP realizou um almoço nas dependências do Campanha Esporte Clube. E assim de degrau em degrau vamos, arrecadando fundos para a construção de nossa sede. Seguindo as normas da casa, não usamos em nossas atividades, bebidas alcoólicas ou jogos para arrecadar fundos e mesmo assim tivemos uma grande adesão. Lindáurea, a presidente do GEFROMP agradeceu a todos que colaboraram, cada um a seu jeito para que chegássemos ao sucesso que foi. Vários brindes foram sorteados aos participantes. Há quem duvide que esta sede possa sair com pequenas doações e promoções, mas nós acreditamos que poderemos lograr o sucesso, muito antes do que se pensa. Quem Deus abençoe a todos os colaboradores.

PARA SUA REFLEXÃO

Sabe quantos países com governo socialista restam agora em toda a União Européia?

Apenas 3:

1.  Grécia
2.  Portugal
3.  Espanha.

Os 3 estão endividados até o pescoço.
Porque será, hein?
A esquerda não diz que o socialismo é a solução para o mundo?
Como bem disse Margaret Thatcher quando. 1ª Ministra da Grã-Bretanha: "O socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros."

A frase abaixo foi dita no ano de 1931, por Adrian Rogers:

"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade.
Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber.
O governo não pode dar para alguém aquilo que tira de outro alguém.
Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que  não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.

É impossível multiplicar riqueza dividindo-a..”

ENQUANTO ISTO, OS NOSSOS ESPORTES...

Enquanto isto o esporte em Campanha praticamente não existe. E o que se faz geralmente não visa a prática esportiva como finalidade, mas sim como meio, para que alguns ganhem dinheiro com atividades extra esportivas. É lamentável ver nossos jovens tão desamparados e desmotivados para a prática de qualquer esporte. Olhem o exemplo que a cidade de São Sebastião do Paraíso vem dando e tendo um planejamento como se teve lá, toda a cidade sai ganhando. E mais aqui pertinho, os nossos parabéns a cidade de Elói Mendes pela sua bela organização esportiva. Vejam abaixo.


Elói Mendes recebe segundo maior ICMS Solidário de Minas; é o maior da região
Repasse ocorre em reconhecimento ao investimento no esporte.
A cidade de Elói Mendes recebeu o segundo maior repasse de ICMS Solidário no Esporte em Minas Gerais. Perdeu apenas para Uberlândia, que teve nota final de 657,75 pontos. Elói Mendes ficou em 1° lugar no Sul de Minas, com
nota final de 519,75 pontos, seguida por São Gonçalo do Sapucaí (4ª colocada com 492,75 pts), Itajubá (15ª colocada com 340 pts), Itanhandu (27ª colocada com 236,25 pts), Caxambu (28ª colocada com 232,75 pts), Santa Rita do
Sapucaí (32ª colocada com 217 pts), Baependi (40ª colocada com 194 pts) e Monsenhor Paulo    (44ª colocada com 177,75 pts).
Do Sul de Minas, também receberam o ICMS Solidário:
Paraguaçú (84ª colocada com  73,5 pts), Pouso Alegre (
89ª colocada com 69,75 pts), Cristina (92ª colocada com 66 pts), Lavras (96ª colocada com 64,5 pts), Itamonte (97ª colocada com 63,75 pts), Três Pontas (129ª colcada com 36,75 pts), e Carvalhópolis (137ª colocada com 29,25 pts).
Recebem o ICMS Solidário no Esporte apenas as cidades que comprovam a Secretaria de Estado de Esportes e Juventude que realizam atividades esportivas em Projetos Sócio Educacionais, Esporte para Pessoas com Deficiência, Jogos Escolares Municipais, Minas Olímpica Jogos Escolares de Minas Gerais, Minas Olímpica Jogos do Interior de Minas Gerais, Atividades de Futebol Amador, Esporte para a Terceira Idade, Atividades de Lazer, Qualificação Agente Esportivo, Xadrez na Escola, Academia na Escola e Outros Programas/ Projetos, Instalação/ Reforma/Equipamento Esportivo.


Maicon José Pereira.
SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTES

Elói Mendes - MG
Rua Padre Armando Vareschi,50 - Chapada
CEP:37.110-000
Tel:(35) 3264-4570
E-MAIL: esporte@eloimendes.mg.gov.br


Aqui, o esporte é para todos!

Antes de imprimir pense no seu compromisso com o meio ambiente.

sábado, 22 de outubro de 2011

Na década de 70, Campanha viveu seus melhores momentos de Momo. O carnaval campanhense era um acontecimento. A Escola TOLOCO NO SAMBA criada em 1973 foi a primeira. Na foto acima a escola já estava com uns quatro anos quando começou a fazer sorteios de prêmios valiosos e até carro. E que garra aquela turma tinha. Em apenas 15 dias todos os bilhetes eram vendidos e estava garantido o carnaval do ano seguinte.Mas, quanto trabalho vinha pela frente. Mas, valia a pena todo aquele esforço, porque quando chegava a época do carnaval a cidade ficava lotada de visitantes e a "briga" da Toloco no Samba com a Deixa Falar proporcionava a milhares de pessoas quatro dias de muitas alegrias e riquezas.

MEDALHAS DE OURO PARA OS VINHOS DA CAMPANHA

OS VINHOS DA CAMPANHA GANHARAM
MEDALHA DE OURO
           

Segundo interessante e valiosa notícia estampada no jornal  “A CAMPANHA” de 1902, o “Ten. Cel. Adolfo Lion Teixeira, nascido na Campanha no ano de 1833, de pai francês e mãe brasileira, implantou na Campanha a indústria vinícula a que se consagrou por mais de quarenta anos e foi um dos primeiros dessa indústria no Brasil. Os seus vinhos lograram grande fama pela sua alta qualidade alcançando Medalha de Ouro na  5º. Exposição Industrial Mineira de 1872  e a medalha de OURO na Exposição Universal de Paris em 1899. Foi um grande benemérito da Campanha, que tanto trabalhou pelo seu progresso. Faleceu no dia 31 de Julho de 1902, as 10 horas da noite. A cidade chorou a perda. Mons. Ferrão (que ainda não era Bispo, naturalmente) celebrou a missa na capela de sua residência por sua alma e a Câmara Municipal fez constar em ata voto de pesar pela grande perda”.

         O seu estabelecimento era muito bem equipado, contando com processos práticos e engenhosos que, após dispendiosas experiências, produzia vinhos tão perfeitos como dos melhores produtos importados e, por isso mesmo, como vimos da nota acima, premiados com justiça em várias exposições, inclusive na França, terra tradicional dos melhores vinhos da Europa e do mundo. Mas Adolfo Lion era, antes de tudo, um idealista patriota, homem dotado de grande visão, que pretendia, acima dos interesses pessoais, o progresso de sua pátria, sobretudo no setor de agricultura, com a sua vasta experiência obtida na cultura da uva, e que desejava oferecê-lá, como valiosa cooperação sua ao Governo, segundo atesta ata da Câmara Municipal da Campanha, lavrada em 6-12-1833, e presidida pelo respeitável Cidadão Bernardo Saturnino da Veiga.

         Espírito altamente construtivo e empreendedor, Adolfo Lion Teixeira, avançado em mais de cem anos de seu tempo, não se contentava com as metas já atingidas e vitoriosas e projetava novas, pondo-as em ação, como a que o jornal campanhense “A Consolidação”, em seu nº de 10-10-1896, teve a seguinte notícia, sob o título: “ Fábrica de Cerveja”. Inaugurou-se hoje no estabelecimento vinícula do infatigável e benemérito  Industrial Te. Cel. Adolfo Lion Teixeira, a sua fábrica de cerveja,  novo ramo da indústria que o distinto campanhense intenta implantar nesta cidade. Recebendo ali muitos convidados, o Te. Cel. Adolfo as fez percorrer o edifício construído para o novo estabelecimento e examinaram os aparelhos da fabricação e depois ofereceu-lhes a prova da espumante bebida, que todos apreciaram e acharam excelente. A prova é um  modo de dizer, pois houve conviva que bebeu nada menos que 10 “choppes”, em menos de  uma hora. Não obstante, ninguém perdeu a “Tramontana”.
                                                                                                                                 Documento encontra-se  no Centro de Estudos da Campanha.
VINHOS CAMPANHENSES PARA D.PEDRO II

O ilustre e austero cidadão, Tenente Coronel Adolfo Lion Teixeira, idealista e patriota, dotado de grande visão e espírito empreendedor, implantou na Campanha, sua terra natal, onde nasceu no ano de 1833, a que se dedicou por mais de 40 anos, tornando-se um pioneiro dessa nobre atividade em Minas e no Brasil.
         Os seus vinhos, de várias espécies, adqueriram grande fama pelas suas altas qualidaes, conquistando Medalha de Ouro, galardão este honroso, que confere consagração e merecimento, por ser a França a terra tradicional dos melhores  vinhos da Europa e do mundo.
         O seu estabelecimento vinículo era muito bem equipado com aparelhagem montada com a mais apurada técnica, daí a excelência dos seus produtos tão perfeitos como os melhores estrangeiros, como vimos.
         Admirador e fiel súdito de S.M. o Imperador D. Pedro II, entendeu de eviar-lhe, o bem sucedido industrial campanhense, por intermédio do seu conterrâneo e amigo, o distinto e prestigioso Deputado Geral, Dr. Olimpio de Vilhena Valladão, uma caixa dos seus selecionados vinhos, como atesta o importante documento abaixo transcrito, de 27 de junho de 1884, pertencente ao Arquivo Grão Pará de Petropólis:
        
“Nesta data, remeto ao Exmo. Deputado, Dr. Olímpio Valladão, um caixote com vinho fabricado por mim, para ser entregue a Vossa Magestade  a quem peço permissão para oferecê-lo como espécimen de uma indústria nacional e prova de ser  este clima favoravel ao cultivo da videira.
        Naturalmente não se pode exigir muito de quem, como eu tem levado anos a fazer experiências, cujos resultados, pela própria natureza de tal indústria, não podem ser percebidos e avaliados senão em longos períodos, com resultados de pelo menos um ano, o que dificulta extraordinariamente a chegar-se a formar juizo seguro sobre o valor de tais experiências.
Também, não me animaria, embora o desejasse muito, a ilustrada apreciação de Vossa Magestade, vinho de minha fábrica, si não me animasse a benévola apreciação que dele fez Sua Alteza o Sr. Conde d’Eu.
        Para que Vossa Magestade me releve a ousadía e a insignificância do presente, confio sobretudo no seu elevado develo pelo progresso da indústria nacional,  progresso para o qual tenho procurado concorrer com o extraordinário esforço e trabalho, achando por fim o modo de cultura e de poda da videira, processo de fabrico e de conservação do vinho exclusivo deste clima, filhos de uma experiência de 18 anos e diversos quase em tudo dos europeus.
        É como cultor obscuro, mas desvelado da indústria nacional, a qual ainda inerente a furtuna do Brasil, que me dirijo a Vossa Magestade, convencido de que o produto de minha fábrica terá o valor que a Vossa Magestade merecer.
        Oxalá o não ache muito indigno de lhe ser oferecido: isso me animará a perseverar e abrirá ao comércio de tal produto imensos horizontes nesta terra onde ninguém mais de que Vossa Magestade se acha habilitado para examinar, dar valor e proteger os artefatos da indústria brasileira.”
        Faço votos sinceros pela saúde de Vossa Magestade.
De Vossa Magestade afeiçoado e atencioso criado
      Adolfo Lion Teixeira.
Campanha, 27 de Junho de 1844

         Aí está um expressiva demonstração, além de cortez, altamente patriótica de um eminente cidadão progressiva, probo, trabalhador e de grande gabarito moral e, sobretudo, vivamente empenhado no desenvolvimento industrial do país, formulada ao venerando monarca brasileiro, como um sudito fiel e respeitoso.
         Lion Teixeira tomou a iniciativa de presentear D. Pedro II com o seu apreciado vinho, aproveitando a chegada do bondoso Imperador a Três Corações para a inauguração do ramal ferroviário daquela cidade, valendo-se, para isso, dos bons ofícios e do prestígio do Deputado Geral, Dr. Olímpio Valladão, seu fraternal amigo.
                                                                                                                           Documento encontra-se no Centro de Estudos da Campanha.

POR DENTRO DO CÉREBRO

Entrevista com Paulo Niemeyer Filho, neurocirurgião
POR DENTRO DO CÉREBRO

Parte da entrevista rev. PODER, ao neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, abaixo, quando lhe foi perguntado:

o que fazer para melhorar o cérebro ?

Resposta:
Vc. tem de tratar do espírito. Precisa estar feliz, de bem com a vida, fazer exercício. Se está deprimido, com a autoestima baixa, a primeira coisa que acontece é a memória ir embora; 90% das queixas de falta de memória são por depressão, desencanto, desestímulo. Para o cérebro funcionar melhor, você tem de ter motivação. Acordar de manhã e ter desejo de fazer alguma coisa, ter prazer no que está fazendo e ter a autoestima no ponto.

PODER: Cabeça tem a ver com alma?
PN: Eu acho que a alma está na cabeça. Quando um doente está com morte cerebral, você tem a impressão de que ele já está sem alma... Isso não dá para explicar, o coração está batendo, mas ele não está mais vivo.

PODER: O que se pode fazer para se prevenir de doenças neurológicas?
PN: Todo adulto deve incluir no check-up uma investigação cerebral. Vou dar um exemplo: os aneurismas cerebrais têm uma mortalidade de 50% quando rompem, não importa o tratamento. Dos 50% que não morrem, 30% vão ter uma sequela grave: ficar sem falar ou ter uma paralisia. Só 20% ficam bem. Agora, se você encontra o aneurisma num checkup, antes dele sangrar, tem o risco do tratamento, que é de 2%, 3%. É uma doença muito grave, que pode ser prevenida com um check-up.

PODER: Você acha que a vida moderna atrapalha?
PN: Não, eu acho a vida moderna uma maravilha. A vida na Idade Média era um horror. As pessoas morriam de doenças que hoje são banais de ser tratadas. O sofrimento era muito maior. As pessoas morriam em casa com dor. Hoje existem remédios fortíssimos, ninguém mais tem dor.

PODER: Existe algum inimigo do bom funcionamento do cérebro?
PN: O exagero.
Na bebida, nas drogas, na comida.
O cérebro tem de ser bem tratado como o corpo. Uma coisa depende da outra.
É muito difícil um cérebro muito bem num corpo muito maltratado, e vice-versa.

PODER: Qual a evolução que você imagina para a neurocirurgia?
PN: Até agora a gente trata das deformidades que a doença causa, mas acho que vamos entrar numa fase de reparação do funcionamento cerebral, cirurgia genética, que serão cirurgias com introdução de cateter, colocação de partículas de nanotecnologia, em que você vai entrar na célula, com partículas que carregam dentro delas um remédio que vai matar aquela célula doente. Daqui a 50 anos ninguém mais vai precisar abrir a cabeça.

PODER: Você acha que nós somos a última geração que vai envelhecer?
PN: Acho que vamos morrer igual, mas vamos envelhecer menos. As pessoas irão bem até morrer. É isso que a gente espera. Ninguém quer a decadência da velhice. Se você puder ir bem de saúde, de aspecto, até o dia da morte, será uma maravilha.

PODER: Hoje a gente lida com o tempo de uma forma completamente diferente. Você acha que isso muda o funcionamento cerebral das pessoas?
PN: O cérebro vai se adaptando aos estímulos que recebe, e às necessidades. Você vê pais reclamando que os filhos não saem da internet, mas eles têm de fazer isso porque o cérebro hoje vai funcionar nessa rapidez. Ele tem de entrar nesse clique, porque senão vai ficar para trás. Isso faz parte do mundo em que a gente vive e o cérebro vai correndo atrás, se adaptando.
PODER:Você acredita em Deus?
PN: Geralmente depois de dez horas de cirurgia, aquele estresse, aquela adrenalina toda, quando acabamos de operar, vai até a família e diz:
"Ele está salvo".
Aí, a família olha pra você e diz:
"Graças a Deus!".
Então, a gente acredita que não fomos apenas nós.

DICAS DE SEGURANÇA PARA INTERNET

10 dicas de segurança ao usar mensagens instantâneas

As mensagens instantâneas são um método de comunicação online semelhante ao email, exceto que normalmente são mais rápidas. Com um programa de mensagens instantâneas, como o Windows Messenger, o AOL Instant Messenger ou o Yahoo Messenger, você pode digitar a mensagem a ser enviada e o destinatário a verá quase imediatamente.
Quando seu amigo digitar uma resposta, você a verá imediatamente.
Às vezes, as pessoas referem-se a conversas de mensagens instantâneas como "bate-papo", mas eles não são a mesma coisa.
As mensagens instantâneas envolvem uma conversa entre duas pessoas, e o bate-papo é uma conversa em "sala de bate-papo" na Internet.
Consulte Dicas para um bate-papo mais seguro para obter mais informações.
Use as mensagens instantâneas com mais segurança
A comunicação por um programa de mensagens instantâneas apresenta alguns dos mesmos riscos de segurança e privacidade que o email, mas você deve ter consciência de alguns perigos específicos.

1.Tenha cuidado ao criar um nome de exibição. Cada programa de mensagens instantâneas pede que você crie um nome de exibição, que é semelhante a um endereço de email. Seu nome de exibição não deve fornecer informações pessoais ou referir-se a elas. Por exemplo, use um apelido como Vascaíno10 em vez de JCarlosSaoPaulo.

2.Crie uma barreira contra mensagens instantâneas indesejadas. Não liste seu nome de exibição ou endereço de email em áreas públicas (como grandes diretórios da Internet ou perfis de comunidade online) nem os forneça a estranhos. Alguns serviços de mensagens instantâneas vinculam seu nome de exibição a seu endereço de email quando você se registra. A disponibilidade de seu endereço de email pode fazer com que você receba um número maior de ataques de spam e phishing.

3.Nunca forneça informações pessoais confidenciais, como seu número de cartão de crédito ou senhas, em uma conversa de mensagem instantânea.
4.Só se comunique com pessoas que estejam em sua lista de contatos ou amigos.

5.Se resolver encontrar um desconhecido que você conheça apenas de mensagens instantâneas, tome as precauções de segurança apropriadas. Por exemplo, não encontre essa pessoa sozinho, (leve um amigo ou familiar) e sempre marque encontros em locais públicos, como em um café.

6.Nunca abra imagens, baixe arquivos ou clique em links de mensagens de desconhecidos. Se vierem de um conhecido, confirme com o remetente que a mensagem (e seus anexos) é confiável. Se não for, feche a mensagem instantânea.

7.Não envie mensagens instantâneas pessoais do trabalho. Seu empregador pode ter direito de ler essas mensagens.

8.Se você usar um computador público, não selecione o recurso de logon automático. As pessoas que usarem o computador depois de você poderão ver e usar seu nome de exibição para fazer logon.

9.Monitore e limite o uso de mensagens instantâneas por seus filhos. Uma forma de fazer isso é inscrever-se no serviço de mensagens instantâneas MSN Premium, que lhe permite aprovar todos os contatos de seu filho para que possa receber mensagens instantâneas desses contatos. Você também receberá um relatório das atividades online de seu filho. Consulte o site do MSN Messenger para obter mais informações sobre os controles de restrição para menores incluídos no serviço.

10.Quando você não estiver disponível para receber mensagens, tenha cuidado com como exibe essa informação para os outros usuários. Por exemplo, você pode não querer que todos em sua lista de contatos saibam que você está "Em Almoço". Para obter mais informações, leia Controle seu status online usando o Windows Messenger e Defina seu status online.

FONTE: http://www.microsoft.com/brasil/athome/security/online/imsafety.mspx

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

ENQUANTO ISTO EM CAMPANHA...


A excelente jornalista Margarida Hallacoc, me pediu que lhe enviasse algumas fotos dos estragos da Catedral e no dia 25 de Setembro publicou no Hoje em Dia, a matéria acima.
Hoje ela me enviou um e-mail, que eu tomei a liberdade de publica-lo, onde ela cita o trabalho de restauração feito em Baependi. Enquanto isto em Campanha, todo mundo espera que alguém faça, aquilo que ninguém fez. Vamos esquecer o Padre Fuhad, porque não o temos mais. Mas se os responsáveis pela igreja fizerem o que ele fazia, fazendo projeto, planejamento... indo atrás dos orgãos competentes, o dinheiro aparece, como tem aparecido em Baependi, Betim e tantos outros lugares.

Margarida Maria Hallacoc da Silva 
Gostou das suas fotos como foram colocadas? Tentamos aproveitar o máximo na página e acabou que a matéria ocupou um big espaço.
Esta semana foi aprovado o cabeamento  subterrâneo da rede elétrica de Baependi. é, por lá, o conselho de Cultura  não que saber de emaranhado de fios roubando a cena da paisagem arquitetônica. A cidade irá receber um bom recurso para fazer o serviço, que vai gerar até empregos temporários. O negócio está quentinho, foi aprovado anteontem e ainda nem foi assinado (será dia 22 a a assinatura do documento oficial). Parece que são 30 cidade do país que terão este privilégio. O Conselho elaborou um projeto bacana e o lançou na disputa. Ganharam a causa. As cidades têm que pleitearem recursos assim pois o governo tem dinheiro  prá distribuir (dinheiro nosso, do nosso imposto). Tem que buscar não é mesmo? afinal, o benefício, é de uma cidade inteira.
abraço,
mh

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

CONTATOS COM A GEOMAN FERTILIZANTES

Algumas pessoas me escrevem pedindo algo ou sugerindo outras, como é o caso do senhor Paulo Dario C.Pinto de Carmo de Minas, se bem que ele citou morar a 50 kilometros de Campanha, talvez seja Carmo da Cachoeira.
Sempre que o fizerem, coloquem o seu e-mail de contato, porque não consigo dar retorno a não ser por aqui.
No segundo pedido que ele me faz, eu repito aqui o que já foi publicado, ou seja os telefones que tenho de contatos com a GEOMAN.
34-3211.5100 Humberto
34-9211.0058 Robson - Engenheiro Agrônomo
34-9673.5638 Fabrício - Gerente Industrial
35-9200.5212 - Stéfane
35-3261.1149 - Fabiana
Boa sorte e boa colheita.

O QUE É O ESPIRITISMO.

ASSIM FALOU ALLAN KARDEC

    (Sobre “O que é O Espiritismo”)

                “Foi nas reuniões em casa da Sra. Plainemaison e do Sr. Baudin que comecei os meus estudos sérios de Espiritismo. Apliquei a essa nova ciência, como o fizera até então, o método experimental: observava, cuidadosamente, comparava, deduzia conseqüências. Dos efeitos remontava às causas, por dedução e pelo encadeamento lógico dos fatos, não admitindo como válida uma explicação, senão quando resolvia todas as dificuldades da questão. Foi assim que procedi sempre em meus trabalhos anteriores, desde a Idade de 15  16 anos.
            “Observar, comparar, julgar, essa foi a regra que constantemente segui em meus trabalhos.
            “Foi assim que consegui chegar a definir o Espiritismo como uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência, ele consiste nas relações que se podem estabelecer com os Espíritos. Como Filosofia,  compreende todas as conseqüências morais que decorrem dessas relações.
            “Podemos afirmar que o Espiritismo é uma ciência que trata ao mesmo tempo da natureza, da origem e do destino dos Espíritos, e das suas relações com o mundo corporal.
            “Sua força está na sua filosofia, no apelo que faz à razão e ao bom senso.
            “Ele se apresenta sob três aspectos diferentes: o das manifestações, o dos princípios de filosofia e moral que delas decorrem e o da aplicação desses princípios. Daí os três graus de adeptos que surgem: 1º) os que crêem nas manifestações e se limitam a constatá-las. Para eles, portanto, o Espiritismo é uma ciência de experimentação; 2º)  os que compreendem as conseqüências morais que decorrem das manifestações; 3º) finalmente, os que praticam ou se esforçam por praticar essa moral.
            “O Espiritismo não tem mistérios nem teorias secretas. Tudo é revelado com clareza, para que qualquer pessoa possa julgá-lo com conhecimento de causa. Sim, repetimos, a doutrina espírita não é secreta; não apresenta mistérios para ninguém.
            “Quando alguém lança uma hipótese, narra um fato ou faz uma afirmação categórica, é necessário considerar sempre seu grau de cultura, seu caráter, sua formação moral, e, sobretudo, o interesse que poderia ter em enganar os outros...” (Trecho extraído das obras básicas da Codificação Espírita de Allan Kardec e da Revista Espírita)
NOSSO COMENTÁRIO
                Aí está como Allan Kardec, o verdadeiro Missionário, via o Espiritismo; como ele o definiu e, sobretudo, como o praticava, dando assim um belo exemplo aos que vieram depois de sua desencarnação em 1869.
            Logo, sendo o Espiritismo uma ciência, como o definiu Kardec, sob a assistência do Espírito de Verdade, cabe aos seus adeptos agirem como verdadeiros cientistas. Como? Observando, atentamente, com olhos de ver e ouvidos de ouvir, os fatos, os fenômenos, as atitudes individuais e grupais; fazendo comparações; buscando as causas determinantes de tais efeitos, para, somente então, tirar suas conclusões, tomando por base a lógica, o bom senso, a razão.
            Outra coisa muito importante: quando alguém lança uma hipótese, narra um fato ou faz uma afirmação categórica, é preciso conhecer bem sua formação cultural, seu meio familiar, seu relacionamento social, sua experiência de vida. Somente assim se pode saber se merece crédito ou não.
            Aqui no Brasil, desde fins do séc. XIX, quando as obras de Allan Kardec foram traduzidas e lançadas ao público, graças aos chamados “pioneiros”, que fundaram, em janeiro de 1884, a Federação Espírita Brasileira, formaram-se logo dois grupos que passaram a disputar o poder: de um lado os chamados “científicos”, do outro, os que ficaram conhecidos como “místicos”, oriundos do Catolicismo que era a religião oficial do Império, e, por isso mesmo, se deixaram impressionar pelo que ficou estabelecido na “revelação da Revelação” de J. B. Roustaing.
            Assim, como o número dos “místicos” era maior e eles, como afirmou Júlio Abreu Filho em seu livro “Erros Doutrinários” (ver “O Verbo e a Carne”, parte II), souberam usar de um verdadeiro artifício, a suprema direção da casa passou a ser deles, como é ainda hoje, e continuará sendo por muito tempo. Até quando?!... O futuro dirá!
            Em “O Livro dos Médiuns” (cap. III da parte I), Allan Kardec deixou bem claro, quando disse: “Os que desejam tudo conhecer sobre uma ciência devem, necessariamente, ler tudo que se ache escrito sobre ela (...) Devem mesmo ler o pró e o contra, ou seja, tanto as críticas como as apologias; devem inteirar-se dos diferentes sistemas existentes, a fim de poderem julgar por comparação”.
            Foi justamente isto que fizeram homens como José Herculano Pires, Luciano Costa, Júlio Abreu Filho, Henrique Andrade, Ricardo Machado, Gélio Lacerda da Silva, grandes mestres, verdadeiros missionários a serviço do verdadeiro ESPIRITISMO, e da continuidade dos trabalhos de Allan Kardec.

EDUARDO THEODORO.

sábado, 15 de outubro de 2011

OU A DILMA ACHA A VASSOURA OU SERÁ ASSEDIADA PELA SUJEIRA

Reinaldo Azevedo
Análises políticas em um dos blogs mais acessados do Brasil
Assine o Feed RSS | Saiba o que é
15/10/2011
às 8:37
Militante do PCdoB acusa: Orlando Silva recebeu dinheiro de esquema fraudulento na garagem do Ministério do Esporte; ou Dilma acha a vassoura ou será assediada pela sujeira
As coisas ficaram definitivamente complicadas para o comunista sem multidões Orlando Silva, ministro do Esporte e homem-chave — deveria ser ao menos — na organização da Copa de 2014. A presidente Dilma Rousseff pode prestar um favor à moralidade pública e à competição com um único ato: a demissão de Silva, que tem de ir cantar em outra freguesia. Será uma decisão tardia. Deveria ter sido demitido por Lula. Jamais deveria ter sido reconduzido por ela própria.
Vocês se lembram daquele imbróglio envolvendo o PCdoB e ONGs de fachada que recebiam uma bolada do Programa Segundo Tempo e não prestavam serviço nenhum? Alguns militantes do partido foram presos. Entre eles, estava o policial militar João Dias Ferreira. Em entrevista à VEJA desta semana, ele dá detalhes de como funcionava (funciona ainda?) um esquema instalado dentro do Ministério do Esporte que pode ter desviado R$ 40 milhões em 8 anos.
Mas isso ainda é muito pouco. O chefe do rolo, ele garante, é o próprio Orlando Silva.  João Dias afirma que, quando secretário-executivo do Ministério — o titular era Agnelo Queiroz, do PT, atual governador do Distrito Federal —, O MINISTRO RECEBEU PESSOALMENTE SOMAS DE DINHEIRO NA GARAGEM DO MINISTÉRIO. Ele diz que, na gestão Agnelo, que também se beneficiava da maracutaia, o programa Segundo Tempo já funcionava como caixa dois do PCdoB.
A roubalheira era simples e eficiente. As ONGs só recebiam o dinheiro mediante uma taxa previamente negociada, que podia chegar a 20% do valor dos convênios. O PC do B indicava tudo: de “fornecedores” a pessoas encarregadas de dar notas fiscais frias para justificar despesas fictícias. O próprio João Dias, amigão de Agnelo, controlava duas entidades, que receberam R$ 3 milhões. Segundo o inquérito, dois terços desse dinheiro desapareceram. Quando foram presos, os militantes do PC do B deram algumas pistas sobre o funcionamento do esquema. João Dias ficou de bico calado. Agora decidiu falar.
Ele dá o nome do homem que fazia a coleta e levava dinheiro para o ministério, inclusive para o agora ministro. Trata-se de Célio Soares Pereira, que também fala a VEJA. O relato sobre uma ocorrência de 2008 impressiona: “Eu recolhi dinheiro com representantes de quatro entidades aqui do Distrito Federal que recebiam verba do Segundo Tempo e entreguei ao ministro, dentro da garagem, numa caixa de papelão. Eram maços de notas R$ 50 e R$ 100.
Por que agora?
E por que Ferreira resolveu romper o silêncio? Leiam um trecho da reportagem de Rodrigo Rangel:
A lua de mel do policial com o ministério e a cúpula comunista começou a acabar em 2008, quando passaram a surgir denúncias de irregularidades no Segundo Tempo. Ele afirma que o ministério, emparedado pelas suspeitas, o deixou ao léu. “Eu tinha servido aos interesses deles e, de repente, quando se viram em situação complicada, resolveram me abandonar. Tinham me prometido que não ia ter nenhum problema com as prestações de contas.” O policial diz que chegou a ir fardado ao ministério, mais de uma vez, para cobrar uma solução, sob pena de contar tudo.
No auge da confusão, ele se reuniu com o próprio Orlando Silva. “O Orlando me prometeu que ia dar um jeito de solucionar e que tudo ia ficar bem”, diz. O ministro, por meio de nota, confirma ter se encontrado com o policial. Diz que o recebeu em audiência, mas nega que soubesse dos desvios ou de cobrança de propina. “É uma imputação falsa, descabida e despropositada. Acionarei judicialmente os caluniadores”, afirmou o ministro em nota.
Dinheiro na campanha do Apedeuta
Leiam na edição impressa a íntegra da reportagem, de seis páginas. Entre outras coisas, João Dias revela que repassou, em 2006, R$ 1 milhão da dinheirama para a campanha presidencial de Luiz Inácio Apedeuta da Silva. Dinheiro dos impostos. Dinheiro dos pobres. O policial afirma que, numa das idas ao ministério para tentar resolver seus problemas, foi recebido pelo secretário nacional de Esporte Educacional, Júlio Cesar Filgueira, também do PC do B: “Eu fui lá armado e dei umas pancadas nele. Dei várias coronhadas e ainda virei a mesa em cima dele. Eles me traíram”. Filgueira admite o encontro, mas nega ter apanhado… O fato é que, vejam lá, ele conseguiu parte do que queria com ou sem os sopapos.
Credibilidade?
Já posso ouvir certo alarido: “Que credibilidade tem alguém com esse perfil?” Ora, a pergunta não deve ser feita à reportagem de VEJA, mas ao agora governador Agnelo Queiroz e a Orlando Silva. Do primeiro, o policial é amigo; do segundo, é correligionário. Tanto o ministro como um secretário da pasta o receberam em gabinete. Se João Dias é bandido, temos um ministro e um secretário que se encontram com bandido, certo? VEJA cumpre o seu papel: contar o que sabe. De resto, não há dúvida de que o Programa Segundo Tempo era uma pilantragem controlada pela turma do PC do B. Agora é um militante do partido e um ativo participante do esquema quem diz: o chefe é Orlando Silva.
É evidente que o ministro não tem condições de continuar na pasta. Moralmente, já não tinha desde o ano passado, quando o esquema foi revelad. A (des)organização da Copa do Mundo de 2014 prova, também, que ele é incompetente. A partir de agora, corre o risco de ter seu tempo tomado pela necessidade de se defender. A República e o próprio torneio podem arcar com esse custo?
Não faltam motivos, como a gente vê, para que a população saia às ruas com uma vassoura na mão. Está na hora de Dilma descobrir onde esqueceu a sua.
Por Reinaldo Azevedo

Vamos criar a CCMEF?

Uma boa idéia a se levar adiante ...Vamos criar a CCMEF?

Ruth de Aquino
Não há como deixar de transcrever o artigo de Ruth de Aquino publicado com o título desta postagem na revista 'Época' desta semana. A sugestão dela para a criação da CCMEF (Contribuição dos Corruptos Municipais, Estaduais e Federais) é muito criativa. Vale a pena ler seu artigo:
"Quem falar que resolve a saúde sem dinheiro é demagogo. Mente para o povo.”
Dilma está certa.
É urgente. Em lugares remotos do Brasil, hospitais públicos são mais centros de morte que de cura.
Não é possível “fazer mágica” para melhorar a saúde, afirmou Dilma. Verdade.
De onde virá a injeção de recursos?
A presidente insinuou que vai cobrar de nós, pelo redivivo “imposto do cheque”.
Em vez de tirar a CPMF da tumba, sugiro criar a CCMEF: Contribuição dos Corruptos Municipais, Estaduais e Federais.
A conta é básica.
A Saúde perdeu R$ 40 bilhões por ano com o fim da CPMF, em 2007.
As estimativas de desvio de verba pública no Brasil rondam os R$ 40 bilhões por ano.
Empatou, presidente.
É só ter peito para enfrentar as castas. Um país recordista em tributação não pode extrair, de cada cheque nosso, um pingo de sangue para fortalecer a Saúde.
Não enquanto o governo não cortar supérfluos nem moralizar as contas.
Uma cobrança de 0,38% por cheque é, segundo as autoridades, irrisória diante do descalabro da Saúde.
A “contribuição provisória” foi adotada por Fernando Henrique Cardoso em 1996 e se tornou permanente.
O Lula da oposição dizia que a CPMF era “um roubo”, uma usurpação dos direitos do trabalhador.
Depois, o Lula presidente chamou a CPMF de “salvação da pátria”.
Tentou prorrogar a taxação, mas foi derrotado no Congresso. 
A CPMF é um imposto indireto e pernicioso.
Pagamos quando vamos ao mercado e mesmo quando pagamos impostos.
É uma invasão do Estado nas trocas entre cidadãos.
Poderíamos dizer que a aversão à CPMF é uma questão de princípio. 
Mas é princípio, meio e fim. Não é, presidente?
“Não sou a favor daquela CPMF, por conta de que ela foi desviada.
Por que o povo brasileiro tem essa bronca da CPMF?
Porque o dinheiro não foi para a Saúde”, afirmou Dilma.
E como crer que, agora, não haverá mais desvios?
Como acreditar?
O Ministério do Turismo deu, no fim do ano passado, R$ 13,8 milhões para uma ONG treinar 11.520 pessoas.
A ONG foi criada por um sindicalista sem experiência nenhuma com turismo.
Como acreditar?
A Câmara dos Deputados absolveu na semana passada Jaqueline Roriz, apesar do vídeo provando que ela embolsou R$ 50 mil no mensalão do DEM.
Como acreditar?
Os ministros do STF exigem 14,7% de aumento para passar a ganhar mais de R$ 30 mil.
Você terá reajuste parecido neste ano?
O orçamento do STF também inclui obras e projetos, como a construção de um prédio monumental para abrigar a TV Justiça. É prioridade?
O Congresso gasta, segundo a organização Transparência Brasil, R$ 11.545 por minuto.
O site Congresso em Foco diz que cada um de nossos 513 deputados federais custa R$ 99 mil por mês.
Cada um dos 81 senadores custa R$ 120 mil por mês. São os extras.
E o Tiririca ainda não descobriu o que um deputado federal faz.
“É sério. Vamos ter de discutir de onde o dinheiro vai sair (para a Saúde).”
Tem razão, presidente. Mas, por favor, poupe-nos de seu aspirador seletivo.
A senhora precisa mesmo de 39 ministérios consumindo bilhões?
Aspire os bolsos gordos da turma do Novais, do Roriz, do Sarney.
Apele à consciência cívica dos políticos e juí­zes que jamais precisaram do Sistema Único de Saúde.
Vamos criar o mensalão da Saúde. Um mensalão do bem, presidente.
Corruptos que contribuírem serão anistiados.
ONGs fantasmas, criadas com a ajuda de ministros & Cia., terão um guichê especial para suas doações. O pessoal que já faturou por fora com a Copa está convocado a dar uns trocados para a Saúde.
Enfiar goela abaixo dos brasileiros mais um imposto, nem com anestesia.
Um dia nossos presidentes entenderão o que é crise de governabilidade.
Não é a revolta dos engravatados em Brasília nem a indignação dos corredores e gabinetes. A verdadeira crise de poder acontece quando o povo se cansa de ser iludido.
Os árabes descobriram isso tarde demais. Deitavam-se em sofás de sereias de ouro, cúmulo da cafonice. Eles controlavam a mídia, da mesma forma que os companheiros do PT estão tentando fazer por aqui. Não deu certo lá. Abre o olho, presidente.
OBS:
Veio da presidência da república a ordem expressa para a recriação do "imposto do cheque" ou assemelhado. 
Os "trabalhos" nas duas casas legislativas para ressuscitar esse assalto aos nossos bolsos estão de vento em popa.
Virá como um petardo sobre os contribuintes extorquidos diariamente pelos impostos imorais que já pagamos.
Se não houver mobilização por parte da sociedade seremos engolidos por essa imoralidade que nos desrespeita e agride como um chute em nosso traseiro.
Temos de demonstrar à essa marionete que somos nós quem mandamos nela e  não o contrário.
Chega de roubalheira custeada com os nossos impostos.