Páginas

sexta-feira, 23 de junho de 2017

A ARTE DO TEATRO DE VOLTA À CAMPANHA.


ALUNOS DO CURSO DE PROCESSOS GERENCIAIS DA UEMG - UNIDADE DE CAMPANHA, APRESENTAM ESPETÁCULO TEATRAL
                         Tem um velho ditado que diz: "A viola é na mão do violeiro."
                         Embora já tenha passado, faço questão de registrar aqui o excelente trabalho do Professor de Artes Cênicas Klaas Kleber que para a nossa felicidade está residindo aqui em Campanha.
                         Em apenas 12 ensaios com um grupo de alunos da UEMG/CAMPANHA, ele conseguiu fazer com que aqueles alunos desempenhassem com grande desenvoltura os seus talentos artísticos.
                         Logo que eles entraram em cena, já levei um agradável choque imaginando que fossem atores de outros lugares. Qual não foi a minha surpresa, quando aos poucos comecei a reconhece-los. A expressão facial, a maneira como eles incorporaram seus personagens, foi algo que me impressionou muito.
                        Temos tudo para fazer voltar esta grande arte da representação artística, que Campanha sempre teve. E agora com um diretor talentoso como Klaas Kleber temos que aproveitar esta grande chance.
           ATUAÇÃO: Diogo Lemes, Flávio Maia, Jean Carlos, Maria Beijaflô, Rejane Cardoso, Roberto Dias, Vitória Cavalcante e Victor Cesarino.
             CORO: Ana Paula, Breno Barbosa, Carol Germano, Chaiane Silva, Daiana Borges, Gabriel Felpa, Hércoles de Lima, João Paulo, José Godói, Gabriela Ribeiro, Pamela Ramos, Patrícia Brasil, Wanda Moreira, Geusilene Débora.
                  MÚSICA: Eduardo Carvalho (Acordeon); Klaas Kleber (Violão); Rafael Carvalho, Natielli Silva e Pedro Borges (Percussão).

ESTREPOLIAS POR VINTÉNS, de caráter popular e com elementos circenses, conta as peripécias de Pedro Malazarte. O personagem, caracterizado pela sua esperteza e criatividade, é uma espécie de anti-herói dos contos tradicionais. Trata-se de um malandro, pobre e ardiloso, que vive de pequenas enganações. Na década de 60 o personagem foi protagonizado por Amácio Mazzaropi, no seu filme “As aventuras de Pedro Malasartes”.

            A DIREÇÃO do espetáculo ficou a cargo do Prof. de Artes Cênicas Klaas Kleber – ator, encenador e doutor em Estudos Culturais pela Universidade de Aveiro/Portugal.

            FIGURINOS E MAQUIAGEM: Os figurinos e maquiagem foram concebidos pelo próprio diretor. Os figurinos foram ornamentados com fitas, rendas, fuxicos e flores, ganhando a representação figurada das manifestações populares, como a congada e a folia dos santos reis, que trazem no seu bojo uma grande riqueza visual e estética. Já a maquiagem, esta ganhou um caráter circense.


              FOTOGRAFIAS: Ester Biazzi.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

OS HORTA DE DONA DULCE.

Dona Hilda Horta ao lado de seus netos , filhos de dona Dulce Horta. A bebê é a Lúcia que nesta semana já está casando um filho.

A UEMG/CAMPANHA NA CASA DE MARIA MARTINS.

Neste local, no ano de 1894 nasceu MARIA MARTINS que veio a ser uma das maiores artistas brasileira. Há quem a considere até hoje, como a maior escultora surrealista do mundo.
Hoje neste local está a secretaria da UEMG/CAMPANHA.

COMO TOLERAR E COMPREENDER OS PARENTES DIFÍCEIS?

Como TOLERAR e COMPREENDER os PARENTES DIFÍCEIS ? Psicografia de CHICO XAVIER !

André Luiz nos ensina, na obra Sinal Verde (psicografia de Chico Xavier, editora CEC – Comunhão Espírita Cristã), que tolerar e buscar compreender os parentes difíceis é uma obrigação da qual não devemos nos escusar, pois “as leis de Deus não nos enlaçam uns com os outros sem causa justa”. Na mensagem que se segue, repleta de valiosas lições, muitos de nós poderão encontrar as respostas para angústias e dificuldades de convivência, reanimando-se para trabalhar pela harmonia no lar:

“Aceite os parentes difíceis na base da generosidade e da compreensão, na certeza de as leis de Deus não nos enlaçam uns com os outros sem causa justa.
O parente problema é sempre um teste com que se nos examina a evolução espiritual.
Muitas vezes a criatura complicada que se nos agrega à família, traz consigo as marcas de sofrimentos ou deficiências que lhe foram impostas por nós mesmos em passadas reencarnações.
Não exija dos familiares diferentes de você um comportamento igual ao seu, porquanto cada um de nós se caracteriza pelas vantagens ou prejuízos que acumulamos na própria alma.
Não tente se descartar dos parentes difíceis com internações desnecessárias em casas de repouso, à custa de dinheiro, porque a desvinculação real virá nos processos da natureza, quando você houver alcançado a quitação dos próprios débitos ante a Vida Maior.
Nas provações e conflitos do lar terrestre, quase sempre, estamos pagando pelo sistema de prestações, certas dívidas contraídas por atacado.”

André Luiz
Psicografia de Chico Xavier

FIM DE SEMANA ANIMADO EM CAMPANHA.

A UEMG em parceria com a Secretaria de Cultura municipal convidam para:




segunda-feira, 19 de junho de 2017

SONHOS E RECORDAÇÕES DE VIDAS PASSADAS.

SONHOS E RECORDAÇÕES DE VIDAS PASSADAS.

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Antes de falar da regressão propriamente dita, vamos co­meçar falando da recordação a vidas passadas de uma forma mais genérica, aprofundando em suas várias facetas. É bem sabido que a recordação a vidas passadas não ocorre apenas durante as sessões regressivas em estados alterados de consciência. A recordação de vidas passa­das é um fenômeno universal e sempre esteve presente em muitas culturas e épocas distintas.

Há uma série bem numerosa de situações e condições nas quais uma pessoa pode ter acesso ao seu arquivo multimilenar. Um dos pesquisadores que estudou as várias facetas das recordações de vidas passadas foi o pesquisador espírita brasileiro Hernani Guimarães Andrade. Hernani era um investigador nato, e mergulhou com eficácia casos de crianças que eram sugestivos de reencarnação. Foi o coordenador da tradução da obra “Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação” de Ian Stevenson para língua portuguesa. Sua vasta obra abraça muitos temas, como reencarnação, fenômenos paranormais e mediúnicos, morte, obsessão espiritual, perispírito, a transcomunicação instrumental, dentre outros. Os tópicos abaixo estão inspirados na classificação que ele elaborou sobre as diversas formas de recordação de vidas passadas. Vamos então descrever resumidamente as principais formas em que essa recordação pode acontecer:
As recordações de vidas passadas se dividem em duas categorias gerais:

Recordação em crianças e recordação em adultos.
1) Recordação em crianças
Esse tipo de recordação é muito comum, e assim como outros tipos de recordação, ela é frequentemente confundida com a fantasia infantil. A recordação em crianças será comentada com mais detalhes no último capítulo deste livro. Para tanto, o leitor pode se reportar ao capítulo XXVI desta obra.
2) Recordação em adultos
As recordações em adultos compreendem toda a gama de experiências que são descritas nas linhas que seguem. Sua fenomenologia é numerosa, abrangente, universal e diversificada. Ela ocorre sob múltiplas formas, condições e contextos diferenciados.

Recordações iniciadas na infância e que persistiram até a fase adulta
Algumas recordações de vidas passadas que se iniciaram na infância podem persistir, total ou parcialmente, com o passar dos anos. Algumas pessoas que tiveram essas lembranças em tenra idade podem, em alguns casos, manter essa memória até a fase adulta. Embora casos como esse sejam mais raros, há indivíduos cuja memória das vidas passadas se prolonga até a fase adulta. Mas na maioria das vezes, crianças com essas reminiscências acabam passando dos sete anos de idade e esquecem completamente de sua vida passada. Logo que a criança começa a falar, aos 2 anos de idade, ela pode já começar a falar de sua vida passada. A maior porcentagem destes relatos ocorre entre a idade de 2 a 4 anos. Na maioria dos casos, as crianças lembram sua última vida, e alguns parentes e pessoas próximas podem fazer parte dessas lembranças.

Recordação pelos Sonhos
A recordação pelos sonhos é uma das formas mais comuns de lembranças de vidas passadas. Falaremos com mais detalhes a esse respeito no tópico sobre os sonhos, neste mesmo Tratado, mas podemos adiantar o básico para o leitor já ter uma visão geral do tema. Na maioria das vezes, um sonho revela uma memória de vidas passadas quando:

Evocam forte conteúdo emocional.
Seguem uma sequência lógica e coerente de acontecimen­tos.
Na maioria das vezes, repetem-se com freqüência e sem­pre possuem o mesmo início, meio e fim, sem que tenha­mos poder de modificar sua trama.
São dotados de muito realismo, como se estivéssemos revi­vendo algo que de fato ocorreu.
Identificamos pessoas do sonho (que se apresentam com outra aparência) com pessoas de nossa convivência atual.
Apresenta alguns elementos antigos, como roupas de época, cenários, residências, objetos, tudo aparentando ser tal como era em épocas pretéritas.
Os sonhos com vidas passadas são mais comuns do que a maioria das pessoas pensa. Pelas nossas pesquisas, podemos dizer que a maior parte da população mundial já teve, em algum momento de sua vida, um sonho de vidas passadas. Porém, a maioria encara essa experiência como apenas uma fantasia, um devaneio, um conglomerado de reminiscências atuais que são organizadas por fatores ocultos do nosso inconsciente. Se cada pessoa prestasse mais atenção em seus sonhos, seria possível descobrir alguns dos nossos mistérios íntimos. A observação sistemática dos sonhos deveria ser um pré-requisito para todos aqueles interessados em seu autoconhecimento.
Vejamos um exemplo de caso de sonho sugestivo de vidas passadas de uma pessoa que me procurou recentemente: “Sou psicoterapeuta, com formação bem ortodoxa. No entanto, tenho sonhos claros e recorrentes, onde tenho uma linda esposa, numa casa num bosque ao lado de uma montanha onde existe um túnel de onde sai sempre um trem. Sempre que tenho esses sonhos, acordo extremamente feliz, uma felicidade imensa, mas com muita saudade da mulher do sonho. Não considero essas lembranças como causas de problemas que posso ter, mas sim um momento único de vivenciar a felicidade suprema. O local é super claro pra mim, a casa, a mobília, tudo.”

Recordações por visões sem causa aparente
Algumas recordações de vidas passadas vêm à tona por motivos desconhecidos. Aparentemente não há qualquer fator desencadeante que tenha dado origem a súbita emergência de visões e sensações. Dizemos “aparentemente”, pois é possível que haja algum fato ativador desconhecido atuando e trazendo à consciência um conteúdo originário de um passado remoto. De qualquer forma, alguns casos de lembranças parecem surgir sem causa definida, algumas vezes após um relaxamento profundo, um devaneio, ou quando a pessoa está “sonhando acordada” e mergulhada em seu universo interior. Por vezes, a total ausência do foco de nossa mente, quando tudo parece fluir com perfeição e estamos libertos de preocupações dos afazeres diários parecem abrir caminho para nítidas lembranças do passado.

(HUGO LAPA) é psicólogo, terapeuta de vidas passadas, hipnoterapeuta, ufólogo e escritor.
Atendimento com Terapia de Vidas Passadas em todo o Brasil.
http://hugolapa.wordpress.com/

ANALISANDO OS CLUBES DE LIVROS NAS ESCOLAS.

Feira do Livro de Ribeirão analisa clubes de livro nas escolas

Divulgação

Promovido pela Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto em parceria com o Centro Universitário Barão de Mauá, o projeto Clube do Livro nas Escolas teve seu encerramento durante o primeiro dia da 17ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. A atividade reuniu os professores que conduziram o projeto para compartilhar as experiências vivenciadas nos encontros e avaliar como a iniciativa impactou na vida dos alunos envolvidos.

Os professores relataram a forma adotada para o trabalho com os diferentes textos e apresentaram os tipos de discussões que surgiram a partir das reflexões dos próprios alunos. "Todos os textos trabalhados eram leves, divertidos e traziam assuntos que se relacionavam com o universo dos estudantes", contou um dos participantes.

Os educadores também contaram que o comportamento dos alunos foi mudando ao longo dos encontros, o que na visão deles, gerou mais interesse e interação dos participantes. "Percebemos que eles amadureceram ao longo do projeto, despertando o interesse pela leitura e pela escrita e até passaram a compartilhar o aprendizado com outros alunos", disse outro professor. Além de trabalhar as reflexões derivadas dos textos, os professores também centraram-se nas questões literárias, discutindo as estruturas dos textos e os diferentes estilos literários. O encontro contou a presença de professores de diferentes cidades da região de Ribeirão Preto que participaram fazendo perguntas e compartilharam também suas próprias vivências.

O projeto Clube do Livro nas Escolas promoveu encontros quinzenais entre professores e alunos do Centro Universitário Barão de Mauá com estudantes do Ensino Médio de escolas públicas. As atividades estabeleceram uma espécie de diálogo entre professor e aluno, partindo não apenas da leitura, mas também de dramatizações e exibições de vídeos e músicas.

O projeto

Os encontros do Clube do Livro nas Escolas – para a rede pública de ensino de Ribeirão Preto - aconteceram desde o início de março. Participaram inicialmente as escolas Cid de Oliveira Leite, Thomaz Alberto Whately, Alcides Correa e Professor Sebastião Fernandes Palma. O projeto foi promovido pelo Núcleo de Formação do Plano Anual da Fundação do Livro e Leitura e conta com incentivo à cultura por meio do Programa de Ação Cultural - ProAC.

A parceria entre a Fundação do Livro e Leitura e o Centro Universitário Barão de Mauá surgiu a partir da iniciativa da Fundação, que procurou a instituição de ensino para que pudesse estabelecer um vínculo com as escolas da rede estadual de ensino.

A iniciativa foi criada com o objetivo de estimular a leitura e passear por narrativas de diversos autores e estilos literários. A presidente da Fundação do Livro e Leitura, Adriana Silva destaca que este “é mais um projeto com a intenção de levar diferentes propostas de leitura para as escolas e formar novos leitores”, destaca.

Para o professor André Alselmi, coordenador do curso de Letras do Barão de Mauá, iniciativas como essa podem ser alternativas para o desafio de despertar o interesse dos alunos pela literatura. “Para aproximar os alunos do universo da escrita é fundamental a escolha de textos acessíveis, que dialoguem diretamente com sua realidade, que permitam um envolvimento afetivo e, também, uma reflexão sobre seu universo”, explica.

17ª Feira Nacional do Livro
Realizada pela Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão, a 17ª Feira Nacional do Livro acontece de 4 a 11 de junho, com abertura em 3 de junho, em Ribeirão Preto. Durante oito dias, mais de 130 autores vão desfilar por 13 espaços simultâneos da feira. Reconhecida como um dos principais eventos nacionais de literatura, o tema deste ano é "Do conhecimento que liberta ao amor que educa - o livro na escola" com expectativa de atrair mais de 200 mil participantes durante os oito dias de evento e ser palco para um amplo debate sobre o papel do livro na educação. Neste ano, a feira promete muitas novidades em ampla programação, possibilitada pela força conjunta das grandes parcerias como com o Sesc, Sesi, Senac, Universidades, Diretoria de Ensino e entidades locais, além do apoio de empresas e organizações e da valorização cultural, o que consagra a grandiosidade do evento.