Páginas

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

ESCOLA DA TIA HELO NOS ANOS 70


Uma escola que marcou época aqui em Campanha foi, a Escola Nossa Senhora de Lourdes também conhecida como escola da Tia Helo. Começo no final do anos 50 nos porões da casa de dona Heloisa Carvalho na Rua Direita e encerrou sua atividades no antigo Museu Dom Inocêncio, onde aparecem os alunos e professores acima. Veja se você não aparece nestas fotos.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

FAMÍLIA JUNQUEIRA SE REUIRÁ EM FAMA


O casal acima, são os patriarcas da família Junqueira do tronco de Gil Fachardo Junqueira e Clara Ribeiro Junqueira. Entre os dias 9 e 11 de setembro todos os decendentes desta família, estão convidados para a 1ª confraternização que acontecerá na cidade de Fama. Oportunamente daremos maiores detalhes.
Será sem dúvida um encontro emocionante, pois temos muitos primos que nem conhecemos e outros que há muito não nos vemos.
Até lá!

domingo, 28 de agosto de 2011

CASAMENTO DE NÁGILA E LUIZ FERNANDO

A majestosa Catedral de Santo Antonio na cidade da Campanha foi o lugar ideal para coroar o amor de Nágila Alves e Luiz Fernando Dutra na noite do dia 27 de Agosto. Muitos amigos e parentes estiveram presentes para levar aos jovens nubentes o seu apoio. Parabéns ao casal e seus familiares vão os votos deste blog.

sábado, 27 de agosto de 2011

CASA DE VITAL BRAZIL LANÇA LIVRO


Lançamento da edição especial dos 100 anos do livro
 “A Defesa contra o Ophidismo” em Campanha

Ontem, sexta-feira, 26-08, foi feito o lançamento em Campanha a edição especial de 100 anos do livro “A Defesa contra o Ophidismo” do cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha. A iniciativa foi da Casa de Vital Brazil e dos Institutos Vital Brazil e Butantã. O lançamento foi realizado no Museu Vital Brazil, casa onde nasceu o cientista.
A apresentação coube ao presidente da casa ÉRICO VITAL BRASIL comentou sobre o lançamento do livro "A DEFESA CONTRA O OPHIDISMO”. Em seguida convidou os autores do livro que, acompanha a obra de Vital Brazil.

Pelo INTITUTO VITAL BRAZIL falou o Dr. Luiz Eduardo Cunha, representando do Diretor Científico deste Instituto. Seguido pelo DIRETOR DO MUSEU BIOLÓGICO DO INSTITUTO BUTANTANN, Professor: Giuseppe Puerto. A próxima fala foi da Professora Regiane Lira, representando a UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Depois foi a vez da Professora Rosany Bochener, INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA FIOCRUZ. Por fim falou a Dra. Júlia Franceshi - Fundadora da Sociedade Brasileira de Toxinologia - INSTITUTO BUTANTAN.
O ex-prefeito Ronald Ferreira se fez presente e convidado pelo presidente da casa relatou alguns casos curiosos e importantes da época em que teve início a restauração da Casa de Vital Brazil. Finalmente o prefeito Roberto Silva fez uso da palavra, falando da importância deste evento para Campanha bem como, da grandeza do nosso conterrâneo Vital Brazil Mineiro da Campanha.
Além dos mencionados registramos as presenças dos senhores:
Representantes da FUNED de Belo Horizonte, Fundação Ezequiel Dias, CPPI (Centro de Pesquisa e Produção de Imunológicos). Luiza Helena Limoeiro - Secretária da Câmara Municipal. Suelem Arantes - representando a Assistência Social. Regina Coeli, Representando a Secretaria da Educação. Sandra Regina Lemes Araújo - Chefe da Secretaria de Cultura. Flávia Villamarim Tegon, Diretora Conselho Municipal do Patrimônio Cultural. Márcia Lemes, Chefe de Gabinete. Angélica Andrés representando o jornal Folha Campanhense, José Milton Ferreira Lopes, representando o blog Isto é Campanha www.istoecampanha.blogspot.com e o Grupo Bem Viver, além de dezenas de pessoas. Tivemos a satisfação ainda de ouvir antes e depois da cerimônia o Grupo Musical Seresta ao Luar que brilhou como sempre.


 OS LIVROS
A primeira edição do livro foi escrita em 1911 e lançada simultaneamente em português e francês, sendo reeditada em versão ampliada três anos depois, em 1914, somente em francês. O livro é um marco na história das ciências médicas desenvolvidas no Brasil.
Com 152 páginas e hoje considerado um marco nas pesquisas sobre animais peçonhentos, o livro é acompanhado de outra publicação, A Defesa Contra o Ophidismo – 100 Anos Depois, que reúne comentários de 12 pesquisadores sobre a obra de Vital Brazil. Eles abordam os aspectos históricos dos acidentes e tratamentos envolvendo animais peçonhentos, além de apresentar um panorama das atuais tecnologias para a produção de soros hiperimunes. “A obra é um clássico e esta edição comemorativa contribui para o resgate das pesquisas desenvolvidas por esse grande cientista brasileiro”, afirma o diretor do Instituto Butantã, Jorge Kalil.
Os acidentes com animais peçonhentos ainda são considerados um problema de saúde no Brasil e encontram solução nos soros hiperimunes que Vital Brazil patenteou e doou à humanidade, sem deles usufruir benefícios financeiros, lembra o diretor.
Os artigos são assinados por reconhecidos especialistas: Aníbal Melgarejo do IVB – Instituto Vital Brazil; Cristiane Silvestrin – pesquisadora da História Editorial no Brasil; Giuseppe Puorto e João Luis Cardoso do IB – Instituto Butantã; Julia Franceschi fundadora da SBTx – Sociedade Brasileira de Toxinologia;  Marcos Vinicius da Silva do IIER – Instituto de Infectologia Emilio Ribas;  Moema Vergara do MAST – Museu de Astronomia e Ciências Afins; Pedro Federsoni e Silvana Calixto do MIAL – Museu do Instituto Adolpho Lutz;  Rejane Lira da UFBA – Universidade Federal da Bahia e Rosany Bochner do ICICT – Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fiocruz.
 Além dos documentos fotográficos este volume reproduz, também, alguns registros importantes como uma carta do ex-presidente dos Estados Unidos, Prêmio Nobel da Paz, Theodore Roosevelt.









sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Bessa e seu Conjunto no ano de 1949 num baile em Lambari. Essa rapaziada da Campanha fazia o maior sucesso entre os veranistas durante as férias. Principalmente quando tocava jazz, blues e chorinho.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

QUE EXEMPLO DE...

Meus amigos, uma matéria como esta tem que ser divulgado em todos os lugares.
Que exemplo de dignidade, educação, respeito, cidadania...
Quando nossos governantes se preocuparem de fato com a educação, poderemos ser.

Seremos algum dia japoneses?
Ruth de Aquino
Época
RUTH DE AQUINO
é colunista de ÉPOCA
raquino@edglobo.com.br
O dinheiro e as barras de ouro estavam em cofres e carteiras de vítimas do tsunami no Japão. Em casas e empresas destruídas. Nas ruas, entre escombros e lixo. Ao todo, o equivalente a R$ 125 milhões. Dinheiro achado não tem dono. Certo? Para centenas ou milhares de japoneses que entregaram o que encontraram à polícia, a máxima de sua vida é outra: não fico com o que não é meu. E em quem eles confiaram? Na polícia, que localizou as pessoas em abrigos ou na casa de parentes e já conseguiu devolver 96% do dinheiro.
A reportagem foi do correspondente da TV Globo na Ásia, Roberto Kovalick. A história encantou. “Você viu o que os japoneses fizeram?” Natural a surpresa. Num país como o Brasil, onde a verba destinada às inundações na serra do Rio de Janeiro vai para o bolso de prefeitos, secretários e empresários, em vez de ajudar as vítimas que perderam tudo, esse exemplo de cidadania parece um conto de fadas. O que aconteceu em Teresópolis e Nova Friburgo não foi um mero e imoral desvio de dinheiro público. Foi covardia.
Político japonês não é santo. Mas digamos que, em alguns países, os valores da população são menos complacentes do que em nosso cordial patropi. E a impunidade não é regra. Em que instante a nossa malandragem deixa de ser folclórica e cultural e passa a ser crime de desonestidade? Por que a lei de tirar vantagem em tudo está incrustada na mente de tantos brasileiros? A tal ponto que os honestos passam a ser otários porque o mundo seria dos espertos?
A presidente Dilma Rousseff não parece fazer parte do time dos espertos. É o que tem atraído para ela um tsunami de simpatia popular. Você deve ter reparado. Ao discursar, Dilma não faz piada, não diz palavrão, nem comete analogias com o futebol. Ao contrário. Ela é a antítese do palanqueiro populista. Tem dificuldade em falar a linguagem do povão até quando coloca o chapéu das Margaridas, as trabalhadoras rurais. Promete “implantar, implementar, disponibilizar”.
Eles devolveram às vítimas do tsunami R$ 125 milhões. Precisamos – nós e a polícia – aprender a agir assim
Seu desconforto com o palco é evidente. Dilma lê. Não é bom para ela, porque os olhos baixam. A leitura torna o discurso mais frio e hesitante, porque há vírgulas. Ela tropeça nos travessões. Seu pensamento não flui. É pedir demais que ela se torne um dia uma oradora que arrebate multidões. Mas a ausência de carisma parece não importar ao brasileiro. O eleitor não aguenta mais a cambada que suga recursos de nossa Saúde, nossa Educação. Dilma parece um peixe fora do aquário de piranhas políticas. E por isso conquista.
“Quero reafirmar a importância concreta e simbólica do pacto que firmamos hoje. É o Brasil fazendo a faxina que tem que fazer, a faxina contra a miséria”, disse Dilma na sede do governo de São Paulo. Foi um discurso para calar quem tenta isolar a presidente. Ela quis mostrar que está acima das disputas palacianas e não está sozinha coisa nenhuma. O “pacto republicano” de Dilma é suprapartidário. As fotos do “flerte” com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso devem ter causado urticária ao PT. Onde está mesmo a “herança maldita”?
Leitores me pediram para encampar a campanha anticorrupção do gaúcho Pedro Simon. Esta coluna não precisa encampar nada. Simon disse: “A sociedade tem que liderar o movimento”. É patético o coro de “volta, Lula”, ensaiado pelos que comiam churrasco no Palácio da Alvorada e hoje se veem privados da picanha presidencial.
As redes sociais começam a se mobilizar. Cariocas marcaram para 20 de setembro um grande ato contra a corrupção, na Cinelândia, centro do Rio, onde 200 mil pediram em 1984 as Diretas Já. “Queremos evitar batuque, por isso não escolhemos a orla”, dizem os organizadores. Há a sensação de que o movimento precisa estar nas ruas para ganhar legitimidade.
Políticos incomodados tentam nos impingir o medo. Uma frente anticorrupção jogaria o país na anarquia ou na ditadura. Isso é conversa para brasileiro dormir. Um dia, todos precisaremos aprender que não se coloca no bolso, na bolsa, nas meias e nas cuecas um dinheiro que não nos pertence. É roubo.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

CASA DE VITAL BRAZIL CONVIDA

No dia 26 de Agosto, sexta-feira próxima, você tem um programa cultural e tanto. Haverá no MUSEU VITAL BRAZIL as 19h:00 o lançamento da edição comemorativa dos 100 anos do livro, "A DEFESA CONTRA O OPHIDISMO' escrito pelo cientista Vital Brazil Mineiro da Campanha.

FRASE TRISTE DO DIA.

- FRASE TRISTE DO DIA -SAIU NO JORNAL ESPANHOL EL PAÍS.
“Que país é este que junta milhões numa marcha gay, outros milhões numa marcha evangélica, muitas centenas numa marcha a favor da maconha, mas que não se mobiliza contra a corrupção?”

(07/08/2011 Juan Arias, correspondente no Brasil do jornal espanhol El País)
 Triste ler isto, escrito por um estrangeiro, que, com toda propriedade e elegância, pôs o dedo em uma ferida que nós brasileiros não queremos ver.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

OUTRO CONCURSO FOTOGRÁFICO.

Regulamento
Concurso Fotográfico
Tema: Um giro pela nossa História
Capítulo I
Do sujeito
Art. 1º - O concurso Fotográfico: Um giro pela nossa história, promovido pela Prefeitura Municipal de Santa Bárbara, através da Secreta de Turismo, Cultura e Desenvolvimento Econômico tem como objetivo despertar a população santa-barbarense para o potencial histórico do município de Santa Bárbara, divulgar os diversos atrativos relacionados às suas tradições culturais, monumentos históricos, patrimônio cultural material e imaterial, além de estimular a criação fotográfica como manifestação artística e cultural.
Capítulo II
Da participação
Art. 2º - Poderão participar do concurso fotógrafos os residentes no Brasil. É vedada a participação de fotógrafos profissionais, funcionários da Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Desenvolvimento e do Jornal e a todos que para ela prestam serviços.

Art. 3º - Cada participante poderá se inscrever com até 03 (três) fotografias, em cores ou preto e branco, sendo duas cópias de cada, uma no  tamanho 15x21cm e outra 30x45cm  , obrigatoriamente impressas em papel fotográfico.

Art. 4º- As fotografias deverão estar em perfeitas condições de serem expostas e não serão devolvidas em nenhuma hipótese , passando a integrar o acervo da Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Desenvolvimento Econômico;

Art. 5º - Somente serão aceitas fotos inéditas que ainda não tenham sido premiadas em outros concursos.

Art. 6º- A(s) fotografia(s) deverá(ão) ser entregues no endereço abaixo, no horário de 8h às 11h,  de 14h às 17h, de 2ª a 6ª feira até o dia 14/09/2011,  acompanhada(s) da(s) ficha(s) de inscrição, observadas as disposições dos artigos 3º,4º e 5º deste regulamento.

Art. 7º- A(s) foto(s) deverá(ão) estar num envelope saco,único,lacrado, com a seguinte identificação: Concurso Fotográfico- Um giro pela nossa História. Dentro deste envelope, além das fotos deverá conter um outro envelope menor identificado do lado de fora com o pseudônimo do(a) autor(a), contendo:

A-   Ficha de inscrição preenchida com a letra legível ou digitada em todos os campos.

B-   Não deixar em branco os seguintes campos:

1-Nome completo
2-Pseudônimo
3-Endereço completo
4-Telefones
5-E-mail
6-RG - CPF
7-Nº de fotos enviadas
8-Declaração de que concorda com o regulamento.
Capítulo III
Da desclassificação

Art. 8º - Serão desclassificadas:
A-   Todas as fotografias que tenham montagem digital ou que tenham sido alteradas em laboratório.
B-   Negativos e cópias
C-   Fotografias que estejam fora das especificações e regras deste regulamento.
Capítulo IV
Da comissão julgadora

Art. 9º - As fotografias serão julgadas por um júri composto por pessoas reconhecidas no meio fotográfico, turístico e cultural.

Art. 10º - As decisões do júri serão irrecorríveis, soberanas e de caráter final.

Art. 11º - O júri será composto de no mínimo 03 jurados e de no máximo 09.

Capítulo V
Do resultado e da premiação

Art. 12º - O resultado do concurso será anunciado até o dia 19/09/2011 e os vencedores informados para efeitos da premiação.

Art. 13º - Os prêmios serão assim distribuídos:
        1º Lugar: Uma máquima fotográfica digital
        2º Lugar: Um celular
        3º Lugar: Um Pen drive 32 Mb

Parágrafo Único – Todos os participantes receberão certificados

Art. 14º - Somente uma fotografia por autor será premiada com 1º, 2º ou 3º lugar. O júri, sempre soberano, irá escolher aquela que será premiada, ficando a(s) outra(s) automaticamente selecionada(s) para menção honrosa.

Art. 15º - Os prêmios serão entregues no dia 19/09/2011 durante a abertura da IX  Semana da Cultura  .

Capítulo VI
Da cessão dos direitos

Art. 16º - Todas as fotografias inscritas, inclusive as premiadas passarão a pertencer ao acervo da Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Desenvolvimento Econômico, podendo em publicações diversas, montagem de exposições, apoio decorativo, folhetos e outras peças promocionais que porventura venham a ser produzidas pelo secretaria, a que tempo for, sem consulta previa ou aviso, além de cedidas para órgão, entidade e outros parceiros para utilização em peças promocionais ressalvada a citação do(a) autor(a) como crédito.

Art. 17º - Fica liberado a Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Desenvolvimento econômico, pelos participantes, inclusive os premiados, o livre uso de seus nomes, endereços, imagens ou fotografias, vozes e registros escritos, inclusive com o propósito de testemunho, a que tempo for, sem que nada venham a reclamar quanto a este título.


 Capítulo VII
Das disposições finais

Art. 18º - O ato da inscrição neste concurso implica a aceitação de todo os itens deste regulamento.

Parágrafo Único: Os casos omissos referentes a todas as etapas deste concurso, serão decididos por uma comissão organizadora.

Art. 19º - As inscrições para o Concurso Fotográfico se iniciarão em 12/08/2011 e terminarão em 14/09/2011 não sendo permitida em nenhuma hipótese inscrições fora deste período.

Art. 20º - A Premiação, como determina o Capitulo V deste regulamento, com todos os seus artigos e parágrafos, acontecerá no dia 19/09/2011 no Memorial Affonso Penna, às 19 horas .


Santa Bárbara em 12 de agosto de 2011.

Sebastião Fonseca e Silva
Presidente da Comissão Organizadora

GEFROMP RECEBE DANILO OLIVEIRA

A presidente do GEFROMP na abertura da reunião comemorativa do 3º aniversário do grupo e fazendo a apresentação do conferencista do dia.

 Danilo Oliveira, um dos grande líderes espíritas de Minas, veio de Poços de Caldas para falar sobre "A nossa atitude diante da vida".
 A nossa confraternização ao final da reunião do último sábado.
 Começando a campanha para arrecadar fundos, para a construção da sede do GEFROMP, o casal Lourdinha e Rosenil ofereceu um delicioso almoço em sua casa no dia 21 de Agosto.
 Num clima de muita descontração, não houve quem não repetisse aquele almoço delicioso.
 Na foto abaixo, o casal anfitrião Rosenil e Lourdinha, mestres na arte culinária.
Há três anos nossos conterrâneos Lindáurea Thomaz e Paulo Henrique Lemes retornaram do Rio de Janeiro para Campanha, sua terra natal e também trouxeram, para a nossa felicidade uma missão muito séria, a de fundar aqui em nossa cidade um grupo espírita. Eles que há décadas vinham trabalhando no GEFROMP do Rio de Janeiro estão conseguindo com muito esforço, realizar este sonho. São muitos os trabalhos desenvolvidos pelo GEFROMP da Campanha. Evangelização infanto-juvenil, Estudo da Doutrina Espírita, Passes, Visitas à Vila Vicentina, Atendimento Fraterno, Educação Mediúnica, Palestras, Bazar "Caiu do Céu", Reiki, Grupo de Jovens, Assistência Fraterna, com a distribuição de material escolar, cobertores, agasalhos, material de construção, campanha do kilo, enxovais de bebês, Clube do Livro Espírita, Estudo sistematizado da Doutrina Espírita e O Evangelho no Lar.
Neste três anos de atuação em nossa cidade, o GEFROMP pode ajudar a inúmeras pessoas, de alguma forma, seja oferecendo um consolo espiritual, um apoio moral, uma ajuda material, da maneira como quem procura o GEFROMP precisando de algum tipo de ajuda, algo de bom todos recebem. Sempre é dito pelos nossos dirigentes, "não temos a pretensão de tornar ninguém espirita, queremos sim, que todos sejam melhores cristãos, dentro da religião onde ele se sinta bem". Este é o segredo, porque todo espírita está sempre de bem com a vida. Fazemos ao próximo aquilo que gostaríamos que fizessem conosco.
PARABÉNS GEFROMP.

INSENSATO CORAÇÃO

O Brasil todo acompanhou a mais uma novela da Globo. Insensato Coração acabou deixando um recado, que infelizmente é a mais pura realidade de uns tempos para cá. Os políticos conseguiram desmoralizar tanto a política que, é uma coisa séria e que deveria ser muito respeitada, que acaba virando chacota. Moral da história deixada pela novela: Se você não deu nada na vida ou se quer se dar bem com pouco esforço, entre para a política. É lamentável, mas é verdade.

Concurso fotográfico das Minas Gerais


Minas sob um novo olhar


Concurso cultural Paisagens Mineiras convida o público para fotografar riquezas do Estado


Reconhecida mundialmente pelas suas belezas naturais, as terras mineiras atraem para si os mais diferentes olhares, seja de um estrangeiro admirado com o novo ou daquele morador que encontra em suas montanhas a velha sensação de estar sempre em casa.

E até os dias de hoje, nenhuma outra maneira substituiu a boa e velha fotografia como a melhor forma de levar para casa as lembranças dos momentos vividos por estes lados. Afinal, é quase um ritual reunir os amigos, rever as imagens e compartilhar histórias. Ou mesmo, de divulgar um determinado lugar.

Por isso, convidando o público a se inspirar e revelar, por meio de suas fotos, o que mais lhes encanta nos horizontes mineiros, o Jornal Estado de Minas, com patrocínio da Petrobrás e promoção da TV Alterosa, Rádio Guarani, Portal Uai e Diários Associados, realiza a edição 2011 do Concurso Cultural Paisagens Mineiras.

Com início no dia 28 de julho, o concurso incentiva o participante a usar o seu olhar pessoal para clicar as paisagens do Estado, urbanas ou não. Depois,  basta cadastrar sua foto preferida no site do concurso www.paisagensmineiras.com.br.

Serão realizadas, de julho a dezembro, quatro seletivas para a escolha das melhores fotos. A cada etapa, oito imagens serão selecionadas por uma comissão julgadora, segundo critérios de qualidade técnica, representatividade para o Estado e beleza estética. Das fotografias pré-selecionadas a cada seletiva, o público elegerá 2 via internet por voto popular.

Além disso, os vencedores das seletivas ajudarão instituições sociais e educacionais na região fotografada com a doação de um computador. A cobertura da entrega será feita pelo jornal Estado de Minas e TV Alterosa.

Em janeiro de 2012, as 8 fotos vencedoras das seletivas disputarão o grande prêmio. E, mais uma vez, quem decidirá qual a imagem que representa melhor o estado mineiro será o júri popular. Os interessados participarão pelo site do concurso e também será organizada uma votação itinerante por algumas cidades do interior do estado. A grande vencedora será anunciada em solenidade especial e o autor da foto levará como prêmio uma moderna câmera digital.

Em março, todas as 32 fotos escolhidas pela comissão julgadora nas 4 seletivas farão parte de uma revista especial que será encartada com o jornal Estado de Minas e irão compor uma exposição que retrata Minas Gerais sob os diferentes olhares apresentados no concurso.

 

Para participar do Concurso Cultural Paisagens Mineiras não precisa ser profissional em fotografia, nem residir no Estado. Basta apenas gostar de Minas, ter uma boa ideia e uma câmera na mão.

Edição 2010

No ano passado, o Paisagens Mineiras registrou mais de 6 mil inscrições, atingindo 53% das cidades do estado, aproximadamente 450 municípios. Durante todo o concurso,  foram computados mais de meio milhão de votos.

As localidades de Boa Esperança, Bichinho, Xavier Chaves, Ouro Preto, Pedro Leopoldo e Santa Rita da Jacutinga foram vencedoras nas seletivas e cada uma delas teve um instituição educacional ou assistencial contemplada com um computador. A fotografia de Santa Rita da Jacutinga foi a grande vencedora da edição 2010.  

E confirmando mais uma vez o seu compromisso em divulgar a imagem de Minas no mundo, o site oficial recebeu acessos de outros estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília e, até mesmo outros países, como Estados Unidos, Portugal, Itália, Suíça, Alemanha e Polônia.

Do hobby ao profissionalismo


Ganhar um concurso cultural que possui estas dimensões pode mudar para melhor a vida de uma pessoa. Afinal, quem não gostaria de transformar em profissão uma atividade que antes servia apenas como hobby?

Pois esta é a história do ganhador do Paisagens Mineiras 2010, Achille de Pace. O amante da fotografia, de 38 anos, decidiu tomar novo rumo a partir da vitória no Paisagens Mineiras 2010. Se mudou de Minas para o Rio de Janeiro e está realizando alguns trabalhos na área com a máquina que ganhou de prêmio do concurso “Até hoje não acredito que possuo uma máquina tão boa”, diz.

Segundo Achille, tem surgido algumas propostas de trabalho, inclusive conseguiu fotografar importantes fatos políticos. “O concurso Paisagens Mineiras mudou minha vida e percepção do que vejo. E o prêmio é um incentivo e tanto para investir nesta profissão. Tive a oportunidade de conhecer lugares onde nunca tinha estado”.

 

sábado, 20 de agosto de 2011

AS BRAVATAS DA PRESIDENTE.

 
AS BRAVATAS DA PRESIDENTE
De nada adiantam as bravatas da Presidente Dilma contra a corrupção, se para governar ela precisa, necessariamente, dessa excrescência que se chama "Base Aliada de Sustentação ao Governo”. São demagógicas, portanto, essas demissões cercadas de tanto alarde, se o executivo precisa dos partidos políticos, e os partidos que formam a chamada base aliada não prestam, incluindo o PT, do qual a Presidente faz parte. Eles são constituídos por parlamentares corruptos, cínicos, que mais parecem um bando de salteadores.
A crise nos Ministérios do Transportes, Agricultura, Cidades e, por último, Turismo, mostra com muita evidência que o jeito “petista” de governar o país deixa as instituições frágeis e vulneráveis. Em nenhum outro momento de nossa história - talvez somente durante o golpe militar de 1964 – vivemos situação tão delicada como agora.
Se comprovado, o esquema apontado pela Polícia Federal na “Operação Voucher” reedita uma das mais antigas formas de corrupção no país: o desvio de recursos de emendas parlamentares ao Orçamento da União. Na operação, a PF apontou que na emenda da deputada federal Fátima Pelaes do PMDB do Amapá pode ter sido desviado o valor que seria utilizado no treinamento de agentes de turismo em Macapá.
As sucessivas provas que se descortinam à luz de novas falcatruas descobertas e a exposição acintosa do altíssimo nível de corrupção que domina a máquina pública brasileira leva-nos a concluir que chegamos ao fundo do poço ético. Assistimos, hoje, a cristalina decomposição das instituições, tomadas pela corrupção, pelo clientelismo e pela incompetência.
É vergonhosa a desautorização feita por um funcionário subalterno do Ministério dos Transportes - Luiz Antonio Pagot – que, ao ser afastado pela própria Presidente da República, disse claramente diante da Comissão do Senado Federal: "Estou de férias, não fui afastado".
Se isso não bastasse, o líder do PR diz, acintosamente: "Dilma está brincando com fogo". E o próprio ex-presidente Lula tenta influenciar nos bastidores para que tudo permaneça como está no Ministério do Transportes.
Para completar o quadro vergonhoso, mesmo após a saída de Pago, a cúpula do PR, responsável da arrecadação do "caixinha" no Ministério, manteve seu comando na instituição. Contudo, ainda não satisfeitos, os dirigentes do partido exigiram uma compensação para a saída de Pagot do cargo. Em clara chantagem, a cúpula mandou um recado para Presidente Dilma: Pagot só sairia se o PT abrisse mão do diretor de Infra Estrutura Rodoviária do órgão, Hiderado Caron, filiado ao partido pelo Rio Grande do Sul.
Vejam a que ponto chegamos: o imobilismo, a ineficiência, a falta de pulso da Presidente, agravados pelo o incômodo domínio de Lula sobre questões-chave do governo atual, mostram Dilma como uma passageira, sem qualquer possibilidade de assumir a direção de seu próprio governo, que vaga sem destino certo e deixa a nação a exatos oito meses sem qualquer produção legislativa de importância.
A fraqueza de Dilma é tão evidente que Michel Temer é procurado por Lula, Sarney e outros “caciques” para decidir os rumos do governo, que são então apenas comunicados a Presidente.
As entidades de classe, favorecidas com verbas públicas ou compradas com favores políticos pelos atores responsáveis pelo saque de nossas riquezas e de nossos impostos, colocam em xeque o atual governo e "lançam seus tentáculos sobre cada aspecto da administração pública nacional". Tudo isso com o claro propósito de dominar corpos, almas e mentes de nosso pobre e iludido povo, perpetuandose no poder.
Se o brasileiro não fosse tão desinteressado e se preocupasse como deveria com essa deslavada corrupção que assola o país, o PT já teria sido apeado do poder por ruidosas manifestações de rua, movimento esse importantíssimo que, timidamente, vem se despontando através de convites pela internet. Entretanto, está carecendo de mais vigor, mais entusiasmo, tipo "caras pintadas", decisivos da deposição de Collor de Melo, outro corrupto que integra o bando de salteadores dos cofres públicos.
O PT nasceu inspirado na ética e na moralidade, mas com o gene da bandalheira de muitos de seus integrantes. Ainda, recebeu recebe transfusão de sangue impuro drenado pelas alianças promíscuas. Em nome da governabilidade, Lula fez acordos de toda ordem, conferindo 100% da atenção aos interesses do governo, e nenhuma à decência administrativa.
São muitos os escândalos, os desvios de recursos públicos, as falcatruas dentro dos ministérios e de empresas e órgãos da administração indireta, mas nenhum dos casos foi tão escabroso, tão desmoralizador e tão afrontoso quanto o da "compra de votos no Congresso".
É uma lástima ter que admitir, mas Lula, lúcido e omisso, permitiu que a bandalheira se institucionalizasse e se instalasse no governo; que a improbidade se alastrasse com a velocidade de uma erva daninha adubada e regada com rigorosa assiduidade.
É possível que os escândalos atuais nada tenham a ver com Dilma, que sejam reflexos do que se praticou nos últimos 8 anos. Talvez, por esse motivo e, só por ele, há alguma razão para se acreditar num futuro auspicioso, pois Dilma, apesar de ter sido atuante e participado de ações contra o regime militar - segundo dizem - se diferencia de Lula no essencial: a formação de técnica em contraposição ao perfil de militante sindical do ex-presidente.
O PT demorou a chegar ao poder, mas chegou como um esfaimado, ávido por transformar cargos em fontes de enriquecimento. As formas de consegui-lo foram tantas, matreiras e engenhosas. Ao sentir que o povo só queria saber de frango na mesa, ao perceber a indiferença nacional com os recursos do Erário, os petistas se viram livres para pintar e bordar. Exatamente por isso, a Polícia Federal bateu recordes de operações e prisões de 2003 para cá. Foram tantos os escândalos, tantos os atos de corrupção, que a PF teve de batizar cada uma das operações, para distingui-las. Enquanto houver dinheiro em caixa, a sede dos petistas jamais será saciada.
Não podemos nos conformar diante da tamanha corrupção que assola as nossas administrações. Essa deveria ser a principal causa da indignação do brasileiro, pois os corruptos tiram de nós não apenas o pão que nos alimenta, mas muito pior, tiram-nos a dignidade.
É deprimente o estado do nosso país. Ele está jogado às traças, ou melhor, à corrupção

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Conjunto de Câmara Maestro João Batista Maia em 1948.

Conjunto de Câmara do maestro João Batista Maia em Campanha no Clube Concórdia em 1948. ? , Enéas Pires, ?, ?, ?, Jair Lemes, Walter Sales e ? , só você souber o nome dos que eu não reconheci, por favor me envie aqui nos comentários.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

GEFROMP COMEMORA TRÊS ANOS

No próximo dia 20, sábado, o GREFROMP da Campanha (Grupo Espirita Frei Rogério o Missionário da Paz) estará comemorando o seu terceiro aniversário, em grande estilo. Estaremos recebendo a visita do conferencista DANILO OLIVEIRA de Poços de Caldas que, nos falará sobre "A nossa atitude diante da vida". Para quem não conhece o GEFROMP fica na rua Maestro Pompeu 208, no Xororó. Não é preciso ser espírita para ouvir uma palavra do bem. Venha. Compareça. A sua presença será muito bem vinda.

É FAXINA OU FACHADA? Ruth de Aquino

12/08/2011 - 22:39 - Atualizado em 15/08/2011 - 09:40
É faxina ou fachada?
Ruth de Aquino
Época
RUTH DE AQUINO é colunista de ÉPOCA
raquino@edglobo.com.br
Dilma, apelidada de “a diarista” pela faxina ética no governo, não percebeu o lixo no Turismo porque não quis. Na Agricultura e nos Transportes, a presidente pegou firme na vassoura. Mesmo quem não votou nela apoiou. Enfim, alguém começava a espanar os sujismundos em Brasília. Mas, no Turismo apadrinhado por Sarney, a diarista foi surpreendida pela limpeza promovida por 200 homens da Polícia Federal.
Só o PMDB apostava um centavo na lisura de um ministério comandado por Pedro Novais, conterrâneo do presidente vitalício do Senado, José Sarney. Para refrescar a memória, Novais, antes de assumir o Turismo, foi reembolsado pela Câmara por uma festa com 15 casais no Motel Caribe, de São Luís. Octogenário como seu mestre, casado, Novais culpou os assessores pelo “erro”. Assumiu um ministério que planejava investir R$ 257 milhões e treinar 230 mil pessoas para receber turistas na Copa do Mundo em 2014.
Isso não significa que o maranhense esteja implicado no novo escândalo – embora tenha pensado em pedir demissão. Os convênios fraudulentos para treinar agentes de turismo no Amapá e no Paraná foram assinados em 2009, quando o PT e a turma da senadora Marta Suplicy estavam no comando.
Pense bem: turismo milionário no Amapá? O Estado que em 2006 elegeu Sarney senador recebeu, no ano passado, 459 turistas estrangeiros. A maior atração é a pororoca.
Agora, a pororoca foi transferida para Brasília. Denúncias em cascata dão um ar de novela. “Insensata Corrupção” é acompanhada diariamente pelo povo. Gravações mostram empresários se tratando de “bicho” e “animal”, no capítulo dedicado ao Amapá. O ministro dos Transportes demitido por Dilma diz: “Eu não sou lixo”. Esperamos que não seja reciclável.
O roteiro da novela é confuso porque surgem mais figurantes, siglas e partidos políticos.O dinheiro desviado costuma ser estratosférico, uma grana que 99% dos brasileiros jamais verão na vida. Computadores são confiscados, sigilos são quebrados, mas os maiores amigos do poder são poupados. As maldades dos vilões chocam até a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB): “As acusações geram perplexidade, insegurança e indignação”. Os bispos alertam: “Sacrificar os bens devidos a todos é um crime que clama aos céus por lesar sobretudo os pobres”. Nem ateus discordariam.
Dilma ficou chocada não com a corrupção no Turismo – mas com as algemas usadas pela PF
Dilma e seu vice-presidente, Michel Temer, também estão “chocados”. Mas não com as ONGs de fachada, as notas fiscais falsas e a conivência de servidores num ministério que deveria servir de exemplo em véspera de Olimpíada e Copa. Estão indignados com as algemas usadas pelos policiais federais.“Pegou mal”, disse Temer.“Um acinte”, disse Dilma. “Uma operação atabalhoada”, afirmou o Planalto. O presidente da Federação dos Policiais Federais,Marcos Wink, defendeu algemas para todos: “Devem ser usadas no secretário do ministério, assim como no Joãozinho da Silva lá na favela”.
No centro da pororoca, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, fazia cara de paisagem. Garantiu desconhecer a operação que prendeu 36 pessoas no Turismo por desvio de verba. Nossa presidente não gostou. Pretende manter o controle de sua faxina seletiva e não deixar degringolar os próximos capítulos. A roteirista é ela.
Cara Dilma, começou, tem de ir até o fim. Não dá para limpar só os quartos e a cozinha. Procure os cantos das salas de estar e jantar. Retire dos armários os cabides de empregos, onde estão pendurados afilhados políticos e parentes de caciques do PMDB e do PT. Filhos, ex-mulheres, sobrinhos. Contratados sem concurso. Assuste os fantasmas, porque a opinião pública vai apoiar. Mesmo que a senhora não concorde que Ideli é “fraquinha”, desautorize- a a falar bobagens. É risível ouvir de sua comadre que a operação da PF foi “armação da imprensa”.
Não se deixe intimidar pela tal “base” rebelada.A democracia não será aperfeiçoada se seu governo liberar R$ 1 bilhão em emendas para esse bando concordar em votar o que interessa à nação. Há algo mais ridículo do que congressistas de braços cruzados, ameaçando uma “greve branca” contra a faxina? Com amigos assim, uma diarista não precisa de inimigos.

NO FRIGIR DOS OVOS. O que é?

No Frigir dos Ovos?
(Guaraci Neves)

Pergunta:

Alguém sabe me explicar, num português claro e direto,sem figuras de linguagem, o que quer dizer a expressão:“No frigir dos ovos”?

Resposta:

Quando comecei, pensava que escrever sobre comida, seria sopa no mel, mamão com açúcar.
Só que depois de um certo tempo dá crepe, você percebe que comeu gato por lebre e acaba ficando com uma batata quente nas mãos.
Como rapadura é doce mas não é mole, nem sempre você tem idéias e pra descascar esse abacaximetendo a mão na massa.
E não adianta chorar as pitangas ou, simplesmente, mandar tudo às favas.
Já que é pelo estômago que se conquista o leitor, o negócio é ir comendo o mingau pelas beiradas, cozinhando em banho-maria, porque é de grão em grão que a galinha enche o papo.
Contudo é preciso tomar cuidado para não azedar, passar do ponto, encher linguiça demais.
Além disso, deve-se ter consciência de que é necessário comer o pão que o diabo amassou para vender o seu peixe.
Afinal não se faz uma boa omelete sem antes quebrar os ovos.
Há quem pense que escrever é como tirar doce da boca de criança e vai com muita sede ao pote.
Mas como o apressado come cru, essa gente acaba falando muita abobrinha, são escritores de meia tigela, trocam alhos por bugalhos e confundem Carolina de Sá Leitão com caçarolinha de assar leitão.
Há também aqueles que são arroz de festa, com a faca e o queijo nas mãos, eles se perdem em devaneios (piram na batatinha, viajam na maionese… etc.).

Achando que beleza não põe mesa, pisam no tomate, enfiam o pé na jaca, e no fim quem paga o pato é o leitor que sai com cara de quem comeu e não gostou.
O importante é não cuspir no prato em que se come, pois quem lê não é tudo farinha do mesmo saco.
Diversificar é a melhor receita para engrossar o caldo e oferecer um texto de se comer com os olhos, literalmente.
Por outro lado se você tiver os olhos maiores que a barriga o negócio desanda e vira um verdadeiro angu de caroço.
Aí, não adianta chorar sobre o leite derramado porque ninguém vai colocar uma azeitona na sua empadinha, não.
O pepino é só seu, e o máximo que você vai ganhar é uma banana, afinal pimenta nos olhos dos outros é refresco
A carne é fraca, eu sei.
Às vezes dá vontade de largar tudo e ir plantar batatas.
Mas quem não arrisca não petisca, e depois quando se junta a fome com a vontade de comer as coisas mudam da água pro vinho.
Se embananar, de vez em quando, é normal, o importante é não desistir mesmo quando o caldo entornar.
Puxe a brasa pra sua sardinha, que no frigir dos ovos a conversa chega na cozinha e fica de se comer rezando.
Daí, com água na boca, é só saborear, porque o que não mata engorda..
Entendeu agora o que significa “no frigir dos ovos”?
***

O maestro Walter Sales e a Banda Dom Ferrão em 1943

O maestro Walter Sales era o regente da Banda Dom Ferrão em 1943. Nesse dia eles fizeram esta foto com o fotógrafo Paulino Araújo em frente ao Grupo Zoroastro de Oliveira, momentos antes das comemorações cívicas de 7 de Setembro de 1943.

Campanha Sedia curso da Gravena

 O professor Sérgio Roberto falou para durante toda a manhã do dia 2 de Agosto aos agricultores de Campanha e região. A tarde, todos foram para a Fazenda Limoeiro do senhor Marcelo Fonseca para ver os resultados na prática.
O agrônomo Miguel e o professor Sérgio Roberto momentos antes de começar a apresentação, na Câmara Municipal da Campanha.
Campanha Sedia curso da Gravena com apoio da Prefeitura e Câmara Municipal,GUILHERME DO ADUBO, CITRUS CAMARGO, APROVAR, TERRA NOVA,XUP COMÉRCIO E EMBALAGENS DE FRUTAS E GRAVENA LTDA.

Nos últimos dias 2 e 3 de Agosto, ocorreu na cidade de Campanha um curso na área de agronomia, idealizado pelo engenheiro agrônomo Miguel Pereira, com participação do Agrônomo Sérgio Roberto que foi o palestrante e ministrou o curso em seus dois dias.
Entrevistados: Miguel e Sérgio Roberto
Entrevista à: Daniel de Paiva – Arkangellus
Data: 02 de Agosto de 2011
O idealizador deste evento é o jovem Miguel Pereira, engenheiro agrônomo, recém formado pela Unifenas, que está começando suas atividades profissionais como estagiário da GRAVENA de Jaboticabal
AGC: Pois bem, qual é o intuito inicial desta palestra?
Miguel: O intuito inicial desta palestra é: Trazer o controle mais eficiente do greening, que é uma doença que esta aqui no Brasil desde 2004, que é transmitido por um inseto vetor que é o psilídeo, e é causada por uma bactéria. Como ela esta detonando muitos pomares na região de São Paulo, nós estamos querendo trazer uma forma mais eficiente de combate e para a região nossa, para os produtores trabalharem com mais abundância, pulverização na hora certa, intercalação de produtos, etc. Este é o intuito inicial deste curso.
AGC: Quem será o pelestrista que você convidou?
Sérgio: O professor agrônomo Sérgio Roberto.
AGC: O senhor já está acostumado a dar palestras deste nível. [sim] Você pode reparar alguma diferença entre a nossa região, aqui, e a região de São Paulo? Pelo que percebi no decorrer da palestra você trabalha mais na região de São Paulo.
Sérgio: Sim. Na verdade como estamos iniciando o curso hoje, ainda não conseguimos relatar esta diferença ainda, até porque nós só iremos a campo na parte da tarde. Então o público, por enquanto só esta como ouvinte. Mas a tarde, a gente vai poder detectar alguma diferença a nível de campo. Mas a princípio eu não teria esta resposta.
AGC: Durante a palestra você citou que o governo patrocinou algumas pesquisas. Ainda hoje existe apoio do governo para criação e desenvolvimento de pesquisas?
Sérgio: Sim, continua tendo incentivo às pesquisas sim.
AGC: Em relação a essas novas pragas, que têm atingido os pomares e plantações em geral, os níveis de controle têm sido mantidos mais com agrotóxicos ou agente biológico (inimigos naturais)?
Sérgio: Na verdade a ideia do curso, como o Miguel mesmo disse, é um controle mais eficaz da praga, não obrigatoriamente o controle químico, mas fazer com que o produtor saiba, também, reconhecer no campo esses agentes de controle biológicos. Daí, a partir do momento que ele tiver o levantamento da população no campo ele vai poder optar pelo controle químico ou deixar por conta do controle biológico. Então pra isso a gente tem que ir a campo,  fazer um levantamento da população para saber se é ou não necessário o controle.
AGC: Algumas pessoas tendem a usar abusivamente produtos químicos, para estas pessoas existe alguma forma de sanção prevista?
Sérgio: Na verdade não. O produtor tem que ter a iniciativa de se preocupar com o meio ambiente em que ele vive e com a qualidade do alimento que ele esta produzindo, é um ponto de partida. Algumas redes de supermercado, hoje, já estão com processos de rastreabilidade. O produtor quando entrega a fruta, esta fruta é analisada para se saber o grau de resíduos nesta fruta. E se não estiver dentro do grau permitido, ele pode perder o espaço de venda que ele tem naquele supermercado, e sendo punido desta forma um concorrente daquele produtor pode ocupar esse nicho mercado.
AGC: Então a punição é a própria perda de mercado.
Sérgio: A própria perda de mercado, isso mesmo.
AGC: Dentre os desequilíbrios ambientais, que eu observei durante a palestra, no combate a uma praga podem surgir outras no lugar. Mas tirando isso, é possível que algum desequilíbrio afete o ser humano diretamente como por exemplo a contaminação de mananciais? Ou isso não é possível?
Sérgio: Nós não consideramos isso como um desequilíbrio biológico, isso é mais um desequilíbrio ambiental. Não tenha dúvida que o defensivo, queira ou não queira, tem um impacto negativo sobre a praga e sobre o ser humano. Só que se ele for utilizado dentro dos critérios, como diz a legislação, o aplicador utilize o EPI, a aplicador utilize equipamentos protegendo a saúde dele e o produtor só utilize estes produtos quando se fizer necessário, isto é, quando a praga esta no nível que exija o controle, ele vai pulverizar menos o ambiente, menos as planta e consequentemente vai estar contaminando menos o ambiente.
AGC: Então esta é a principal preocupação de um inspetor de pragas?
Sérgio: É. O inspetor vai no campo, faz um levantamento e o gerente da fazenda, o dono ou o consultor, vai poder analisar melhor o nível da praga e saber se faz o necessário, ou não, para o controle. Com base nisso ele vai pulverizar menos, poluir menos o ambiente, produzir alimentos mais saudáveis, economizar água, preservar a saúde do aplicador e uma série de outros detalhes.
AGC: Uma pergunta básica. Aqui em Campanha, a nossa região, o site “A grande Campanha” e as empresas que eu estou aqui representando, como o Foto Fênix e a Arkangellus e muitas outras que patrocinam este projeto, são muito preocupados com a questão da educação. Você acredita que o nível de educação, por exemplo: a pessoa se preocupar em estudar e aprender coisas novas. Pode interferir diretamente no potencial do produtor ou não é tão relevante?
Sérgio: Em tese sim, porque o produtor com um nível maior de escolaridade teria mais acesso às informações, ele estaria mais preocupado com as novidades. Já um produtor que tenha mais restrições a isso, não teve uma escola que o formou para isso. Muitas vezes ele faz o que é o tradicional, o que ele traz de família, o que ele sabe que dá certo. Então ele é um pouco resistente à novas tecnologias. Por isso não tenha dúvida que o produtor que tenha filhos que já são formados certamente eles terão acesso a mais tecnologias [tem um diferencial], podem se adequar mais a este novo sistema, já os mais tradicionais vão continuar a fazer nos sistemas que eles sabem que vai dar certo.
AGC: Em relação às tecnologias que você citou durante a palestra, Estas novas tecnologias podem trazer algum “prejuízo”, por exemplo: Um trabalho que antes precisavam de 3, 4 ou mais pessoas agora pode ser realizado por apenas uma. Investir em novas tecnologias poderia trazer desemprego? Ou por acaso o investimento em novas tecnologias só tem previsões benéficas?
Sérgio: Geralmente os investimentos são para trazer benefício. Ao mesmo tempo que você pode observar na agricultura um aumento da mecanização, algumas atividades que antes eram feitas manualmente hoje já são mecanizadas. Por outro lado, você vê que o acesso de pessoas à faculdades tem aumentado, então são pessoas que não necessariamente fariam este tipo de atividade em campo, então é um próprio ajuste do mercado. Por isso como a mão de obra esta se especializando mais em trabalhos mais minuciosos, não necessariamente na agricultura. Então a gente teve que adequar a parte da agricultura para suprir esta falta de mão de obra.
AGC: A respeito da nossa região você já poderia adiantar alguma coisa ou só mesmo depois da pesquisa de campo?
Sérgio: É melhor agente aguardar a pesquisa de campo, porque faz muitos anos que eu não venho a Campanha, então eu não sei dizer como esta em campo hoje. Qualquer adiantamento agora poderia estar incorreto.
AGC: Este curso vai terminar aqui ou ele se estende por mais algum tempo, alguns dias?
Sérgio: Têm duração de dois dias. E a nossa ideia agora na parte da tarde, um período da tarde, não integral, é ir a campo para reconhecer estes insetos, os ácaros que nós estamos abordando aqui. E orientar melhor o produtor lá no campo.
AGC: Como técnico, uma pessoa já formada, o intuito do senhor aqui hoje, é que cada pessoa já saia sabendo reconhecer cada um destes problemas?
Sérgio: Não necessariamente. O conteúdo do curso, por ser um curso de manejador, já parte do pressuposto que aqui é mais uma orientação, é o dia-a-dia que o produtor vai ter no campo e vai sanando as dúvidas. Então aqui é mais um esclarecimento, uma orientação, do que seria o melhor para ele estar vindo a fazer. Agora é só no dia-a-dia que ele vai aprender a reconhecer as pragas. Não é em apenas dois dias que ele vai aprender, mesmo porque não sabemos se na aula prática vamos nos deparar com todas estas pragas e insetos. Que estamos abordando aqui. Então quanto à parte prática devemos aguardar um pouco mais para poder dizer.
AGC: Só para finalizar. Vocês gostariam de divulgar algum endereço para estarmos colocando no site e no blog?
Miguel: Tem o da Gravena.